de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 10 Março , 2008, 18:26

Sarkozy, o feliz e a liderança

1. A popularidade está a cair a pique. Para os franceses desejosos do retorno da França à liderança europeia, o apaixonado Sarkozy faz hoje com que se coloque a pergunta: «Este homem pode ser o presidente da França?» São sondagens, inquéritos, comentários de opinião em torno desta questão após a simbólica “derrota” eleitoral destes dias. A promessa de “Sarko” foi a nova “revolução”. No quadro prévio das sempre naturais insatisfações político-sociais, um designado “efeito Sarkozy” conseguiu convencer a sociedade desejosa de um “dom Sebastião” à francesa. Os franceses acederam, acreditaram nessa promessa. Não estavam era a contar que o presidente fosse tão rápido a passar das promessas eleitorais a um centrar da vida presidencial na sua vida pessoal. Os jornais vão atribuindo os títulos: «Sarkozy, a política sou eu». Começou por ser omnipresente em meia dúzia de assuntos com visibilidade social e libertadora, visando reconciliar uma França credível com a Europa. Diante do pensamento historicamente clássico francês, rapidamente a sua presidência passou a estar centrada na esfera «comportamental». Uma nova revolução; diríamos, (r)evolução a mais para um povo que também aguarda quem restitua a ordem da dignidade política.
2. Em escassos meses o presidente francês foi criando modas e manifestando uma «felicidade» extraordinária. De sua afirmação diz que pode ser-se Presidente da República e ser-se feliz ao mesmo tempo; como ele diz: «Eu sou feliz». Sobre a sua relação com Carla Bruni, do seu gabinete diz-se que «ele embriagou-se de felicidade no momento em que os franceses a perdiam» (Público, 9 de Março). Pretendendo reinventar a França para o século XXI, inicia por recriar a própria imagem de presidente, dessacralizando, sendo tão igual aos franceses que acaba por provocar admiração e «choque». No contexto dos resultados eleitorais do último fim-de-semana, não tanto as políticas mas o político parecem incomodar os franceses. Uns chamam-lhe «vulgar» (comum), outros que seu comportamento é «imaturo», outros, os psicólogos, ainda, que é «narcísico». Diz-se também que alia traços de grande coragem e intuição mas simultaneamente de «egolatria e de uma vaidade sem limites». Panorama complicado para o presidente em que os franceses acreditaram. E ainda agora estamos no princípio da nova felicidade do presidente, chamado há alguns meses de «hiper-presidente». Um nosso professor dizia que quanto maior é a subida, maior é a queda. Até onde chegará o líder Sarkozy e a sua felicidade?

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 10 Março , 2008, 16:42

Neste mês em que comemoramos o Feriado Municipal de Ílhavo quisemos dedicar a rubrica “A Nossa Gente” aos Emigrantes do nosso Concelho. Eles são, de facto, parte importante da Nossa Gente. Gente de Terra e de Mar, que corajosamente partiu para outras paragens levando consigo o seu “Ílhavo” no coração.
O Presidente da Câmara Municipal de Ílhavo assumiu publica e formalmente em 1998 que “o Município de Ílhavo existe onde existam Ilhavenses” e a CMI constitui-se como um elemento de apoio à valorização social e política das comunidades de emigrantes do Município de Ílhavo.
Esta é uma homenagem singela e também uma forma de aprofundar o nosso envolvimento na relação com os nossos concidadãos, que por esse mundo fora trabalham com dinamismo e vitalidade, cuidando da promoção dos valores da Nossa Terra com determinação e alegria.
Com eles aprendemos grandes lições de Patriotismo e de Portugalidade. A eles queremos deixar uma palavra de incentivo à construção de boa e activa cidadania no país de acolhimento e de boa e activa cidadania portuguesa, em honra à Terra-mãe, que sempre acompanham e vivem com intensidade.
Ao comemorarmos os 110 anos da Restauração do Município de Ílhavo e neste Feriado Municipal de 2008, apostamos neste gesto de conciliação e opção de fortalecimento de um Município que sempre será grande pela partilha solidária de vida dos seus Homens, onde quer que se encontrem, numa partilha de experiências e de vida, percorrendo um caminho que nos aproxime e fortalece cada vez mais.
O Município de Ílhavo continuará a existir, por força da nossa opção política e do nosso trabalho, em cada um dos quatro cantos do mundo onde existam cidadãos desta nossa terra. Queremos aproveitar o privilégio da Vida, para nos ajudarmos mutuamente a crescer e a realizar desenvolvimento, em prol da Nossa Terra, e muito em especial, da Nossa Gente.
Nos Nossos Municípios Irmãos onde a comunidade emigrante vive e empreende, em Newark, NewBedford, Cuxhavem, e em muitas outras paragens, é a Nossa Terra que cresce a cada dia com a vida os seus Cidadãos.
E aqui fica o convite para uma sempre renovada visita à sua Terra. Esperamos por si de braços abertos!
Fonte: Texto e foto da agenda Viver em..., da CMI

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 10 Março , 2008, 15:47

SALTO VALE OURO

Naide Gomes dá um salto em comprimento de sete metros que vale ouro. Aconteceu nos Mundiais de Pista Coberta, em Valência, batendo a brasileira Maurren Higa Maggi e a russa Irina Simagina. A nossa atleta, mulher de garra, mostra, assim, que nem tudo é mau em Portugal. Pensando bem, esta foi uma bonita prenda para todas as mulheres portuguesas, recordadas no Dia Internacional da Mulher, que ocorreu ontem. Parabéns para Naide Gomes, com votos de que apareçam outras com coragem para a imitar.
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 10 Março , 2008, 12:02


Mesmo com frio, o mar é sempre um desafio para quem se aproxima. Apreciá-lo, do cimo das dunas virgens, produz, certamente, uma extraordinária sensação de liberdade... Experimentem.


Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 10 Março , 2008, 11:57

Desejar o bem do país, antes do seu próprio bem, é um princípio que a todos deveria nortear. A isso chama a doutrina social da Igreja (mas não é exclusivo dela) Bem Comum. Claro que dizer que os interesses do país estão em primeiro lugar pode soar a Estado Novo, mas já vai sendo tempo de deixar tais categorias nas prateleiras da história. Como dizia Mário Soares, há uma diferença clara entre ser nacionalista e ser patriota. Ser nacionalista é negativo, mas ser patriota é um dever de todos para com o país que nos viu nascer ou nos acolhe. Querer o Bem Comum antes do bem particular e pôr este em função daquele é uma forma de ser patriota.
Vem isto a propósito do mal-estar em que Portugal parece ou está mesmo mergulhado e que ciclicamente faz soar alarmes, como foi o caso do documento da Sedes, referido nesta coluna na semana passada. Como país, não sairemos do pessimismo, da estagnação, mesmo económica, da falta de credibilidade, da ausência de perspectivas de futuro, enquanto o Bem Comum não se sobrepuser ao bem particular, enquanto este princípio não for evidente na actuação dos políticos, mas também dos empresários, dos professores, dos jornalistas, enfim, de qualquer cidadão.

J.P.F.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 10 Março , 2008, 11:24
"Os professores afirmam que são a favor da avaliação, mas contra esta avaliação (declaração da Fenprof de 15 /10/2007). Essa é há séculos precisamente a posição dos alunos. Todos os estudantes são favoráveis às notas e descontentes com a que receberam. Os testes são sempre difíceis, as datas sempre inconvenientes, os professores sempre injustos. Mas é preciso aguentar com cara alegre."
:
Concordo com João César das Neves. Entretanto, o tempo passa e os alunos e as famílias não podem sair deste conflito prejudicados. O Governo e os professores têm de pensar nisto. Com urgência.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 10 Março , 2008, 11:09
“Encorajo as autoridades israelita e palestiniana no seu propósito de continuarem a construir, através de negociações, um futuro pacífico e justo para os seus povos e a todos peço, em nome de Deus, que abandonem o caminho tortuoso do ódio e da vingança, percorrendo responsavelmente o caminho do diálogo.”
:
Como o Papa, tantos e tantos outros líderes têm apelado à paz e concórdia no Médio Oriente. Há imenso tempo que as discórdias entre isrfaelitas e palestinianos deixam marcas profundas naquela zona do mundo. E não há maneira de se entenderem... Será que estes ódios irão perdurar pelos séculos sem fim? Não haverá forma de se resolverem de vez os conflitos? A paz entre aqueles povos é mesmo impossível? Os ódios estarão, realmente, como se diz, no sangue e na alma daquelas gentes que calcorreiam os caminhos de Cristo?
tags:

mais sobre mim
Março 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds