de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 07 Abril , 2008, 18:19
Clicar na foto para ver melhor

De 2 de Maio a 10 de Junho, às sextas-feiras, vai ter lugar, no ISCRA (Instituto Superior de Ciências Religiosas de Aveiro), um curso sobre Marketing, numa perspectiva de evan-gelização e do progresso da missão da Igreja Católica.
Para mais informações, contactar o ISCRA.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 07 Abril , 2008, 16:08
As escolas são o que somos?

1. Não há redomas de vidro. O que somos no “sentir” revela-se na vida em sociedade. O que somos em casa acaba por se manifestar na estrada, nos jardins, na escola. Por vezes, nas alturas em que determinados “casos” saltam para a luz do dia, muitas reflexões centram-se mais na preocupação da atribuição de uma “culpa” para outrem do que da co-responsabilidade social de todos nos problemas comuns. Estabelecem-se, fragmentadamente, compartimentos estanques; dividem-se áreas até ao limite; tecnicizam-se as relações humanas (ou a sua desordenança violenta) no detectar das causas dos factos perturbadores. Nesse caminho de procura de respostas aos “porquês”, muitas vezes, não há tempo ou não se dá a justa importância ao essencial da “humanidade” das pessoas. Prefere-se a técnica. Mas sem o alicerce humano a construção vai-se “utilitarizando” na superfície...
2. O que de inquietante “perturba” (ou melhor interpela e desafia) a escola contemporânea brota da comunidade social. A escola, “simplesmente”, é tempo e lugar de lançar a semente, na expectativa de que o terreno queira dar frutos. A escola vive no “meio”, entre (pelo menos) dois meios: quer queira quer não, sente as complexidades do e no “meio” social em que está inserida, e, simultaneamente, está na fronteira de todas as expectativas (hoje maiores que nunca), vive no “meio” da (trans)formação das gerações... Quando alguém entra na escola, leve a sociedade em que vive, mas, com os conhecimentos adquiridos, recebe a nobre responsabilidade de aperfeiçoar a mesma comunidade social. Talvez este seja mais um esquema pré-formatado que a nova complexidade socioeducativa rapidamente desmonta e desinstala...
3. Há muito a aprender de tudo aquilo que na sociedade vai conseguindo motivar as mais novas gerações. É imperioso tirar partido do que pode estabelecer ponte comunicativa e viver esse caminho da aprendizagem permanente. Como fazê-lo? No tempo das mobilidades…cristalizar, parar, será “morrer”, desligar, desconectar. Fronteiras novas e sensíveis, que não podem perder o contacto do essencial, o humano de cada um de nós. Se uma transversalidade inédita de factores entram pela escola dentro surpreendendo-a (por vezes desordenadamente), o eixo de todas as (possíveis) soluções só lhe pode corresponder na expectativa de sua ordem reconfigurada. Não “incluir” será desligar a “ficha” que ofereceria as situadas novas possibilidades. É certo que este é já um caminho de longos séculos, mas que “em” globalização recebe desafios na sua directa proporcionalidade.
4. A escola parece não estar preparada para os “mundos e fundos” que se lhe pedem. Talvez seja reflexo d’“o que somos”. A escola, como a vida, merece que lhe seja dado mais “tempo humano”… formação, mas com sensibilidade. Que o diga António Damásio ao recolocar no “mapa” o “sentimento de si”, do que somos de mais profundo. É esse o “lugar” invisível e supra-técnico privilegiado a moldar pessoal e socialmente. Mas nunca tantos instrumentos existiram em “mãos educandas”. Pormenores decisivos…

Alexandre Cruz


Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 07 Abril , 2008, 15:05




A Colónia Agrícola da Gafanha da Nazaré tem recantos que vale a pena visitar.

Nota: Clicar nas imagens para ampliar

tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 07 Abril , 2008, 11:53
Exposição na antiga Capitania, até 3 de Maio
Muro de retenção marginal, 1934

LOUREIRO, Adolfo, 1836-1911



“A Barra e os Portos da Ria de Aveiro 1808 – 1932,
no Arquivo Histórico da Administração do Porto de Aveiro”

Está patente ao público, na antiga capitania, em Aveiro, até 3 de Maio, uma exposição de cartografia, intitulada “A Barra e os Portos da Ria de Aveiro 1808 – 1932, no Arquivo Histórico da Administração do Porto de Aveiro”.
A historiadora Inês Amorim é a comissária da exposição, a par com o Prof. Doutor João Garcia. Os dois especialistas foram os responsáveis científicos pela equipa que, durante mais de um ano, inventariou parte do espólio do arquivo do Porto de Aveiro, tratando-se a APA da única administração portuária a proceder a este tipo de trabalho.
A propósito desta exposição, o presidente do Conselho de Administração da APA, José Luís Cacho, lembra, no catálogo da exposição, que “O património histórico-documental do Porto de Aveiro deixa, a partir de agora, a clausura que o agrilhoava em inútil penumbra, fomentando-se o seu usufruto público”. E acrescenta que, em breve, “com a webização do nosso Arquivo Histórico-Documental (…), os residentes na sala-mundo poderão desfolhar catálogo com vários milhares de páginas”. Todos ficamos à espera.

FM

NOTA: Ilustrações do catálogo da exposição




Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 07 Abril , 2008, 11:14
Uns dias de temperaturas agradáveis fizeram-nos lembrar logo as praias. O concelho de Ílhavo tem duas - Barra e Costa Nova - que são um desafio à descontracção e à busca de ares puros. Ontem, não faltou quem se sentisse em pleno Verão, fugindo para as praias. E até houve quem mergulhasse nas águas, decerto ainda frias, como desafio à coragem e ao gosto pelos prazeres próprios da época estival.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 07 Abril , 2008, 10:44
À direita, jovem em terra de missão


OS QUE TUDO DEIXARAM PARA SE DAREM AOS OUTROS

Está a decorrer, até ao próximo domingo, dia 13, a Semana de Oração pelas Vocações. Nesse dia, no encerramento da Semana, teremos a Jornada Mundial da Oração pelas Vocações. Normalmente, associamos à palavra vocações as vocações de consagração religiosa. Mas há outras vocações que também merecem que por elas se reze, o que certamente fazemos no dia-a-dia ou em dias assinalados. Quem há por aí quem não reze, por exemplo, pela sua Mãe, que tão amorosamente viveu a sua vocação maternal?
Voltando então às vocações de consagração, aquelas que são, no fundo, as vocações de entrega total à Igreja e ao mundo, em nome da Boa Nova de Jesus Cristo, ocorre-me dizer que nem sempre olhamos para os consagrados, que se cruzam connosco nos caminhos da vida, com a atenção e o carinho que eles merecem. Já repararam, os meus amigos, que esses homens e mulheres, mais jovens ou menos jovens, tudo deixaram para se darem aos outros?
:
Propostas de leitura para esta Semana de Oração pelas Vocações:
Mensagem do Papa Bento XVI
Mensagem de D. António Francisco dos Santos, Bispo de Aveiro e Presidente da Comissão Episcopal Vocações e Ministérios
tags:

mais sobre mim
Abril 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9



30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds