de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 28 Outubro , 2007, 15:26



Na próxima terça-feira, 30 de Outubro, D. António Marcelino vai ser homenageado no salão nobre do Seminário de Santa Joana Princesa, em Aveiro. Pelas 21 horas, será lançado um número duplo da revista PRAXIS, que lhe é dedicada, por iniciativa do ISCRA (Instituto Superior de Ciências Religiosas de Aveiro), uma escola criada por D. António Marcelino e por ele dinamizada.
D. António Marcelino, como os bispos que o antecederam em Aveiro, deixou marcas próprias do seu temperamento e do seu reconhecido amor à Igreja, pelo que esta hoemagem, por esta forma, é mais do que merecida. Direi mesmo oportuna, tanto mais que ele foi um homem da comunicação social, ainda antes de chegar à diocese aveirense. Uma vez entre nós, logo começou, semana a semana, a reflectir e a ajudar-nos a reflectir sobre o quotidiano do Povo de Deus em terras da ria, projectando os seus anseios, denunciando injustiças e indicando pistas de valorização pessoal e colectiva.
Recordo-me bem do Congresso dos Leigos e do II Sínodo Diocesano de Aveiro, que implementou, na linha de uma comunidade que se pretendia mais aberta e mais atenta aos apelos de um mundo em mudança. Outras iniciativas e outros projectos mereceram de D. António a mesma atenção, nomeadamente no campo da formação, porque sempre acreditou que sem formação de base e continuada não seria fácil enfrentar os desafios próprios de uma sociedade cada vez mais marcada por influências diversas, frequentemente ao arrepio das verdades cristãs que a enformam.
O ISCRA foi um desses projectos, sendo hoje reconhecido o seu trabalho, na Diocese de Aveiro e muito para além dela. Os seus alunos, clérigos, religiosos e leigos, usufruem, regular ou esporadicamente, dos seus cursos e das suas diversas e diversificadas acções de formação, o que prova à saciedade a visão de um Bispo atento às carências do seu e nosso tempo.
Acredito que cada bispo terá os seus carismas, a sua visão da sociedade, a sua sensibilidade para os problemas emergentes, a sua maneira própria de agir e de se relacionar. D. António Marcelino cumpriu o seu dever e bem. Mas também sabe que os seus horizontes, enquanto cristão e como bispo, continuam em aberto, tanto quanto nós precisamos dele.

Fernando Martins

tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 28 Outubro , 2007, 10:59













Hoje, dia do Grande Prémio Rádio Terra Nova, houve festa na Gafanha da Nazaré. Não uma daquelas festas que atraem multidões, muitas delas cheias de música pimba, mas uma festa que envolveu a alegria da participação de centenas de atletas nesta iniciativa da Rádio Terra Nova. Atletas de todos os lados de todas as idades correram com alma, dando cada um o seu melhor. E se à partida para as provas estavam tensos e preocupados, a alegria de muitos deles, ao chegar à meta, era bem visível. Tanto nos que cortavam a linha de chegada nos primeiros lugares como nos outros. O importante, pelo que vi, era participar, muito embora a vitória traga aos rostos dos vencedores, o que é compreensível, um riso de felicidade incontida.
Gosto de ver estes atletas que se entregam às provas em que se envolvem com alma, sem esperarem outra paga para além do gosto de vencerem as metas que se impõem a si próprios. Se vencerem as corridas, tanto melhor. Quando chega a hora da consagração, no pódium, então a felicidade atinge o auge, ou não fossem, todos estes jovens, seres humanos e sensíveis.
Vi dirigentes atarefados, treinadores com os conselhos da praxe, cronometristas atentos, assistentes que não se cansavam de aplaudir. Valeu a pena ter saído de casa para homenagear, com toda a simplicidade, quantos puseram de pé e organizaram esta festa, que não contou com grandes atletas olímpicos, mas com atletas que, talvez sem sonharem com isso, possam um dia atingir a fama e receber, só então, a atenção dos grandes órgãos da comunicação social, se as tricas do futebol, nessa altura, não ocuparem também as suas páginas mais modestas, as habitualmente dedicadas aos desportos amadores.
FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 28 Outubro , 2007, 10:52


Casa Pia, ainda? Como é possível!



1. Talvez mais ainda em matérias delicadas e alarmantes como esta, e como as conclusões deste processo “casapiano” retardam indefinidamente, o pensar do cidadão espelha o encontro com a verdade do bom senso concreto. O cidadão, ainda que não conheça os mecanismos processuais e morosos (naturalmente sempre justificados) da justiça, manifesta por si ou a razoabilidade da circunstâncias (o que não é o caso) ou a incredulidade alarmante dos factos e dos processos em andamento neste “Casa Pia” sem fim à vista.
2. É, naturalmente, de uma abrangência que não captamos (aliás o bom senso nacional não entende) tudo o que está a acontecer. Os dados estão na praça pública. Após o choque do caso há já alguns anos, entra a justiça em acção pensando-se que “passado era passado”. As recentes declarações de Catalina Pestana (ao jornal Sol, 20 de Out.) como as de Pedro Namora (à Sic-Notícias, 27 Out.), sublinhando que o crime continua são de fazer arrepiar o país. Sai provedor entra provedor; sai juiz entra juiz; sai procurador entra procurador… Mas, pelas palavras de quem está dentro e garante que não se cala, o crime continua!(?).
3. De facto, custa a acreditar que assim seja. Se for mentira e tudo estiver já devidamente “purificado”, então que se chame a atenção dos declarantes (ainda não foram chamados). Mas é verdade que a crueldade pedófila prossegue, então torna-se difícil vislumbrar uma solução para Portugal. Neste país que precisa de um clima de confiança social, onde se deve sublinhar, promover e sensibilizar para os valores positivos na envolvência de todos na resolução dos problemas (que não faltam). Todavia, enquanto a JUSTIÇA não brilhar cintilante, são inexistentes as bases de uma sociedade democrática credível. Continuamos de “castelos no ar”, pois sem essas bases estruturais e edificantes de uma justiça (mais) eficaz e capaz toda a liberdade que se deseja fica turba…
4. Claro que é fácil dizer em cinco minutos aquilo que é um universo tão problemático como este de que falamos. Mas na sociedade portuguesa, a par do prolongamento (ineficaz?) deste caso a que se vieram juntar alguns aspectos da recente revisão do Código Penal nesta área, só o levantar da suspeita de que afinal estamos (quase) na mesma, deixa-nos sem palavras e sem ideias que vislumbrem um fim à vista. Tudo é estranho, tudo é longínquo, tudo parece adiado… que pensará o cidadão que vê recurso em cima de recurso, numa lentidão serena como que tivéssemos todo o tempo do mundo? Será mesmo verdade o que dizem essas recentes entrevistas que o crime continua? “Casa Pia” ainda? Como é possível!
5. Entre a palavra e o silêncio, entre o que se pode dizer / fazer, afinal, o que podem os cidadãos…por uma justiça mais justa? Ou será (esta mais uma) fatalidade as coisas terem de continuar assim mesmo…?! (Ou, ainda, teremos pressa demasiada?!)


Alexandre Cruz

Editado por Fernando Martins | Domingo, 28 Outubro , 2007, 09:08



Do Livro "O PROFETA" de Khalil Gibran
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 28 Outubro , 2007, 08:45


A PROGENITORA
DO GRANDE POVO DA MURTOSA

Caríssima/o:

A vida tem destas coisas: era para seguir de motorizada pelas terras ribeirinhas que agora tinha encontrado boa companhia no Fernando e sua Kreidler (a minha era uma Zundapp!) - lembras-te da primeira vez que fomos ao Monte por um saco de batatas?!
Mas tenho que fazer uma pausa.
Conheci a Murtosa era eu muito jovem quando, na Gafanha, convivi com dois Homens: o professor Salviano e o padre Domingos. Ambos me abriram horizontes e continuam meus companheiros nos trilhos do Conhecimento e nos rasgos da Fé!
Rendo-lhes a minha sentida homenagem.
O padre Domingos, que agora se aparta de nós, certamente contará com a nossa oração e nos continuará a brindar com o seu sorriso. Bem haja!
E ouçamos o que tem para nos dizer o prof. Jaime Vilar:


«Diz-se, na tradição corrente,que a progenitora do grande povo da Murtosa terá sido uma moça muito bonita, chamada Teresa Carqueja, natural de Fermelã, desterrada para aqui em expiação de crime que a tradição não pormenoriza.
A Murtosa então, ainda sem nome, era terra de condenados ao desterro. Sozinha entre o céu e a terra lodosa, construiu a primeira casa de tábuas, uma arrecoleta ou recoleta na costa do Chegado, no local que ainda conserva o nome de “Chão das Figueiras”. Sobreviveu. Arroteou um pedaço de terreno, fez horta, semeou e viveu do que colhia.
Um dia, um pescador que passava encostou o barco à borda. Encontrou a Teresa sozinha. Falaram. Eram ambos moços. Amaram-se e casaram. Tiveram filhos. Entre fomes e farturas cresceram e multiplicaram-se no cumprimento do mandato genesíaco. Ele na água, pescando, arrancando o estrume para os campos. Ela tratando da terra. Ambos na simbiose característica da nossa gente “anfíbia” como, séculos depois, escrevia Raul Brandão.»
[Jaime Vilar, Lenda ou Tradição?, Boletim da Biblioteca Municipal da Murtosa, 1993, p. 1]


Manuel
:
NOTA: Regressado de terras sem acentos nem cedilhas, o meu amigo e colaborador Manuel está de novo com a sua asssiduidade por lema a brindar-nos, domingo após domingo, com textos que nos levam a tempos passados, para ficarmos na companhia de amigos que nos foram comuns. Um bem-haja pelas suas preciosas recordações.

mais sobre mim
Outubro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds