de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 16 Junho , 2007, 11:27
“ÍLHAVO – Ensaio Monográfico:
Séc. X ao Séc XX”




HISTÓRIA cheia de FACTOS…
e de GENTES…
que fizeram a HISTÓRIA DE ÍLHAVO



Ontem, na Livraria Bertrand, no Fórum de Aveiro, foi lançado o livro “ÍLHAVO – Ensaio Monográfico: Séc. X ao Séc XX”, do ilhavense Senos da Fonseca. Encarregou-se da apresentação da obra o antigo presidente da Câmara Municipal de Aveiro Alberto Souto de Miranda, que ajudou os presentes a recordarem factos históricos e curiosidades ligados a Aveiro e Ílhavo, cidades irmãs, que, por uma razão ou por outra, ou por razões nenhumas, tantas vezes andaram de candeias às avessas. Trata-se de uma obra extensa, com as suas 600 páginas a convidarem-nos a uma leitura demorada e meditada.
Apenas li alguns excertos, a correr e movido pelo gosto de conhecer depressa o que Senos da Fonseca descobriu e tornou público, com todo o seu amor à terra que o viu nascer e onde tem contribuído, com muito empenho, para o seu desenvolvimento, através de inúmeras intervenções cívicas, políticas, culturais, desportivas e sociais.
O seu trabalho, como o autor sublinha no prefácio, é tão-só “o diário de bordo de uma viagem através dos tempos, embarcado como moço na grande aventura das gentes desta terra” de Ílhavo. Aventura que começou, como bem recorda, “ainda Portugal não tinha nascido”.
Mais adiante, deixa uma dúvida: “Não sei se as novas gerações vão procurar o futuro baseando-se numa identidade que veio de trás, de muito longe.” E deixa uma esperança: “Quero acreditar que sim… À cautela, deixo-lhes o meu testemunho do que fomos, não para que acreditem, mas para que o discutam. Para que esta terra não seja só lugar de estar, mas de ser.”
Senos da Fonseca oferece a todos os ílhavos, neles incluindo os gafanhões, um trabalho que vai servir de estudo a todos quantos se quiserem debruçar para mais e melhor conhecerem esta terra maruja, quer por simples curiosidade, quer por razões académicas. Com muitas e expressivas fotos, bem documentada, com citações oportunas e enriquecida por uma bibliografia profusa, esta obra revela, para além de tudo o mais, uma minuciosa investigação, sem, porém, fugir a questões polémicas, reflectindo, aí, a sua opinião.
Claro que hoje e aqui apenas faço referência à publicação do livro, na esperança de que os ílhavos o leiam. Estou certo de que outras edições lhe hão-de seguir. Como outros estudos deste autor ilhavense hão-de vir a lume. Uma coisa é certa: voltarei ao assunto, como gafanhão que me prezo de ser, com outras referências ao que escreveu Senos da Fonseca, neste seu trabalho de muito fôlego.

Fernando Martins
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 16 Junho , 2007, 10:31




PASSEAR POR COIMBRA
É UM PRAZER

Passear por Coimbra é um prazer. Sempre que lá vou, por isto ou por aqui, sinto-me transportado a um lugar de peregrinação, onde em cada esquina há motivos para recordar e sinais de um passado histórico e cultural muito expressivo. Por lá viveram e estudaram muitos vultos da nossa história, desde políticos a artistas de muitas facetas, desde poetas a filósofos, desde escritores de muitas expressões a músicos, entre tantos outros.
Ontem andei por lá, sempre a olhar na esperança de me confrontar com esses sinais, mas a pressa não me deixou. De longe, no entanto, do outro lado do Mondego, o Basófias de sempre, lá para as bandas de Santa Clara, olhei para a cidade, com trânsito e mais trânsito a perturbar a nossa tranquilidade e a exigir a nossa atenção. Foi pena não ter podido passar pela velha Universidade, pela Sé Velha, pelo Jardim Botânico, pelo Museu Machado de Castro, pela conhecida Almedina, onde há dias alguém me ofereceu o livro África Acima, de Gonçalo Cadilhe.
Do outro lado, então, lá registei uma imagem que hoje ofereço aos meus leitores, com votos de que passem um bom fim-de-semana.
tags:

Editado por Fernando Martins | Sábado, 16 Junho , 2007, 09:41

50 perguntas sobre Jesus
:

Jesus era solteiro, casado ou viúvo? Que afinidades políticas tinha? Qual a relação de Jesus com Maria Madalena? Estas e mais 47 perguntas obtêm resposta nesta obra
:
Dizia Fernando Pessoa que “o mundo, à falta de verdades, está cheio de opiniões”. Podemos acrescentar que, à falta de verdade, está cheio de confusões. Veja-se o caso de Jesus. Sobre a figura central do cristianismo têm surgido, sucessivamente, as mais diversas teses, umas claramente estapafúrdicas, outras com aparência de ciência mas promovidas com finalidades interesseiras, e poucas com rigor histórico e científico, que levem realmente o leitor (ou ouvinte ou espectador) a aumentar os seus conhecimentos sobre a pessoa que está na origem da fé de boa parte da humanidade. Recordo algumas dessas teses. Colecciono-as com curiosidade e como sinais de que o Filho do Homem continua a ser motivo de escândalo e de especulações, de divisão. Di-zem elas que Jesus andou a aprender budismo na Índia, que pertencia à escola filosófica dos cínicos, que foi para o Egipto a aprender filosofia, que era homossexual, que era casado com Maria Madalena, que teve filhos, que não caminhou sobre as águas, mas sobre blocos de gelo, que tinha sido essénio, que era zelota, que como carpinteiro fabricava cruzes para os romanos, que não morreu mesmo mas entrou num espécie de estado de coma, que depois de morto foi levado para a Inglaterra por José de Arimateia, que foi sepultado em Jerusalém e ainda lá estão os ossos, que...
:
Leia mais no CV
tags:

mais sobre mim
Junho 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15

18

25


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds