de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 12 Março , 2008, 22:21
“Os professores e educadores neste país são um grupo decisivo para o futuro, porventura mais decisivo que os políticos, financeiros ou técnicos.”

Cardeal-Patriarca de Lisboa

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 12 Março , 2008, 16:29

Memória e vida, para que seja Páscoa

1. Muitas vezes ouvimos gente adulta e influente nas sociedades a recordar com nostalgia os tempos idos em que as festividades mobilizavam os lugares, as ruas e as famílias em torno de valores esperançosos e em ordem à renovação de ideais e princípios estimulantes ao bem comum. Naturalmente os tempos são outros, e importará nem ter uma saudade como se antigamente fosse tudo bom, nem simplesmente esquecer o passado como se esse nas suas tradições não tivesse razão de ser. Talvez este seja um dos eixos da encruzilhada da civilização actual, onde se procura dar um “salto em frente” de tal maneira amplo que acabamos por não saber em que se alicerça a própria vida; em contrapartida, verifica-se essa memória gratificante (hoje) das memórias do passado, considerando-se o quanto elas nos constroem na nossa própria identidade. Mas neste contexto a maior interpelação é sentir a completa indiferença de quem tem essas memórias e não vive qualquer preocupação em “passar” um certo testemunho aos seus vindouros, até na preocupação cultural de que vão apreendendo “sentido”em todo o património (e muito dele é religioso) que os rodeia.
2. Não admira, por isso, a dificuldade em fazer passar a mensagem da cultura, da vida e da espiritualidade. Até da própria dimensão pessoal mais básica (diríamos) aconfessional, humana, sem ligação a qualquer igreja ou religião, pois a “menoridade cultural” ou o preconceito ideológico ou, ainda, muito do peso institucional das religiões e igrejas, afastam o ser humano contemporâneo da sua caminhada existencial mais profunda. Ninguém dá o que não tem. E é certo que para ler e partilhar toda a panóplia de significados que as festividades e celebrações comportam como “história viva” e actual é preciso um grande caminho de busca de sentido. A Páscoa (passagem) de há cerca de três milénios para cá, e numa dinâmica aperfeiçoada pessoalmente há 2000 anos, inscreve-se nesta mesma fronteira. Quem a conhece “por dentro” vê nela o centro de referência no qual alicerçar um sentido a dar à vida; quem a lê no imaginário público sente um resto interessante de tradição curiosa com sentido sociabilizante; quem não a conhece, não quer conhecer e não quer que ela se partilhe (esquecendo que dela derivam mesmo os valores sócio-democráticos da tradição judeo-cristã) então vai mesmo procurando apagar da memória colectiva as centelhas da sementeira de significado e sentido…
3. É o tempo das opções, entre um “Algo/Alguém” que nos estimule positivamente ou um “quase-nada” de ausência de fundamentação do sentido da vida. Neste erguer-se-á o “ter”. Até como significado cultural (se já não na essencialidade altíssima do que a Páscoa é enquanto fonte de “vida nova”) torna-se essencial o compreender a memória histórica (e seus valores) que nos precedeu. Será isto importante? Que memória queremos que perdure no coração nos nossos filhos? Serão só as coisas da Páscoa?


Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 12 Março , 2008, 11:32
Navios no porto de pesca longínqua

Ontem à noite, a direcção do Stella Maris de Aveiro celebrou o segundo aniversário da sua tomada de posse. Foi agradável sentir o empenhamento de quantos, de há dois anos até hoje, têm desenvolvido esforços no sentido de recolocar a Obra do Apostolado do Mar em sintonia com as exigências do nosso tempo, tendo em conta que os marítimos do presente nada têm a ver com os da fundação daquele clube, na Gafanha da Nazaré. Os portos de Aveiro e as políticas das pescas, hoje, são completamente diferentes dos que existiam há um quarto de século, como é sabido.
O porto de Pesca Costeira está instalado no canal de Mira, na zona da Marinha Velha, o porto Comercial está no Forte da Barra, o porto Industrial na Chave e o porto de Pesca Longínqua na Chave e Cale da Vila. Todos, afinal, na Gafanha da Nazaré. Há 25 anos quase tudo se concentrava na zona do porto de Pesca Longínqua. Nessa altura foi lançada a primeira pedra do edifício que ainda se mantém aberto aos homens do mar e suas famílias, bem como a toda a gente, directa ou indirectamente identificada com a ria e com o mar.
D. António Francisco, Bispo de Aveiro, na conversa informal que manteve com a direcção do Stella Maris, sublinhou que durante 2008 importa celebrar este jubileu, em espírito bíblico. Mas logo recordou que 25 anos de trabalho “obrigam-nos a pensar numa celebração que recorde quantos se deram à Obra do Apostolado do Mar”.
Defendeu a implementação de projectos que se estendam “a todas as paróquias ligadas ao mar e à ria”, desenvolvendo uma “pastoral específica”, sem esquecer o “entrosamento com as outras dioceses marítimas do nosso País”.
O Bispo de Aveiro frisou a dedicação, a generosidade e o espírito de comunhão vivenciados pelos dirigentes e seus familiares no Stella Maris, durante os dois anos decorridos, razões principais do equilíbrio financeiro conseguido e das esperanças num futuro melhor.
O encontro serviu ainda para se falar sobre acções a desenvolver nos próximos tempos, em especial sobre uma participação significativa do Stella Maris de Aveiro no Encontro das Praias, a ter lugar em Sines, em 25 de Maio próximo.

FM

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 12 Março , 2008, 11:07

Barra de Aveiro: Regatas, exposições
e conferência internacional
marcam comemorações dos 200 anos


No próximo dia 3 assinalam-se os 200 anos da Barra de Aveiro, que serão comemorados com a apresentação de um livro e a inauguração de uma exposição cartográfica. As comemorações prosseguem durante o ano, com destaque para uma conferência internacional (Maio), a Regata dos 200 Anos (Junho), e a Tall Ships Race Regata (Setembro).
:
Leia mais em Diário de Aveiro

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 12 Março , 2008, 11:00

Tomando os relatos da Paixão, percebemos que estes mantêm, entre si, linhas fundamentais de continuidade, mas sem abdicar de uma estratégia diferenciada, a ponto de ser reconhecível a voz e o timbre de cada evangelista. Em Marcos, por exemplo, a cruz é o momento da revelação do segredo messiânico de Jesus, mantido ao longo de toda a narrativa. Contudo, o centurião romano que ali declara, «este homem era verdadeiramente filho de Deus», em Lucas profere algo que diz o mesmo e outra coisa: «este homem era verdadeiramente justo». Lucas escreve também para cristãos vindos do paganismo, e aquele «verdadeiramente justo» tem uma duplicidade que visa o seu heterogéneo auditório: Jesus é tanto o inocente, vitimado pelos aparelhos religioso e político, como o «justo sofredor», essa figura atravessada por explícitas referências messiânicas.
Mas, em todos os relatos da Paixão, as palavras culminantes são aquelas que aparecem na boca do próprio Jesus: «Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem»; «Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito»; «Tudo está consumado»; «Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?» (ou «Meu Deus, Meu Deus a que me abandonaste?», como preferem algumas traduções recentes). Claramente, o destinatário das palavras de Jesus não é um confidente qualquer: é o próprio Deus. E o modo como Jesus o evoca, chamando-o «Pai» e «Meu Deus», confere ao diálogo uma densíssima intimidade, tanto mais paradoxal quanto a cruz é vista como maldição e, a sua, uma morte reservada aos infiéis. Jesus afronta, assim, não apenas o silêncio dos homens, mas também o aparente e inexpugnável silêncio por parte de Deus. A cruz desconcerta como uma aporia intransigente. Somos chamados a contemplar o mistério de Deus e o do Homem no mais devastador dos silêncios que o mundo conheceu. Mas desse, precisamente, partirá o “grande levantamento”, a “radical insurreição” pascal.
Já depois de proferidas todas as palavras, os evangelistas Marcos e Mateus contam que Jesus soltou ainda um segundo grito. E que, nesse momento, o véu do templo rasgou-se em dois, de alto a baixo. Isto é, o sagrado perdeu a sua reserva e desloca-se agora para o profano mais escandaloso: na carne daquele inocente, no seu lancinante silêncio, reside agora a revelação de Deus.

José Tolentino Mendonça
tags:

mais sobre mim
Março 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds