de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 25 Agosto , 2007, 20:27

PROFESSOR UNIVERSITÁRIO
DE UMA CULTURA INVULGAR





Hoje de manhã, em Lisboa, morreu Eduardo Prado Coelho, professor universitário possuidor de uma cultura invulgar. Ensaísta, crítico literário e cronista, foi sem dúvida uma personalidade com rara capacidade de intervenção na sociedade, em várias frentes.
Habituei-me a lê-lo regularmente na comunicação social, sobretudo no PÚBLICO e nos seus suplementos, apreciando a naturalidade com que abordava, nas suas crónicas, entre segunda e sexta-feira, os mais diversos temas, desde a literatura (poesia, prosa e ensaio), até à música, passando pelas artes plásticas, pela filosofia, pelo cinema, pela religião, pelo teatro, pela política e, até, pelo futebol, neste caso sobre o Sporting. Temas sempre ligados ao quotidiano das pessoas, ao comportamento dos políticos, aos livros que se iam publicando, aos acontecimentos artísticos e culturais que se (não) programavam ou se (não) desenvolviam com a pertinência que se impunha.
Embora nem sempre concordasse com o que pensava e escrevia, em especial quando se pronunciava sobre religião, nunca deixei de o ler e de meditar sobre o que dizia e como dizia. Posso sublinhar que diariamente esperava a sua crónica no PÚBLICO, tanto pela cultura que irradiava como pela frontalidade com que causticava quantos fugissem dos cânones que considerava mais correctos ou mais legítimos, quer sob o ponto de vista artístico, quer político.
A admiração que nutri por Eduardo Prado Coelho prende-se, também, com o facto de ver nele um intelectual que não se fechava na sua concha nem guardava para si os múltiplos conhecimentos que foi adquirindo ao longo da vida, antes os levava a todos, assumindo uma intervenção social digna de nota.

Editado por Fernando Martins | Sábado, 25 Agosto , 2007, 17:06
O JESUS DE RATZINGER-BENTO XVI (1)
:
Foi uma jornalista que me chamou a atenção: o Jesus de Nazaré, de J. Ratzinger-Bento XVI, conteria alguns erros, como, por exemplo, Abraão ter sido chamado para sacrificar o filho Isaac no monte Horeb. Disse-lhe que ainda não tinha tido acesso à edição alemã, mas que, se lá estivesse essa afirmação, era um erro, pois haveria confusão com o monte Moriá. Agora que me chegou o original alemão, pude confirmar: na página 58, lá está que Abraão se pôs a caminho do monte Horeb.
Mas esse e outros são pequenos lapsos, que passaram despercebidos à incompetência de algum revisor ou secretário. O decisivo problema desta obra, votada aliás a um tremendo sucesso de best-seller, com milhões de exemplares vendidos em dezenas de línguas, como de todas as obras referentes a Jesus de Nazaré é outro: o da passagem do Jesus da história ao Cristo da fé. Com que bases é que Jesus de Nazaré é confessado como o Messias, o Cristo, o filho único de Deus? Como se fez, historicamente, o trânsito de Jesus, nome próprio e que significa "Deus salva", de cuja existência histórica nenhum académico sério hoje duvida, a Jesus Cristo?
Segundo historiadores e exegetas reconhecidos, como, por exemplo, o padre J. Carreira das Neves, é possível determinar com segurança histórica alguns factos: 1. O nascimento de Jesus deu-se por volta do ano 4 a.C. (este paradoxo deve-se a um erro de datação, agora corrigido, de Dionísio, o Exíguo, no século VI). 2. Mais ou menos até aos 27 anos Jesus viveu em Nazaré, desconhecendo nós o que se passou nesse período. 3. Foi baptizado por João Baptista, começando, depois da sua morte, a pregar na Galileia e arredores a chegada do Reino de Deus. 4. Foi "um reformador do farisaísmo, um taumaturgo e um pregador, que se distinguia da pregação judaica de fariseus, saduceus, essénios e baptistas." 5. Desencadeou "um movimento popular político-religioso", que levantou suspeitas e interrogações às autoridades judaicas de Jerusalém. 6. Entre os muitos discípulos e discípulas que aderiram à sua mensagem, escolheu 12 homens, sinal do novo Israel, que preparou para continuarem a sua obra. 7. Por volta dos 30 anos foi a Jerusalém para celebrar a festa da Páscoa, desencadeou "problemas religiosos e políticos com a sua acção 'profética' no Templo", celebrou "um banquete de despedida com os seus discípulos", foi julgado pelo Sinédrio como "blasfemo" e, assim, "digno de morte", condenado à morte por crucifixão pelo governador romano Pôncio Pilatos. 8. Após a sua morte e depois de "um breve tempo de abandono, desânimo e fuga", os seus seguidores mais próximos, entre os quais algumas mulheres e os 12 discípulos, confessaram que "o viram ressuscitado", proclamaram que ele era o Cristo, continuando o movimento de pregação por ele iniciado. 9. "Pertence a esta pregação dos discípulos a fé na segunda vinda para estabelecer, definitivamente, o Reino."
Há um só Evangelho, mas em quatro Evangelhos: segundo Marcos, Mateus, Lucas e João, que, aliás, não só nem sempre coincidem como contêm contradições. Aí está a prova de que não narram a história de Jesus no sentido da história crítica moderna. São testemunhos de fé, portanto, escritos por quem já acredita em Jesus e lê a sua vida histórica à luz da ressurreição.
Esta leitura não significa, porém, que não tenham um fundamento histórico. São testemunhos de fé com base na história. Decisivo é saber lê-los como textos nos seus contextos e intertextos, conhecendo a finalidade de quem escreve, os destinatários e o ambiente cultural e religioso em que se inscrevem. Estão sujeitos ao método histórico-crítico e, como lembra Ratzinger, valem no todo da Escritura ("exegese canónica").
Qual é, neste quadro, o Jesus de Ratzinger-Bento XVI? Ele é o Filho unigénito de Deus, que vive "na mais íntima unidade com o Pai". O que trouxe ao mundo? Trouxe Deus e assim "a verdade sobre a nossa origem e o nosso destino". Agora que conhecemos o rosto de Deus, "conhecemos o caminho que devemos trilhar neste mundo como seres humanos".

mais sobre mim
Agosto 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13

23



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds