de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 07 Março , 2008, 15:12

Um dia destes, o líder do PSD, Luís Filipe Menezes, disse que o PS “já não merece ser Governo”, mas logo a seguir garantiu que o seu partido “ainda não merece ser Governo”. Isto significa que o nosso País está ingovernável. A não ser que, excluindo os partidos da alternância governamental, tenhamos de ir para um dos outros do nosso espectro político, qual deles o mais pequeno. Claro que surgiu, entretanto, o MEP (Movimento Esperança Portugal), mas dele ainda se sabe muitíssimo pouco.
O que impressiona nisto tudo é verificarmos que os mais representativos partidos políticos, com tantos anos de vivência democrática e de experiência no Governo, se tenham afundado tanto, ficando entregues a gente que, afinal, não sabe ser Governo nem esteja, ainda, preparada para o ser.
O que se pode constatar é que hoje os partidos estão cheios de pessoas (estarão?) sem carisma e sem o autêntico sentido das nossas realidades. Daí o desânimo e o pessimismo de muitos portugueses.

FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 07 Março , 2008, 14:49


Conforme li na Ecclesia, a Câmara de Ourém vai incumbir a SRU – Sociedade de Reabilitação Urbana de Cova da Iria, Fátima, de integrar nos seus projectos de requalificação da cidade o conceito de “Fátima, cidade da Paz”.
A ideia é avançada pelo presidente da autarquia, que pretende ver incluída nos arranjos referências à ideia de Paz com que transversalmente se identifica a cidade altar do mundo.
Referencias ao papa João Paulo II, crucial na divulgação da imagem e mensagem de Fátima, e ao diálogo ecuménico são dois dos aspectos pensados e a serem aprofundados pela SRU, no documento estratégico de planeamento dos trabalhos da Sociedade, Fátima 2017, revela o site oficial da Câmara Municipal.
A minha experiência diz-me que o epíteto de “Fátima, cidade da Paz”, fica muito bem àquele local sagrado. Pelo que tenho visto, e conversado, crentes e não crentes sentem-se bem por ali. Como já um dia disse, respira-se paz e até as pessoas se mostram afectuosas para quem chega.
Por vezes há a ideia de que o comércio a descaracteriza, a torna banal. Quem chega e se fica por aí, talvez. Mas quem avança no sentido do encontro com o divino não pode deixar de experimentar uma tranquilidade que nos transcende.
Oxalá “Fátima, cidade da Paz”, possa manter, no essencial, essa transcendência.

FM

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 07 Março , 2008, 12:21

O ministro da Presidência, Pedro da Silva Pereira, afirmou ontem que Portugal será "fiel" aos compromissos do Acordo Ortográfico de 1991 e sublinhou que o prazo de seis anos de transição "é razoável" para a adaptação às modificações previstas no acordo. Disse ainda que "O Governo decidiu adoptar medidas de transição por um prazo de seis anos - prazo que julgamos suficiente e razoável para que essa transição possa ocorrer”.
:
Quem já passou por algumas reformas ortográficas, como eu, não pode ver nenhum drama nisto. Daqui a seis anos, já o mundo da Língua Portuguesa estará em sintonia com as alterações previstas, até porque os computadores, devidamente programados para isso, darão a todos uma ajuda preciosa.
Já agora, não vale a pena alinhar com os pessimistas que ficam horrorizados com a ideia de que a Língua Portuguesa está a ceder a influências estranhas às nossas matrizes linguísticas. Não pensem nisso! Língua que não se adapte ao que vem de fora ou que rejeite a inovação está condenada à morte.

FM

mais sobre mim
Março 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds