de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 08 Março , 2008, 21:26
É bem possível que Bento XVI tenha conhecido pessoalmente o filósofo Ernst Bloch em Tubinga. De qualquer modo, ao redigir a sua segunda encíclica, sobre a esperança (Spe salvi - Salvos em esperança), de certeza lembrou o grande filósofo, autor da obra filosófica mais consistente de sempre sobre esta temática - O Princípio Esperança - a enciclopédia de todas as esperanças, que, em alemão, tem 1654 páginas. E começa assim: "Quem somos? Donde vimos? O que esperamos? O que nos espera?"
De facto, a ideia de Bento XVI de que a modernidade viveu da ânsia de realizar na História o Reino de Deus sem Deus foi aprofundada por Ernst Bloch. A sua filosofia, no limite, quereria herdar esse Reino de Deus, o Sumo Bem, a Nova Jerusalém de que fala a Bíblia. Se, sendo marxista, acabou por criticar os horrores do estalinismo, foi porque esperava "o Totalmente Outro", como reserva escatológica, ainda que por força da própria Natureza. Bloch é um belo exemplo do homem simultaneamente religioso e ateu. Religioso, porque "onde há esperança, há religião". Ateu, porque não esperava a salvação vinda do Deus pessoal que cria por amor e que vem ao encontro do Homem.
Pergunta o Papa, com razão: como foi possível pensar que a mensagem de Jesus diz respeito apenas ao indivíduo e ao Além, como se a salvação definitiva implicasse o desprezo deste mundo e a esperança se reduzisse à "salvação da alma"?
Em reacção, a modernidade trouxe o Além para o aquém. Mediante a revolução científica, proclamou-se a fé no progresso, que garantiria um mundo totalmente novo, "o reino do Homem".
Na modernidade, "há duas categorias que ocupam cada vez mais o centro da ideia de progresso: razão e liberdade". Pela razão e liberdade e confiando na sua bondade intrínseca, esperou-se a realização de uma comunidade humana perfeita.
A concretização política desta esperança tinha duas etapas fundamentais.
A Revolução Francesa surgiu como projecto de instaurar este reino da razão e da liberdade de modo politicamente real. Depois da revolução burguesa de 1789, outra revolução se pôs em marcha: a proletária. Não bastavam as reformas dos pequenos passos; era precisa a revolução para se realizar o que já Kant tinha chamado o "Reino de Deus" racional. A verdade do Além desapareceu, para ser herdada no aquém. Como disse Marx, a crítica do céu deve transformar-se em crítica da terra e a crítica da teologia em crítica da política e da economia. O progresso para um mundo definitivamente bom não provém exclusivamente da ciência, mas da política, uma política com bases científicas.
Bento XVI reconhece que a promessa de Marx, graças à "agudeza" das análises e à "clara indicação dos instrumentos para a mudança radical fascinou e continua a fascinar".
Que falhou então para que a promessa marxista deixasse atrás de si, na sua concretização histórica, "uma destruição desoladora"? O seu erro consistiu em não ver que não basta solucionar a economia e em esquecer que "a liberdade é sempre liberdade, também liberdade para o mal". O seu erro foi o materialismo. O progresso científico e técnico pode desembocar, como já preveniu Kant, num "final perverso". É ambíguo e tem de ser acompanhado pelo "crescimento moral da Humanidade".
A modernidade precisa, pois, de autocrítica em diálogo com o cristianismo, mas acompanhada de uma autocrítica do próprio cristianismo e do que ele fez da esperança.
Numa obra recente, ágil, sobre O Cristo Filósofo, reflectindo sobre a revolução operada por Cristo e a sua influência ainda actual na Europa, F. Lenoir conclui: "Se, através da sua história, a religião cristã tivesse sido totalmente evangélica, se tivesse conseguido encarnar na sociedade os preceitos de Cristo, os homens não teriam certamente sentido a necessidade de retirá-los do seu contexto religioso para poder torná-los operativos. Constata-se, com efeito, ao observar o percurso do Ocidente, que o recurso à razão e ao direito se tornou necessário pelo facto da opressão exercida em primeiro lugar pelas instituições religiosas."

tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 08 Março , 2008, 19:47
Hoje realizou-se, provavelmente, a maior manifestação de sempre de professores. Diz-se que cerca de 100 mil marcaram presença no desfile, em Lisboa. Quiseram mostrar o seu descontentamento pelas políticas do Governo, na área do ministério da Educação. Há dias, registei aqui a convicção de que já não há capacidade para dialogar. E disse que subscrevia a proposta do neurocirurgião Lobo Antunes, por sinal Conselheiro de Estado, no sentido de se criar uma comissão mediadora, credível e independente, que analisasse o problema e apresentasse soluções. O Governo tem-se mostrado inflexível, pois aceitar a renúncia às reformas seria aceitar a derrota do próprio executivo.
Cavaco Silva, ausente no Brasil, estará a acompanhar o assunto. E pode ser que, no regresso, consiga levar o Governo a aceitar a tal mediação.
Entretanto, constato que, até agora, ainda não sei, concretamente, por que razão não é possível o diálogo. Mais: gostaria que sindicatos e ministério da Educação publicassem as suas propostas de reforma do Ensino, com tudo o que diz respeito a professores, funcionários, alunos e programas. Acho que o povo português tem obrigação de conhecer todas as verdades, para depois concluir de que lado está a razão. Se calhar todos terão alguma razão, mas sempre se verá para que lado se inclina o ponteiro da balança. Que o Governo e os sindicatos apresentem, pois, as suas razões, na perspectiva de que as mudanças fazem parte intrínseca das reformas. Ficar tudo como está, sem adaptações adequadas e justas, é impossível.
Penso que entre os professores (como em qualquer outra classe profissional) há gente honesta, trabalhadora e competente, mas também há o seu contrário. Mais: há muitos que apostam na formação e outros tantos instalados na vida e alérgicos a mudanças; há os que aceitam subir na carreira por mérito e os que querem subir sem qualquer esforço nem trabalho.
A reforma do Ensino é coisa séria e urgente e todos têm de dar o seu melhor para que os alunos, razão de ser das comunidades educativas, possam ser mais tarde pessoas responsáveis, competentes e educadas, numa sociedade mais justa.

FM
:
NB: Para além do que disse acima, gostaria que os protestos incidissem sobre a instabilidade profissional, que obriga os professores a andarem de terra em terra, como saltimbancos, sobre as condições de trabalho e falta de apoios técnicos e sociais, sobre a falta de formação contínua para cada área, sobre a escassez de especialistas para os alunos com dificuldades específicas, sobre a ajuda às famílias mais carentes e sobre a adaptação de programas às necessidades da sociedade dos nossos dias. Só ouvi falar hoje da avaliação dos professores e da progressão nas carreiras. É pena.
FM

Editado por Fernando Martins | Sábado, 08 Março , 2008, 16:25


Hoje de manhã foi dia de reflectir um pouco sobre a Mensagem do Papa para a Quaresma. Trata-se de uma mensagem simples, mas muito concreta, em que Bento XVI, um teólogo e intelectual, com fama de pessoa muito virada para a cultura, sublinha a necessidade de olharmos mais para os pobres, numa dádiva total de nós mesmos. Dele, por isso, talvez muitos esperassem uma mensagem mais direccionada para os homens e mulheres da cultura. Mas não, embora também. A mensagem é extremamente simples, com conselhos e propostas que toda a gente está à altura de compreender, a meu ver. Difícil, para muitos, será pôr em prática o que o Papa recomenda, porque é bastante complicado ultrapassarmos as nossas tradicionais comodidades e a crença de que os problemas são para os outros resolverem. Frequentemente gritamos que é preciso acabar com a fome no mundo, mas que fazemos nós para que isso aconteça?
Fala, direi que essencialmente, de oração, jejum e esmola, a que muitos não dão a devida importância. Para o crente já não será assim. São propostas não só válidas, mas fundamentais. Afinal, oração, jejum e esmola estão, naturalmente, associados.
Diz o Santo Padre que “não somos proprietários mas administradores dos bens que possuímos”, e que, face às multidões que vivem na indigência, “socorrê-las é um dever de justiça, ainda antes de ser um gesto de caridade”.
O Papa, citando as Escrituras, diz que “há mais alegria em dar do que em receber”, sendo garantido que “a esmola, aproximando-nos dos outros, aproxima-nos de Deus e pode tornar-se instrumento de autêntica conversão e reconciliação com Ele e com os irmãos”.
Bento XVI reafirma que “a esmola educa para a generosidade do amor” e recorda um velho, mas ainda actual, conceito bíblico: ao dar esmola, a mão esquerda não deve saber o que faz a direita.


FM

Editado por Fernando Martins | Sábado, 08 Março , 2008, 15:55

Poderá o imperativo da igualdade entre os géneros masculino e feminino conduzir a um empobrecimento grande da condição da mulher? É uma questão pertinente, numa altura em que se fala tanto disso. Nada melhor do que ouvir várias opiniões sobre o assunto, neste Dia Internacional da Mulher.
tags:

mais sobre mim
Março 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds