de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 02 Março , 2008, 15:26





NATUREZA AINDA PRESERVADA
Na praia do Areão, vi que a natureza ainda está preservada. Uma ou outra marca da passagem de quem não gosta da limpeza não lhe retira a classificação de zona quase virgem. Ontem, como já disse, por lá andei. Olhei as dunas pouco pisadas, o areal convidativa a uma visita mais próxima ao mar, recantos que sugeriam um banho de sol e as povoações tão perto, apesar de tudo. Um casal alemão (a matrícula do automóvel e o aspecto físico não enganavam) deliciava-se com o nosso sol a prometer-lhe já um bronzeado invejável. Gostei de ver esta praia sem os arranjos urbanísticos modernos, mas com a beleza de uma pureza de alguma forma primitiva.

Editado por Fernando Martins | Domingo, 02 Março , 2008, 15:16

Estudar as claques de futebol


1. O que são as grandes claques de futebol? Como vivem e de que vivem? Que rituais e palavras geram essa unidade quase inquebrantável? Que energias da claque transitam para a vida pública? Como procuram ou conseguem lidar os clubes como essa força poderosa, na emoção capaz do melhor e do pior? O que acrescentam ao futebol? Serão mesmo necessárias? E quando tudo corre mal, quem se responsabiliza? Têm tendência a crescer à medida que as desigualdades sociais aumentam? Haverá alguma relação entre a exclusão social e as grandes claques de futebol? Como vêm a equipa adversária e as claques do outro clube? Que linguagens, chavões, gritos predominam? Haverá ritos de iniciação e hábitos de continuação para a pertença? Como se comportam na vitória? E que dizem e como agem-actuam na derrota? Enquadram-se no tipo de relação “amor-ódio”? Será obrigatório beber cerveja?!...
2. As perguntas poderiam nunca mais acabar. Volta e meia o assunto das claques salta para a praça pública. Normalmente pelos motivos menos felizes. Passado uns dias e arrefecendo as circunstâncias, como em tudo, volta-se ao dia-a-dia e as claques vão fazendo o seu percurso ritual, habitual. Quando se aproximam os grandes jogos, nacionais ou internacionais, falam-se de centenas e centenas de polícias, quase que diríamos a escoltar para “dominar as feras”, não vão elas soltar-se e “partir tudo”. Estranho mundo esse das claques, onde muita gente se deve perguntar, afinal, como subsistem na sua vida (?). Por vezes as marcas da passagem ficam registadas mesmo nas estações de serviço das auto-estradas, e dá a sensação de que estamos diante de algo já consagrado, como se a sociedade fosse cabalmente ou impotente diante de suas acções ou então já fazem parte da vida social...(?)
3. Há dias, ainda muito tempo antes do clássico Sporting – Benfica os jornais registaram entre adeptos rivais violências e mesmo esfaqueamentos; este domingo, a Pública (02.03.2008) dedica uma boa parte das suas páginas ao líder da maior claque do FC Porto «Fernando Madrinha: estranha popularidade». Destacava mesmo: o líder «para alguns, é um susto. Para outros, é o maior, um ícone. Esta é a sua história, a história de alguém que soube potenciar o “mau” e aprendeu a revertê-lo a seu favor.» (Pública, id). Confessam alguns que ele é quase um pastor (liderando os mais de dois mil super dragões em Alvalade), que «investiu no desvio, mas em vez de cair na marginalidade ganhou um lugar na sociedade». Os próprios clubes, instituições do futebol e autoridades não sabem como proceder. Tudo preocupante demais para se ficar sereno diante da ténue fronteira das liberdades… E ainda se poderá perguntar o quanto de impacto têm as claques como “deseducação social”(?). Já não é fácil (e pelo rumo que vai por essa Europa fora), mas como actuar enquanto há algum tempo? Aliás, ainda iremos a tempo de alguma coisa?

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Domingo, 02 Março , 2008, 11:16

AGENTES DE EDUCAÇÃO:
OS PROFESSORES PRIMÁRIOS OFICIAIS

Caríssima/o:

Demos mais um passo e continuemos a ler o P. João Vieira Resende:

«Quando em 1880 chegou o primeiro professor primário, encontrou toda esta região povoada de analfabetos, e a maré-cheia deles prolongou-se até 1909. Com a criação de escolas em cada um dos lugares começou-se a equilibrar a instrução em toda a Gafanha. Estava, pois, normalizado o movimento escolar nesta região. [208]
O primeiro professor oficial da Gafanha foi o Rev.do P.e João da Silva Gomes, natural da Légua (Ílhavo), que faleceu Pároco aposentado do Troviscal.
O Rev.do João Ferreira Sardo, ordenado em 1898, e o Rev.do António da Silva Caçoilo, ordenado em 1906, foram os primeiros da Gafanha que tiveram cursos superiores. Ambos, por deficiência escolar na Gafanha, foram habilitados para a instrução primária pelo benemérito Padre Domingos Ferreira Jorge, em Ílhavo.» [nota208]

Seria interessante deixarmos expressas algumas perguntas a que não sabemos responder: estes nossos conterrâneos ter-se-ão ausentado para Ílhavo ou diariamente se deslocavam aí para receberem as lições devidas para a sua habilitação?

E o senhor Padre Resende, na sua Monografia, entre as páginas 211 e 215, “arquiva os nomes de todas as pessoas que, tendo tirado cursos literários, ocupam hoje, ou ocuparam enquanto viveram, um lugar de destaque na sociedade”. De entre estas pessoas, vou puxar as que se diplomaram como professores primários:

«Manuel Domingues Vital, da Gafanha da Boa Hora, diplomado pela antiga Escola Distrital de Aveiro, em 1903. Foi professor na Gafanha da Boa Hora, concelho de Vagos, donde foi transferido para a escola da Gafanha da Nazaré e daqui para a escola do Asilo Distrital de Aveiro onde actualmente é professor director.
Francisco Fernandes Caleiro, diplomado em 1905, pela antiga Escola do Ensino Normal de Aveiro. É professor na escola masculina da Glória, concelho de Aveiro.
D. Carolina Augusta de Almeida Martins, diplomou-se pela Escola Distrital de Aveiro, em 1908. Professora efectiva na escola feminina da Cale da Vila.
Manuel dos Santos da Silva Verga Júnior, diplomado em 1911 pela Escola do Ensino Normal de Aveiro. Foi professor em Ílhavo. Está aposentado.
Manuel Nunes Carlos, diplomado em 1916 pela antiga Escola do Ensino Normal de Aveiro. Também tirou o curso de pilotagem na Escola do Departamento Marítimo do Norte. É professor na escola masculina da Cale da Vila.
Manuel Joaquim Ribau tem o curso teológico do Seminário de Coimbra. Diplomou-se em 1917 pela Escola do Ensino Normal de Aveiro. É professor em Cacia.
Manuel Filipe Fernandes diplomou-se em 1919 pela antiga Escola do Ensino Normal de Aveiro. É professor na Gafanha da Nazaré.
José Marques Ferreira de Oliveira diplomou-se em 1919 pela antiga Escola do Ensino Normal de Aveiro. Ausentou-se não chegando a exercer o magistério.
D. Maria da Luz Carlos diplomou-se pela antiga Escola Primária Superior de Aveiro em 1920. é professora na Gafanha da Nazaré.
D. Maria Bárbara de Oliveira foi diplomada pela escola Normal Primária do Porto em 1925.
D. Carmélia da Conceição de Oliveira concluiu o curso na Escola do Magistério Primário do Porto em 1932, sendo diplomada em 1933 mediante exame de estado. É professora em Vermelhas (Vouzela).
José Augusto Ramos, diplomado para o ensino primário em 1939 e colocado em Pussos, concelho de Alvaiázere.
Rosa Branca Mónica, curso complementar dos liceus e aluna da Escola do Magistério Primário de Coimbra.»

A lista necessariamente que está incompleta, ou melhor: tem um limite temporal. Contudo é suficiente para revelar que, nesta matéria, a Gafanha se mostrou produtiva e forneceu bons professores a terras vizinhas e a outras mais afastadas!
E para terminar não posso deixar de referir que a saudade pesa quando me lembro que o Professor Manuel Nunes Carlos me examinou no final da 3.ª classe, em Junho de 1950, ali na Escola do Ti Bola, onde ele se deslocou na sua bicicleta; e também não esqueço o Professor Manuel Joaquim Ribau que leccionava na Escola da Ti Zefa quando eu, pela mão do Professor Salviano, durante a preparação para o exame de admissão ao Liceu, no ano seguinte, ali me sentava e estranhava a pouca claridade!
Como seria enriquecedor que fossem aparecendo as tuas “memórias” complementares... Espera por elas o

Manuel

mais sobre mim
Março 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds