de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 14 Outubro , 2007, 13:58

D. António Marto, Bispo de Leiria-Fátima, em entrevista publicada no PÚBLICO de hoje


Fátima é muitas vezes vista pelas coisas feias - o negócio, o urbanismo, a emoção exagerada. Como olha para isso?


Quem quiser ver os aspectos negativos, encontra-os. Mas há também multidões que ali vivem e testemunham a sua fé, com alegria. Há gente que ali encontra uma espécie de oásis espiritual, a frescura e a dimensão interior da sua existência, que é capaz de sair dali transformada e levar essa transformação aos outros.

:

Ler toda a entrevista no PÚBLICO
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 14 Outubro , 2007, 12:30


EPÍLOGO

Não receio fantasmas nem duendes
Na jornada que vai quase a findar…
Hoje como ontem, meu Desejo, acendes
O mesmo facho para me guiar.

Ontem como hoje, uma lição aprendes
Na luz do Sol, na longa voz do mar:
- Que, se é grande a saudade a que te prendes,
Maior é sempre a glória de esperar…

Toda a noite amamenta a manhã nova…
E o mar, onda após onda, já renova
Sem apelo de longe em seu clamor.

Eternidade desta vida breve!
- Nunca morre a ansiedade que te leve
A criar, dia a dia, a paz e o amor…

João Barros

In VÉRTICE, revista de cultura e arte, Junho de 1952

Editado por Fernando Martins | Domingo, 14 Outubro , 2007, 11:47

LIBERDADE

Há situações verdadeiramente incontornáveis no universo que é a nossa casa!Entre nós, Aveiro na sua amplitude, há uma tradição de luta pelos ideais de liberdade que atravessam muito mais de meio século, como Aveiro comemorou no dia seis de Outubro, a propósito do I Congresso da Oposição Democrática que o Aveirense acolheu em 1957.
De uma forma contida, a oposição reuniu-se em Aveiro para debater a situação e o situacionismo nacional e dirimir as teses que entreabririam uma nesga de céu azul, nas palavras de Mário Sacramento, recordadas no Sábado, pelo Prof. Luís Farinha. E a liberdade ainda vinha tão longe!
Passados estes cinquenta anos, enquanto no Aveirense se actualizava a memória, corriam pelas ruas da cidade aquilo que poderemos considerar como consequência da parte dos ecos dessas teses que, num crescendo de esperança, foram eclodindo a ditadura, mas não conseguiram o triunfo necessário na altura, meados de cinquenta, como agora passados cinquenta (anos)!
O ideário de liberdade vem chocando uns e outros por não ser acompanhado pela responsabilidade de actos e compromisso cívico!
Porque, no decurso da semana de recepção ao caloiro em ambiente festivo, emergem laivos de pré-história, de rocambolescas indigências pouco democráticas!E a noite semeia-se de devastação do património, pelo qual tantos pugnaram, e de dejectos de toda a ordem. O Canal do Cojo fez corar o aterro de Taboeira!
O triunfo do álcool, da indisposição colectiva!?
A revolução está na rua!
Enquanto isto, o campeonato continua!

Desportivamente… pelo desporto!

M. Oliveira de Sousa
:
Fonte: Correio do Vouga
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 14 Outubro , 2007, 11:01









NB: Painéis de azulejo, com motivos históricos da região. Na gruta, junto à escadaria de acesso ao jardim. Para apreciar...
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 14 Outubro , 2007, 10:57

O Nobel da Paz Ambiental

1. Nestes dias, a paz com a natureza foi causa reconhecida com o Nobel. Não precisava de tal atribuição, mas este “reforço positivo” renova os imperativos ecológicos nas agendas políticas. É uma questão de sobrevivência. Como em tudo e como sempre, há quem tenha apoiado a atribuição e há quem não a veja com bons olhos; uma coisa é certa, não há alternativa, será mesmo necessário a transformação de alguns hábitos (diários) a fim da preservação do maior e mais belo património de todos que é, afinal, a nossa própria sobrevivência: a natureza que nos envolve, que somos, e que está em perigo. É um facto, a mudança (já em exercício+-) inadiável, ganha um novo impulso.
2. Na data de 10 de Dezembro, Dia dos Direitos Humanos, será entregue o Prémio Nobel da Paz 2007 a Al Gore, ex-vice-presidente da Casa Branca (ex-futuro presidente dos EUA!) e ao Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC, ligado às Nações Unidas). Poder-se-á perguntar: que têm os direitos humanos a ver com as questões ambientais? Será que agora esta uma nova moda? Talvez se vivêssemos noutros sítios do mundo entenderíamos bem melhor a urgência destas questões. Cada ano que passa, as alterações climáticas confirmam-se como um facto alarmante que, em última análise, poderá mudar a configuração do planeta; diante de catástrofes de um lado do mundo, as migrações populacionais, e a própria corrida aos recursos disponíveis, podem mudar radicalmente o cenário populacional global.
3. A propósito deste reconhecimento a Al Gore, alguns analistas consideram-no como o homem que chegou sempre cedo demais; tanto a perceber os alcances da Internet, como o erro da invasão do Iraque (claro, por contraposição à política de W. Bush), como ainda nos anos 80 foi pioneiro a compreender os riscos do aquecimento global. Não se pense, por isso, que o seu famoso documentário global “Uma Verdade Inconveniente” é uma moda dos últimos dias. Trata-se de uma linha de coerência, naturalmente mediatizada e mediatizadora, mas em que claramente Gore muito contribuiu nestes últimos anos para criar uma opinião pública planetária para esta urgência. Agora, o Nobel, premiando (verdade se diga) o uso dos instrumentos comunicacionais ao serviço desta causa, subscreve essa urgência inadiável! É mesmo importante que entendamos a mudança; das políticas institucionais aos cidadãos informais, a mudança será intensificada. Ou não queremos deixar mundo aos vindouros?! No fundo, hoje, é esta a pergunta essencial. Claro que sim!

Alexandre Cruz

mais sobre mim
Outubro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds