de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 24 Dezembro , 2007, 13:36



“O Natal em Aveiro e sua Região – Tradição e Arte”

Há livros que vêm na hora certa. “O Natal em Aveiro e sua Região – Tradição e Arte”, do historiador aveirense Amaro Neves, é um deles. Chegou-me às mãos há pouco, já dei uma espreitadela, já li umas páginas e vou ler o que falta, que é muito, por estes dias. Na quadra natalícia, como está bem de ver. Porque vale a pena, ou não fosse esta obra, como todas as de Amaro Neves, o fruto de um trabalho cuidado e de pesquisas constantes, ou não fosse o autor um historiador competente.
Com capa de Humberto Gaspar, as tradições e a arte desta região ficam agora à disposição de todos os amantes da cultura e das diversas expressões artísticas que enformam o perfil religioso e a sensibilidade das nossas gentes, graças não só ao texto, mas também às belas e sugestivas ilustrações.
Num texto introdutório, António Marcelino, Bispo Emérito de Aveiro, realça que “Este livro informa, dá sentido às coisas, valoriza as artes, esclarece dúvidas, sublinha a importância de um acontecimento ímpar que, sendo do tempo, ultrapassa o tempo. Porque não se trata de um Natal qualquer, mas do Natal de Jesus Cristo, um ‘Homem para os outros’, ‘Deus connosco’, Alguém de quem sempre se dirá ‘Passou fazendo o bem’”.
Em Notas de Apresentação, o autor manifesta o desejo de que este seu livro possa “contribuir para que prevaleçam estes valores e princípios [doNatal] que, sendo bons, farão a nossa sociedade um pouco melhor, isto é, mais humana e rica de vida espiritual”.
Aqui fica, pois, como sugestão de leitura para este tempo de Natal, o livro “O Natal em Aveiro e sua Região – Tradição e Arte”.



Fernando Martins
tags: ,

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 24 Dezembro , 2007, 11:19

Coimbra, 24 de Dezembro de 1985 – Natal. E, só pelo facto de o ser, o mundo parece outro. Auroreal e mágico. O homem necessita cada vez mais destas datas sagradas. Para reencontrar a santidade da vida, deixar vir à tona impulsos religiosos profundos, comer e beber ritualmente, dar e receber presentes, sentir que tem família e amigos, e se ver transfigurado nas ruas por onde habitualmente caminha rasteiro. São dias em que estamos em graça, contentes de corpo e lavados de alma, ricos de todos os dons que podem advir de uma comunhão íntima e simultânea com as forças benéficas da terra e do céu. Dons capazes de fazer nascer num estábulo, miraculosamente, sem pai carnal, um Deus de amor e perdão, contra os mais pertinentes argumentos da razão.

Miguel Torga, Diário XV


NOTA: Texto enviado, com os votos de um Natal Brilhante, pela Sara Silva e família.

mais sobre mim
Dezembro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9


26



arquivos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds