de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 20 Outubro , 2007, 15:28

Aqui ao lado, em OPINIÃO, publiquei uma afirmação, oportuna, de Miguel Sousa Tavares. O colunista do EXPRESSO e escritor tem razão. Se quisesse, poderia indicar outras pessoas, dos vários campos sociais, que têm dificuldade em deixar o poder. Sublinha ele que “A grandeza está em largar e não em continuar agarrado ao poder. Como acontece com tantas outras situações, em determinadas alturas da vida, a sabedoria consiste em saber sair, antes que nos peçam para sair". É verdade. Acontece, porém, que não vale a pena continuar a indicar pessoas que só sabem viver no poder e com o poder. Há casos evidentes em todo o lado, mesmo em campos onde era suposto encontrarmos gente com a humildade suficiente para ceder o lugar a outros. Concretamente, nas Igrejas, nos clubes, na política, nas instituições de solidariedade social e da cultura, em todo o lado. Tanto quanto sei, são pessoas generosas, capazes dos maiores sacrifícios, mas convencidas de que são insubstituíveis. Pensam, até, que a sua saída dos lugares que ocupam pode ser o caos, o fim do que lideram. Puro engano. As pessoas passam e as instituições permanecem de pé, quiçá com outras dinâmicas.
Pelo que tenho visto, em diversas situações, estes responsáveis que se encontram agarrados ao poder parece que já não sabem viver sem ele. De tal modo que, uma vez fora das lideranças, até são capazes de fazer a vida negra a quem os substituiu, procurando estar na crista da onda, esforçando-se por dar nas vistas, teimando em mostrar que estão vivos. E afinal, mesmo sem os lugares de mando, poderiam muito bem continuar a trabalhar para o bem comum, em lugares mais humildes, mais apagados, mas úteis.
FM
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 20 Outubro , 2007, 12:10

O PÔR DO SOL É PARA NOS ELEVAR
Há anos recebi uma lição que jamais esquecerei. Viajava com um amigo, com o crespúsculo do fim de tarde a aproximar-se a passos largos. De repente, ao virar de uma esquina, eis um pôr do Sol deslumbrante. O meu amigo parou o carro, de repente, e convidou-me a sair. E disse: esta beleza é para ser apreciada com serenidade; isto eleva-nos. E ali ficámos a contemplar, numa tarde de Outono, a riqueza multivariada do colorido de um Sol coado pelas nuvens que iam emprestando tonalidades quase inexplicáveis ao astro rei que mudava de hemisfério.
O meu amigo e leitor Ângelo Ribau tem destas sensibilidades. Esta foto, que lhe agradeço, foi tirada junto ao navio-museu Santo André. Aqui a partilhamos com os leitores do meu blogue.

Editado por Fernando Martins | Sábado, 20 Outubro , 2007, 12:04
A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) multou Scolari em 35 mil euros, pela sua infeliz atitude num jogo internacional de futebol. Esta multa vem na sequência do castigo que foi aplicado ao seleccionador Scolari pela UEFA, que não ignorou o gesto impróprio de um homem que tem de ser um educador. Scolari reconheceu, na altura, embora um pouco tarde, que fez mal. Agora, a verba que lhe vai ser retirada do ordenado vai ser aplicado "num fundo de fair play", conforme informou Gilberto Madail, presidente da FPF.
O presidente esclareceu, ainda, que "o fundo de fair play e código de ética" já estava a ser pensado antes do incidente que envolveu Scolari no Portugal-Sérvia, realizado em Alvalade."A UEFA tem mecanismos de decisão mais rápidos que nós", explicou Madail sobre as razões que levaram a Federação Portuguesa de Futebol a só agora sancionar o treinador brasileiro.
Gestos de ofensas ao “fair play" no desporto português, nomeadamente no Futebol, não faltam. Infelizmente. Indiciará este comportamento, sobretudo de atletas, pouco cuidado, ao nível dos responsáveis, na sua preparação global? Penso que sim. Tantas atitudes irreflectidas, tanta má educação, tantas agressões na disputa da bola e tantas simulações no sentido de enganar os árbitros (que alguns consideram legítimas, como um dia disse o treinador Fernando Santos) só podem ter uma explicação: ensinam os jovens a dominar a bola, mesmo com arte, mas não educam para o respeito absoluto pelos adversários, profissionais da mesma profissão, e pelos adeptos.
Então, que o "fair play e o código de ética" venham quanto antes, com um objectivo fundamental: educar os atletas, os treinadores e os dirigentes. Os castigos serão sempre secundários, porque não resolvem problemas nenhuns. Se os resolvessem, nos países com pena de morte para os infractores não haveria crimes.

FM

Editado por Fernando Martins | Sábado, 20 Outubro , 2007, 11:20



"O que entender por ateísmo? Perante o mistério da existência, talvez alguns não ponham sequer a questão da fé. Outros têm respostas prontas, claras e indiscutíveis. Há também os que não compreendem e, porque, no meio de um mundo ambíguo, grandioso e inquietante, se não satisfazem com nenhuma resposta, se interrogam angustiados: porquê? G. Minois, na sua História do Ateísmo, pensa que é tarefa do historiador explorar o passado destas três atitudes com "compreensão e compaixão". Assim, ele 'fala da história dos descrentes, agrupando sob esse vocábulo todos os que não reconhecem a existência de um Deus pessoal que intervenha na sua vida: ateus, panteístas, cépticos, agnósticos, mas também deístas'."
Leia todo o artigo em DN
tags:

mais sobre mim
Outubro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds