de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 16 Janeiro , 2008, 21:50

O Papa cancelou a visita que estava programada à Universidade “La Sapienza”, de Roma, atendendo aos protestos de alguns professores e alunos. A visita tinha sido preparada a pedido do Reitor da Universidade, durante uma recepção no Vaticano.
O Presidente italiano, Giorgio Napolitano, manifestou a sua solidariedade a Bento XVI após a anulação da visita. Houve manifestações de apoio ao Papa, por parte de muitos católicos. Alguns jornais de grande circulação em Itália também repudiaram a atitude de professores e alunos, que mostraram a intolerância de que são capazes.
O mundo está assim. Parece que se está a tornar moda hostilizar as religiões, nomeadamente a Católica, nas pessoas dos seus responsáveis. Sobretudo em alguns meios intelectuais e académicos. A religião católica parece que incomoda muita gente. Ou então é politicamente correcto, para algumas inteligências, ser anti-religioso de forma agressiva e mal-educada. Prega-se a liberdade, a tolerância, o diálogo entre todos, crentes e não crentes, mas no fundo, certa gente, sente-se bem a provocar quem tem fé, com direito a vivê-la, negando qualquer possibilidade de ouvir os que têm ideias diferentes. Vêm com fantasmas, com argumentos ridículos, com teorias sem sentido, como se um intelectual católico, como é Bento XVI, não tivesse lugar numa universidade como “La Sapienza”, por sinal fundada por um Papa.
Estou em crer que, se o convidado fosse um líder muçulmano ou um ditador qualquer, com aversão à democracia e aos direitos humanos, talvez a universidade italiana lhes franqueasse as portas e a cátedra, com os aplausos dos que agora ofenderam o Papa.

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 16 Janeiro , 2008, 17:45

A Identidade à Francesa!

1. A força cultural de certos países foi e vai imprimindo as suas próprias modas como hábitos de pensar e viver. Tantas vezes uma impressão quase imposição de modelos que, herdando momentos decisivos da história do passado, acabam por “ir à boleia” da sua memória não se vendo no presente como sair do pântano... Quantos clubes e mesmo instituições cristalizaram no tempo e nos seus tempos gloriosos passados! Claramente salta à luz do dia que, com a velocidade dos acontecimentos da história presente e na incapacidade da adaptação das tradições pesadas, o cordão umbilical da ligação à contemporaneidade se vai perdendo. Isto mesmo aplicar-se-á às linguagens, às instituições de ensino, às instituições políticas e mesmo religiosas. Hoje, o ritmo de tudo será diário, e numa transversalidade de processos andantes e, aos níveis institucionais, necessariamente transnacionais. Nada de novo; ou melhor, tudo novo, quando não, o comboio passa…
2. Neste sentido muito concreto, quase que se poderá perguntar: que vale ao Benfica ter uma história gloriosa se hoje a “coisa” não funciona? Que valerá aos portugueses a lembrança nostálgica dos feitos heróicos de há cinco séculos se hoje não se beber desse dinamismo criativo e visionário? Que vale à França ter marcado a história com uma Revolução Francesa (1789) de alguns valores universais, mas que depois se tornaram nacionalistas… conduzindo a sua própria história com défices interculturais? Enfim, tudo tem o seu valor… numa história que nunca se deve (nem pode) apagar. Mas por vezes parece que preside às relações das nações um contraditório: por um lado não se dá lugar às grandes mensagens históricas que construíram o património de valores universais, por outro, quando dá jeito, puxa-se pelos galões da história particular de cada nação para a garantia de superioridade sobre “o outro”…
3. A própria história, afinal, que se constrói todos os dias, encarrega-se de diferenciar positivamente o que tem valor. O segredo dos portugueses no séc. XV-XVI, da Holanda no séc. XVII e dos Estados Unidos no séc. XVIII-XX foi a capacidade de abertura cosmopolita, lendo a “diferença” como “complementaridade” numa unidade superior. O “fechamento”, quer por motivações políticas, filosóficas ou religiosas, sempre conduziram ao isolamento asfixiante, ao princípio do fim. O que acontece em França, diríamos, é consequência natural das opções seculares exclusivistas sobre os “outros”... Uma identidade “à francesa” que vai perdendo terreno no panorama social, cultural, literário, estando a cidade de Paris sem a “Luz” que outrora foi impulso na ordem da racionalidade.
4. Neste particular, Nuno Rogeiro há dias destacava que, diferentemente dos relacionamentos nas comunidades hispânicas e francófonas, as comunidades lusófonas vivem uma (quase generalizada) proximidade sadia… O que faz com que muitas das ex-colónias francesas e mesmo inglesas da África do futuro aprendam o “português” como a língua dos relacionamentos culturais e comerciais. Também as últimas presidências francesas têm demonstrado (e continuam) que, em termos de liderança e visão, a “razão” das luzes anda descolorida… Entre as múltiplas identidades como pertença futura, talvez a “identidade à francesa” como sinal de modernidade tenha os horizontes mesmo comprometidos.


Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 16 Janeiro , 2008, 12:20

SOL ESCONDIDO
:
O Sol, escondido nas nuvens, tarda em nos aquecer. Lá está ele, à espreita, mas as nuvens negras não o deixam chegar até nós, que bem precisamos do seu calor. A chuva virá a seguir, para nos recordar que estamos no Inverno. Nós já sabemos, é certo, mas sempre gostamos de sonhar com o tempo primaveril e com o calor do Verão. Tudo há-de vir a seu tempo. Até lá, contentemo-nos com a beleza das fotografias, que o Inverno, afinal, também nos proporciona.

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 16 Janeiro , 2008, 12:00

Há programas de rádio e televisão que abrem os seus microfones a quem se dispuser a telefonar. Concordo com esta maneira de dar voz a quem normalmente não a tem. Por esta forma, é possível ouvir desabafos, críticas e reacções aos problemas do dia-a-dia que afligem as pessoas. De quando em vez lá consigo aproveitar algum tempo livre para ficar a par do que pensam os portugueses sobre a realidade da nossa sociedade.
Por vezes, aparecem pessoas com saber e calma suficientes para dizerem o que pensam, com delicadeza e capacidade de síntese. Outras, nem por isso. Poucas afinam pela positiva, sublinhando o que há de bom, sem deixarem de dizer por que razão não concordam com isto ou com aquilo. A maioria, frequentemente com azedume, acha que está tudo mal. Todos os políticos são desonestos e incompetentes, todos os serviços públicos são incapazes, tudo está errado. Raramente aparece quem diga bem seja do que for.
Fico com a ideia de que, de facto, somos um País de pessimistas. Sendo verdade que há muito a corrigir, muito a aperfeiçoar, também é verdade que há muita coisa boa. No meio, afinal, é que estará a virtude.

FM

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 16 Janeiro , 2008, 11:22





PONTE DA BARRA VAI FAZER 30 ANOS DE VIDA
:
A Ponte da Barra, presentemente em obras de restauro e de beneficiação, vai completar 30 anos de vida. Com a conclusão das obras em curso, os responsáveis políticos e técnicos estão a oferecer-lhe uma boa prenda, que é, também, uma prenda para quem diariamente a utiliza e para quem nos visita.
Começou a ser construída em 1972 e em 1978 foi dada como utilizável em pleno, para bem das populações e do turismo em geral. Recordo-me bem do que isso significou para todos. Até aí, todo o trânsito de Aveiro para as praias fazia-se através da Gafanha da Nazaré. Imaginem os mais novos o que isso significava. Um autêntico pandemónio, sobretudo no Verão, com carros e mais carros a tornarem impossível passar-se de um lado para o outro, a pé, na chamada Av. José Estêvão. E então, quando ainda havia inúmeros carros de vacas, o caos generaliza-se, já que a avenida não era suficientemente larga.
FM

mais sobre mim
Janeiro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds