de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 04 Janeiro , 2008, 22:53


Uma lenda russa, recuperada da memória do tempo, narra o percurso de um quarto rei mago que demanda o Recém-nascido em Belém. A sua narrativa afirma que os magos eram quatro e não apenas três.
Melchior, Gaspar e Baltasar são nomes postos pelo Papa S. Leão a estes três conhecidos cujos restos mortais são levados para Colónia, no século XII, por ordem do imperador Frederico Barba Roxa. A essa cidade alemã, acorrem então muitos peregrinos, facto que está na origem da construção de um dos monumentos góticos mais célebres na Europa – a célebre catedral.
Do quarto, somente a lenda russa lembra alguns episódios. Não tem nome nem terra. Ninguém sabe o que faz ou o que diz ao longo do caminho. Apenas consta a dura viagem no seu jumento envelhecido e cansado. Apenas se sabe que no seu alforge leva um pote pequeno de vinho e outro de azeite.
A marcha é lenta, o percurso difícil. O rei lança o olhar por tudo quanto pode ver. Sempre que encontra desolação ou miséria, pára e socorre os aflitos conforme as suas magras posses.
Quando chega a Jerusalém, já tudo o que é conhecido tinha ocorrido: A conversa com Herodes; a assembleia dos sábios conselheiros; a deslocação e o reaparecimento da estrela; a saída precipitada dos outros reis magos que nem sequer deixaram rasto. Apesar de tudo, não desiste e sozinho continua a seguir o que lhe pede o coração. Com muito esforço, consegue chegar a Belém, terra desolada onde reina grande alvoroço e dor. José havia tomado o Menino e sua Mãe, fugindo para o Egipto.
Sem encontrar aquele que procura com tanta persistência – pois mais uma vez tinha chegado tarde –, apenas dá conta do pranto das pessoas e das chagas de tantas mães que lutaram incansavelmente para defender os seus filhinhos perante a fúria assassina dos soldados de Herodes. E então, fica em Belém a dar consolação, a fazer curativos, a prestar socorro. Quando retoma a viagem para o Egipto é já muito tarde.
Ele pressentia que não acompanhava o ritmo dos acontecimentos, mas o seu coração seguia outro relógio – o da compaixão para com os desolados, o da vida dos proscritos e excluídos. A família de Jesus havia partido para Nazaré, evitando cidades sob a alçada dos descendentes de Herodes, perigosos como ele.
E diz a lenda que o quarto rei continuou o seu peregrinar, alimentou a sua esperança confiante e, passados uns anos, vem a descobrir Jesus no Calvário, agonizando entre dois malfeitores. Ajoelhado e contrito, implora do Senhor perdão por nunca se ter encontrado com ele na vida, por ter saído dos “caminhos” normais prescritos pelas leis judaicas, por ter ouvido mais o coração do que a razão. Enquanto assim rezava, escuta a doce voz de Jesus prestes a “apagar-se”: Os teus atrasos no tempo são fruto de um amor generoso e não da tua comodidade. O culto que me apraz é a misericórdia e não o sacrifício. Quando socorrias quem estava em necessidade, era a mim que tu servias e não ao teu egoísmo, interesse ou vaidade. “Amigo, hoje estarás comigo no paraíso”.

Georgino Rocha
:
Foto: Gruta de Belém
tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 04 Janeiro , 2008, 17:46







CASAS TÍPICAS
:
As Casas Típicas da Costa Nova já não são o que eram. Eram de madeira, com todas as su-as tábuas pintadas, dando o aspecto de riscas largas. De cores garridas, as casas até começavam a inclinar-se, com a idade e a força do vento, certamente. Hoje, as haabitações que se mostram a quem chega são de material usado na região, tijolo e cimento, e as cores que as decoram exibem combinações mais sofisticadas, embora menos genuínas, porque já não são ao gosto do povo simples. As exigências urbanísticas são decerto mais rigorosas do que antigamente. De qualquer modo, dá gosto chegar à Costa Nova e ver que as suas marcas ainda se mantêm, como sinal do bom gosto pela preservação do passado.



Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 04 Janeiro , 2008, 17:30
A ADERAV espera que o projecto de re-cuperação das igrejas de Santo António e de São Francisco, em Aveiro, possa ser uma realidade este ano. Depois do alerta, lançado em Julho do ano pas-sado, a associação reuniu com várias entidades, conseguindo trazer o mau estado de conservação daqueles monu-mentos nacionais para a actualidade.
O presidente da direcção, Luís Souto, defende que a execução da obra deve ser integrada nas candidaturas ao Quadro de Referência Estratégica Nacional 2007/2013.
:
Leia mais em RTN
:
Foto da ADERAV

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 04 Janeiro , 2008, 17:16

Ílhavo celebra o 110.º aniversário da restauração do município. As come-morações estão marcadas para 13 de Janeiro. A parte da manhã, inclui, às 10:30 horas, o hastear das bandeiras e, às 11, a missa de acção de graças, na igreja de S. Salvador. Depois do almoço evocativo, realiza-se um Sarau Cultural, no Centro Cultural da Gafanha da Nazaré, com a participação da Filar-mónica Gafanhense e dos grupos folclóricos do município. Para as 19 horas, está marcada uma sessão de Fados de Coimbra, no Salão Cultural da Gafanha do Carmo. As comemorações terminam com um espectáculo de fogo de artifício, na zona da Bruxa, na Gafanha da Encarnação

mais sobre mim
Janeiro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds