de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 11 Janeiro , 2008, 21:52



AS TRADIÇÕES TÊM DE CONTINUAR

Recebi esta noite, em minha casa, o Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré. Mesmo em noite de chuva e frio, caras e vozes que conheço, há anos, vieram mais uma vez cantar as Janeiras, para manter a tradição. Pais e filhos, todos entusiasmados, tocando e cantando melodias que permanecem, indelevelmente, na minha memória. O Grupo Etnográfico desenvolve esta acção há mais de 20 anos, pegando numa experiência de um outro grupo popular que a tinha iniciado uma dúzia de anos antes. De casa em casa, o Grupo é acolhido, normalmente, por cerca de 300 famílias. Também participa num ou noutro festival de Cantares das Janeiras, organizado por um Rancho ligado à Federação do Folclore Português.
Canta as Janeiras, presentemente, para não deixar morrer a tradição e para angariar fundos para o Grupo Etnográfico, sempre à procura de contribuições para custear as suas multiplas despesas. Como é conhecido de muitos, na Gafanha da Nazaré, organiza, anualmente, três Festivais de Folclore: o da Gafanha da Nazaré propriamente dito; o da Praia da Barra; e o da Festa de Nossa Senhora dos Navegantes.
Se tudo correr como o Grupo deseja, talvez seja possível participar num Festival de Folclore, em Palermo, Itália, ainda este ano. Mas as suas actividades continuam, já que a recolha, o estudo e o ensaio de novos Cantares, acompanhados de danças, recolhidos na tradição popular, são uma exigência constante.
Daqui endereço os meus parabéns ao Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré e a todos os seus dirigentes e restantes membros, gente que vive com muito entusiasmo a etnografia ligada a esta região das Gafanhas.

FM
DEUS NOS DÊ FESTAS ALEGRES

Deus nos dê festas alegres
Com seu divino amor
A Virgem Nossa Senhora
Deu à luz o Redentor
Cantaremos nossas canções
Para visitar Jesus
Vamos ver sua lapinha
Cheia da divina luz

A Gafanha da Nazaré
É esta a sedutora
Damos graças ao Menino
E à Virgem Nossa Senhora

O presépio enfeitado
Nos espera e nos seduz
Para prestar homenagem
Ao que a Virgem deu à luz
Vamos indo pastorinhos
Com toda a nossa alegria
Visitar o Deus Menino
Filho da Virgem Maria

Vamos indo piedosos
Cada qual com sua oferta
Oferecer ao Menino
Que é dia da sua festa
É o nosso Deus Menino
É o rei dos pobrezinhos
Oferecer-lhe as ofertas
Dos humildes pastorinhos

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 11 Janeiro , 2008, 17:38



Soube, pela comunicação social, que Ílhavo já tem um assessor cultural, que ficará responsável pela programação do Município, nessa área. É ele José Pina, que se apresenta credenciado por larga experiência na programação cultural em Santa Maria da Feira, um dos maiores municípios do país.
Promete que vai trabalhar com o meio associativo local, “estimulando a sua produção artística”, enquanto procurará dinamizar “uma programação diversi-ficada, regular e de reconhecido valor artístico, em áreas como a música, a dança, o teatro e o cinema”.
Boa vontade e entusiasmo não faltarão, sendo certo que todos os ílhavos ficarão a alimentar a esperança de que algo de bom seja feito por todos.
Numa primeira reacção, poderíamos ser levados a perguntar se não haveria pelo concelho de Ílhavo alguém com capacidade para tais funções. Acho, no entanto, que não vale a pena perder tempo com essas questões. Hoje em dia, os trabalhos e os trabalhadores, os técnicos e os dirigentes não podem ter fronteiras. O importante é que as coisas se façam para as pessoas e com as pessoas, valorizando-se sempre as melhoras apostas, aquelas que elevam e engrandecem as populações.
Da minha humilde pessoa, os projectos do Município, sobretudo os destas áreas, tão abrangentes quanto possível, poderão contar com o meu aplauso.

FM

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 11 Janeiro , 2008, 17:08


E OS PORTUGUESES À ESPERA
DE VEZ NOS HOSPITAIS?


Tenho para mim que, se não fosse o Presidente Cavaco Silva a apelar à calma, aconselhando uma reflexão mais profunda sobre outras hipóteses possíveis para a loca-lização do novo aeroporto, ainda agora estaríamos na teimosa discussão sobre qual seria o melhor sítio. Com o seu apelo, o Governo deixou a teimosia, tornou-se mais humilde e aceitou a análise de outras sugestões.
Agora decidiu com base em estudos do LNEC (Laboratório Nacional de Engenharia Civil), entidade cuja credibilidade é sobejamente conhecida. Em 2017, Portugal terá um grande aeroporto, com capacidade para responder a necessidades de toda a Ibéria. E até lá, estão garantidos entre 40 e 60 mil postos de trabalho, directa ou indirectamente ligados ao novo aeroporto.
Aqui está, mais uma vez, a importância do magistério de influência do Presidente da República.
Um problema muito grave fica, no entanto, por resolver: Durão Barroso declarou há tempos que não haveria nenhum novo aeroporto em Portugal, enquanto houvesse crianças em lista de espera para poderem ser intervencionadas cirurgicamente nos hospitais portugueses. Que eu saiba, crianças e idosos, portugueses de todas as idades, sobretudo os mais pobres, continuam e continuarão à espera de serem atendidos, atempadamente, nos nossos hospitais. Aqui é que está outro grande e grave problema. Ou não é verdade?

FM

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 11 Janeiro , 2008, 00:05


Uma análise feita e publicada há meses, na Inglaterra, denunciava o Estado por estar em guerra contra a família, ser elemento perturbador da vida conjugal e familiar e se ter tornado o maior inimigo das famílias que o querem ser, sempre e em todas as circunstâncias. Isto tudo em virtude das políticas sociais que favorecem a separação, a instabilidade e formas estranhas de ser família, que se vão multiplicando com os favores da lei. Tudo isto atinge profundamente as famílias assentes em valores humanos e morais, a que, displicentemente, chamam “famílias tradicionais”, como se a tradição fosse sempre um conjunto de velharias incómodas e para deitar fora.
Não passou despercebida a grande manifestação em Madrid, no dia 30 de Dezembro, com mais de um milhão de pessoas na rua a denunciar o Estado pelo atropelo contínuo às famílias, nomeadamente às famílias cristãs. Apesar da campanha negativa das leis e dos meios de comunicação social, todos quanto fizeram e fazem uma experiência rica e enriquecedora, no seio da sua família, resistem, denunciam e clamam pela justiça que lhes é negada. O Cardeal de Madrid encabeçou a manifestação, porque o tema era sério.
A dissolução e destruição da família, todos o sabemos, não resulta de grupos espontâneos, mas é, essencialmente, fruto de políticas governamentais, traduzidas em leis e em favores sociais a uns, que a outros se negam ou dificultam. Assim, a pretexto de modernidade, se vai, pressurosamente, ao encontro de poucos e de suas apetências, com efeitos destrutivos do património social e instituições básicas da sociedade civil.
Trata-se de uma manifesta contra cultura que é preciso denunciar e contrariar com coragem, acompanhada de propostas alternativas válidas, claras e praticáveis.
Não se trata de um caminho impossível, e muitos assim o têm manifestado pela sua lucidez, luta organizada e contínua, choque numa sociedade que se deixa anestesiar ou embarca sonolenta nas palavras bonitas de quem parece procurar mais simpatias e êxitos, que soluções válidas para os problemas humanos e sociais do país.
Não digo que o Estado descuide a obrigação de procurar, para as minorias, respostas enquadradas no contexto social em que vivemos, respeitando e não agredindo as maiorias que, por sê-lo, não terão de ceder dos seus direitos e valores.
Não se pode aceitar, no caso da família, que o conjunto da população, constituído por famílias normais, fieis à lei fundamental do país e respeitando o património cultural e religioso que o sustenta, seja um conjunto descriminado e depreciado, ante as investidas de quem incarna a ditadura do efémero e do vazio moral e não respeita ninguém.
Todos sabemos como é difícil, por vezes impossível, proteger a estabilidade da família, quando o exemplo da não estabilidade vem, ostensivamente, de cima, de quem tem o poder mas também o dever de servir a comunidade nacional, como ela é e quer ser, e com o testemunho da sua vida e a demonstração pública dos valores que a norteiam.
As leis do divórcio, entre nós cada vez mais facilitado e agilizado, o embuste programado que levou muitos incautos a votar a facilitação do aborto, as crescentes dificuldades sociais para muitos casais que desejam procriar, mas não vislumbram como concretizar esse desejo normal, a maneira de resolver problemas graves que fazem de crianças objecto de discussões, lutas e trocas, as distorções da chamada educação social obrigatória, o hedonismo reinante acessível a todos, o retirar aos pais tarefas que lhes são próprias por parte do Estado que se arvora em dono e pai dos filhos dos outros, a morosidade de leis sociais que protejam e acautelam direitos e deveres familiares… Tudo isto, e não se esgota a lista dos problemas, mostra que não se respeita nem aprecia a família, nem se está disposto a promovê-la, se ela teima em ser família normal, onde o amor é lei, a vida e a relação familiar escola de valores, o lar, espaço e ambiente de humanização e capacitação para se agir em sociedade, de modo digno e responsável.


António Marcelino
tags:

mais sobre mim
Janeiro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds