de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 26 Junho , 2007, 19:39
Angola.Foto do arquivo do CUFC

ORBIS com novo website:

A ORBIS é uma associação humanitária vocacionada para o voluntariado missionário. Nasceu em 2006 na Diocese de Aveiro e acaba de apresentar o seu novo website, através do qual será possível conhecer os seus objectivos. Está alojado em www.orbiscooperation.org, onde espera pela sua visita, mas não só. Também espera pela sua cooperação.
A ORBIS nasceu por iniciativa do Secretariado Diocesano de Animação Missionária, fundamentalmente para promover a cooperação junto dos países menos desenvolvidos. Entre os projectos apresentados, com grande impacto no mundo lusófono (Angola, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné e Brasil), destaca-se o da "adopção virtual" e o "Comércio solidário", para "dizer na nossa acção diária que podemos fazer a diferença!".
Graças à ORBIS, muitos jovens já fizeram experiência missionária, ao mesmo tempo que se tem proporcionado o acolhimento de Missionários que necessitam de restabelecer a saúde ou de fazer estudos em Aveiro.
Os jovens abertos a experiências missionárias participam quinzenalmente na Escola Missionária, que funciona de Outubro a Junho, no CUFC (Centro Universitário Fé e Cultura), respeitando um plano de formação preparado para desenvolver o espírito missionário e o sentido da cooperação.
Desta associação voltarei a falar no próximo futuro, pois acredito que se torna muito importante dizer aos meus amigos e leitores que é preciso ajudar quem tanto está disposto a dar-se aos mais carentes.
Para já, aconselho uma visita ao "site" da ORBIS.
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 26 Junho , 2007, 08:15
Jesus Correia, internacional de Futebol
e Hóquei em Patins



COM QUE SAUDADES…

Na minha meninice e juventude, com que alegria e prazer ouvia os relatos, via rádio, dos jogos de Hóquei em Patins, em que a selecção portuguesa dava cartas ao mundo. Ainda tenho nos ouvidos e na alma o entusiasmo de Artur Agostinho e de Amadeu José de Freitas, relatores ímpares que nunca podemos esquecer. Éramos, com a Espanha e a Itália, e mais tarde com a Argentina, os donos deste desporto sobre rodas e de stick em punho. Não havia quem nos batesse e a comunicação social de então não se cansava de cantar loas aos nossos atletas, considerados dos melhores do mundo, se não foram mesmo os melhores, durante muitas épocas, como o provam os resultados.
Recordo, com tanta saudade, a célebre equipa constituída por Emídio Pinto, Raio, Edgar, Jesus Correia e Correia dos Santos, que dava baile nos ringues por esse mundo fora. Emídio era o guarda-redes que defendia o impossível, Raio e Edgar eram os que atrás davam inteira confiança à selecção e os primos Correias davam cabo das defesas adversárias. Para mim, o maior de todos era Jesus Correia. Internacional, simultaneamente durante muito tempo, tanto no Futebol como no Hóquei em Patins. No Futebol fazia parte da célebre equipa dos cinco violinos, do Sporting. Pegava na bola na ponta do stick e ninguém o segurava. Depois outros grandes jogadores continuaram a dar vida ao ego nacional. Livramento, Chana, Perdigão, Ramalhete, Rendeiro, Cipriano, Fernando Adrião e muitos outros que a memória ainda retém.
No último fim-de-semana foi a derrocada. Portugal ficou em 6º lugar no Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins. Desportivamente, teve o que merece. Perdeu, escandalosamente, com equipas a quem antigamente dava cabazadas. Os outros, ao longo dos anos, organizaram-se e evoluíram. Nós, convencidos de que ninguém nos batia, parámos tristonhos no tempo, descansando à sombra da bananeira.
Éramos mestres e agora passámos a alunos e maus alunos. Até a comunicação social, que há décadas apoiava o Hóquei em Patins, se vai esquecendo de promover este desporto em que fomos reis. Agora, há que recomeçar tudo de novo, para ocuparmos o lugar cimeiro a que temos direito. E havemos de conseguir, se olharmos com olhos de ver para o futuro, alimentando a mística dos heróis de outras eras.

Fernando Martins

tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 26 Junho , 2007, 07:38
Arquivo Distrital de Aveiro



Escrevi, há dias, um pequeno texto sobre uma visita que fiz ao Arquivo Distrital de Aveiro, para acompanhar um amigo que buscava as suas raízes. O Arquivo guarda, com cuidado e rigor científico, os registos paroquiais (baptizados, casamentos e óbitos), nacionalizados após a implantação da República, bem como muitos outros documentos de âmbito diverso. Quem gostar de saber algo sobre isso pode muito bem dirigir-se àquela instituição para proceder às buscas necessárias. E há muita gente que faz isso.
A propósito, certamente, do que escrevi, tenho recebido alguns e.mails, sobretudo de netos ou bisnetos de portugueses da região que emigraram para o Brasil no século XIX e princípios do século XX. Lá lhes vou dizendo o que posso dizer, indicando o Arquivo como lugar certo para as suas pesquisas. Oxalá conseguiam o que pretendem.
Bonito é saber que há muita gente por esse mundo fora desejosa de conhecer as suas raízes, nunca esquecendo os seus antepassados, por mais perdidos no tempo que eles estejam para muitos. Não estão, porém, esquecidos por quem preserva o sabor da ancestralidade.

F.M.
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 26 Junho , 2007, 06:43

MÃES DE MUITOS FILHOS


Conheci em França uma instituição chamada “Missão Possível”. Propõe-se prevenir a delinquência juvenil através da ajuda escolar. É evidente que esta ajuda pressupõe a criação de um clima de acolhimento e de amor, de respeito por si e pelos outros, de disciplina e hábitos de trabalho, de cuidado e de alegria em ter ordem na vida e êxito nos projectos pessoais.
Pais, que já desistiram de ser educadores, pedem a ajuda da instituição; o estado, porque sabe que nunca será bom educador, recorre à mesma; a sociedade, se acredita que ainda é possível salvar a gente nova quando esta perdeu o rumo, apoia a “Missão Possível”. Mas também batem à sua porta professores, polícias, gente da justiça. A fundadora foi uma magistrada que tocou na miséria e na lama de muita gente nova, acreditou e não cruzou os braços.
Lá e cá, um problema preocupante, que não se pode dramatizar nem ignorar. Uma telenovela portuguesa de grande audiência, mostra a dedicação e o carinho, sem horas nem condições, da Irmã Benedita, mãe única, por opção, de filhos e filhas de muitos pais e de diversas idades.
Não faltam, entre nós, mães e pais assim, que não geraram filhos, mas o são de muitos e de modo permanente, vivendo uma realidade, não uma telenovela. Na Obra da Rua, no Frei Gil, na Obra de Nossa Senhora das Candeias, e por aí adiante… Às vezes, mais penalizados, que apoiados. Estão nisto, porque amam, acreditam e sabem que dão a vida por uma missão possível, mesmo se a sociedade os ignora e o estado os penaliza.
A. Marcelino
:
Fonte: Correio do Vouga

mais sobre mim
Junho 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15

18

25


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds