de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 13 Janeiro , 2008, 18:38

PRESERVAR
A RAIZ = FAMÍLIA

1. Quando do nascimento do Estado Mo-derno (séc. XVI-XVII), dava à luz uma identificação absoluta entre as ideias do rei e do seu povo súbdito. O dita-do “cuius regio eius religio” obrigava a uma unidade de uniformidade, na qual o pensamento dos donos do poder (rei e príncipe) teria de ser religiosamente seguido pelas sociedades do antigo regime. Dessa forma, as diversidades e diferenças (especialmente na Europa fracturada das reformas) eram anuladas e, muitas vezes, combatidas até à exaustão.
2. Esse espírito subiu até à razão de estado que trouxe a liberdade da Revolução Francesa (1789). Um Estado de Direito que, benéfico na organização da “casa” da diferenciação dos poderes, cedo viria a revelar incapacidade de gerar a coexistência das diversidades e das autonomias das pessoas, das famílias, das mulheres,... Os nacionalismos decorrentes da Revolução Francesa espelham bem que essa Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789) não trazia consigo a abertura à dignidade humana, vindo a colidir nas guerras do séc. XX.
3. Toda esta reflexão que apresentamos pretende sugerir que hoje estamos num tempo (humano) novo. Neste, os Estados, em democracia, têm de ser relativizados em função das Pessoas concretas na sua situação, sendo a liberdade (claro, responsável, na verdade digna) a fronteira do entendimento de todas as razões. Quanto à célula-raiz da sociedade, a FAMÍLIA, a Declaração dos Direitos Humanos (1948), que constitui uma aquisição de civilização jurídica de valor essencial, afirma que «a família é o núcleo natural e fundamental da sociedade e tem direito a ser protegida pela sociedade e pelo Estado» (artigo XVI, nº 3).
4. Do dito anteriormente, consequentemente, tudo muda de cenário. Os estados (entidade sempre anónima) não são absolutos, mas sim as pessoas (“entidade” sempre real). O preâmbulo (1º) da Declaração dos Direitos Humanos considera «que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo». Assim, a construção da paz, por isso, só é possível na base da dignidade humana comum. Nos contextos sociais que atravessamos, é neste sentido que Bento XVI alerta que «a negação ou mesmo a restrição dos direitos da família, obscurecendo a verdade sobre o homem, ameaça os próprios alicerces da paz» (nº 4 da Mensagem do Dia Mundial da Paz – 1 Janeiro 2008, com o tema Família Humana, Comunidade de Paz).
5. O desapreciar sucessivo da comunidade familiar (em paradigmas de vida e mesmo em liberdades sem referenciais de legislações europeias e entre nós), vai trazendo consigo águas inquinadas quanto ao futuro. Já os Direitos Humanos sublinham que «ninguém será sujeito a interferências na sua vida privada, na sua família, no seu lar… » (artigo XII). Bento XVI complementa destacando que, assim, «quem, mesmo inconscientemente, combate a instituição familiar debilita a paz na comunidade inteira, nacional e internacional, porque enfraquece aquela que é efectivamente a principal “agência” da paz» (nº 5 da Mensagem - Dia Mundial da Paz 2008). Sem a FAMÍLIA de sempre não haverá futuro sensível e humano. É claro, como sugere Agostinho da Silva, “o tempo que vivemos se for mesquinho, amesquinha o eterno”. Há uma classe pensante, e que sabe do valor insubstituível da família, mas que…vai deixando correr a água.

Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Domingo, 13 Janeiro , 2008, 17:59

























































Fotos, de cima para baixo, da esquerda para a direita: Peixeira, Fogueteiro, Marnoto e Parceira do Ramo. Clique na foto para ampliar.
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 13 Janeiro , 2008, 11:54
Marina da Costa Nova

Jardim 31 de Agosto, na Gafanha da Nazaré



Gafanhoas de há 60 anos




Jardim Henriqueta Maia, em Ílhavo




ILHAVENSES E GAFANHÕES DE MÃOS DADAS

Com um conjunto de actividades diversificadas, o Município de Ílhavo celebrou hoje o 110.º aniversário da sua restauração. É já velhinho, mas mantém, com altivez, uma juventude plena de vitalidade. A esperança num futuro marcado pelo progresso, a todos os níveis, e pela sã convivência continuará a ser uma aposta em que todos temos de acreditar.
Para trás, ficam algumas guerrinhas, alimentadas, há décadas, pela idiossincrasia dos povos que por terras de Ílhavo se juntaram. Ilhavenses por um lado, gafanhões pelo outro. Uns olhando o mar, outros fixando a terra. Uns enfrentando as ondas alterosas, para delas extraírem riqueza e se abrirem a novos horizontes; outros dominando as dunas esbranquiçadas e improdutivas, que transformaram em terra fértil.
Ilhavenses e gafanhões deixaram-se envolver, aceitando, por quantos de outras paragens vieram e se aconchegaram, dando o seu trabalho e os seus usos e costumes, ao ponto de todos possuirmos sangue, suor e lágrimas de recantos, nunca imaginados, do País e até do estrangeiro. Uns partiram em demanda de sonhos que a terra-natal lhes negava ou por simples aventura. Outros saíram por motivos profissionais. Todos mantêm, pelo que sei, um amor acrisolado à terra-mãe.
A celebração do 110.º aniversário, que vai ser um cântico ao passado e ao presente, que todos moldámos com a nossa tenacidade e amor ao solo que nos viu nascer, não deixará de ser, também, um apelo à unidade, dentro das nossas diversidades, para que, de mãos dadas, saibamos construir um futuro de mais justiça, de mais paz e de mais progresso social, sem nunca descurarmos a solidariedade, mãe da fraternidade.
Que todos, neste dia, queiramos, ainda, sorrir uns para os outros. O Concelho de Ílhavo não é monopólio de ninguém. Todos nele temos uma parcela do passado e do presente. E todos queremos prosseguir na caminhada, assumindo, com a nossa quota-parte, as responsabilidades inerentes à construção de uma terra melhor.
FM.
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 13 Janeiro , 2008, 11:53




Imaginem um desafio de futebol, em Lisboa, integrado na Liga dos Campeões, com uma equipa turca. E que os jogadores dessa equipa – como é óbvio – têm no equipamento o emblema do clube, com um crescente.
“Normal”, achamos nós. “Eles são turcos. O crescente faz parte da sua identidade muçulmana”...
Não nos passaria pela cabeça exigir que os jogadores retirassem o crescente do seu emblema, alegando ofensa religiosa. Pois bem, isto mesmo aconteceu ao contrário.Um advogado turco apresentou uma denúncia à UEFA pedindo sanções contra o Inter de Milão porque – num desafio em Istambul contra o Fenerbahce – a equipa italiana vestiu uma camisola branca com uma cruz vermelha à frente…”Uma ofensa”, diz o advogado, que recorda “as cruzadas e manifesta a superioridade racista de uma religião”.
Por causa disto o “Barça” decidiu disfarçar o seu emblema. A pequena cruz que, há mais de 100 anos, se vê no canto superior esquerdo do escudo oficial do Barcelona Futebol Clube, desapareceu dos equipamentos à venda nos países muçulmanos, “para não ferir susceptibilidades”…
Por esta lógica, nem os Belenenses escapam… com a cruz de Cristo no peito.Por favor, “Belenenses”, não percam a identidade!


Aura Miguel, da RR

Editado por Fernando Martins | Domingo, 13 Janeiro , 2008, 11:52

Na rua comprida
Há gente que passa
e pára
Há gente que corre
e conversa
Há gente de olhares distantes
e frios

Na rua comprida
Há gente sozinha
e acompanhada
Há gente que procura
no murmúrio
a paz há tanto perdida

Na rua comprida
Há gente triste
e alegre
Há gente que sonha
e acredita
que a vida
com alguém
é sempre mais bonita

FM

Editado por Fernando Martins | Domingo, 13 Janeiro , 2008, 11:50


1. Interrogo-me diante da memória cultural de imensas pessoas ao lembrarem vultos, obra feita, exemplos (às vezes, até momentos desedificantes) em contraste com os silêncios do esquecimento. A morte mais dolorosa ocorre quase sempre após a biológica.
Como é que, no nosso meio, autores “malditos” (assim foram julgados) como Simone de Beauvoir, que o mundo literário festeja no primeiro centenário de nascimento, são postos em cena, e no caso em apreço, pela defesa da mulher, ao invectivar opressões, ao descolonizar a dependência, ao promover a dignidade de direitos iguais? Ainda bem.
Numa certa altura da trajectória da minha geração, citar Simone ou o “seu” Sartre, era diabolizar o tê-los trazido ao convívio da mente e da palavra. Dei-me conta de que foram muito poucas as pessoas que se deram ao trabalho de os conhecer, estudando-os em depuração crítica.
Há longos meses chegou ao meu conhecimento a descoberta de um escrito póstumo de Simone, polvilhado de referências auto-biográficas, desde a meninice à adolescência, e onde, sem agressividade, recorda a educação cristã do colégio que frequentou, e, mais tarde, a ruptura com as perspectivas da Igreja Católica. Tornou-se descrente. Socorrendo-me do arquivo da memória, destaco o elogio que presta às pessoas com quem teve a dita de contactar, e na ambiência de um colégio orientado por valores cristãos, os quais ela aponta a dedo, enquanto vivos na arte de viver de uma comunidade. Dai o retrato de uma geração corajosa e consistente, que ela traça!
Ninguém nasce humano; torna-se humano…, glosando o dito de Simone, a respeito da Mulher.
Ouvi esta semana uma mulher afirmar que as mulheres (ou um certo número delas) guardam dentro de si uma certa raiva, uma recusa aberta contra muita gente. Será mesmo assim? E continuava: são efeitos de uma educação que sempre inferiorizou, longe de promover a auto-estima e a admiração. Resultado? O arrastar, ao longo do tempo, a sensação da insignificância, da incapacidade, da falta de estatuto... Venham essas amputações donde vierem, são decretos de morte. Por isso muitos (as) não se tornaram humanos (as).

Januário Torgal Ferreira,

Bispo das Forças Armadas e Forças de Segurança

Leia todo o artigo em Jornal de Opinião

Editado por Fernando Martins | Domingo, 13 Janeiro , 2008, 11:36


DE COMO OS RAPAZES
ABANDONAVAM A ESCOLA

Caríssima/o:

Há coisas que têm tanta graça e tanta lógica como aquela anedota de almanaque:
- Senhora Professora, uma pessoa pode ser castigada por uma coisa que não fez?
- É claro que não, Teresinha!
- Sabe, é que não fiz o trabalho de casa...

E foi o caso.
O Olívio, que contava com a presença e o apoio do irmão mais velho que iria frequentar a 4.ª classe, sentiu-se, de um momento para o outro, como órfão: o Artur resolveu abandonar a Escola!
Era lá possível? Mas porquê? Não vês que uma pessoa sem estudos não vale nada? Anda, homem, faz ao menos a 4.ª classe!
Não... e não... e não!
Ai sim?! Então toma, e toma, e toma!, e amanhã voltas à Escola que a Senhora Professora já te mandou chamar!
Mas, no dia seguinte, o Artur levantou-se cedo e, quando o Pai chegou ao trabalho, já ele lá estava: percorreu a pé, sozinho, os quilómetros até à obra que andava em reparação...
- Ó Pai, eu quero trabalhar!
- Filho, eu preferia que voltasses para a Escola. Sabes, olha para mim que não sei ler nem escrever... e vês a falta que me faz.
- Mas eu já fiz o exame da 3.ª classe!... Agora quero trabalhar!
- Vais-te arrepender... Hás-de torcer a orelha mas ela não deita sangue...Mas pronto, não se fala mais nisso... Traz-me tijolos e depois a massa.

A Mãe até chorou “de raiva”... o rapaz não queria mas ele não sabia o que queria...

Reparou então o Olívio que também outros rapazes não tinham regressado à Escola para a 4.ª classe e todos andavam a trabalhar. E ele não compreendia!
O “aeiou” depressa o fez esquecer esta falta e os companheiros eram como se outros irmãos não só nas brincadeiras mas também no apoio dentro da sala.

Manuel

mais sobre mim
Janeiro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds