de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 05 Novembro , 2007, 22:30


UMA TOLERÂNCIA HUMANIZADA

1. Na noite de última terça (30 de Outubro) uma notícia abalou a Itália. A agressão mortal de um imigrante romeno contra uma mulher italiana, Giovanna Reggiani, tem feito correr muita tinta, tanto pelo cruel e condenável acto em si como pelos seus efeitos sociais. De urgência, o governo reuniu e fez aprovar um decreto-lei que permite a expulsão de estrangeiros dentro da União Europeia que cometam crimes considerados graves. Dessa forma, expulsa-se o criminoso e tudo ficará resolvido… (?). Resta saber se os crimes cometidos por cidadãos naturais de Itália merecem algo de semelhante… Ou será o crime em Itália exclusivamente cometido por imigrantes?!
2. Não haja dúvida que a medida do governo cai bem, é popular. Na busca de segurança, não se sabendo como, começa-se a olhar em volta e nada como afastar os que chegaram há pouco tempo, esses que (muitas vezes vítimas de governos ditatoriais de seus países) fazem os trabalhos pesados que as sociedades do luxo já não querem fazer… Satisfeito pela cómoda solução encontrada, desabafa o líder Romano Prodi: ”Fizemos o que devíamos fazer…”; só faltaria acrescentar: que vão para outro lado desde que não matem em Itália!...
3. A vítima de 47 anos tinha prestígio, era esposa de um capitão da marinha, facto que dá nas vistas, pois continua a haver uns mais iguais que outros. Quanto ao faminto jovem romeno Romulus Nicolae Moilat está preso (haverá alguma coisa do Rómulo, fundador de Roma, nisto?!... Significado do ponto a que chegaram as sociedades e a ineficiência humanizadora dos Estados europeus? Certamente que não!...). Em Itália, os ecos estendem-se e os sentimentos são de exclusão da comunidade romena. Na imprensa italiana e europeia, surgem perguntas sintomáticas como “a Europa acede a uma nova era de intolerância?” (The Independent).
4. As sociedades da razão cómoda estão a ser grandemente interpeladas por acontecimentos deste calibre. E se muitas vezes se pergunta sobre “o que fizemos” para que este ou aquele facto ocorresse, melhor seria que perguntássemos sobre “o que fazemos efectivamente” por uma justa distribuição dos bens. Quantas explorações dos europeus ao longo dos séculos têm sido a estratégica manutenção do subdesenvolvimento dos “outros”... Um novo realismo tolerante deverá caminhar a par das estratégias como busca de soluções globais; crime tanto o pode fazer o imigrante como o autóctone. À condenação veemente do horrendo crime, responder de forma intolerante agrava a ferida e multiplica a intolerância. Diante de problemática tão complexa importará ir às raízes e aí repensar a tolerância como factor de humanização da própria humanidade. A montante e a jusante; o futuro precisa, não há alternativa.


Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 05 Novembro , 2007, 22:04
O CASO DA FUNCIONÁRIA QUE TEVE DE REGRESSAR AO TRABALHO SEM QUASE SE PODER MEXER

Vi e li, na comunicação social, mais um caso de insensibilidade protagonizado por uma Junta Médica da Caixa Geral de Aposentações. Uma funcionária autárquica foi obrigada a regressar ao trabalho, não obstante a sua real situação de incapacidade física. Quem assim decidiu vê mal, pelos vistos. Ou então, deduziu, inexplicavelmente, a meu ver, que a funcionária estaria a fingir que estava doente
O ministro das Finanças mandou reapreciar o caso e disse, na televisão, que situações destas não podem repetir-se.
Neste meu espaço de partilha já disse, mais do que uma vez, que o Estado é uma entidade sem alma e sem sentimentos. As pessoas têm-nos, disso ninguém duvida, mas na prática, face a leis cegas, também os julgadores ficam cegos, muitas vezes. É triste sentir que no dia-a-dia é tal como digo.
Na Gafanha da Nazaré já tivemos uma situação dramática. A Manuela Estanqueiro, professora bem conhecida entre nós, foi vítima da insensibilidade de uma Junta Médica. Cancerosa em último grau, foi também obrigada a regressar ao trabalho. Morreu pouco tempo depois. Mas a denúncia da cegueira da Junta Médica foi divulgada pela comunicação social, o que gerou grande revolta entre quem a conhecia. Novos casos surgiram à custa da sua morte, o que levou o Governo a reformular a lei, cuja aplicação tarda. Será preciso que outros funcionários morram? Infelizmente, parece que sim. Somos o País que somos, com os legisladores que temos.
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 05 Novembro , 2007, 21:30
Grupo Etnográfico na Polónia


JANTAR DE CONVÍVIO

O Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré programou um jantar para convívio e angariação de fundos. Será no dia 17 de Novembro, pelas 20 horas, no restaurante Clássico, esperando-se a participação de muitos amigos deste grupo que tem por missão descobrir e mostrar as nossas tradições etnográficas. Penso que esta vai ser uma boa oportunidade para conviver à volta da mesa, ouvindo e cantando modas antigas. Inscrições junto dos membros do grupo.

mais sobre mim
Novembro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9



28


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds