de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 27 Janeiro , 2008, 16:06


Aprende a rezar…

1. Gonçalo M. Tavares esteve recentemente em Aveiro, na Livraria dos Serviços de Acção Social da Universidade, a apresentar o seu último romance «Aprender a rezar na era da técnica». Autor já de renome no panorama literário internacional, oriundo das terras de Aveiro, foi com gosto e curiosidade que sua “aula” foi apreendida. Possuidor de um imaginário de interpretação plural, como gosta de sublinhar, nele vão sendo enfrentadas, especialmente na forma romanceada, algumas das grandes questões do (nosso) tempo. Neste romance, posterior ao «Jerusalém», entra em cena a medicina, a política, o poder, a doença, os conflitos de família, a cidade, o crime, a força, a tecnologia, a natureza, a fraqueza, a decadência. O que é a realidade das pessoas, das relações e sociedades senão toda a conjugação sempre incerta destes factores?
2. De suas próprias palavras, somos transportados para um imaginário que se propõe reinterpretar a condição humana neste novo tempo e na relação com as “coisas” tecnológicas que estão continuamente ao nosso redor. Diríamos que elas quase que nos vão “formatando”. Simultaneamente, a inquietude surpreendente de “como” e “se” as reflexões mais ancestrais (da oração, meditação, espiritualidade) conseguem resistir a toda a envolvência técnica condicionante dos humanos (?). Eis uma questão de fundo que toca o “simbólico” da existência de sermos pessoas, onde o sentimento, a emoção, poesia nos transportam para patamares acima da ordem do “exacto”, que afinal é sempre relativo. O título da obra desperta para a compatibilidade entre duas esferas que não são contraditórias, antes pertencem à totalidade da experiência humana: o “rezar” e a “técnica”, e espírito (invisível) e a matéria (tocável).
3. Segundo múltiplos comentários, é dito que «Aprender a rezar na era da técnica» mantém o olhar sombrio sobre a condição humana. Não seguimos essa interpretação. Nada de sombrio quando se “procura”. Pelo contrário, o não interrogar, o não arriscar, o não tentar conjugar contemporâneo da pluralidade (rezar + técnica) é o que surge como mais sombrio. Talvez do título o verbo “aprender” nos coloque, verdadeiramente, em caminho. No fundo, nas fronteiras da procura do sentido, espelhadas em todas as metáforas que criam proximidades com o indizível, todas as indiferenças esbatem-se e os próprios agnosticismos ou ateísmos perdem a sua “razão”… Talvez, tantas vezes, o pior de tudo seja uma questão de linguagem desalinhada… Enquanto formos humanos continuaremos a procurar uma unidade existencial entre o que “sentimos” e as “coisas” que usamos. Afinal, “rezar”, na essência, significa esse “diálogo” (sempre criativo) da intemporalidade humana. Tão diferente de palavras clonadas... É bom “aprender” da dinâmica (cerebral) aberta a Todo o diálogo de todas as coisas.

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Domingo, 27 Janeiro , 2008, 15:39








FIGUEIRA DA FOZ: PARQUE DAS ABADIAS
Com um terço do Inverno já passado, foi agradável usufruir deste sol luminoso que o dia ofereceu. Por lá andei, descontraído, olhando a serenidade que as árvores ofereciam com a falta de vento e chuva. Árvores nuas, ou não estivessem elas a dormir o sono do Inverno, dando a quem passa imagens muito belas. Aqui as deixo para contemplação de quem gosta, com o sabor, para muitos, da nostalgia que por vezes nos invade.


Editado por Fernando Martins | Domingo, 27 Janeiro , 2008, 13:24


Secundária da Gafanha da Nazaré tem «Energias Renováveis em Acção»: Escola produz energia capaz de alimentar uma habitação


“Um kW/hora daria para alimentar uma pequena habitação familiar. Para a Escola Secundária da Gafanha da Nazaré, que consome à EDP cerca de três mil euros mensais, trata-se apenas de um contributo, mas Sérgio Magueta recorda que «os micro-geradores, ou micro-produtores de que se fala bastante agora, que permitem que possamos instalar equipamento deste nas nossas casas e vender à EDP», podem ser bastante vantajosos para particulares.
Um investimento em equipamento deste tipo numa vivenda permitirá ganhos relevantes. «Compramos cada kW a cerca de 10 cêntimos e vendemos à EDP, proveniente de fontes renováveis, a 65 cêntimos», adianta o docente. «Se eu tivesse um equipamento desses em casa, por hora estaria a injectar 65 cêntimos para a EDP. Se tivesse equipamentos ligados em casa, que normalmente será o equivalente a um kW ou menos, estaria a pagar à EDP 10 cêntimos», calcula.”

Ver mais no Diário de Aveiro
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 27 Janeiro , 2008, 12:20
Miniatura da Máquina a Vapor

Alunos escutam explicações

Mais instrumentos em exposição


Instrumentos antigos de Física e Química

Na antiga Capitania, está patente ao público, em geral, e aos alunos, em especial, a exposição “Baú da Física e da Química”, que inclui um diversificado conjunto de instrumentos antigos de Física e Química de escolas secundárias de Portugal. A exposição pode ser visitada até 10 de Fevereiro, das 14 às 19 horas.
Fui lá em dia normal, com um bom grupo de alunos, acompanhados pelos seus professores, atentos às explicações que lhes eram dadas. Também ouvi algumas, naturalmente. E tal como os alunos, não deixei de ler as legendas, uma excelente ajuda para quem quer saber o que está exposto.
A galeria da antiga Capitania, de porta aberta para a Av. Dr. Lourenço Peixinho, está ali bem junto ao Olho da Cidade, à vista de todos, como desafio a quem passa para que entre e aprecie. Entro regularmente, porque é sempre bom aprender ou recordar.
Vale a pena lembrar que o ensino experimental das ciências Físico-Químicas, em Portugal, começou em meados do século XIX, nos primeiros Liceus.
Para saber mais, consulte http://baudafisica.web.ua.pt/

FM

Editado por Fernando Martins | Domingo, 27 Janeiro , 2008, 11:49

DAS MATRÍCULAS

Caríssima/o:

Como foi parar àquela Escola o Olívio não o sabe: chegado o dia 7 de Outubro a Mãe disse-lhe que era para ir e lá foi.
Mas, com o decorrer dos anos, apercebeu-se de que os Professores iam perguntando aos alunos mais velhos se não tinham irmãos ou se não conheciam vizinhos que completassem os 7 anos; registavam as suas anotações. Na altura própria, pediam as cédulas e começavam o processo de integração dos novos alunos. Reparava também no cuidado que os Professores punham no respeito das moradas destes novos, chegando mesmo a rejeitar pedidos de mães para aceitarem os seus filhos: «que não, estavam fora da área que pertencia à Escola!»
Aconteciam situações caricatas e que as mentes infantis retinham. Apenas dois exemplos, sem nomes ou criando nomes fictícios.

Foi uma risota geral quando se ouviu a resposta à pergunta do Professor:
- Píncaro, tens algum irmão com idade de vir para a Escola?
- Ó senhor Professor, o meu irmão tem seis anos e vai fazer cinco!

A outra não foi presenciada, mas ouvida – contudo a sua autenticidade foi garantida...
Um Professor muito conceituado percorria o seu caminho a pé e conversava naturalmente com quem se cruzava. Palavra puxava palavra e era inevitável falar sobre a vida da Escola.
- Sabe, senhor Professor, prò ano lá vai ter o nosso João na primeira classe!?
- Já?! Então já fez os sete anos?
- É verdade, e está espigadote, o rapaz!
O Professor puxava da caixa de fósforos e aí anotava os dados necessários para a matrícula do João...

Manuel

Editado por Fernando Martins | Domingo, 27 Janeiro , 2008, 11:42


"No quadro do saber científico, não se pode demonstrar nem que Deus existe nem que Deus não existe. Também o descrente não pode provar a não existência de Deus. Pense-se, por exemplo, no famoso biólogo Richard Dawkins, que escreveu um best-seller, The God Delusion, traduzido agora para português: A Desilusão de Deus. Darwinista convicto, vê na selecção natural a chave de explicação da evolução, querendo acabar com a ilusão de um Deus pessoal criador e de um "desígnio inteligente" e manifestando a convicção de tornar ateus todos os seus leitores religiosos. Entrevistado recentemente sobre o grau de certeza da não existência de Deus, numa escala de 1 a 7, a resposta foi 6 e não 7."
tags:

mais sobre mim
Janeiro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds