de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 31 Dezembro , 2007, 14:45

Família Humana,
Comunidade de Paz

"Condição essencial para a paz nas famílias é que estas assentem sobre o alicerce firme de valores espirituais e éticos compartilhados. No entanto, é preciso acrescentar que a família experimenta autenticamente a paz quando a ninguém falta o necessário, e o património familiar – fruto do trabalho de alguns, da poupança de outros e da colaboração activa de todos – é bem gerido na solidariedade, sem excessos nem desperdício. Para a paz familiar, portanto, é necessária a abertura a um património transcendente de valores, mas, simultaneamente, há que não menosprezar a sapiente gestão quer dos bens materiais quer das relações entre as pessoas. O falhanço nesta componente tem como consequência a quebra da confiança recíproca devido às perspectivas incertas que passam a pairar sobre o futuro do núcleo familiar."
:
Toda a Mensagem em Ecclesia

Editado por Fernando Martins | Domingo, 30 Dezembro , 2007, 14:05

DEUS ANDA PELA COZINHA

Há pessoas com uma intuição especial para escolher prendas de Natal para os familiares e amigos. Eu, confesso, tenho algumas dificuldades. Normalmente dou aquilo de que gostei. Sobretudo livros já lidos e que me encantaram. Esse meu hábito já mais do que uma vez foi contestado por familiares, alegando que aquilo de que gosto pode não dizer nada a quem ofereço. Contudo teimo nesse meu comportamento, por não ver outra saída.
Neste Natal, por exemplo, recebi livros que me deliciaram. Já dei uma vista d’olhos a alguns e percebi que os meus familiares e amigos acertaram em cheio. Deles talvez venha a falar ao longo do ano.
Há um, porém, que se lê num fôlego e que me encantou durante a tarde de ontem. Já tinha ouvido falar dele, mas não tinha sentido apetência pela sua aquisição e pela sua leitura. Nem sequer tinha dado conta de que o prefácio, texto fundamental, era do conhecido padre e poeta José Tolentino Mendonça, já de si garantia de um trabalho de qualidade. O meu amigo acertou, portanto.
O livro – A BÍBLIA CONTADA PELOS SABORES – contém receitas de Albano Lourenço na Quinta das Lágrimas, com fotografias, excelentes, de Valter Vinagre (não podia faltar). A ficha técnica diz ainda que a edição é da Assírio e Alvim e que a revisão é de António Lampreia (também vem a calhar).
Da Bíblia, (Antigo Testamento e do Novo Testamento) e da tradição cristã são as receitas de entradas, sopas, peixes, carnes e sobremesas, todas elas de fazer crescer água na boca, para além de serem um desafio à nossa capacidade de as elaborarmos, tendo por tema, numa roda familiar ou de amigos, as propostas culinárias dos tempos de Jesus entre nós e antes d’Ele. E depois d’Ele, está bem de ver.
José Tolentino Mendonça brinda-nos com um prefácio que é uma belíssima lição bíblica, daquelas que se lêem com gosto, com a garantia de que “Deus anda pela cozinha”. Diz o prefaciador, logo nas primeiras linhas: “Literalmente, a Bíblia é para comer. É odorosa, recôndita, vasta como a mesa celeste, íntima como a mesa materna, grata ao paladar, engenhosa, profusa, profícua. Descreve os copiosos bosques profanos e as ofertas alimentares sagradas, recria ascetismos e deleites, conta com a esporádica caça e os pastos cevados, com comidas frugais de viagens e banquetes há muito anunciados. Não é insólito que se olhe atentamente para a cozinha da Bíblia.”
Claro que não vou transcrever todo o prefácio, embora gostasse de o partilhar com os meus leitores. Mas fica aqui, ao menos, um cheirinho do que foi cozinhado para este livro, na Quinta das Lágrimas, lá para as bandas de Coimbra, de tantos encantos, bem à vista no livro.

E já agora, com a devida vénia, deixo uma receita, do mestre Albano Lourenço, que todos podem experimentar:

Guisado de ovelha com lentilhas e uvas
(Antigo Testamento)

1,2 Kg de pá de ovelha
3 cebolas
6 dentes de alho
2 dl de azeite
4 folhas de louro
100 g de lentilhas
200 g de uvas
4 dl de vinho branco

Demolhe as lentilhas. Frite a carne partida em pedaços em azeite e retire. Continue a fritar a cebola e os alhos picados. Refresque com vinho, junte o louro e reduza um pouco. Junte a carne e cubra com água. Deixe cozer mais ou menos 40 m até estar quase cozinhada. Junte as lentilhas, deixe cozer e retire do lume. Junte as uvas cortadas ao meio sem grainhas.

Bom apetite, deseja o

Fernando Martins
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 30 Dezembro , 2007, 13:16

O PRÍNCIPE E A ARANHA

Caríssima/o:

Seja então esta a última lenda das terras que fui/fomos percorrendo. Passa-se na Escócia que, se bem nos lembrarmos, foi lá que iniciei esta caminhada.
A versão que me caiu sob os olhos diz assim:

«Num país longínquo, vivia um príncipe que julgava que no mundo havia coisas e animais que não serviam para nada.
Dizia com muito mau humor:
- As moscas servem unicamente para nos incomodarem. As aranhas servem para sujar tudo com as suas sujas teias.
Em certa ocasião, esse príncipe perdeu uma batalha e, perseguido pelos seus inimigos, teve de fugir através de um bosque. Sentiu-se perseguido, dia e noite. Estava já tão cansado que, a determinada altura, pôs-se a dormir junto ao tronco de uma árvore.
Foi acordado por uma forte picadela de uma mosca. Viu que, bem perto dele, estavam os seus perseguidores e correu a refugiar-se numa gruta.
Os seus inimigos aproximaram-se. Olharam para a gruta e um deles disse:
- Aqui dentro não deve estar ninguém.
Um outro perguntou:
- Porque dizes isso?
Replicou-lhe o primeiro:
- Porque a entrada da gruta está coberta por uma grande teia de aranha. Se alguém tivesse entrado, estaria despedaçada.
Ficaram convencidos e afastaram-se.
Foi deste modo que o príncipe se salvou. E, desde então, deixou de pensar que, na natureza, há coisas inúteis. Ficou a saber que até as moscas e as aranhas servem para algo.»
[«Sonhar e desenhar um Mundo melhor» - Manual Infantil, da Acção Católica Rural, pág. 85]

À Ana Maria entrego esta lenda. Por si, descobrirá que Rei é este que, vindo da Escócia, foi Rei de Inglaterra e colocou no seu brasão a teia da aranha!


Feliz e Próspero Ano Novo!


Manuel


Foto de Manuel Olívio

Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Dezembro , 2007, 23:57


Quem se aproxima do “portal de Belém” com olhos de ver não apenas as aparências, mas a realidade profunda, não deixa de ficar admirado com tanta ternura e carga simbólica: Uma família simples que não é propriamente modelo-tipo de família humana em qualquer parte do mundo, mas apresenta um estilo de vida familiar de valor universal. Um estilo de vida que há-de estar presente em todas as configurações históricas de qualquer família: o acolhimento da vida, o respeito pelo outro, o amor na relação, a ternura nos gestos de comunicação, a solidariedade nas tarefas a realizar, o lar a construir progressivamente, a liberdade crescente articulada com a autoridade exercida, a atenção à individualidade de cada um e a comunhão vivenciada por todos.
O Menino Jesus vê-se aconchegado pelo desvelo de Maria e de José. O seu olhar penetrante projecta-se em sonhos de humanidade feliz em que todas as crianças podem ver nascer o sol com sorrisos de alegria e de esperança.
Maria simboliza a Mãe solícita. As suas mãos abertas – qual berço preparado para acolher a vida nascente – expressam bem a atitude de quem está ao serviço da vida com disponibilidade total em qualquer momento e circunstância.
José é o rosto do homem sério e bondoso. Face aos acontecimentos, vai até onde pode na sua reflexão e deixa lugar à fé que a revelação lhe oferece. A responsabilidade legal que assume perante a sociedade constitui uma luz que se projecta em todos os tempos.
“Levanta-te, toma o menino e sua mãe” é palavra-mensagem que condensa a força simbólica do “portal de Belém”. Para ontem, hoje e amanhã.
Hoje, quantas crianças correm perigo na rua, nas redes de prostituição, nos países em guerra nos lares com violência, nas famílias sem valores dignos da condição humana e cristã, nas escolas redutoras da sua função educativa à simples instrução, nas comunidades eclesiais sem espaço adaptado nem linguagens acessíveis.
O portal abre-se facilmente a quem cultive sentimentos humanos. A fome e a miséria face à abundância e desperdício; a falta de água e de medicamentos perante o consumismo desenfreado, o fanatismo religioso que faz vítimas sem conta, a injusta distribuição dos bens, as famílias desestruturadas, a publicidade sedutora e o patamar social de expectativas que não pode ser correspondido pela magreza dos ordenados e das poupanças.
O mundo exposto ao nosso simples olhar, a par de enormes esforços de alguns e grandes gestos de generosidade de muitos, cria situações de revolta, aumenta as desigualdades e introduz factores de angústia e depressão.
A situação de hoje clama por homens como José que saibam erguer-se e tomar a defesa do Menino e de quantos nele estão retratados; por homens que prefiram correr riscos a continuar na comodidade egoísta; por homens que escutem a consciência mais que os interesses; por homens que queiram viver o amor gratuito, brasão do portal de Belém, o lar da família, a casa do pão.

Georgino Rocha
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Dezembro , 2007, 15:17



Como noticia a Rádio Terra Nova, o Coro de Câmara Nossa Senhora da Nazaré apresenta-se hoje, pelas 21 horas, na igreja matriz da Gafanha da Nazaré.
Luís Lé, fundador do coro, adianta que a ideia de criar este grupo coral nasceu de uma conversa de café e sublinha que a primeira parte desta primeira apresentação pública consta de um concerto de órgão.
Congratulo-me com a criação de um Coro de Câmara na Gafanha da Nazaré, terra onde o gosto pela rainha das artes é bem conhecido de todos, como o atestam os diversos corais, grupos musicais e escolas de música. Desta cidade, têm saído inúmeros executantes, em várias áreas musicais, sendo certo que haverá lugar para todos.
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Dezembro , 2007, 12:52

Apesar das iluminações de Natal, que emprestam ao ambiente um ar de beleza, a verdade é que o frio de Inverno está presente, ali à volta do Fórum, com a ria a seus pés. Bem o senti, quando tirei esta foto. Aliás, as árvores nuas mostram bem que os tempos que correm não dispensam os casacos, casacões e sobretudos. Que assim seja, para depois, quando a Primavera chegar, sabermos apreciar as temperaturas agradáveis que tanto nos fazem sorrir.

Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Dezembro , 2007, 12:25

Em 2006 estive hospitalizado duas vezes. A primeira, num hospital coimbrão, e a segunda, no Hospital Infante D. Pedro. Em ambos fui muito bem acolhido e tratado. Nunca me cansei de dizer isto, porque há muito o hábito de se criticar, por isto ou por aquilo, os serviços hospitalares.
Num desses internamentos, a minha enfermaria estava relativamente perto de uma outra destinada a doentes pulmonares. Nas minhas caminhadas, de que necessitava para desentorpecer as pernas, passava por ali frequentemente. Havia, num ou noutro corredor, dísticos a proibir o fumo. Nem assim, porém, faltava quem se refugiasse num ou noutro recanto, para fumar um cigarrito, às escondidas dos médicos e enfermeiros.
Numa das minhas caminhadas cruzei-me, certo dia, com um senhor simpático e de palavra fácil, que me saudou em jeito de despedida. Realmente, estava de partida, depois de uma operação a um pulmão.
Conversa puxa conversa, fiquei a saber do que sofria. Cancro nos pulmões. Esta era já a segunda intervenção cirúrgica a que se sujeitara. Estava de regresso a casa. Adiantei, então, que estava com muito bom aspecto, desejando-lhe rápido restabelecimento. De pronto, respondeu-me:
- Olhe, meu amigo, o que importa é que estou aqui; sinto-me bem, mas não tenho ilusões; se soubesse o que sei hoje, talvez nada disto me teria acontecido.
E continuou, com ênfase, a contar a sua história:
- Desde novo, habituei-me a fumar, convencido de que isso me dava uma personalidade adulta. Eu gostava de ser como alguns senhores que conhecia, senhores que, antes de começarem uma qualquer conversa, puxavam primeiro do cigarro, acendiam-no com calma, atiravam o fumo para o ar e depois é que falavam. Eu via, nesses rituais, sinais de alguma elegância, de algum nível intelectual, de alguma importância.
- E depois?
- Depois, nunca mais parei. De um maço passei a dois. A seguir veio o terceiro… Por fim a tosse, o catarro, os vómitos de manhã, a neura quando tentava evitar o cigarro, o cansaço, as dores. O médico recomendou-me os exames da praxe. O diagnóstico deixou-me arrasado. Tinha de ser operado. Esta é a segunda vez… mas sei que o cancro continua comigo. Eu sinto-o!
- Pode ser que agora…
- Não tenho qualquer dúvida! Mais tarde ou mais cedo, ele volta.
- Claro que agora prega sempre os malefícios do tabaco…
- As pregações, pelo que tenho visto, não resultam… Os meus amigos continuam a fumar. Só uns três é que deixaram de fumar, mas não foi por qualquer pregação.
-Então?
- Foi por terem visto quanto se sobre quando o cancro ataca. Vieram visitar-me e ficaram tão impressionados com o que viram, que nunca mais pegaram no cigarro. Gente aflita com falta de ar, gente sem cordas vocais, gente com a boca a ser destruída, enfim, um horror. Não foi preciso nenhum médico, nem nenhum tratamento. Acho até que, se fosse possível, os fumadores podiam e deviam passar por uma enfermaria destas. Só vendo este sofrimento é que se acredita no mal que o tabaco faz.
Entretanto chega um familiar, talvez filho, para o levar. Ao despedir-se de mim, ainda perguntou:
- Fuma?
- Não.
- Que sorte a sua! Adeus.


Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Dezembro , 2007, 12:14



Num tempo em que o mundo é atravessado por enormes perplexidades e as pessoas são assaltadas pela dúvida, pelo desânimo e até pelo niilismo, quereria, no décimo aniversário da sua morte, deixar uma homenagem a um homem que, na situação mais degradada e degradante dos campos de concentração nazis, mostrou como e porquê é possível manter a dignidade. Refiro-me a Viktor Frankl, fundador da chamada terceira corrente de psicoterapia de Viena: a logoterapia.
Ele próprio sintetizou o núcleo do seu pensamento: "O que é, na realidade, o Homem? É o ser que decide o que é. É o ser que inventou câmaras de gás, mas ao mesmo tempo é o ser que entrou nelas com passo firme, murmurando uma oração."
A logoterapia parte de uma concepção filosófica que tem o Homem enquanto pessoa como centro. O impulso primário da pessoa não é, como pensou Freud, a vontade de prazer, também não é a vontade de poder, como queria Adler, mas a vontade de sentido.
Este sentido não se inventa, mas descobre-se: numa obra, num amor, numa tarefa a realizar. No fundo, cada um tem de perguntar: o que é que a vida quer de mim? "Em última instância, viver significa assumir a responsabilidade de encontrar a resposta correcta para os problemas que a vida coloca e cumprir as tarefas que ela continuamente aponta a cada pessoa."
O que distingue então Frankl de Freud e de Adler é que enquanto estes reduziam o Homem a um ser que procura a satisfação dos impulsos em ordem ao restabelecimento de um equilíbrio homeostático intrapsíquico, para Frankl, ele não é só um sistema psicológico. É preciso compreendê-lo na sua totalidade: corpórea, psíquica e espiritual. "A realidade humana refere-se sempre a algo para lá de si mesma. Está dirigida para algo que não é ela mesma. Os seres humanos procuram mais para lá de si mesmos: um sentido no mundo. Procuram encontrar um significado a realizar, uma causa a servir, uma pessoa a quem amar. E só assim os seres humanos se comportam como verdadeiramente humanos."
No indescritível sofrimento dos campos de concentração - ele, que perdeu lá a mulher, o pai e a mãe, era o prisioneiro número 119 104 -, aprofundou a importância que têm as ideias para a forma de viver. Pôde constatar que, se eram as pessoas com vida interior e intelectual mais intensa que sofriam mais, também eram elas que tinham maior capacidade de resistir. Aí, percebeu que "quem tem algo por que viver é capaz de suportar qualquer como". Por isso, referia aos companheiros de desgraça "as muitas oportunidades existentes para dar um sentido à vida. Este infinito significado da vida compreende também o sofrimento e a agonia, as privações e a morte. Assegurei-lhes que nas horas difíceis havia sempre alguém que nos observava - um amigo, uma esposa, alguém que estivesse vivo ou morto ou um Deus - e que de certeza não queria que o decepcionássemos." Frankl constatou que os prisioneiros que perdiam a fé e a esperança no futuro punham em risco a saúde e a própria sobrevivência. Mas também viu que há o que ninguém pode tirar ao Homem, mesmo num campo de concentração: "a última das liberdades humanas - a escolha da atitude pessoal perante um conjunto de circunstâncias - para decidir o seu próprio caminho." Mesmo "essa tríade trágica na qual se incluem a dor, a culpa e a morte, pode chegar a transformar-se em algo positivo, quando se enfrenta com a postura e a atitude correctas."
Quando as pessoas não encontram sentido, surgem as neuroses que chamou noógenas: não provêm de conflitos instintivos ou inconscientes, mas da falta de sentido e atingem o núcleo mais íntimo da pessoa. A logoterapia é precisamente terapia de encontro de sentido: ajuda cada um a descobrir o sentido pessoal da sua vida a realizar.
Na busca de sentido último, o Homem, inconscientemente, procura Deus - O Deus Inconsciente é o título de uma das suas obras.
No nosso tempo, já não é o sexo que é reprimido, mas o que é espiritual e religioso. Daí, a falta de sentido, de orientação, e, consequentemente, o tédio e o vazio.

Anselmo Borges

In DN
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 29 Dezembro , 2007, 11:47



Quando tinha 14 anos recebi uma prenda de Natal a que na altura não atribuí o verdadeiro valor. Apesar de não ostentar a referência CE (inexistente na época), cumpre todas as regras de segurança agora exigidas e mais algumas suplementares: não contém sais de chumbo ou peças miúdas desmontáveis, arestas cortantes ou cantos pontiagudos, não debota ou encolhe, é indeformável, não provoca alergias e embora haja quem a queira fazer passar de moda continua a dar conforto e bem-estar, ficando sempre bem a qualquer pessoa, independentemente do sexo. Posso até dizer que tem melhorado com a idade, ou sou eu que lhe vou dando cada vez mais valor. Um autêntico bem de capitalização contínua.
Nesse tempo em que frequentava o ensino secundário, era comum o uso de bicicleta de casa para a Escola Técnica em Aveiro. Nos dias de chuva havia algum desconforto, pois entre a Gafanha e Aveiro não havia qualquer abrigo na velha estrada que acompanhava a ria e as previsões de tempo para o percurso normalmente falhavam. Agasalho adequado não tinha, excepto às vezes um guarda-chuva, quando o tempo prometia logo de manhã. Quando chovia mesmo e era apanhado no percurso com ou sem guarda-chuva, a água entrava pelo pescoço, descia pela espinha abaixo e ensopava o selim que na altura era de coiro. Era nesse estado que chegava a casa, onde a minha mãe já tinha a fogueira acesa para me aquecer e enxugar alguma roupa insubstituível.
Um dia em que não choveu, no princípio de Dezembro, quando à noite cheguei a casa, o meu pai chamou-me, abriu uma bolsa de oleado em forma de pasta, dela tirou um fato impermeável castanho e mandou-me vesti-lo. Assentava-me como uma luva. Fez-me lembrar um domingo, uns anos atrás, em que o meu pai regressou da missa da manhã, mais tarde, trazendo-me dois piões acabadinhos de fazer por um amigo a quem contou um sonho que eu tivera, onde possuía o pião mais lindo do mundo. Brinquedo que ainda não me tinha passado pelas mãos. Só promessas: “quando o pai vier…” (da pesca do bacalhau). Estes piões eram ainda mais bonitos. Fiquei a pensar quanto esta nova surpresa lhe haveria de ter custado e no esforço de tal aquisição. Mas não tive muito tempo para meditar. O meu pai disse: “pois fica-te muito bem mas não é teu; alguém o deixou cair e precisa dele para ir para o trabalho. Vou pedir para anunciar o achado nas missas por aqui à volta; se até ao Natal ninguém o reclamar fica a ser a tua prenda do Menino Jesus." Despi o fato, a minha irmã dobrou-o, meteu-o na bolsa e passou-o à minha mãe que o guardou na caixa de milho que era o seu cofre-forte. Não era fechado à chave mas ninguém ousava abri-lo.
O meu pai trabalhava num dos navios de ferro que passavam o Inverno fundeados no canal de Aveiro e tinha encontrado o fato caído na ponte de madeira que fazia a única ligação de Aveiro para a Gafanha. No dia seguinte voltou a haver chuva que se prolongou até às férias do Natal. Nos três domingos que antecederam o Natal, o meu pai relembrava o anúncio nas missas, ninguém reclamava o fato e eu acalentava a esperança de vir a ser o seu novo utilizador. Chegou a manhã do dia de Natal, fomos à lareira em busca das prendas, eu esperava um embrulho grande mas nada disso: um par de meias e uns bombonzitos; a mais beneficiada era sempre a minha irmã mais nova, que ainda tinha parte no nosso quinhão, senão fazia um berreiro danado que deliciava o meu pai. Em compensação o Menino Jesus ia aparecendo nos dias seguintes tentando equilibrar as coisas. Quanto à promessa do fato não valia a pena falar; quando, em qualquer altura, perguntava à minha mãe se, por exemplo, era quarta-feira, ela apenas respondia: “até à meia-noite.” Portanto eu já sabia a resposta.
Estávamos para começar o almoço de Natal, bateram à porta. A minha irmã foi vigiar e disse ao meu pai que era um rapaz do meu tamanho. Eu engoli em seco. Ele levantou-se e foi atender. Ouvi perguntar: “Foi alguém daqui que encontrou um fato impermeável? O meu pai retorquiu: "é verde ou vermelho?” Respondeu o rapaz: “O meu era castanho.” A minha mãe levantou-se e ouviu-se a tampa da caixa de milho bater ao fechar. Num ápice, a minha prenda de Natal voou para as mãos de um desconhecido. Passado algum tempo, o meu pai sentou-se à mesa, olhou para mim e disse: “não fiques triste, ele é o amparo da mãe e dos irmãos e aquela é a única prenda de Natal que teve e já era sua; vais ver que não te fará falta e isso vai ser a tua prenda todos os Natais. O Menino Jesus não se esquecerá de ti.”

João Marçal

Em homenagem aos meus pais,
João Maria Marçal e
Laurinda de Oliveira

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 28 Dezembro , 2007, 19:43

Nuno Rogeiro no CUFC

O politólogo Nuno Rogeiro vai estar no CUFC no dia 9 de Janeiro, quarta-feira, pelas 21 horas, para falar sobre “A Dignidade Humana das Nações”. A moderação é de Isabel Segadães. Trata-se de uma iniciativa integrada no Fórum::UniverSal, destinada a universitários, em particular, e à sociedade aveirense, em geral.
A presença de Nuno Rogeiro no CUFC, pela segunda vez, é uma boa oportunidade para se ouvir alguém que disserta, como poucos, sobre assuntos de política internacional.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 28 Dezembro , 2007, 15:25

“Nada melhor do que ocupar estes últimos dias com bons livros, bons filmes e bons amigos. Por mim, gosto especialmente da luz de Inverno para dar passeios que terminam ao fim do dia na cozinha, em grandes improvisos de pratos de lume e forno que antecedem longos serões de cinema e conversas, se possível com os pés na lareira.”

In PÚBLICO on-line, caderno P2, página 11


NOTA: Laurinda Alves publica semanalmente, às sextas-feiras, no PÚBLICO, no segundo caderno, uma crónica adequada a cada tempo e vivência. É uma crónica serena, sempre pela positiva, que recomendo aos meus leitores. Leiam que vos faz bem. Penso eu.

tags:

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 28 Dezembro , 2007, 14:43

A Natureza está, de facto, bem feita. Ou não fosse ela criada por Deus, como creio. Com o frio que o Inverno traz, as árvores refugiam-se num sono profundo de três meses. Descansam da labuta da Primavera e do Verão e olham para o Outono a ver o que isso lhes dá. Quando chegam à conclusão de que o frio, o vento e a chuva não perdoam, resolvem dormir por uns tempos. Quando vier uma temperatura mais amena, quando o vento e a chuva cessarem, então elas voltarão à vida com toda a pujança armazenada.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 28 Dezembro , 2007, 12:53



Penso que ninguém porá em dúvida a conveniência de o Governo, qualquer que ele seja, procurar reformar o Estado. É sabido que a máquina estatal está sobrecarregada com despesas incomportáveis para o nosso frágil Orçamento do Estado, cujo equilíbrio tem sido difícil de conseguir. Excesso de funcionários, muitos deles já substituíveis pelas novas tecnologias, tornam difícil esse equilíbrio orçamental. Contudo, qualquer reforma tem sempre de ter em conta as pessoas, sob pena de se criarem novos problemas sociais, com reflexos negativos incontornáveis nas famílias. O que se tem feito, atirando funcionários para o desemprego ou para situações equiparadas, não está correcto, humana e socialmente falando. O Estado vive para as pessoas.
Com a pressa de se acabar com o défice orçamental, têm surgido outras decisões gravosas para o povo. Sobretudo para o povo que não nada em dinheiro. Fechar Centros ou Postos de Saúde, Urgências e Atendimentos nocturnos, obrigando os doentes a deslocarem mais de 100 quilómetros, à sua custa, não está certo. Ainda hoje de manhã, nos noticiários habituais, ouvi um comandante de uma Corporação de Bombeiros dizer que o transporte de um doente, distante do hospital cerca de 100 quilómetros, custará 40 euros. A ambulância deixará o doente para ser assistido e terá de regressar. O doente, se não ficar internado, terá de alugar um táxi ou requisitar outra ambulância. Conclusão: Uma ida a uma urgência poderá ficar por 80 euros. Se a pessoa for rica, não virá daí nenhum mal ao mundo. E se for pobre?
O que eu penso é que muitas vezes os estudos económicos e sociais são elaborados por comissões técnicas, que nem sempre conhecem suficientemente bem a realidade do país e dos portugueses que somos. Com uma visão economicista da vida, desprezam-se por vezes as situações concretas das pessoas. As suas dificuldades e os seus dramas serão, disso estou certo, profundamente afectados. Mas o Governo, em nome da urgência de reformar o Estado, realidade que não podemos ignorar, teima em fechar os olhos, caminhando soberana e ostensivamente, contra tudo e contra todos. Para que o défice seja anulado será mesmo necessário anular as pessoas?

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 27 Dezembro , 2007, 12:36


É já no primeiro dia do ano que o tabaco vai acabar nos edifícios públicos e nos restaurantes. Excepto nos que declaradamente optem por fumadores. Os não fumadores ficam a ganhar. Ainda há tempos aqui disse que tive de suportar, num conhecido restaurante da Bairrada, o fumo de um indivíduo, que, pelos vistos, não tem qualquer noção do respeito que deve aos outros. Como não fumador, concordo plenamente com a lei que vai entrar em vigor, mas não sou fundamentalista, ao ponto de pedir que se acabe com a comercialização do tabaco. Nada disso. Cada um que viva a sua liberdade, tendo sempre em consideração a liberdade dos outros.
Com esta nova lei, não faltam uns “filósofos” a atacar os direitos dos não fumadores. Que a sua liberdade, dizem eles, está a ser prejudicada. Que é um atentado fundamentalista a ao direito dos que gostam de fumar. Que o tabaco até é inspirador de artistas e de trabalhadores. Que o tabaco é companheiro em horas de angústias. Que o tabaco, afinal, não faz o mal que apregoam. Que tanto morrem de cancro os fumadores como os não fumadores. Que há outros produtos viciantes e maléficos, como o vinho, e que ninguém os proíbe. E por aí adiante…
Pode ser que seja como eles dizem. Mas então que fumem onde possam usufruir desses benefícios, sem conspurcarem o ar puro que outros desejam. Onde houver, por exemplo, restaurantes para eles, sirvam-se aí à vontade. Que eu prometo que só entrarei onde houver o dístico “Para não fumadores”. E que todos vivam felizes!

Fernando Martins

NB: Um dia destes hei-de contar uma história que vivi num hospital, a propósito do tabagismo.
tags:

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 27 Dezembro , 2007, 11:37

Natal é dia de ser bom, assim diz o poeta. Como aconteceu Natal no dia 25, não faltará quem pense que já podemos olhar de soslaio para os feridos da vida que se cruzam connosco nas ruas dos nossos quotidianos. Não direi que agora já podemos ser maus, mas, infelizmente, penso que não seremos tão bons. Agora, há que trabalhar. O tempo da generosidade e das manifestações de solidariedade acabou. Vamos à vida, que se faz tarde.
Por estranho que pareça, é mesmo assim. As festas para os sem-abrigo, com televisões a filmar e rádios e demais comunicação social a noticiar, fecharam as portas até ao próximo Natal. As consciências já ficaram cheias do muito que cada um fez, do muito que se conseguiu para os mais pobres, do muito (ou pouco?) que se partilhou. E tão cheias ficaram, que até vão ficar tranquilas durante um ano. De qualquer modo, foi bom o que se fez. E é natural pensar que lá há-de vir o tempo em que a generosidade se tornará hábito de todos os dias, para todos, e não apenas para alguns. Que estes, felizmente, continuarão nos caminhos dos que andam perdidos na vida, sem pão e sem norte.
Durante Dezembro, aqui se falou do Natal. Apenas 25 temas. Mas prometo que, de forma directa ou indirecta, o Natal continuará por aqui. Com a ajuda, obviamente, dos meus leitores e amigos.

Fernando Martins
tags: ,

mais sobre mim
Dezembro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9


26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds