de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 24 Março , 2008, 16:32

Na segunda-feira de Páscoa, o povo da Gafanha sempre a dedicou à Feira de Março. Quando eu era miúdo, os autocarros da Auto Viação Aveirense não paravam, sobretudo depois do almoço. O pessoal não tinha carro, como hoje. O meio de transporte mais usual era a "camioneta da carreira", como então se dizia. Nas paragens, os amigos da Feira apareciam em massa. Depois, era a compra de pequenas coisas que faziam falta ao dia-a-dia: a colher de pau, o tacho de barro, os brinquedos para a criançada, as farturas que sempre ali tiveram espaço, o saca-rolhas, os sapatos e a roupa feita, etc. Compras feitas, uma voltinha nos carrocéis, uma visita ao Poço da Morte, onde o Dias, do Stand Dias, mostrou como um jovem normal também lá sabia andar de mota, era o regresso com a tralha às costas. E as camionetas, com o tejadilho cheio, lá faziam o transporte de regresso a casa. Era um dia de alegria.
FM

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 24 Março , 2008, 15:30
Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré na Polónia

A Câmara de Ílhavo homenageou, hoje, em sessão solene, comemorativa do dia do município, o Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré e três munícipes considerados “embaixadores de Ílhavo no mundo”, todos com medalhas de vermeil. Ainda foram distinguidos, com medalhas de dedicação, os antigos funcionários Fernando Conde e Hélder Viana. Em minha opinião, os galardoados mereceram o reconhecimento da autarquia, pelo muito que fizeram em prol do Concelho de Ílhavo e da suas gentes.
Os meus parabéns a todos.
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 24 Março , 2008, 11:09

E os ílhavos saíram vencedores...
(...)
«Ora os homens do Norte estavam disputando com os homens do Sul: a questão fora interrompida com a nossa chegada à proa do barco. Mas um dos ílhavos – bela e poética figura de homem –, voltando-se para nós, disse naquele seu tom acentuado: “Pois aqui está quem há-de decidir: vejam nos senhores. Eles, por agarrar um toiro, cuidam que são mais que ninguém, que não há quem lhes chegue. E os senhores, a serem cá de Lisboa, hão-de dizer que sim. Mas nós...”
– “Nenhum de nós é de Lisboa: só este senhor que aqui vem agora.”
Era o C. da T. que chegava.
– “Este conheço eu; este é dos nossos!” bradou um homem de forcado, assim que o viu: “Isto é um fidalgo como se quer. Nunca o vi numa ferra, isso é verdade; mas aqui de Valada a Almeirim ninguém corre mais do que ele por sol e chuva, e há-de saber o que é um boi de lei, e o que é lidar com gado.”
– “Pois oiçamos lá a questão.”
–“Não é questão”, tornou o Ílhavo: “mas, se este senhor fidalgo anda por Almeirim, para Almeirim vamos nós, que era uma charneca outro dia, e hoje é um jardim, benza-o Deus! – mas não foram os campinos que o fizeram, foi a nossa gente que o sachou e plantou, e o fez o que é, e fez terra das areias da charneca.”
– “Lá isso é verdade.”
– “Não, não é! Que está forte habilidade fazer dar trigo aqui aos nateiros do Tejo, que é como quem semeia em manteiga. É uma lavoura que a faz Deus por Sua mão, regar e adubar e tudo: e o que Deus não faz, não fazem eles, que nem sabem ter mão nesses mouchões co plantio das árvores: só lá por cima é que algumas têm metido, e é bem pouco para o rio que é, e as ricas terras que lhes levam as enchentes.”
– “Mas nós, pé no barco pé na terra, tão depressa estamos a sachar o milho na charneca, como vimos por aí abaixo com a vara no peito, e o saveiro a pegar na areia por não haver água... mas sempre labutando pela vida.”
– “A força é que se fala” tornou o campino, para estabelecer a questão em terreno que lhe convinha: “A força é que se fala: um homem do campo que se deita ali à cernelha de um toiro que uma companhia inteira de varinos lhe não pegava, com perdão dos senhores, pelo rabo!...”
E reforçou o argumento com uma gargalhada triunfante, que achou eco nos interessados circunstantes que já se tinham apinhado a ouvir os debates.
Os ílhavos ficaram um tanto abatidos; sem perderem a consciência de sua superioridade, mas acanhados pela algazarra.
Parecia a esquerda de um parlamento quando vê sumir-se, no burburinho acintoso das turbas ministeriais, as melhores frases e as mais fortes razões dos seus oradores.
Mas o orador ílhavo não era homem de se dar assim por derrotado. Olhou para os seus, como quem os consultava e animava, com um gesto expressivo, e voltando-se a nós, com a direita estendida aos seus antagonistas:
– “Então agora como é de força, quero eu saber, e estes senhores que digam, qual é que tem mais força, se é um toiro ou se é o mar.”
– “Essa agora!...”
– “Queríamos saber.”
– “É o mar.”
– “Pois nós que brigamos com o mar, oito e dez dias a fio numa tormenta, de Aveiro a Lisboa, e estes que brigam uma tarde com um toiro, qual é que tem mais força?”
Os campinos ficaram cabisbaixos; o público imparcial aplaudiu por esta vez a oposição, e o Vouga triunfou do Tejo.»


Almeida Garrett
In "Viagens na minha terra"
Nota: O fidalgo "C da T" era o Conde da Taipa

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 24 Março , 2008, 10:04

Papa recordou Darfur e Somália,
Terra Santa, Iraque, Líbano e Tibete
antes da Bênção "Urbi et Orbi"


"Na solene vigília de Páscoa, as trevas tornam-se luz, a noite cede o passo ao dia que não conhece ocaso. A morte e ressurreição do Verbo de Deus encarnado é um acontecimento de amor insuperável, é a vitória do Amor que nos libertou da escravidão do pecado e da morte. Mudou o curso da história, infundindo um indelével e renovado sentido e valor à vida do homem."

Bento XVI, na sua Mensagem Pascal

tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 24 Março , 2008, 09:40

Sinal de tradição ou de compromisso de fé?

Chegado o Domingo de Páscoa, é tradição o Padrinho ou a Madrinha oferecerem o chamado folar da Páscoa ao afilhado ou à afilhada.
Sendo um gesto de carinho e de ternura, pode ser um presente inócuo e sem consequências, onde tudo pode ficar na tradição pela tradição.
Por isso, acredito que o folar da Páscoa pode e deve ir para além da dimensão do mero tradicionalismo, quando é o caso, devendo tornar-se um dos símbolos da renovação e do compromisso baptismal que se festeja em cada Páscoa.
Só uma fé amadurecida pelo itinerário quaresmal pode permitir que, chegado o Dia Pascal, esta se transforme em anúncio, em alegria e em esperança, onde padrinhos e afilhados, madrinhas e afilhadas sintam que são testemunhas do mesmo Cristo Ressuscitado e no qual foram baptizados. Basta isto para o folar ter outro sabor!
Não sei porquê, mas já na sua idade de jovenzinho, um dos meus afilhados começou a oferecer-me o seu folar da Páscoa! Da surpresa inicial, passei à aceitação e, só mais tarde, é que acabei por compreender o sentido daquela oferta.
Inicialmente, comecei por pensar tratar-se de um gesto de cortesia do meu afilhado. Porém, as suas dedicatórias foram-se encarregando de me falarem de uma realidade bem mais profunda e que se traduzia num compromisso de fé deste com o seu padrinho e o reconhecimento da necessidade de partilhar este dom de ser baptizado, através da alegria e da amizade fraterna.
Se as notas escolares, as doenças, as dúvidas, os projectos, as tristezas, as “malandrices” da idade, entre outras vivências já eram, de há muito, partilhadas, porque não o folar?
Este ano, fui presenteado, como sempre, com um novo livro, este de autoria do Arcebispo Bruno Forte, com o título: “Porquê Confessar-se? – A reconciliação e a beleza de Deus”, das edições Paulus, atrevendo-me, desde já, a sugerir a sua aquisição aos leitores.
É um livro com apenas 54 páginas. Lê-se num ápice e a sua mensagem, não sendo nova, soa a frescura e a um prazer pacificador, mesmo abordando um tema nem sempre foi bem compreendido e aceite, mesmo por parte de alguns cristãos.
Naquele livro reafirma-se que somos seres frágeis e em permanente construção: Uma construção inacabada, até ao dia da nossa Páscoa definitiva.
No final, dei comigo a pensar: - Porque é que o meu afilhado não me ofereceu este livrinho mais cedo?
Talvez alguns episódios de sofrimento e de dor, em que estive envolvido, se tivessem evitado ou atenuado, para além das novas janelas que se poderiam ter aberto para melhor compreensão da infinita e compassiva misericórdia de Deus.
Quanto a mim, continuarei esta partilha de folares com o meu afilhado, procurando, em cada um deles, (r)encontrar a Boa Nova que o Deus Ressuscitado nos dirige, em cada Páscoa que se vive e celebra, ano após ano.

Vítor Amorim

mais sobre mim
Março 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds