de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 05 Abril , 2008, 20:42

Painel Cerâmico de Zé Augusto enriquece Meia-Laranja

Um painel cerâmico, da autoria do artista aveirense Zé Augusto, enriqueceu as celebrações do Bicentenário da Abertura da Barra. Sinal de bom gosto, é verdade, mas também de valorização do nosso património cultural. A arte, quando exposta aos olhos de quem passa, projecta sempre um valor acrescentado. O molhe da Meia-Laranja, como é conhecido o molhe Central, não passa agora despercebido a quem vai dar uma olhada ao mar. O trabalho de Zé Augusto, que traduz uma sensibilidade muito grande e que é bem conhecida, ali ficará a assinalar, de forma indelével, as comemorações do Bicentenário da Abertura da Barra.
NOTA: Foto oferecida pelo Portal do Porto de Aveiro

Editado por Fernando Martins | Sábado, 05 Abril , 2008, 17:21
Conversas à mesa

Luís Quaresma apresenta o livro

Dinis Vizinho trabalha com a sua digital

Recordar é viver...

Hoje foi dia de confraternização. Antigos alunos da EICA (Escola Industrial e Comercial de Aveiro) reuniram-se num almoço-convívio para recordar tempos de juventude vividos em comum, nos bancos da escola, nos recreios, em passeatas pela cidade, no parque, em jogos de futebol e outros, em matraquilhadas no Guilherme. Mas também em encontros de estudo, de conversas sem fim, de namoricos, de brincadeiras e de irreverências próprias da idade e de jovens sem complexos, e penso que sem problemas de maior. Se os havia, e decerto houve, eram murmurados entre amigos mais íntimos.
De ano para ano, vamos sentindo que a vida, seguindo a caminhada inevitável da finitude, nos marca com a ausência de quem apenas pode estar presente na nossa memória. Por isso, foi tocante para todos a recordação dos que partiram, ouvida num minuto de silêncio comovente. No último ano, deixaram, hoje, as cadeiras vazias o Elmano Piedade e o José Carlos Madail.
Cabelos brancos e carecas luzidias, peles enrugadas e barrigas proeminentes, de tudo houve no convívio deste sábado. Mas o que sobressaiu foi, sem dúvida, o prazer do encontro, a alegria do abraço, a gargalhada da história recordada, a certeza de que a amizade, entre gente sã e amiga, é valor a cultivar e a enriquecer, em jeito de quem gosta de atirar à terra as sementes do bem e da fraternidade.
Que importa, nestes casos, a comida, se o fundamental é rever os amigos, cujas fisionomias, apenas, em alguns casos, permanecem na nossa memória, obrigando-nos a perguntar, ciciando, ao vizinho do lado: Quem é aquele do bigode branco? E o da camisola verde? E o que vem no carro preto? E o de óculos escuros? E o de…
Este ano, o Luís Quaresma aventurou-se a publicar um livro – Memórias da EICA e não só… – com notas sobre colegas e de colegas que foi possível contactar. Um esforço que todos compreenderam e aplaudiram. E que vale a pena repetir, para se não perderem outras vivências de tempos que já lá vão, mas que urge tornar presentes. Diz o Luís, no texto de abertura: “Pena que nem todos tenham colaborado, porque eu sei que há montes de cenas engraçadas, prontas a saírem das vossas cabeças, mas por vergonha ou por preguiça, nunca as passaram ao papel. E é pena, porque os nossos filhos e netos, e até alguns amigos mais íntimos a quem fosse dado ler essas cenas, iriam sorrir e compreender a vida de estudantes dos anos 50 do século passado, tempo em que não havia televisões, nem Play Stations ou telemóveis, muito menos automóveis. Alguns felizardos (muito poucos, diga-se de passagem) lá conseguiam ter uma bicicleta.”

Deste meu recanto, onde cultivo gratas e infindáveis memórias, abraço todos os colegas que ao longo da vida comigo se cruzaram e tanto me contagiaram com amizades que não se perdem no tempo.

Fernando Martins




Editado por Fernando Martins | Sábado, 05 Abril , 2008, 11:15
Mário Lino, Ana Paula Vitorino, Ribau Esteves e José Luís Cacho


Na sessão solene comemorativa do Bicentenário da Abertura da Barra, 3 de Abril, reservada a autoridades civis, políticas e religiosas, mais convidados, que teve lugar à sombra do Farol e com mar e barra à vista, o ministro Mário Lino referiu que a Barra de Aveiro é o “espelho do dinamismo regional”. E tendo em conta a sua importância, no contexto regional e nacional, garantiu o “lançamento das obras imprescindíveis para a melhoria das acessibilidades marítimas e essenciais para o aumento da competitividade do porto de Aveiro".
Adiantou que “cerca de um milhão de metros cúbicos de areias, resultante das dragagens, será empregue no reforço do cordão dunar, a Sul, nas praias da Costa Nova e da Vagueira", tendo realçado os investimentos de que o Porto de Aveiro está a ser alvo, nomeadamente a construção de novos terminais, a via de cintura portuária e a ligação ferroviária, "que estava bloqueada há mais de 20 anos".
Por sua vez, Ribau Esteves, presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, em cujo território se situa a área portuária, nas suas mais variadas vertentes, “cantou” um hino à vida com qualidade, que todos almejamos, sem esquecer quantos, ao longo do tempo, deram corpo à abertura da barra e a tornaram um pólo de desenvolvimento local, regional e nacional.
Lembrou, entretanto, que o Porto de Aveiro é o mais completo do País, pois oferece todas as variantes, desde a pesca artesanal e costeira até à longínqua, passando pelos portos comercial e industrial.
Ribau Esteves aproveitou a oportunidade para salientar a importância da Marina da Barra, “que precisa de ser desencalhada”, recado que deixou ao Ministro. Considera esse empreendimento uma mais-valia que a todos beneficiará, enquanto frisou, como fundamental para o progresso da região, uma gestão integrada da Ria de Aveiro.
José Luís Cacho, presidente do Conselho de Administração da APA, enalteceu o trabalho dos funcionários e demais colaboradores do Porto de Aveiro, frisando que todos nos sentimos felizes por continuarmos a ter, no seio da sociedade civil aveirense, “novos Luís Gomes de Carvalho”. São eles, acrescentou, “todos os empresários que, a seu modo, com o seu saber, o seu arrojo e a sua vontade de vencer, vão abrindo novas barras, dragando vontades empreendedoras até cotas arrojadas, rebocando os navios-almirantes da burocracia até aos cais da eficácia”.

FM

Editado por Fernando Martins | Sábado, 05 Abril , 2008, 08:41
Sara Reis da Silva


Neste mês de Abril, em que se assinala o Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor e em que a Câmara Municipal de Ílhavo irá proceder à entrega dos prémios do Concurso Literário Jovem 2008, dedicamos a rubrica da “Nossa Gente” a uma jovem professora e escritora da nossa Terra: Sara Reis da Silva.
Nascida em 1972, na Gafanha da Nazaré, Sara Silva cedo demonstrou especial gosto pelos livros, dedicando grande parte do seu tempo à leitura e à escrita por considerar que “é no convívio continuado com os livros que podemos ser mais abertos ao outro e mais sensíveis ao belo”.
Licenciada em Ensino de Português e Inglês (1995) e Mestre em Estudos Portugueses (1999), pela Universidade de Aveiro, Sara Silva é assistente na Universidade do Minho (Instituto de Estudos da Criança), desenvolvendo a sua docência e a sua investigação na área da literatura infantil e juvenil. É membro da APPLIJ (Associação Portuguesa de Promoção do Livro Infantil e Juvenil – Secção Portuguesa do IBBY (International Board on Books for Young People) – e da ELOS – Associação Galego Portuguesa de Investigação em Literatura Infantil e Juvenil. É investigadora do projecto “Literatura Infantil e Educação para a Literacia” do Centro de Investigação em Literacia e Bem-Estar da Criança (LIBEC – Universidade do Minho) e da Rede Temática Ibérica de Investigação em Literatura Infantil e Juvenil (LIJMI) (Universidade de Santiago de Compostela).
Sara Silva tem dinamizado várias acções de formação, bem como apresentado comunicações e conferências em encontros científicos nacionais e internacionais, assinando igualmente a rubrica literária do jornal O Ilhavense e interpretando literatura portuguesa na Rádio Terra Nova. É colaboradora do suplemento “Das Artes e das Letras” do jornal “O Primeiro de Janeiro”, nomeadamente da secção “O Sonho no Armário”.
Autora dos livros “Dez Réis de Gente… e de Livros: Notas sobre Literatura Infantil” (2005) e “A Identidade Ibérica em Miguel Torga” (2002), Sara Silva colabora na Revista “Malasartes – Cadernos de Literatura para a Infância e Juventude” e é membro do projecto Gulbenkian/Casa da Leitura, estando actualmente a preparar a sua dissertação de doutoramento acerca da Literatura Portuguesa para a Infância, designadamente da obra de Manuel António Pina.
A Câmara Municipal de Ílhavo tem contado com a preciosa colaboração de Sara Silva como membro do júri do Concurso Literário Jovem desde o seu início, realizando, no dia 23 de Abril do corrente ano, a entrega dos prémios da sua 7ª edição.
Fonte: Agenda "Viver em...", da CMI
NOTA: Permitam-me os meus leitores que aproveite esta oportunidade para sublinhar a admiração que tenho pela Sara Reis da Silva, a Sarinha que conheço desde sempre. A Sarinha é um exemplo para tantos jovens e até para adultos que vivem para futilidades e para projectos sem sentido. Desde tenra idade que olhou para os livros como peças fundamentais da sua formação, elevando-os aos lugares cimeiros da investigação e da divulgação. Não é por acaso, pois, que está a preparar-se para o doutoramento em Literatura Portuguesa para a Infância, dela se esperando que dinamize, de forma entusiasta, acções concretas que levem os nossos jovens e crianças a alimentar o gosto pelos livros e pela leitura. Os meus parabéns para a Sarinha, pela distinção merecida que a CMI lhe atribuiu.
FM

Editado por Fernando Martins | Sábado, 05 Abril , 2008, 08:34
"Ai de mim que sou um homem desgraçado,
pois faço o mal que não quero
e deixo de fazer o bem que quero!"
S. Paulo


O Homem tem uma constituição paradoxal. Por vezes, constatamos que fizemos aquilo de que nos espantamos negativamente, erguendo, perplexos, a pergunta: como foi possível eu ter feito isso? - aí, não era eu. Há, pois, o "isso" em nós sem nós, de tal modo que fazemos a experiência do infra ou extra-pessoal em nós. Talvez fosse a isso que São Paulo se referia quando escreveu: "Ai de mim que sou um homem desgraçado, pois faço o mal que não quero e deixo de fazer o bem que quero!"
Por outro lado, damos connosco como sendo mais do que o que somos: ainda não somos o que queremos e havemos de ser. Ainda não sou o que serei. Uma das raízes da pergunta pelo Homem deriva precisamente desta experiência: eu sou eu, portanto, idêntico a mim, mas não completamente idêntico, porque ainda não sou totalmente eu. Então, o que sou?, o que somos?, o que é o Homem?
O Homem não se contenta com o dado. Quer mais, ser mais, numa abertura sem fim. Exprimindo esta abertura ilimitada, há uma série de expressões famosas: citius, altius, fortius (mais rápido, mais alto, mais forte), que é o lema olímpico; o Homem é bestia cupidissima rerum novarum (animal ansiosíssimo por coisas novas), dizia Santo Agostinho; Max Scheler definiu-o como "o eterno Fausto", e Nietzsche, como "o único animal que pode prometer"; Unamuno escreveu: "Mais, mais e cada vez mais; quero ser eu e, sem deixar de sê-lo, ser também os outros." Mesmo na morte, o Homem não está acabado, pois é o animal do transcendimento e sempre inconcluído. Precisamente a inconclusão mostra que a sua temporalidade e o seu ser têm uma estrutura essencialmente aberta.
O Homem não pode não transcender. Mas, como escreveu Leonardo Boff, há o bom e o mau transcender. Exemplos do mau transcender e má transcendência são a droga, o álcool em excesso, a religião enquanto superstição alienante.
A vida é exaltante, mas também é terrível - traz, por vezes, dificuldades e opções que exigem algo de heróico. E há quem não aguenta. E foge-se, alienado, para a droga, por exemplo, e "viaja-se". Mas, quando se regressa da "viagem", os problemas estão lá todos, com uma agravante: há menos força para enfrentá-los e superá-los, na alegria de crescer e transcender. No bom transcender - no amor, na produção, na investigação, na obra de arte, na contemplação da beleza, na generosidade frente à vida, na religião criadora --, o horizonte alarga-se, há mais vida partilhada, humanidade livre, justa e feliz, criação do novo, esperança que toca o Além.
Qual é o termo da força do transcendimento humano? Por outra palavras: qual é o sentido último da existência?
Há quem pense que a vida não tem sentido. O Homem transcende sem Transcendência. É conhecida a imagem apresentada por Sartre: o burro esfomeado que puxa uma carroça com uma cenoura à frente -- desfaz-se numa corrida sem termo e sem sentido, porque nunca a alcança.
Alguns - os agnósticos - dirão que os seres humanos não têm razões suficientes para poderem decidir-se.
Para outros, o Homem e a realidade transcendem, em última análise, para um Transcendente neutro e impessoal: uma sociedade finalmente justa, livre, sem exploração, em plena transparência - pense-se no ideal da sociedade comunista - ou a Natureza, não enquanto naturada, mas naturante, aquela Força originária e criadora que superará todas as contradições. Mas, nesta resposta, fala-se de espiritualidade e transcendência anónima, que não permite a salvação do Homem concreto e pessoal. Os seres humanos acabam por ser reduzidos a momentos da Totalidade impessoal.
Nem os crentes podem demonstrar que Deus existe nem os não crentes que não existe. Deus transcende a razão científica objectivante. Como diz Jean d'Ormesson, os crentes não estão em condições de "garantir que Deus existe, a única possibilidade é esperar que isso aconteça." Mas, precisamente na entrega confiada ao Deus criador, transcendente e pessoal, mostra-se a razoabilidade do acto de crer, porque então tudo alcança mais luz e sentido final.
Anselmo Borges

Editado por Fernando Martins | Sábado, 05 Abril , 2008, 08:11



Participei ontem à noite no espectáculo inaugural do Centro Cultural de Ílhavo, com Dulce Pontes numa actuação em que mostrou “O coração tem três portas”. A cantora e compositora, bem acompanhada por sete músicos, sentiu que em Ílhavo tem muitos admiradores. A sala de espectáculos do Centro Cultural de Ílhavo, inaugurado recentemente, esteve cheio e, tanto quanto sei, foram muitos os que não tiveram lugar no auditório que tem capacidade para 500 pessoas.
Dulce Pontes, que foi legitimamente apresentada como artista de referência nacional e com larga aceitação internacional, mostrou que sabe cativar o público, ora apresentando canções mais elaborados, ora mais populares. Todas elas, diga-se de passagem, com arranjos musicais bem à altura da sua voz, capaz de chegar onde a artista quer, tal é a sua amplitude e potência.
Gostei de voltar a ouvir, com toda a dimensão e sensibilidade que Dulce Pontes soube imprimir-lhes, belas melodias de Zeca Afonso, que, pelo mérito do seu criador, ocupam já um lugar de relevo entre os mais expressivos clássicos da música portuguesa, com nível para chegar fora de portas, se houver artistas, como há, com vontade e ousadia para lhes emprestarem os seus talentos. Dulce Pontes está a fazê-lo, tal como a nossa Jacinta o faz, ou não fosse ela uma cantora de jazz de referência, premiada recentemente ao nível Europeu.

FM
tags:

mais sobre mim
Abril 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9



30


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds