de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Fevereiro , 2008, 16:59
Os escândalos recentes, provocados pela crise do BCP, os altos salários de alguns gestores, privados e estatais, a corrupção, as reformas promovidas pelo Governo sem explicações credíveis e claras para que o povo as entenda, a arrogância de alguns ministros que falam do alto da sua cátedra sem ouvirem quem quer que seja, as cumplicidades e os negócios entre dirigentes partidários e a alta finança, bem como a última entrevista do primeiro-ministro, José Sócrates, em que mostrou desconhecer o país real, tudo isto tem gerado grandes perplexidades na sociedade portuguesa. Sente-se, claramente, que o povo está descontente. Tanto o que trabalha como o que se encontra na situação de aposentação ou reforma.
É indiscutível a tristeza que tolda os olhares de quem tem de viver a contar os míseros euros que tem no bolso, para conseguir chegar ao fim do mês sem grandes dívidas, quando se sabe que uma minoria (sempre a crescer, diga-se de passagem) tem muitos milhares ou milhões à discrição.
Sem aumentos salariais de acordo com a inflação, os trabalhadores e aposentados confrontam-se, no dia-a-dia, com a subida incontrolável dos preços. Desemprego e precariedade no trabalho assustadores. A vida do cidadão comum degrada-se a olhos vistos. Medicamentos e alimentação caríssimos e dívidas à banca com juros e encargos sempre em alta são razões constantes de inquietação, neste país em que os ricos são cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres.
O 25 de Abril veio para que houvesse mais democracia e mais justiça social. Mas a injustiça social, afinal, continua a conspurcar a nossa democracia. Há um milhão de portugueses com fome. Outros tantos em pobreza extrema.
A SEDES veio hoje com um conjunto de denúncias (ver texto mais abaixo) muito pertinentes. Quem as assina são especialistas na matéria. Oxalá os nossos políticos as analisem e passem à acção, para se evitarem conflitos sociais de contornos imprevisíveis. Há dias houve quem sugerisse um Movimento de Indignação, fundamentalmente para o povo mostrar o seu estado de descontentamento e revolta. Agora veio a SEDES. O que virá a seguir?

FM

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Fevereiro , 2008, 16:23
Dedicada ao médico e investigador científico que con-quistou o primeiro Prémio Nobel para Portugal pelas suas pesquisas na área das funções cerebrais, (Me-dicina, em 1949), esta casa-museu, nos arredores de Estarreja [Avanca], reúne espólio diverso, incluindo o gabinete onde o cientista habitualmente trabalhava. A biblioteca, objectos pessoais e a zona residencial da moradia completam o espaço visitável.

NOTA: Esta é mais uma sugestão do PÚBLICO. Na página dois, do P2, num cantinho, à esquerda, vem sempre uma proposta a ter em conta. Aqui a deixo, para que os meus leitores, se puderem, passem pela Casa do Marinheiro, em Avanca.
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 22 Fevereiro , 2008, 15:35
A SEDES (Associação para o Desenvolvimento Económico e Social) tornou público uma TOMADA DE POSIÇÃO em que alerta os poderes instituídos e a sociedade em geral para “um mal-estar difuso, que alastra e mina a confiança essencial à coesão nacional”.
A dado passo, denuncia que “O mal-estar e a degradação da confiança, a espiral descendente em que o regime parece ter mergulhado, têm como consequência inevitável o seu bloqueamento. E se essa espiral descendente continuar, emergirá, mais cedo ou mais tarde, uma crise social de contornos difíceis de prever”.
Lembra a degradação da confiança no sistema político e diz que vivemos num ambiente sem valores, onde medra a corrupção, um cancro que corrói a sociedade e que a justiça não alcança, com a colaboração de alguma comunicação social sensacionalista e de uma justiça ineficaz.
A SEDES conclui a sua Tomada de Posição, sublinhando: “A regeneração é necessária e tem de começar nos próprios partidos políticos, fulcro de um regime democrático representativo. Abrir-se à sociedade, promover princípios éticos de decência na vida política e na sociedade em geral, desenvolver processos de selecção que permitam atrair competências e afastar oportunismos, são parte essencial da necessária regeneração”.

mais sobre mim
Fevereiro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds