de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 02 Outubro , 2007, 15:07

ESTRANHOS MONGES

Mesmo os que não sabem onde fica a Birmânia ou Rangum, se questionam sobre o batalhão de monges fora dos seus mosteiros a serem o alvo principal duma telhuda junta militar que quer correr um país a ferro e a fogo.
Temos de admitir que a esta distância, que não é pouca, não é fácil entender os mecanismos dos jogos militares, manifestantes, agrupamentos jovens e monges, sob o olhar prepotente e assustado de ditadores que tudo mandam mas que andam com medo de tudo perder.
Mas - pergunta-se de novo - no meio de tudo isto, que fazem os monges budistas? Primeiro, não há um budismo apenas, mesmo na Birmânia. Há uma concepção individualista que privilegia a passagem para o nirvana fazendo dos obstáculos ondas de transição. E há uma escola mais empenhada na justiça e na liberdade – lembre-se a corrente Dalai Lama e do seu empenhamento político pela independência do Tibete.
Há um terceiro elemento: uma legitima-ção com a aproximação popular, que faz do budismo um companheiro do povo nas suas expressões espirituais e nos seus empenhamentos comunitários.
A esta distância geográfica, cultural e religiosa, pouco entendemos das notícias que nos chegam dum país humilhado por uma ditadura militar em confronto com uma escola de espiritualidade que nem tem referência a Deus como a generalidade das religiões que conhecemos. No seu aparente distanciamento da realidade para maior libertação interior em relação aos mecanismos do poder, do dinheiro, do consumismo hedonista, os monges da Birmânia vivem nos seus mosteiros com as esmolas do povo, são uma percentagem significativa da população (praticamente não há família que não tenha um filho num mosteiro). Vieram para a rua na hora de defender a liberdade e os direitos dos mais indefesos. Puseram-se na linha da frente de contestação aos militares sem a mais pequena ambição de poder. Com a sua perspectiva de reencarnação não desprezam a vida terrena na esperança do que viverão no futuro. Dir-se-ia que há muitos aspectos coincidentes com um cristianismo encarnado, activo, interveniente, que tanto apela à perfeição pessoal, como à intervenção social na implantação da justiça e no respeito por todos e cada um.
Estamos realmente muito distantes. Não nos revemos nas concepções dos quatrocentos mil monges que povoam os mosteiros da Birmânia. Mas sentimo-nos irmanados em muitos valores humanos que defendem. E não podemos deixar de aprender a forma como ligam contemplação e acção, meditação e compromisso, espiritualidade e empenhamento social. Ou talvez estejamos menos distantes do que nos parece.


António Rego

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 02 Outubro , 2007, 14:53

O ENCANTO DA NOSSA RIA
Hoje de manhã, a caminho de Aveiro, um amigo comentou embevecido: a nossa região é, de facto, muito bonita; aprecie o encanto da nossa ria, com tanta água a envolver-nos por todos os lados! É verdade. Nem sempre sabemos apreciar o que temos de bom. Passamos a vida a criticar tudo e mais alguma coisa, sem assumirmos a coragem de reconhecer o muito de bom que possuímos. Uma das nossas grandes riquezas está na beleza da nossa ria, com todos os dias a mostra-se, com cores e ares diferentes, desafiadora, para que a apreciemos devidamente. Só que, com as pressas, nem sempre a olhamos com olhos de ver.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 02 Outubro , 2007, 12:51
SINAIS DE TOTALITARISMO

Há quase cem anos, Afonso Costa disse que ia acabar com a religião católica em Portugal. Enganou-se. O que acabou foi a I República, em boa parte por causa dos violentos ataques aos católicos.
Pelo contrário, depois do 25 de Abril prevaleceu o bom senso da parte de políticos como Mário Soares. Perceberam que a última coisa que interessava à jovem democracia portuguesa era reabrir a chamada questão religiosa.
Entretanto, a Igreja soube adaptar-se ao pluralismo. Por isso, promove o diálogo com outras confissões e com os que não têm qualquer religião.
Mas, infelizmente, parece que há quem queira ressuscitar o anticlericalismo primário e o ódio a tudo o que cheire a religião. Como revela a actual polémica sobre a assistência religiosa nos hospitais, ainda há quem confunda a saudável separação entre Estado e Igreja com um laicismo agressivo.
Ora, uma coisa é o Estado laico. Outra será impor a toda a sociedade uma vivência anti-religiosa, negando às igrejas e aos crentes enquanto tais qualquer presença no espaço público.
Uma imposição não só antidemocrática como totalitária.

Francisco Sarsfield Cabral

mais sobre mim
Outubro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds