de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 20 Maio , 2007, 19:25


EGAS MONIZ NÃO ESTÁ ESQUECIDO
:
O sábio avancanense e Prémio Nobel da Medicina não está esquecido. Quem vai ao Hospital Infante D. Pedro, logo à entrada, do lado direito, pode apreciar um singelo monumento de homenagem ao médico, docente universitário, político, investigador, diplomata, coleccionador e escritor, que elevou bem alto o nome de Portugal. Egas Moniz, personalidade multifacetada, ainda pode e deve ser recordado, para que as actuais gerações nele se inspirem, cultivando, ao máximo, as suas capacidades. Dizem que no dia-a-dia apenas aproveitamos ou utilizamos cerca de 10 por cento dos dons que Deus nos deu. Então, urge dar um pouco (ou muito mais!) do que possuímos. Para nosso bem e para bem da sociedade.




tags:

Editado por Fernando Martins | Domingo, 20 Maio , 2007, 10:03

DEVEMOS ACEITAR O BOM
E REJEITAR O MAU



Há muitos anos que o Dia Mundial das Comunicações Sociais, celebrado no Domingo da Ascensão do Senhor, me leva a reflectir sobre a importância da comunicação, em geral, e sobre os órgãos de comunicação social e jornalistas, em especial. Vivemos na era da comunicação, com novas tecnologias a transformarem o mundo numa aldeia global, onde tudo se torna vizinho. Era suposto sentirmo-nos próximos uns dos outros, mas nem sempre isso acontece. E quando acontece, a solidariedade universal deixa raízes no coração do homem sensível.
Como a comunicação se transformou numa indústria, que inevitavelmente tem como uma das suas metas o lucro, às vezes a qualquer preço, este Dia Mundial das Comunicações Sociais leva-me a sugerir que se incremente a formação para a utilização dos media por cada um nós, numa perspectiva de podermos fazer, com capacidade crítica, a selecção daquilo que podemos e devemos ler, ver e ouvir. Do mundo das notícias, das informações, das propagandas e das publicidades, das formações e do entretenimento, das reportagens e das propostas ideológicas, urge saber distinguir, com lucidez, aquilo que importa guardar e aquilo que deve ser rejeitado e atirado de imediato para o caixote do lixo.
Não é possível, numa sociedade com tantas solicitações, umas boas e outras más, umas que nos enriquecem culturalmente e outras que embrutecem os menos cautos, dar atenção a tudo o que nos chega, via rádio, televisão, internet, jornais, revistas, filmes, vídeos e por tantas outras formas. Sendo assim, a auto-educação é uma obrigação que se impõe a todos nós e, a partir de nós, a quantos nos cercam.
Partindo do princípio de que há nos mais diversos órgãos de comunicação social gente honesta e bem formada, com o sentido das responsabilidades apurado, não podemos ignorar que também há profissionais tendenciosos e desonestos, não faltando patrões para quem o lucro justifica todos os meios. Estas realidades devem fazer-nos pensar, para depois agirmos em conformidade, isto é, aceitando o bom e rejeitando o mau.

Fernando Martins
:
Nota: Aconselho a leitura das mensagens do Papa e do Bispo de Aveiro para o Dia Mundial das Comunicações Sociais.

Editado por Fernando Martins | Domingo, 20 Maio , 2007, 09:30

A BRUXA
COM A ASICA PARTIDA


Caríssima/o:

Pedalando por terras de Vagos, forçoso é ir de abalada até Vimioso, concelho de onde, menina e moça, veio um dia para a Gafanha uma das minhas Avós. Teve artes de encantamento e por cá lançou profundas raízes.
Num livro que está para ali esquecido, cheio de poeira, podemos ler, diria antes, relembrar, estórias da nossa meninice, quando, assustadiços, nos metíamos no xaile de nossas mães enquanto uma das mais velhas ia desfiando...

“Feiticeiras há muitas,
Diz um velho desta povoação;
Devemos crer que as há,
Mas não crer quem são.”

Lê-se na página 313 , de «Vimioso – notas monográficas», de padre Francisco Manuel Alves, Abade de Baçal, e dr. Adrião Martins Amado, Coimbra, 1968 [tudo leva a crer que foi escrito entre 1946 e 1948], informando que esta quadra foi colhida em São Joanico, concelho do Vimioso.
E logo nas páginas 317/318, nos delicia com esta asica da bruxa Berta:


«Ao nosso diligente e culto informador padre Félix Lopes contou-lhe a tia Letícia Cleto Fernandes, do Vimioso, velhota de 81 anos, que seus avós tiveram uma vaca de raça fina que parira um vitelo igualmente arraçado, amamentando-o a primor. Tempo andando, o vitelo entrou a definhar e atribuindo o caso a feitiçarias, ficou na quadra uma noite o criado à espreita. Alta noite, entrou uma [bruxa] pelo buraco da porta e chupou o leite todo à vaca sem nada ficar para o bezerro.
O criado agarrou a bruxa, chamou pelo amo, que a manteou bem manteada com um cacete, só a largando quando prometeu de não mais o maleficiar, pedindo-lhe ela que a não descobrisse.
Passado pouco tempo, uma filha do dono da vaca, vendo passar junto à cortinha, onde andava com os cordeiros, uma velhota chamada Berta com um ombro empalmado, perguntou-lhe que tinha no ombro: se era reumatismo. «Não, filha, volvera a velhota, foi teu pai que me partiu a asica deste ombro com uma paulada, mas deixa estar que as não botou em saco roto, ele mas pagará».


E efectivamente, acrescentava a tia Letícia com ares de convicção inabalável, que diríamos convincente, se não fosse chochice, passado pouco tempo seu avô mandava baptizar um filho, um primor de criança, mas a tia Berta foi à igreja, pôs nele um olhar repassado, a criança entrou a chorar convulsivamente e morreu dentro de poucos dias.
Pelos dizeres da tia Letícia, há 103 anos que isto sucedeu.»
Para poderes entrar bem na trama, silencio-me.

Manuel


Editado por Fernando Martins | Domingo, 20 Maio , 2007, 09:23

DEBATE SOBRE A RELIGIÃO
NO GRANDE ORIENTE LUSITANO



No passado dia 5, o Grande Oriente Lusitano realizou o Encontro Internacional de Lisboa - Religiões, Violência e Razão, onde me coube falar sobre os fundamentos essenciais do diálogo inter-religioso.
Crentes, agnósticos, ateus vivem no mesmo mundo, cuja realidade ambígua exige interpretação. Ora, como nota o teólogo Andrés Torres Queiruga, não é porque se é crente, agnóstico ou ateu que se interpreta o mundo de uma determinada maneira; pelo contrário, é-se crente, agnóstico ou ateu, porque a fé ou a não crença aparecem ao crente e ao não crente, respectivamente, como a melhor forma de interpretar o mundo comum.
É neste horizonte que se enquadra o diálogo entre as religiões, com quatro pilares fundamentais.
1. Desde que se não oponham ao Humanum, pelo contrário, o afirmem e promovam, todas são reveladas e verdadeiras, o que não significa que sejam iguais.
2. Todas são relativas, num duplo sentido. São relativas porque nasceram num determinado contexto geográfico, social, económico e até religioso. São relativas também no sentido de que estão todas referidas ao Sagrado, mas nenhuma o diz plena e adequadamente. Precisamente por isso, devem dialogar para melhor tentarem dizer o Mistério que a todas reúne e transcende.
Assim, o diálogo inter-religioso não se impõe apenas pragmaticamente, para evitar a violência, nem é simples tolerância, que ainda diz, subtilmente, superioridade face ao outro tolerado. Ele é exigido pela própria compreensão autêntica do que significa ser religioso, portanto, em relação com o Sagrado Infinito, que nenhuma religião nem mesmo todas juntas podem dizer.
Precisamente porque é necessário salvaguardar a transcendência do Sagrado, impõe-se a separação das Igrejas e do Estado. A distinção entre a esfera política e a esfera religiosa não é decisiva apenas em ordem à paz e à convivência pacífica entre todos os cidadãos. É exigida pela religião, que tem consequências políticas, mas não pode aceitar que o Sagrado seja transformado num ídolo político ou instrumentalizado para legitimar interesses económico-políticos.
Torna-se claro que é necessário tirar outra consequência fundamental. Se as diferentes religiões nascem num determinado contexto histórico, geográfico, cultural, moral e até religioso, isso também implica que os textos sagrados das diferentes religiões não são ditados de Deus e, por conseguinte, não podem ser lidos literalmente - exigem uma leitura histórico-crítica.
Ao contrário do que possa pensar-se, isto não significa de modo nenhum relativismo, pois é de perspectivismo que se trata. O relativismo implica negação da verdade. O perspectivismo, ao contrário, afirma a verdade, mas sempre presente ao Homem em várias perspectivas.
3. Deste diálogo fazem parte todos os seres humanos, também os ateus. Por duas razões fundamentais. Em primeiro lugar, porque o que, antes de mais, nos une a todos é a humanidade e o que se refere à Humanidade. Ora, também a religião e as religiões são questão da Humanidade. Depois, porque foram e são eles - os ateus e os agnósticos - que podem prevenir para o perigo da superstição e da desumanidade das religiões.
4. Se a religião e as religiões estão ligadas ao Mistério, ao Sagrado, que tudo penetra e envolve, o respeito pelo outro ser humano, crente ou ateu, e a salvaguarda da criação, não são algo acrescentado à religião - são exigidos pelo seu próprio dinamismo.
Critério decisivo da religião verdadeira é o ethos a favor de todo o Homem e do Homem todo. Seria levado a pensar que é neste sentido que as Constituições dos Franco-Maçons, 1723, declaram: "Embora nos tempos antigos os maçons fossem obrigados, em cada país, a ser da Religião, qualquer que ela fosse, desse país ou nação, julga-se agora mais conveniente obrigá-los apenas àquela Religião com a qual todos os Homens concordam, deixando a cada um a sua opinião particular, isto é, serem Homens bons e verdadeiros, ou Homens de Honra e Honestidade, quaisquer que sejam as denominações ou crenças que os possam distinguir."

mais sobre mim
Maio 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9


21

29
31


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds