de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 23 Janeiro , 2008, 14:44


E os petiscos regionais?

1. Naturalmente que nada está em causa numa intervenção que procura melhorar as condições de higiene e de qualidade alimentar. Essa garantia de protecção da saúde é sempre bem-vinda, no esforço da melhoria de um serviço para o bem de todos, evitando os maus hábitos do típico improviso português, também à mesa. Mas que essa intervenção oriente para uma uniformidade de procedimentos à mesa é algo que deita a perder séculos de riquezas regionais tão enaltecedoras da nossa história e tradição. Haverá uma fronteira, sempre a discernir, entre uma qualidade necessária a garantir em termos de higiene e o apreço pelas nossas origens e riquezas tradicionais, estas que são a fonte de apreço em sectores como o turismo e a gastronomia.
2. Sendo certo que quando não há condições mínimas não haverá outra solução, todavia, são manifestamente insuficientes as leis (feitas por quem conhece as “raízes” do país?) que num instante mandam fechar, como se não existissem pessoas e outros valores envolvidos. Mesmo para além da certificação de produtos regionais, sempre conducentes a uma industrialização da qualidade relativa, vemos muita gente a pedir um equilíbrio de procedimentos que consiga preservar no bom senso aquilo que são, que somos, mesmo como “petiscos regionais”. Se assim não for, uma uniformização à mesa conduzirá, a médio prazo, ao “plastificado” dos mesmos produtos em série, tudo igual, de norte a sul. Se Portugal não tivesse uma gastronomia riquíssima em zonas regionais que espelham a ancestralidade típica e se não tivéssemos no turismo uma tábua de salvação, talvez se pudesse compreender a opção.
3. Neste momento a “batata quente” (talvez não seja batata doce!) anda entre a autoridade competente e os legisladores. Nestes processos talvez tudo tenha sido falado, menos a urgente e essencial preservação daquilo que patrimonialmente à mesa nos caracteriza (?). Muito acima das questões de higiene e segurança alimentar (valores fundamentais sempre a preservar como “qualidade”), o que acontece é reflexo das tendências uniformizadoras dos tempos da globalização que vivemos. Como garantir a qualidade necessária diante da premente preservação da nossa identidade cultural, daquilo que nos caracteriza à mesa? Eis a questão fundamental (não apressada) para não vermos um país futuro de norte a sul com a mesma mesa, onde tenham desaparecido aqueles “petiscos regionais” que nos falam da nossa história e do paladar da nossa cultura.

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 23 Janeiro , 2008, 13:03



"... se pudermos dar alegria aos outros, já será muito bom!"


Enquanto trabalhava, ouvi esta frase, mais palavra menos palavra, a uma jovem que estava a ser entrevistada num programa televisivo. Nem sei o nome da jovem, mas soou-me bem o que ouvi. Aqui está, de forma tão simples, um bom conselho para toda a gente. O mundo, com sorrrisos, com gargalhadas e com alegria, ficará mais suportável e todos seremos mais felizes. Com rostos carrancudos ou tristes todos ficaremos mais pobres...
Foto de um "site" brasileiro
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 23 Janeiro , 2008, 12:34

O MAR

Um único ser, mas não existe sangue.
Uma carícia apenas, morte ou rosa.
Vem o mar e reúne as nossas vidas,
sozinho ataca e reparte-se e canta
em noite e dia e criatura e homem.
A essência: fogo e frio: movimento
.

Pablo Neruda


In “Antologia”,
com selecção e tradução de José Bento,
edição de “Relógio d’Água”
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 23 Janeiro , 2008, 12:09


"Desejamos também expressar o nosso sentir junto dos poderes públicos, da comunicação social e da sociedade civil e afirmar a nossa disponibilidade para um projecto colectivo que vise a erradicação da pobreza no nosso País e maior solidariedade com a redução da pobreza no mundo. Temos a convicção de que erradicar a pobreza é possível e urgente."
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 23 Janeiro , 2008, 10:57
Pormenor interior de porta

Coro


Sacrário

Painel frontal

Frontal da capela-mor


Cada vez me convenço mais de que temos de aprender a ver, com olhos de ver, a arte e os símbolos que nos rodeiam. Estão neste caso as nossas igrejas, desde as mais modestas às mais sumptuosas.
Sinto e vejo que muita gente entra a correr para o culto, saindo apressada, logo a seguir, sem olhar para a arte e para os símbolos que nos templos estão para nossa edificação. Também é verdade que nem sempre há cicerones nas nossas igrejas, para explicarem, a quem chega, o que significa cada símbolo, o que representa cada peça artística. É uma falta para a qual é preciso encontrar uma saída, sob pena de continuarmos com as igrejas cheias de gente que nem sequer conhece bem o que existe na sua comunidade ou naquelas por onde passa.
Hoje vou mostrar, como desafio, algumas imagens da igreja do seminário de Santa Joana Princesa, em Aveiro. Gostaria que os meus amigos lá entrassem e que apreciassem a arte que ostenta.
FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 23 Janeiro , 2008, 10:27


Um quinto dos medicamentos receitados não são utilizados. Esta é uma realidade indesmentível. Todos nós temos em casa caixas e mais caixas de medicamentos, com o “rótulo” de sobras. Alguns, cujo efeito é bem conhecido, poderão ser ainda utilizados. Por exemplo, quando temos uma dor de cabeça, lá tomamos uma aspirina. Mas há outros que acabam por caducar e o seu destino pode ser o lixo. Ou regressam às farmácias para seguirem para uma qualquer incineradora.
Isto é um prejuízo incalculável para todos. Para os utentes, porque acabam por comprar medicamentos, normalmente caros, que acabam no lixo. Para o Estado, porque comparticipa os mesmos medicamentos.
A partir daqui, por que razão não são comercializáveis doses medicamentosas estritamente indispensáveis para o tratamento prescrito pelo médico? Acho que esta seria e é a melhor solução. Mas… atenção: a indústria farmacêutica já está a lembrar os “perigos” da venda avulsa. Que pode haver confusão, por falta da caixa, dizia um entendido. Francamente… não haverá solução para isso?

FM
tags:

mais sobre mim
Janeiro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds