de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 31 Agosto , 2007, 14:47

D. Manuel Correia de Bastos Pina
:

D. Manuel Correia de Bastos Pina, Bispo-Conde de Coimbra, diocese a que pertencia a Gafanha da Nazaré, foi o autor da erecção canónica da paróquia, em 31 de Agosto de 1910.
Há dias, o prior da freguesia, Padre José Fidalgo, lembrou, numa celebração, que este bispo não tinha o seu nome perpetuado na cidade. Pediu, então, às autoridades, que diligenciassem nesse sentido. Concordo plenamente, até porque há pela cidade muitas ruas com nomes que nada nos dizem.
D. Manuel de Bastos Pina nasceu no lugar da Costeira, freguesia de Carregosa, Oliveira de Azeméis, em 19 de Novembro de 1830. Começou os seus estudos em Ílhavo, com o Dr. José António Pereira Bilhano, que depois foi Arcebispo de Évora.
Foi confirmado Bispo de Coimbra a 22 de Dezembro de 1871. Foi Bispo-Conde de Coimbra mais de 40 anos. Faleceu na sua casa de Carregosa em 19 de Novembro de 1913, dia em que completava 83 anos de idade.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 31 Agosto , 2007, 13:04
Provisão canónica


PARÓQUIA FAZ HOJE ANOS

Em 31 de Agosto de 1910, D. Manuel Correia de Bastos Pina, Bispo-Conde de Coimbra, assinou a criação da paróquia da Gafanha da Nazaré. A freguesia havia sido criada por Decreto Real de D. Manuel II, com data de 23 de Junho do mesmo ano.

NOTAS:

- A Gafanha da Nazaré era, à data, um lugar de São Salvador, Ílhavo, Diocese de Coimbra. A Diocese de Aveiro seria restaurada em 1938;

- Tinha já gente em número suficiente para exercer de forma capaz os diferentes cargos paroquiais;

- Estava nas condições de exigidas por lei para poder ser erecta freguesia;

-Possuía uma capela, sob a invocação de Nossa Senhora da Nazaré, com capacidade, paramentos, vasos sagrados e alfaias necessárias para servir, provisoriamente, de igreja paroquial;

- Estava a construir uma nova igreja, já numa fase adiantada;

- Obrigava-se a pagar, anualmente, cem mil reis de côngrua ao pároco, que ficava ainda com as tdemais benesses e emolumentos que fossem de uso, direito e costume na freguesia de que era desanexada.

In Boletim Cultural da Gafanha da Nazaré, n.º 1


Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 31 Agosto , 2007, 11:07


PÓ DO PORTO COMERCIAL
INVADE TUDO
NA GAFANHA DA NAZARÉ

É público que o Prof. Carlos Borrego, da Universidade de Aveiro, vai coordenar um estudo sobre o ar que se respira na Gafanha da Nazaré. Pela sua indiscutível competência, penso que todos vamos ficar a saber se podemos, ou não, andar descansados.
Ninguém ignora que uma zona industrial e portuária tem custos acrescidos na área do ambiente. Há produtos tóxicos e poluentes a serem armazenados e manipulados, o que não pode deixar de inquietar as populações, já que, com regularidade ou esporadicamente, há o perigo de derrame ou de fuga para o ambiente.
Há anos, e por mais do que uma vez, a Gafanha da Nazaré sofreu as consequências de situações dessas, com produtos químicos altamente perigosos a serem derramados para a atmosfera, na área do Porto Industrial. Na altura foi dito que a região das Gafanhas, e em especial a Gafanha da Nazaré, estava constantemente sob um “barril de pólvora”, prestes a rebentar a qualquer hora. Depois vieram os técnicos garantir que tudo estava controlado, não havendo perigo para ninguém.
Entretanto, a Gafanha da Nazaré começou a ser invadida por areias e pós que vinham do Porto Comercial. Incomodavam, obviamente, toda a gente, chegando a invadir as casas. O povo começou a protestas e desses protestos se fizeram eco os diversos órgãos de comunicação social.
Promessas e mais promessas de que tudo se iria resolver, tranquilizaram as pessoas. Mas a cena vai-se repetindo, ao ponto de os responsáveis resolverem avançar com o estudo entretanto anunciado.
É bom que ele seja feito, para tirar dúvidas e para ficarmos com certezas. Não é possível sentir o pó em tudo quanto é canto das nossas próprias casas. Mas o pior é que ele também vai ocupando um lugar garantido nos nossos pulmões. E isto não pode ser.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 30 Agosto , 2007, 09:55
Réplica da Guarita, já no espaço do jardim,
espera um enquadramento mais bonito

Jardim Oudinot
remodelado no próximo Verão

O projecto de qualificação urbana e ambiental do jardim Oudinot abre a concurso neste mês de Setembro. Se tudo correr como previsto, as obras estarão concluídas no Verão do próximo ano. Percursos pedonais, parques infantis, um ancoradouro de recreio e um pequeno hotel são apenas algumas das infra-estruturas a incluir neste espaço.
:
Leia mais no Diário de Aveiro

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 29 Agosto , 2007, 14:54


PESADELOS
DE UMA PROFECIA FALHADA


Foi muito curiosa, apesar de esperada, a reacção dos responsáveis do Ministério da Saúde em diversos graus e escalões, perante a primeira contagem dos abortos realizados, com um mês de vigência da lei. Só 300? Como é possível acontecer assim? Estamos perdidos! E multiplicaram-se as explicações para esta desgraça (!), para eles inesperada. Até que, dias depois, as vozes apareceram mais animadas. Já eram 526! Mas lamentava-se, em surdina, que sete ou oito mulheres, (que pobre gente!) depois das explicações regulamentares recebidas, tinham desistido de abortar. E lá se foi dizendo, como que a prevenir para evitar derrotas morais, que se esperavam 1600 abortos por mês… Só com estes se pode dar razão às razões e promessas do referendo…
Se não aumentarem os abortos a pedido, dizia-se nas entrelinhas, como se poderá chegar aos 30 mil clandestinos de que tanto se falou na campanha? O fantasma, porém, está aí de novo. O problema é preocupante, porque os do “não” continuam em campo e não vão desarmar, nem se vão calar… Que pesadelo! Como se não bastassem os números.
Para levantar os ânimos abatidos dos preocupados, o Director Geral, um técnico com tiques e reacções a pedir um estudo das profundidades, já vai ensaiando, segundo os jornais, dois cenários apaziguadores: aos três meses de contagem dos abortos, pedidos e realizados, é que se saberá o andamento, por isso há que esperar confiantes, até Outubro; se os abortos não aumentarem, na linha da profecia que afirmava os clandestinos a roçar os 30 mil por ano, então é porque, finalmente, (!) as grávidas portuguesas se dispuseram a participar na redução do número de abortos, de harmonia com os objectivos previstos pela lei…Nem mais.Toda esta conversa só se justifica porque no Verão pouca gente lê os jornais e depressa se passa a página. Também não é muita a gente que ouve os políticos, a não ser que haja sarilhos e “botas” desenquadradas. Por outro lado, com o futebol a entrar em cena, tudo o mais passa a secundário.
Os movimentos abortistas de há muito depuseram armas, uma vez que a sua batalha estava ganha. Voltam-se, por agora, para os transgénicos… As clínicas abortadoras legais estão em boa maré. Mais dez ou menos dez semanas, há sempre razão para acolher bem quem as procura para se aliviar de pesadelos e de fetos vivos. As não legais actuam sem temores e os juízes são agora mais benevolentes…Assim vai o país no que de mais sério se pode pedir a quem governa e aos cidadãos: defender a todo o custo a vida já gerada e promover a saúde própria e a de todos.
Entretanto, fecharam-se maternidades por razões técnicas e, também, porque davam prejuízo, mas há agora, em cada quartel de bombeiros, uma maternidade de quatro rodas, que vai fazendo partos pelas estradas, umas vezes bem sucedidos e outras não tanto. De quem é a culpa dos fracassos, quando ocorrem? Dos jornais, claro, que dizem tudo… Sempre houve fracassos nas maternidades normais e não se fazia tanto barulho. Tudo natural, a não ser que o escândalo fosse grande e a família não se conformasse…
A gente sensata previa tudo, até os confrontos escandalosos aí à vista. Já nada traz novidade. A descriminação entre uma parturiente normal, trabalhadora, e uma grávida que quer abortar é simplesmente inadmissível. Os muitos direitos desta fazem correr o ministério para que tudo se resolva sem encargos para ela, aqui, ali ou além. E no resto da saúde? Portas abertas para fazer abortos, portas fechadas para milhares de portugueses que esperam em vão por uma cirurgia urgente, que se resolve a conta gotas, pondo o Ministro a ser ridículo pelas explicações que dá ao país.
Sobra cada vez mais pano para fazer mangas. É preciso continuar. Que a gente que pensa, acorde e perceba, perante o que se vê, se vive e se legisla, que as soluções legais, nem sempre são justas, morais e éticas. E que as políticas, muitas vezes são um logro.


António Marcelino
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 29 Agosto , 2007, 13:21
Jorge Pires Ferreira sugere
no Correio do Vouga
:
Trilho das Padeiras (Foto da Hera)

Passeios baratos,
saudáveis, ecológicos e culturais
:

O período de férias está a chegar ao fim. Mas ainda há tempo para sugerir alguns percursos pedestres. Caminhar nestes trilhos, além de barato, é saudável, ecológico e cultural, com a vantagem de esta prática poder ser levada a cabo em qualquer altura do ano.
:
O turismo ecológico (ou ecoturimo) está em alta. São cada vez mais as pessoas que procuram alternativas à praia, virando-se para o campo e a montanha. Entre as práticas do ecoturismo mais comuns estão as caminhadas.
Caminhar faz bem ao corpo e à mente. É uma necessidade cada vez maior, para contrapor aos estilos de vida actuais, maioritariamente sedentários. Daí que, respondendo à procura das pessoas, muitas câmaras municipais e freguesias marquem percursos no campo ou em meio urbano e editem folhetos sobre a história, cultura e natureza que esses trilhos permitem observar. Sem esgotar todos os percursos da região de Aveiro, deixamos aqui algumas sugestões em Sever do Vouga, Ílhavo e Estarreja.
:
Para mais sugestões, clique aqui



Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 29 Agosto , 2007, 13:07
Aurore de Sousa apresenta...

“A CIDADE AZUL, FRAGMENTOS
DE UMA REALIDADE INEFÁVEL”



Vai ser inaugurada amanhã, 30 de Agosto, pelas 18 horas, no Salão Nobre do Teatro Aveirense, uma Exposição de Fotografia, “A Cidade Azul, Fragmentos de uma Realidade Inefável”, da autoria de Aurore de Sousa.
Aurore de Sousa nasceu em Portugal e vive e trabalha actualmente em Grenoble, na França, onde tirou a sua licenciatura na Escola Superior de Artes de Grenoble.
Desde 1990, consagra-se à fotografia.
A exposição pode ser apreciada até 30 de Setembro.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 28 Agosto , 2007, 10:09
QUEM NÃO GOVERNA BEM
A SUA CASA COMO PODE
GOVERNAR BEM O PAÍS?
:
O Tribunal Constitucional (TC) divulgou ontem um acórdão relativo à campanha eleitoral para as legislativas de 2005 que determina a aplicação de coimas aos partidos políticos num valor total de 115.781,9 euros, por irregularidades na apresentação das contas.
Dos 11 partidos que concorreram a este acto eleitoral, apenas um, o Partido Operário da Unidade Socialista, não irá ser sujeito a coima, embora receba também uma admoestação do TC.
O PSD, o CDS-PP e o PS são os partidos mais penalizados: os sociais-democratas terão de pagar um valor equivalente a 67 salários mínimos, ou seja, 25.104,9 euros, os democratas-cristãos foram condenados ao pagamento de 23.231,4 euros e os socialistas a uma coima de 21.357,9 euros.
Seguem-se o PCP e o PEV (enquanto membros da Coligação Democrática Unitária - CDU) que terão de pagar uma coima de 15.737,4 euros, o Bloco de Esquerda (11.241 euros) e o Partido da Nova Democracia - condenado ao pagamento de 6.369,9 euros.
:
NOTA: Esta foi a notícia ontem divulgada. O Tribunal Constitucional não é uma entidade qualquer. Por isso, tem muito valor a sua decisão.
As contas irregulares ou à margem da lei dos partidos políticos surgem com alguma regularidade. Há partidos que não são constituídos, afinal, por gente que goste de contas direitas, mas são fundamentais à democracia. Então, há que acertar o passo com a legalidade e com a transparência. Se não são capazes de governar bem as suas casas, como podem garantir-nos que são capazes de governar o País?
tags:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 27 Agosto , 2007, 18:27

UMA CIDADE
MAIS LIMPA
E ARRUMADA
DEPENDE DE TODOS


Em declarações à Rádio Terra Nova, o presidente da Junta de Freguesia da Gafanha da Nazaré, Manuel Serra, lembrou que uma cidade mais limpa e arrumada depende de todos. "Todos os moradores desta cidade devem zelar pelo espaço exterior da sua residência, já que a Junta de Freguesia não tem mão-de-obra disponível e suficiente", referiu.
Há anos, quando a Gafanha era mais terra agrícola do que outra coisa, os proprietários tinham de abrir as valas e limpar os caminhos que passavam junto das suas casas e terrenos. Depois, os hábitos foram-se alterando e passou a Junta a tratar disso.
Concordo com a proposta do presidente Manuel Serra. Se todos dermos uma ajuda, tudo será mais fácil e a Gafanha da Nazaré passará a ter mais encanto. Ficamos à espera de ver se os gafanhões cooperam.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 27 Agosto , 2007, 17:52

LAR INTERNACIONAL
:
Há dias encontrei, numa casa da Gafanha da Nazaré, uma placa no mínimo curiosa. Na parte frontal, lá bem no cimo e à vista de toda a gente, pude ler: DEUS ABENÇOAI ESTE LAR INTERNACIONAL BRAZIL FRANÇA AMÉRICA E PORTUGAL. Isto diz muito a quem passa, até porque é bem conhecido de todos quantos conhecem verdadeiramente a Gafanha da Nazaré. Aqui residem, adoptando esta terra como sua, gentes dos mais variados recantos. Neste caso concreto, do mundo. Brasil, França, América e Portugal de mãos dadas num lar gafanhão. Um lar verdadeiramente internacional.
tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 26 Agosto , 2007, 09:45





Ai simplex!


Há momentos em que nos damos conta de que o Simplex, essa excelente e meritória iniciativa concebida por Maria Manuel Leitão Marques, está a funcionar, mas há outras em que choramos pela sua ausência, na expectativa de que um dia, não demasiado longínquo para a nossa esperança de vida, chegue. Dei-me conta disso ao acompanhar e mesmo participar no processo de legalização em Portugal de alguém que trabalha em minha casa há já algum tempo, e que, pelas suas capacidades profissionais, e sobretudo pelas suas qualidades humanas (como pude comprovar em período recente da minha existência) é pessoa de quem é fácil gostarmos: a brasileira Maria Nágila Bezerra, pessoa de permanente bom humor, que ri mesmo quando conta as mais terríveis tropelias a que possa ter sido sujeita.
Sucede que há algumas semanas atrás começou a não aparecer ou a chegar mais tarde. Não se tratava, como vim a saber, de deambulações existenciais por montes e vales, nem mesmo de acessos místicos, mas antes de razões infelizmente mais prosaicas: ia ao SEF. Rapidamente descobri que se tratava do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. E pude compreender que o modo de funcionamento desta instituição nem sempre teria aquela perfeição que nós desejaríamos para um serviço público em área tão sensível como esta. Comprova-se que, se por vezes encontramos funcionários amáveis e colaborantes, desejosos de nos facilitar a vida, outras há em que nos confrontamos com pessoas stressadas e amarguradas pelo amarelo das paredes e os dramas conjugais para os quais quase nunca contribuímos mas de que pagamos as implacáveis consequências. Para ir ao SEF, a Nágila levantava-se antes de o Sol nascer para se deslocar de Alverca até Lisboa, onde, às portas do SEF, se organizava uma fila imensa de pessoas que esperavam cinco e seis horas para serem atendidas. E quem as atendia? Gente zangada com a vida que parecia ter uma especial volúpia em criar dificuldades: incapazes de explicarem tudo o que as pessoas precisavam de levar, incapazes de perceberem que as pessoas que atendiam tinham certas limitações na compreensão dos mecanismos burocráticos portugueses, descobriam sempre mais papéis que faltavam, o que obrigava a recomeçar tão exaltante peregrinação.
Tenho à minha frente o papel que acabou, ao cabo de porfiados esforços, por lhe ser dado e que, num português em que "há menos" se escreve "à menos", se intitula "Renovação de Autorização de Permanência Temporária para Trabalho subordinado", esclarecendo-se, para consolo das nossas almas, que é ao abrigo do art. 217, n.º 1, da Lei 23/207 de 04 de Julho. Que é preciso? Um passaporte válido, um comprovativo das condições de alojamento (contrato ou atestado da Junta de Freguesia), declaração do IRS e cópia da nota de liquidação relativa ao ano fiscal anterior, contrato de trabalho e declaração actualizada da entidade patronal a atestar o vínculo laboral, declaração da Segurança Social regularizada a confirmar os descontos efectuados, requerimento em impresso de modelo próprio (www.sef.pt) e duas fotografias. Com todas estas tarefas, por sucessivos dias, a Nágila deixou de aparecer. Andava por Alverca e Lisboa à procura de papéis - belo ideal de vida. Única vantagem: aprimorei a minha capacidade de fazer camas. E vou melhorando noutras tarefas domésticas.
:

In PÚBLICO de hoje

Editado por Fernando Martins | Domingo, 26 Agosto , 2007, 09:29


A AMEAÇA DE CHICO BRÃO

Caríssima/o:

Lenda são certos saberes e sabores que já se não usam nem se conhecem.
Vem comigo: sigamos o odor que hoje enche a casa. É do galo do A. A. (não digo o nome para não ferir a sua modéstia e preservar a sua privacidade; mas tu próprio/a podes atribuir nomes: assim ao 1.º A – António? André?, e ao 2.º – Amaro? Antão?...). Disse-nos ele:
- Ainda bem que o galo escapou à rapina. Sei que era uma rapina porque vi penas num monte e depois tinha asas assim (e abria os braços...); ladrava como um cão! É para o comermos todos juntos!
- Como é que ele escapou?
- Ia dormir com o cão na casota.
E o cheiro não nos enganou – preparado apenas com a sua água, o galo soube-nos pela vida e o arroz de cabidela (baptizado por “arroz de chocolate” pelos netos) estava de três assobios; o tinto combinou à maravilha.
Mesmo sem fechar os olhos, a imaginação voou para as festas em que o galo era rei (os Reis, a Nossa Senhora da Nazaré, ..., e mais recentemente, o Santo António). Logo se lhe associaram as primeiras férias que gozei por convite amável das filhas do senhor João Maria Pereira Júnior, a Maria de Jesus e a Maria de Fátima, fazendo companhia a seu neto Manuel. Foram quinze dias em Macieira de Cambra e a leveza do ar e da água nunca mais se esqueceu.
E há sempre um saber novo numa lenda que espreita por nós:


«As festas de Santo António são o orgulho de Vale de Cambra. Festas de âmbito concelhio, é certo, e bem animadas. Desde 1977 que o 13 de Junho é feriado municipal e não se pode dizer que, a partir daí, as condições meteorológicas não tenham sido as mais agradáveis. A procissão prima pela imponência e concorrência, com todas as irmandades do concelho integradas, combinando-se os aspectos religiosos com os culturais. Exposições de artes e artesanatos e muita música. Porém, nem sempre tudo correu como agora. E Fernando de Bulhões, o nosso Santo António, não deve ter ganho para o susto!
Por muito amado que seja o grande taumaturgo, faz-se lá ideia o que lhe passou pela cabeça quando ouviu a ameaçadora sentença que lhe atirou Chico Brão, que ele sempre considerara um dos seus mais fiéis amigos, que é como quem diz devoto do coração:
- Enfia-se o santo num saquinho e mete-se na água, ali mesmo ao pé da ponte da Gandra!
Ante uma assembleia de amigos e mordomos da festa, Chico Brão, na verdade Francisco Pinto Soares, não teve dúvidas em explicar:
- Se o nosso rico Santo António quer água, que a tenha, mas só para ele! A nós já bom prejuízo nos deu!
Pois nem queiram saber o que acontecia! Raro era o dia 13 de Junho que um de Macieira não agarrasse no telefone e ligasse para um amigo de Gandra a perguntar à falsa-fé:
- Faz favor, diz-me se está aí a chover?
Era uma pergunta de chacota. Os macieirenses não perdoavam aos de Gandra terem ficado, a favor deles, sem a cabeça do concelho. E até aquelas irritantes chuvas, diríamos mesmo: até aquelas tradicionais chuvas, no próprio dia da romaria, serviam para o gozo de sempre!
Os da Gandra, logo que conseguiam as verbas necessárias para a festa, começavam a decorar a capela de Santo António e a engalanar os espaços públicos. Naquele tempo usavam mais papelinhos que outra coisa, pelo que as súbitas chuvas do fim da Primavera eram extremamente arreliadoras, pois encharcavam tudo.
Porém, no ano em que Chico Brão decidiu dizer que metia o santo nas águas, isso foi uma ameaça vingativa. É que nesse ano, por volta de meados da década de 40 do século passado, o Inverno parece que se tinha esquecido de qualquer coisa e reapareceu. E logo a 13 de Junho. Sem contemplações, destruiu as ornamentações e mais ainda o que era de todo o ano. Os romeiros tiveram de regressar a suas casas sem terem comprado um rebuçado e os de Gandra aguentaram-se com aqueles ribeiros correndo pelas suas ruas. Nesse dia, nem os de Macieira fizeram a pergunta anual!
Vale de Cambra reatou as suas relações com Santo António praticamente quando ele se decidiu proteger a vila da intempérie no dia grande da sua romaria. Mas teria sido só por via da ameaça de Chico Brão ou pelo respeito que o santo tinha pelos seus amigos das terras de Cambra?»
[V. M., 274]

Será caso para aceitar apostas?

Manuel

Editado por Fernando Martins | Sábado, 25 Agosto , 2007, 20:27

PROFESSOR UNIVERSITÁRIO
DE UMA CULTURA INVULGAR





Hoje de manhã, em Lisboa, morreu Eduardo Prado Coelho, professor universitário possuidor de uma cultura invulgar. Ensaísta, crítico literário e cronista, foi sem dúvida uma personalidade com rara capacidade de intervenção na sociedade, em várias frentes.
Habituei-me a lê-lo regularmente na comunicação social, sobretudo no PÚBLICO e nos seus suplementos, apreciando a naturalidade com que abordava, nas suas crónicas, entre segunda e sexta-feira, os mais diversos temas, desde a literatura (poesia, prosa e ensaio), até à música, passando pelas artes plásticas, pela filosofia, pelo cinema, pela religião, pelo teatro, pela política e, até, pelo futebol, neste caso sobre o Sporting. Temas sempre ligados ao quotidiano das pessoas, ao comportamento dos políticos, aos livros que se iam publicando, aos acontecimentos artísticos e culturais que se (não) programavam ou se (não) desenvolviam com a pertinência que se impunha.
Embora nem sempre concordasse com o que pensava e escrevia, em especial quando se pronunciava sobre religião, nunca deixei de o ler e de meditar sobre o que dizia e como dizia. Posso sublinhar que diariamente esperava a sua crónica no PÚBLICO, tanto pela cultura que irradiava como pela frontalidade com que causticava quantos fugissem dos cânones que considerava mais correctos ou mais legítimos, quer sob o ponto de vista artístico, quer político.
A admiração que nutri por Eduardo Prado Coelho prende-se, também, com o facto de ver nele um intelectual que não se fechava na sua concha nem guardava para si os múltiplos conhecimentos que foi adquirindo ao longo da vida, antes os levava a todos, assumindo uma intervenção social digna de nota.

Editado por Fernando Martins | Sábado, 25 Agosto , 2007, 17:06
O JESUS DE RATZINGER-BENTO XVI (1)
:
Foi uma jornalista que me chamou a atenção: o Jesus de Nazaré, de J. Ratzinger-Bento XVI, conteria alguns erros, como, por exemplo, Abraão ter sido chamado para sacrificar o filho Isaac no monte Horeb. Disse-lhe que ainda não tinha tido acesso à edição alemã, mas que, se lá estivesse essa afirmação, era um erro, pois haveria confusão com o monte Moriá. Agora que me chegou o original alemão, pude confirmar: na página 58, lá está que Abraão se pôs a caminho do monte Horeb.
Mas esse e outros são pequenos lapsos, que passaram despercebidos à incompetência de algum revisor ou secretário. O decisivo problema desta obra, votada aliás a um tremendo sucesso de best-seller, com milhões de exemplares vendidos em dezenas de línguas, como de todas as obras referentes a Jesus de Nazaré é outro: o da passagem do Jesus da história ao Cristo da fé. Com que bases é que Jesus de Nazaré é confessado como o Messias, o Cristo, o filho único de Deus? Como se fez, historicamente, o trânsito de Jesus, nome próprio e que significa "Deus salva", de cuja existência histórica nenhum académico sério hoje duvida, a Jesus Cristo?
Segundo historiadores e exegetas reconhecidos, como, por exemplo, o padre J. Carreira das Neves, é possível determinar com segurança histórica alguns factos: 1. O nascimento de Jesus deu-se por volta do ano 4 a.C. (este paradoxo deve-se a um erro de datação, agora corrigido, de Dionísio, o Exíguo, no século VI). 2. Mais ou menos até aos 27 anos Jesus viveu em Nazaré, desconhecendo nós o que se passou nesse período. 3. Foi baptizado por João Baptista, começando, depois da sua morte, a pregar na Galileia e arredores a chegada do Reino de Deus. 4. Foi "um reformador do farisaísmo, um taumaturgo e um pregador, que se distinguia da pregação judaica de fariseus, saduceus, essénios e baptistas." 5. Desencadeou "um movimento popular político-religioso", que levantou suspeitas e interrogações às autoridades judaicas de Jerusalém. 6. Entre os muitos discípulos e discípulas que aderiram à sua mensagem, escolheu 12 homens, sinal do novo Israel, que preparou para continuarem a sua obra. 7. Por volta dos 30 anos foi a Jerusalém para celebrar a festa da Páscoa, desencadeou "problemas religiosos e políticos com a sua acção 'profética' no Templo", celebrou "um banquete de despedida com os seus discípulos", foi julgado pelo Sinédrio como "blasfemo" e, assim, "digno de morte", condenado à morte por crucifixão pelo governador romano Pôncio Pilatos. 8. Após a sua morte e depois de "um breve tempo de abandono, desânimo e fuga", os seus seguidores mais próximos, entre os quais algumas mulheres e os 12 discípulos, confessaram que "o viram ressuscitado", proclamaram que ele era o Cristo, continuando o movimento de pregação por ele iniciado. 9. "Pertence a esta pregação dos discípulos a fé na segunda vinda para estabelecer, definitivamente, o Reino."
Há um só Evangelho, mas em quatro Evangelhos: segundo Marcos, Mateus, Lucas e João, que, aliás, não só nem sempre coincidem como contêm contradições. Aí está a prova de que não narram a história de Jesus no sentido da história crítica moderna. São testemunhos de fé, portanto, escritos por quem já acredita em Jesus e lê a sua vida histórica à luz da ressurreição.
Esta leitura não significa, porém, que não tenham um fundamento histórico. São testemunhos de fé com base na história. Decisivo é saber lê-los como textos nos seus contextos e intertextos, conhecendo a finalidade de quem escreve, os destinatários e o ambiente cultural e religioso em que se inscrevem. Estão sujeitos ao método histórico-crítico e, como lembra Ratzinger, valem no todo da Escritura ("exegese canónica").
Qual é, neste quadro, o Jesus de Ratzinger-Bento XVI? Ele é o Filho unigénito de Deus, que vive "na mais íntima unidade com o Pai". O que trouxe ao mundo? Trouxe Deus e assim "a verdade sobre a nossa origem e o nosso destino". Agora que conhecemos o rosto de Deus, "conhecemos o caminho que devemos trilhar neste mundo como seres humanos".

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 24 Agosto , 2007, 17:41




O Grupo Etnográfico
da Gafanha da Nazaré na Polónia

O Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré orgulha-se de preservar e defender as raízes culturais da Gafanha da Nazaré e do Concelho de Ílhavo tanto em Portugal como no estrangeiro, onde já esteve por diversas vezes. Desta feita deslocou-se à Polónia, às cidades de Wodzislaw Slaski e Kedzierzyn Kozle, de onde regressou recentemente. A viagem iniciou-se no dia 30 de Julho e a chegada à Gafanha da Nazaré aconteceu no dia 11 de Agosto e foi como “pagamento” da visita do grupo polaco à nossa terra em 2002. Durante a viagem houve a oportunidade de visitar a cidade de Paris, onde pernoitámos, tanto à ida como à vinda.
Em terras da Polónia mostrámos as nossas danças, cantares, trajes e alfaias, enfim, o fruto do nosso trabalho de recolha e preservação ao longo de quase 25 anos, procurando fazê-lo com empenhamento e orgulho e dignificando o nome do grupo, da nossa terra, do concelho e, muito especialmente, do nosso país.
Desde quinta-feira, dia em que chegámos, até quarta-feira, dia em que partimos, efectuámos seis actuações. O ponto alto aconteceu no sábado à noite, num festival internacional com vários dias de exibição e em que participaram mais de 20 grupos de folclore de Portugal, Canadá, Bulgária, Áustria, Egipto, Eslováquia, França, U.S.A., Moldávia, Espanha, Macedónia, Sérvia e Coreia, além de alguns grupos polacos. Neste dia, e com muita surpresa nossa, encontrámos um nosso conterrâneo, morador na Gafanha da Boavista, a assistir ao festival. No final da actuação tivemos a oportunidade de conversar com ele durante alguns minutos. Além das actuações, houve também uma vertente cultural nesta visita à Polónia. Pudemos visitar um museu na cidade de Rybnik, visitámos a bela cidade de Cracóvia e o museu de Auschwitz, campo de concentração nazi.
A viagem decorreu sem incidentes, apesar da distância e do muito trânsito que encontrámos, sempre com um bom ambiente entre todos os componentes do grupo. O espírito de companheirismo e a alegria constante foram um tónico para nos aliviar do cansaço de tantas horas de viagem.
O Grupo Etnográfico da Gafanha da Nazaré vai continuar o trabalho de divulgação da sua freguesia e do seu concelho por esse país fora e, sempre que surgir a oportunidade, além fronteiras. Espanha, França, Alemanha, Itália e Polónia tiveram já a ventura de contactar com a nossa cultura. Fomos embaixadores do concelho nestes países e em todos eles deixámos uma boa imagem. Aproveitamos para agradecer a todos quantos contribuíram para o sucesso desta viagem.

José Augusto Rocha
:
NOTA: Fotos e texto gentilmente cedidos pelo GEGN

mais sobre mim
Agosto 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

13

23



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds