de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Junho , 2007, 15:06
POUCAS PALAVRAS E MAIS IMAGENS


Para falar do ambiente, hoje optei por mostrar paisagens e pormenores da Serra da Boa Viagem, na Figueira da Foz. É uma opção para evitar as palavras, quantas vezes cheias de lugares-comuns. Apreciem e digam se não vale a pena preservar esta serra, com todos os seus encantos. Visitei-a no domingo e recomendo-a.

























.
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Junho , 2007, 11:42


Cinema: o meu amigo Manoel



Entre os meus amigos conta-se Manoel de Oliveira, um cineasta a que ninguém fica indiferente. Conhecido por muitos como autor de obras extensas e difíceis de acompanhar é, sobretudo, um realizador multifacetado, que tem percorrido os mais diversos géneros, trabalhado narrativas em diferentes ritmos e revelando sempre uma enorme competência cinematográfica.
Começou com "Doura Faina Fluvial", em 1930, seguindo-se diversas curtas metragens até 1942, data da sua primeira longa bem famosa, "Aniki Bobó". Nos vinte anos seguintes apenas um par de curtas metragens, uma das quais, "O Pão", em duas versões. A partir de 1962 a sua carreira intensifica-se progressivamente, até criar o espantoso ritmo de um filme por ano, que desde os anos 80 caracteriza a sua carreira.
Para além do drama "Vale Abraão" - como vários outros dos seus filmes tomando por base Agustina Bessa Luís e um dos seus trabalhos mais cotados - passou pela comédia, como "A Caixa", a reconstituição histórica e o romance e, também, por apontamentos até certo ponto autobiográficos como "Viagem ao Princípio do Mundo" e "Porto da Minha Infância", este último com uma vertente humorística muito considerável e em que retoma o trabalho de actor, que preencheu o início da sua carreira e "meio papel" em "A Divina Comédia", substituindo Ruy Furtado que morreu antes do filme terminado deixando muitas sequências em aberto.
A desconfiança do público português levou muito tempo a ser dissolvida. "Aniki-Bobó" vinha de uma época distante e filmes excelentes, como "Francisca" ou "O Sapato de Cetim" não eram de leitura fácil para a generalidade do público. Primeiro em França, depois em outros países (incluindo os Estados Unidos) o génio criador de Oliveira começou a ser reconhecido e divulgado, o que tornou inevitável o despertar mais forte do público português, sobretudo o mais cinéfilo. O nível de divulgação foi aumentando, sem nunca atingir a dimensão merecida. Mas mesmo para quem põe reservas ao autor e ao seu estilo Manoel de Oliveira é hoje unanimemente considerado o melhor cineasta português e, acrescente-se, o mais produtivo.

Francisco Perestrello
:
Manoel de Oliveira recebe o Prémio de Cultura Padre Manuel Antunes de 2007
tags:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Junho , 2007, 11:37

OS NOMES E AS RAÍZES



Os títulos e as embalagens são muito práticos. Em poucas palavras e imagens contam-nos tudo o que está dentro. Mas quando abrimos, vemos que a realidade é mais complexa. E que um título num jornal ou revista não passa muitas vezes dum engodo, buraco de fechadura para se espreitar o que está escondido.
Muito do que se diz sobre a Europa padece deste olhar parcelar e velado acerca duma realidade milenar com uma densidade estonteante de culturas, civilizações, fenómenos políticos e sociais, revoluções, guerras e tratados, mortes e reencontros num grande compêndio de história.
Muitas vezes a Europa é reduzida, maltratada, ofendida mesmo, nas grandes correntes que gerou e no protagonismo com que se posicionou perante povos e civilizações.
Vivemos uma época privilegiada, de paz, de procura duma Comunidade mais que económica, duma aproximação dos países mais pobres, duma convergência gerada por um espírito que foi “gestado” na civilização cristã em valores que têm outros nomes mas a mesma raiz evangélica.
O que se passa com a Europa passa-se com outros sectores do nosso tempo: um mundo laico foi aprendendo e dizendo novos vocábulos e por vezes esquecendo a sua raiz e o espírito que a gerou.
Vem tudo isto a propósito dum documento de invulgar lucidez elaborado por um “comité de sábios” para os Bispos da Comissão dos Episcopados da Comunidade Europeia. Trata-se dum verdadeiro “dicionário de sinónimos” entre os valores cristãos ou, se se quiser, a dimensão ética da União Europeia neles assente. Falar de paz, tolerância, subsidiariedade, liberdade, responsabilidade, é dizer o Evangelho num formulário moderno. Talvez, por isso, não valha a pena definir o Tratado da União, apenas pelo título ou pelo primeiro parágrafo.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 05 Junho , 2007, 11:25
Festa no CUFC. Foto do meu arquivo

PRESENÇA DA IGREJA
NO MUNDO UNIVERSITÁRIO




O Centro Universitário Fé e Cultura (CUFC) da diocese de Aveiro celebra 20 anos de existência. Foram "duas décadas intensas", afirma à Agência ECCLESIA o actual director, Padre Alexandre Cruz. O CUFC tem sido a referência e a presença da Igreja.
Numa progressiva abertura à comunidade local, o CUFC tem uma linha de actuação situada no âmbito eclesial. "É a presença do religioso na Universidade" – salienta o director. E acrescenta: "O religioso construído e alicerçado no humano." O espírito do CUFC está presente em Cabo Verde, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné, Timor e Brasil, onde a língua portuguesa e a cooperação entre instituições proporciona o acolhimento em Aveiro de jovens vindos destes países da CPLP.
A missão das ciências reside na "construção de um mundo novo" que atinge "a plenitude e o sentido ideal com a fé" – sublinha o Padre Alexandre Cruz. Neste diálogo aberto, criativo e dinâmico, as "células vivas terão que ser grupos de desenvolvimentos".
São diversas as mensagens de parabéns que "nos chegam de alguns destes países, de jovens universitários que sentiram esta casa como sua" e, agora, estão nos seus países a lutar por um futuro melhor. De norte a sul, do litoral ao interior de Portugal, dos programas de mobilidade académica de universidades europeias (Erasmus), e de outros programas que "trazem até nós estudantes da Ásia ou das Américas, nem que tenha sido numa simples Ceia de Natal (a 24 de Dezembro, em co-organização com os Serviços de Acção Social da UA, com cerca de oitenta/noventa estudantes de todo o mundo), o calor humano e o aconchego proporcionado é lembrado como sinal de esperança numa humanidade nova, fazendo do Centro uma plataforma contínua de "vai e vem", de enriquecimento entre todos".

Leia mais em Ecclesia
tags:

mais sobre mim
Junho 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15

18

25


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds