de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Fevereiro , 2008, 16:23



Confederações patronais querem poder despedir trabalhadores para renovarem os seus quadros de pessoal

As confederações patronais da indústria e do comércio querem que as empresas passem a poder despedir trabalhadores quando pretendam renovar os seus quadros de pessoal. "Não raro, as empresas estão apenas carecidas de trabalhadores diferentes e não de menos trabalhadores. É essa renovação que também se tem de possibilitar", defende a Confederação da Indústria Portuguesa (CIP), num parecer ontem divulgado sobre o Livro Branco das Relações Laborais, documento que vai servir de base à revisão do Código do Trabalho. Li este texto no PÚBLICO on-line de hoje e fiquei chocado. Os trabalhadores mais idosos poderão estar a caminho do despedimento, por necessidade de as empresas renovarem os seus quadros. Para mim, trata-se de uma proposta desumana e injusta. Em vez de promoverem os seus trabalhadores, mediante cursos de formação, na própria empresa ou fora dela, despedem-se, para contratarem quem já tem formação adequada.
E que fazer aos trabalhadores despedidos? O Estado que os sustente? Os familiares, se puderem, que lhes dêem um prato de sopa? As instituições de solidariedade social que os acolham? Há ideias que tenho dificuldade em digerir. Há propostas que me recuso a aceitar.
Sabe-se que há empresas com trabalhadores que nunca foram preparados para as exigências da produção em moldes modernos. Mas que culpa têm eles de nunca ninguém os estimular e ajudar na sua valorização profissional? Será que o despedimento, nestas circunstâncias, é digno e humano? Será que uma vez despedidos conseguirão trabalho em qualquer outra empresa? Não me parece. E como é possível que responsáveis pelo patronato industrial e comercial tenham coragem de avançar com tais propostas?

FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Fevereiro , 2008, 12:05


É natural que nem todos compreendam ou saibam as razões das Festas Móveis, como a Páscoa. E como o saber não ocupa lugar, aqui deixo, como sugestão de leitura, um texto que explica a marcação da Páscoa, no calendário da Igreja Católica. Olhando para o calendário, rapidamente se percebe que é a Páscoa quem rege o Carnaval: a Páscoa é celebrada no primeiro Domingo da lua cheia após o equinócio da Primavera [21 de Março], no hemisfério Norte. O Carnaval acontece entre 3 de Fevereiro e 9 de Março, sempre quarenta e sete dias antes da Páscoa, ou seja, após o sétimo Domingo que antecede o Domingo de Páscoa. Mas pode ler mais sobre sobre Carnaval, Cinzas e Quaresma.
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Fevereiro , 2008, 11:44

SOLIDÃO NO CANAL DE MIRA
Ontem, o Canal de Mira, junto à Vagueira, vivia uma certa solidão. Pouca gente olhava para ele ou parava para o apreciar, como era justo. O dia estava luminoso, e algumas nuvens, bem visíveis, emprestavam-lhe um encanto raro. Um barquito, tímido e quieto, parecia desolado, tão votado ao esquecimento se encontrava. Olhei para ele com vontade de dar uma voltinha pela laguna, tão serenamente ela me convidava. Não fui, nem autorização tinha para isso, mas não resisti a fixá-la, assim bonita, para que todos vejam, se é que ainda não sabiam, que a Ria de Aveiro é mesmo linda, diferente e amiga, em qualquer canto, de Ovar a Mira.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Fevereiro , 2008, 11:24

Amaro Neves no CUFC

No dia 13 de Fevereiro, 2.ª quarta-feira do mês, o CUFC vai oferecer mais uma excelente oportunidade a todos os aveirenses para que fiquem a conhecer melhor o património histórico e artístico que nos rodeia.
Amaro Neves, historiador e especialista em história de arte, vai ser o convidado de mais uma Conversa Aberta, do Fórum::UniverSal. Com entrada livre, a conferência, seguida de diálogo, será apresentada às 21 horas, nas instalações do CUFC, junto à Universidade de Aveiro, esperando-se casa cheia. É que não é todos os dias que poderemos ouvir, ao vivo, alguém que conhece, de forma bastante profunda, o nosso património histórico e artístico.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Fevereiro , 2008, 11:08

António Vieira faz 400 anos

1. António Vieira nasceu há 400 anos, em Lisboa. Originariamente mestiço, foi a 6 de Fevereiro de 1608 que chegou a este mundo o homem que atravessaria o século XVII semeando até ao limite a confiança que o desmotivado país bem precisava. Criador de pontes pelos mares que viaja sete vezes rumo ao Brasil (passando por Cabo Verde), inaugura um novo estilo de pertença em que a “língua” e a “cultura” são o lugar do encontro do essencial humano (até ao fim, 17 de Junho 1697, na Baía – Brasil).
2. O tempo de Vieira acolhe os impactos de profundas transformações ao nível do que hoje chamamos de “comunidade internacional”: a cisão europeia das “reformas”; a nova “imagem” de um mundo agora com quatro continentes; as confirmadas descobertas cosmológicas de Galileu; um paradigma de abordagem centralizado na Razão instrumental em detrimento da Revelação; a concepção de uniformidade político-religiosa de estado que “obriga” à expulsão dos judeus; a generalizada exploração desumana de escravos…
3. A realidade portuguesa não se afirmava com melhores cenários. Fruto do fechamento (com D. João III) de que a Inquisição (instituída em 1536) seria sinal simbólico, a par do desvio da “matriz global” das descobertas portugueses para as “areias marroquinas” (Alcácer Quibir, 1578), Portugal viveria no tempo seiscentista um cenário de crise, insegurança, incerteza na perca da identidade pelo tomar dos reis de Espanha (em 1580). Este contexto da perca da independência, também por uma certa nobreza ociosa, seria o terreno de um tempo adiado, descomprometido, desmotivado, corrupto, morto.
4. É neste amplo e complexo enquadramento que melhor se poderá compreender o cidadão do mundo que foi o padre António Vieira. Missionário Jesuíta, pregador pedagogo público (na base da força que tinha o Sermão no barroco da época), embaixador de D. João IV, Vieira das terras do Brasil em edificação comunitária, prima pelo essencial da humanidade e da religião: vive o espírito cristão “ecuménico” (na defesa e reintegração dos judeus) e antecipa (a par de Bartolomeu de Las Casas e Montaigne) o patamar da dignidade humana universal. Para todos os seres humanos: escravos e índios, dizendo que estes também estão inscritos nos livros de Deus. Uma autêntica revolução na mentalidade da época!
5. Continuamente desmontando a visão eurocêntrica do mundo, Vieira projecta Portugal numa História do Futuro, em identidade universalista, ao tempo um factor motivador fundamental à própria consolidação da Restauração de 1640. Em tudo busca a unidade humana: «Se a fortuna os fez escravos, a natureza fê-los homens: e porque há-de poder mais a desigualdade da fortuna para o desprezo, que a igualdade da natureza para a estimação? Quando os desprezo a eles, mais me desprezo a mim» (Sermões do Rosário, Sermão XXVII). Dizem alguns estudiosos que até pela literatura (quanto mais pela identidade) é com pena que Vieira se estuda muitíssimo pouco em Portugal e muito se estuda no Brasil. Pena para nós! Talvez o futuro esteja mesmo lá (Eduardo Lourenço).

Alexandre Cruz

mais sobre mim
Fevereiro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds