de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 21 Outubro , 2007, 20:37
DEUS JÁ O TEM NO SEU SEIO

Acabo de receber a triste notícia do falecimento do Padre Domingos José Rebelo dos Santos. Ainda no domingo o vi, com a alegria a que sempre me habituou. Mas se a sua partida me comoveu, conforta-me a certeza de que regressou ao seio de Deus, momento que ele está a viver na plenitude do bem que fez a muita gente. Ao Padre Domingos, o meu prior como sempre o tratei, muito fiquei a dever, como crente que sou e como comprometido na construção do Reino de Deus que ele me ajudou e estimulou a compreender.
É muito difícil, num momento como este, recordar, com a riqueza de pormenores que a sua memória merecia, a fé que ele me ensinou a viver, o testemunho de entrega à vontade de Deus que ele incutiu em mim. O Padre Domingos viveu intensamente o sacerdócio, como discípulo amado de Deus que ele tanto amou, como arauto do Evangelho que tão bem assumiu, como homem de fé que nunca regateou o serviço à Igreja, especialmente no apostolado junto dos que mais sofriam, no hospital ou em suas casas. Também o conheci na situação de doença, na flor da minha juventude inquieta. Estou a vê-lo, aos pés da minha cama, a esclarecer-me dúvidas de fé, com um entusiasmo que nunca tinha visto. Nem nunca mais vi. Por isso, a amizade que nutria por ele, o carinho que lhe dedicava, sempre que o via e com ele falava. Ainda no meu último internamento hospitalar, lá foi ele ao meu encontro com a preocupação que só uma grande empatia justificava.
Deus já o tem Consigo. E junto d’Ele, o Padre Domingos não se esquecerá de nós.

Fernando Martins
Nota: O Padre Domingos foi prior da Gafanha da Nazaré entre Dezembro de 1955 e Abril de 1973. O funeral será na Murtosa, na terça-feira, às 10 horas.
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 21 Outubro , 2007, 10:02













Rumar a MAR ALTO

Não sei se as gentes da Ria de Aveiro já se aperceberam da importância da abertura da Barra há dois séculos, que os completará em 3 de Abril de 2008. Diz a história, contada pelo Comandante Silvério da Rocha e Cunha, que, “Às 7 horas da tarde, em segredo, acompanhado por Verney, pelo marinheiro Cláudio e poucas pessoas mais, arrancam a pequena barragem de estacas e faxinas que defendia o resto da duna na Cabeça do Molhe. Cortam a areia com pés e enxadas, e Luís Gomes, abrindo um pequeno sulco com o bico da bota no frágil obstáculo que separava a Ria do mar, dá passagem à onda avassaladora da vazante para a conquista da libertação económica de Aveiro, depois de uma pressão que durava há 60 anos”. Como sublinha, na parte final deste pequeno mas elucidativo texto, aquele gesto deu passagem à onda avassaladora da vazante para a conquista da libertação económica de Aveiro. Eu acrescentarei: de toda a região.
Direi ainda que as águas estagnadas da laguna eram, frequentemente, causa de doenças que afectavam as populações ribeirinhas. A importância económica e social da abertura da barra está à vista de todos, residentes e visitantes. E se mais progresso não tem havido à sombra da ria e do Porto de Aveiro, tal ficará a dever-se à falta de visão dos responsáveis políticos, que não souberam, em muitas circunstâncias, criar incentivos e condições que mobilizassem as populações para mais notório desenvolvimento económico, social, cultural e turístico. Quantas vezes tenho ouvido dizer que a nossa laguna, em países com visão estratégica no campo do turismo, teria possibilidades, com as suas potencialidades, para se tornar num dos mais apetecidos destinos de quem passeia e gosta de gozar férias em recantos paradisíacos.
Isto vem a propósito da exposição “Rumar a MAR ALTO” que está patente ao público no Teatro Aveirense até 12 de Novembro e que precisa de ser visitada por todos. Eu já lá fui. Encontrei muito pouca gente. Enquanto estive a apreciar pintura, escultura, fotografia e desenho, tudo de braço dado com instalação multimédia, só vi um jovem casal mais preocupado com o amor que estava a sentir, e a viver, do que com a arte exposta.
De qualquer forma, aqui ficam algumas fotos da exposição organizada pelo Teatro Aveirense e pela Comissão do Bicentenário da Abertura da Barra de Aveiro. Se lá forem, e julgo mesmo que vão, hão-de reconhecer que a arte, qualquer que ela seja, é sempre uma mais-valia para qualquer comemoração.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Domingo, 21 Outubro , 2007, 09:01


O S. PAIO DA TORREIRA


Caríssima/o

Desta vez também fomos ao S. Paio de motorizada – atravessámos na lancha e lá vamos nós pela nova estrada que, junto à Ria, nos leva à Torreira. Mas outras e várias fomos de bicicleta; algumas ainda a estrada era, em boa e longa distância, por areia, apenas e só projecto (e mesmo assim lá íamos, lembras-te, Diamantino?). De bateira ou de barco não tenho memória de lá ter ido (falha minha!). Mas ali o Baltasar mai-la sua Madalena anos seguidos o fizeram e acampavam na sua característica tenda!
Depois lendas, tradições, cantares e dizeres vão surgindo.
Este escrito aí fica à vossa consideração:

«A romaria de S. Paio da Torreira é uma tradição formada no século XIX, que não tardou a transformar-se numa das maiores e mais concorridas romarias da costa norte de Portugal. Só o facto de estar voltada para a ria, integrando o grosso da frota de moliceiros da Ria de Aveiro, dá-lhe um invulgar colorido e uma rara animação. Inclusive na aposta que é feita através de uma corrida de moliceiros e outras embarcações, que diariamente se movem mais pachorrentamente. Ah, o dinamismo que aquela gente consegue desenvolver quando tem os seus barcos engalanados!
Agora uma das razões mais fortes para a concorrência crescente à romaria é que o santo, o bom do S. Paio da Torreira, é molhado em vinho. Aliás, no antigamente, por altura da festa, a imagem do santo era posta ao lado de uma tina de vinho, na qual eram depositadas as oferendas. E estas eram constituídas por tudo aquilo que os pescadores consideravam com valor.
E a tina não estava ali só para vista, não. À própria imagem do santo era dado um banho a preceito, as mais das vezes por crentes que naquele instante já se encontravam um tanto aquecidos pelo que já haviam bebido! Bem, mas apesar deste banho ter sido riscado do programa, desde há algum tempo, o S. Paio continua a ser encarado pela população da Torreira como Santo Bêbado. Mas isto é dito com todo o respeito…
Ora, pensando que, durante muito tempo, a Murtosa viveu os chamados caprichos da barra de Aveiro, que ora abria ora cerrava, provocando várias vezes a estagnação das águas da bela laguna, o reflexo disto era o surgimento de doenças. Aliás, uma das mais perigosas que sobreveio numa dessas situações foi o paludismo. Daí a veneração de um santo que é advogado divino das febres quartãs, que é como quem diz sezões.
E de 6 a 8 de Setembro, as gentes da Torreira entregam-se à festa da invocação de S. Paio, para que ele as proteja o ano inteiro. Por esses dias, de toda a parte da Ria de Aveiro chegam romeiros e festeiros. A elegante Ponte da Varela enche-se de automóveis e gente a pé. E as cinco léguas de dunas entre o Furadouro e S. Jacinto são pisadas por milhares de pessoas que vão para a romaria que à conta deles cresce que é um regalo.
S. Paio, recorde-se, foi um jovem mártir que deu a vida em defesa da fé cristã. Teria uns doze ou treze anos. Desprezou ofertas de riqueza e de liberdade. E conta-nos a lenda que se encontrava preso como refém dum rei sarraceno e era a garantia do regresso de um tio, que tinha sido condicionalmente posto em liberdade para encontrar maneira de pagar o resgate de ambos. Pois o menino Paio, mostrando-se inflexível na sua opção de crença cristã, acabaria por ser cruelmente torturado pelo rei mouro, que o tinha em cativeiro, e feito em pedaços, que foram lançados ao Guadalquivir. De qualquer modo, não esquecer a caldeirada de enguias pelo S. Paio da Torreira como quem põe um ex-voto pela consolação prandial dos povos…

A formação do núcleo populacional da Murtosa data do século XIII, altura em que ali se fixaram famílias de marmoteiros e pescadores, que se valeram dos recursos da terra e do mar. Já a sua actual freguesia da Torreira pertenceu ao termo de Cabanões e depois Ovar. Em 1855, a Torreira é integrada no concelho de Estarreja, ficando então a pertencer administrativa e judicialmente à freguesia da Murtosa. Passou a Torreira a freguesia em Outubro de 1926 e incluída no concelho da Murtosa, mas apenas em 1997 obteve a categoria de vila.»
[V. M., 168]

E como este ano o S. Paio e as festas populares já lá vão, resguardemo-nos que… para o ano há mais!...

Manuel

mais sobre mim
Outubro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds