de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 13 Junho , 2007, 14:53

ALEXANDRE, O GRANDE
:

Todos os dias, no segundo caderno, P2, na segunda página, o PÚBLICO recorda um facto histórico, um acontecimento relevante, uma pessoa, uma data célebre. Hoje, trouxe à memória de quem gosta de História Universal Alexandre, o Grande, falecido, segundo rezam as crónicas, em Junho de 323 a.C. Uns dizem que em 10 de Junho, outro em 11 e alguns em 13 do mesmo mês.
Seja como for, o que importa é lembrar esta personagem histórica, com tanto de mitológica, que criou um dos maiores impérios da antiguidade - do Mediterrâneo Oriental à Índia. Os historiadores, não sabendo bem ao certo o dia exacto da sua morte, sabem, contudo, que morreu em Babilónia. Causas da morte, aos 33 anos, depois de guerras em que o seu génio tanto se distinguiu, também não são garantidamente conhecidas. Depois de o seu exército se ter recusado a avançar para Oriente e de ele próprio ter enfrentado e sentido a contestação, faleceu, ao que se supõe, de malária. Aquele que se considerava eterno, qual deus imortal, faleceu com a idade de Cristo, 323 anos antes de Jesus ter vindo para o meio dos homens e mulheres de todos os tempos.
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 13 Junho , 2007, 11:13
Ponte da Barra, com pôr do sol.
Foto de Ângelo Ribau



PREPARE-SE PARA OS DIAS
MAIS LONGOS DO ANO




Prepare-se para os dias mais longos do ano e para a sua incom-parável claridade. Preste atenção a tudo isso. Mais: Preste atenção aos outros, ao que lhe dizem, ao que vê, ao mundo, às casas, às cores, aos nomes das pessoas; nunca mais se esqueça de um aniversário; nunca mais tenha medo de olhar os outros de frente.
:
Fonte: Agenda EXPRESSO


Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 13 Junho , 2007, 11:07

SANTO ANTÓNIO DE LISBOA



Santo António nasceu em Lisboa, provavelmente a 15 de Agosto de 1195, numa casa junto das portas da antiga cidade (Porta do Mar), que se pensa ter sido o local onde, mais tarde, se ergueu a Igreja em sua honra.
Tendo então o nome de Fernando, fez na vizinha Sé os seus primeiros estudos, tomando mais tarde, em 1210 ou 1211, o hábito de Cónego Regrante de Santo Agostinho, em São Vicente de Fora, pela mão do Prior D. Estêvão.
Ali permaneceu até 1213 ou 1214, data em que se deslocou para o austero Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, onde realizou os seus estudos superiores em Direito Canónico, Ciências, Filosofia e Teologia.
Segundo a tradição, talvez um pouco lendária, o Santo tinha uma memória fora do comum, sabendo de cor não só as Escrituras Sagradas, como também a vida dos Santos Padres.
As relíquias dos Santos Mártires de Marrocos que chegaram a Coimbra em 1220, fizeram-no trocar de Ordem Religiosa, envergando o burel de Frade Franciscano e recolher-se como Eremita nos Olivais. Foi nessa altura que mudou o seu nome para António e decidiu deslocar-se a Marrocos, onde uma grave doença o reteve todo o inverno na cama. Decidiram os superiores repatriá-lo como medida de convalescença.
Quando de barco regressava a Portugal, desencadeou-se uma enorme tempestade que o arrastou para as costas da Sicília, sendo precisamente na Itália que iria revelar-se como teólogo e grande pregador.
Em 19 de Março de 1222 em Forli, falou, perante religiosos Franciscanos e Dominicanos recém ordenados sacerdotes e, tão fluentemente o fez que o Provincial pensou dedicá-lo imediatamente ao apostolado.
Fixou-se em Bolonha onde se dedicou ao ensino de Teologia, bem como à sua leitura. Exercendo as funções de pregador, mostra-se contra as heresias dos Cátaros, Patarinos e Valdenses. Seguiu depois para França com o objectivo de lutar contra os Albijenses e em 1225 prega em Toloso. Na mesma época foi-lhe confiada a guarda do Convento de Puy-en-Velay e seria custódio da Província de Limoges, um cargo eleito pelos Frades da região. Dois anos mais tarde instalou-se em Marselha, mas brevemente seria escolhido para Provincial da Romanha.
Assistiu à canonização de São Francisco em 1228 e deslocou-se a Ferrara, Bolonha e Florença. Durante 1229 as suas pregações dividiram-se entre Vareza, Bréscia, Milão, Verona e Mântua. Esta actividade absorvia-o de tal maneira que a ela passou a dedicar-se exclusivamente. Em 1231, e após contactos com Gregório IX, regressou a Pádua, sendo a Quaresma do ano seguinte marcada por uma série de sermões da sua autoria.
Instalou-se depois em casa do Conde de Tiso, seu amigo pessoal, onde morreu em 1231 no Oratório de Arcela.
O facto de ter sido canonizado um ano após a sua morte, mostra-nos bem qual a importância que teve como Homem, para lhe ter sido atribuída tal honra. Este acto foi realizado pelo Papa Gregório IX, que lhe chamou "Arca do Testamento".
Considerado Doutor da Igreja e alvo de algumas biografias, todos os autores destas obras são unânimes em considerá-lo como um homem superior. Daí os diversos atributos que lhe foram conferidos: "Martelo dos hereges, defensor da fé, arca dos dois Testamentos, oficina de milagres, maravilha da Itália, honra das Espanhas, glória de Portugal, querubim eminentíssimo da religião seráfica, etc.".
Com a sua vida, quase mítica, quase lendária, mas que foi passando de geração em geração, e com os milagres que lhe foram atribuídos em bom número, transformou-se num taumaturgo de importância especial.
:
Fonte: Transcrição da FAMÍLIA CRISTÃ,
feita pela Ecclesia, onde pode ler mais...
tags:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 13 Junho , 2007, 10:57

MANUEL TELES



Nascido (1935), criado e vivido nesta Terra Maruja, no seio de uma conhecida família onde muitos artistas se revelaram, Manuel Teles bem cedo começaria a dar mostras de algum jeito para as artes de Palco.
Estreou-se assim nas célebres Récitas da velhinha Sede dos Escuteiros recitando e cantando monólogos, por mão do Reverendo Padre Miguel da Cruz.
Estudante do Secundário no saudoso Colégio João de Barros (Ílhavo), tornou-se conhecido pelo seu sentido de humor (e brincadeira), o que em nada ajudou a conclusão do Curso…
Com a aparição do “Girassol das Surpresas”, que era um espectáculo musical de Variedades, levado à cena em 1954 em benefício da aquisição da primeira ambulância dos nossos Bombeiros, Manuel Teles dá largas à sua queda para apresentador e imitador. Passou então a ser solicitado para as mais diversas actividades que tivessem a ver com o seu jeito (diziam!) para estar e falar em público. Colaborou em inúmeras iniciativas de cariz beneficente em favor das mais diversas instituições da nossa Terra (e não só).
Também no serviço militar viria a granjear grandes amizades, que perduram, graças ao seu sentido de humor e camaradagem, por vezes em situações menos alegres…
Feita a “tropa” ingressa na Fábrica da Vista Alegre (1958), primeiro como controlador/cronometrador, depois como adjunto do Serviço de Racionalização, responsável pelo Centro Gráfico, acabando como Chefe dos Serviços Sociais da Empresa. Ali teve a oportunidade de integrar o Grupo Cénico, colaborar com o Orfeão e Banda de Música, Corpo de Bombeiros Privativo e em múltiplas iniciativas que levaram bem alto o lema “Labor e Cultura”.
A par destas actividades manteve-se ligado à Rádio Faneca desde 1954, animando as tardes e noites de “picadeiro” em Ílhavo e na Costa Nova, ate 1979 e 1998 respectivamente. Ainda agora é responsável pela “reposição” das Tardes da Rádio Faneca levadas a efeito periodicamente pela Associação Chio-pó-pó.
Manuel Teles está ligado às Marchas Populares desde o seu aparecimento, sempre como apresentador/animador, mostrando com a sua graça e à-vontade, que “quem sabe não esquece”, colaborando graciosamente com a CMI na gestão desta iniciativa.
Por tudo isto, e pelo muito que Manuel Teles ainda tem para partilhar connosco, a agenda Viver Em dedica, neste mês de S. João, a rubrica A Nossa Gente ao Senhor Manuel Teles.
:
Fonte: VIVER EM... da CMI

mais sobre mim
Junho 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15

18

25


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds