de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 04 Maio , 2007, 17:56

GAIVOTAS À ESPERA DO VERÃO
:
Na tranquilidade de uma praia deserta, ali ao perto, as gaivotes resolveram parar por uns momentos. Tenho a certeza de que estavam a pensar no Verão que aí vem e que tarda, já que a Primavera não quer dar-nos um ar da sua graça. Ora chove e faz frio, ora cai um nevoeiro impiedoso, ora somos fustigados por ventos agrestes. Por isso é que eu acho que o Verão é que vai ser bom. Já cá devia estar, há muito, que saudades do bem tempo todos temos.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 04 Maio , 2007, 11:29

SOMOS O QUE SOMOS…

Somos o que somos… A cultura é só para alguns.
Eduardo Prado Coelho diz hoje, na sua coluna, O Fio do Horizonte, que “o espaço dedicado aos problemas culturais tem-se vindo a restringir não só na comunicação social como nas várias instâncias em que a cultura costumava ser tratada”. É um facto, pese embora a publicação de algumas páginas e suplementos nos vários órgãos de comunicação social. O mesmo se diga em relação a contributos de vários departamentos estatais e instituições privadas, nomeadamente as religiosas.
Importa, no entanto, fazer muito mais, porque a cultura está na base de uma sociedade mais livre.
Mais uma notícia sintomática desta triste realidade veio hoje no PÚBLICO. Plácido Domingo cantou na quarta-feira, 2 de Maio, em Lisboa, no Pavilhão Atlântico, com a casa a dois quintos da sua lotação. Uma tristeza.
Se ali viesse cantar um qualquer artista pimba, estou em crer que o pavilhão rebentaria pelas costuras. Assim, apenas lá estiveram alguns dos seus admiradores.
Como é que poderemos reagir a isto? Confesso que não sei. Só sei que há a este nível um défice cultural do nosso povo, que ainda não é capaz de apreciar a arte sublime de um artista de renome internacional, como é Plácido Domingo.
Somos, de facto, o que somos…




Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 04 Maio , 2007, 08:54
Para ver e ler melhor, clique no cartaz


NOTA: "FÉ E RAZÃO: AS ASAS DA LIBERDADE" vai ser o tema da conferência que D. António Francisco, Bispo de Aveiro, vai proferir no próximo dia 10 de Maio, pelas 21 horas, na Biblioteca Municipal, com entrada livre. Esta iniciativa da Comissão Diocesana da Cultura conta com o apoio da Irmandade de Santa Joana e da Câmara Municipal de Aveiro e insere-se nas Festas de Santa Joana e do Município, que têm o seu ponto alto no dia 12 de Maio. A pertinência do tema é indiscutível, numa altura em que tantos se questionam sobre o que é, verdadeiramente, a liberdade e quais os seus limites. No dia 6, pelas 15.30 horas, no mesmo local será inaugurada uma exposição que tem por assunto "LIBERDADE: UM DESAFIO AOS JOVENS".


Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 04 Maio , 2007, 08:48
Comissão quer lançar amplo debate
sobre este problema na sociedade portuguesa


CNJP apela à erradicação da pobreza


“Por um desenvolvimento global e solidário - um compromisso de cidadania” é o tema que dá o mote para a reflexão com que a Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP) quer envolver toda a sociedade numa ampla discussão sobre a erradicação da pobreza em Portugal e no mundo.
A Conferência Nacional 2007 está marcada para os dias 25 e 26 de Maio, no Colégio São João de Brito, em Lisboa.
Manuela Silva, presidente da CNJP, destaca a escolha do tema “não só pela sua acutilância, mas pelo desejo de fazer desta conferência o passo em frente para a conscientização da erradicação da pobreza”.
Este é um passo que “apenas com uma parceria alargada, com a presença e compromisso das várias entidades, será concretizável”. O espectro de convidados é amplo. Organismos eclesiais da Igreja católica e de outras confissões religiosas, entidades civis, políticas, de Estado, organizações sindicatos e patronais e instituições de solidariedade sem fins lucrativos, “porque manifestamos o desejo de chegar a todos”.
Confirmada está já a presença do Subdirector da Unesco, Pierre Sané, que assume a conferência inicial, na sessão de abertura na Sexta-feira, dia 25. Participam também, nesse dia, Rui Vilar, Presidente do Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian, “que focará os aspectos culturais desta problemática” e José Silva Lopes, Presidente do Conselho de Administração do Montepio Geral, “que se vai centrar nos aspectos económicos”.
A CNJP organiza também dois eventos no âmbito da Conferência. A preceder o início dos trabalhos vai decorrer, na tarde de sexta-feira, um fórum de jovens com o manifesto objectivo de “os sensibilizar para esta problemática através de metodologias activas e apropriadas a idades mais jovens”.
:
Fonte: Ecclesia

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 04 Maio , 2007, 08:40
Júlio Pires expõe



"Mensagem... Fernando Pessoa"


“Mensagem… Fernando Pessoa” é o título da exposição de pintura que está patente ao público na Galeria Morgados da Pedricosa, junto ao Museu de Aveiro, da autoria do artista ilhavense Júlio Pires. Esta é uma iniciativa promovida pela AveiroArte – Círculo Experimental dos Artistas Plásticos de Aveiro, em parceria com a Câmara Municipal de Aveiro e com o apoio da “OpArt – Emolduramento e Espaço de Arte”, da Gafanha da Nazaré.
Júlio Pires nasceu em Ílhavo, no ano de 1964, tendo desempenhado funções de pintor na fábrica de porcelanas da Vista Alegre. Em 2007, o artista assinala vinte anos de actividade artística. Até ao momento, realizou 29 exposições individuais e participou em 32 exposições colectivas, realizadas em Portugal, Espanha, Estados Unidos da América e Venezuela.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 04 Maio , 2007, 08:34

SOCIEDADE SEM VALORES,
UM POVO QUE ADORMECE


A mãe mata o filho que traz no seu seio e o Estado ajuda? É uma mulher livre.
A mãe entrega o filho que não pode criar a alguém que o acolhe com amor e desvelo? É uma mulher desnaturada. Pode-se matar, mas não dar…
Põem-se todos os dias, em grande plano, frente aos olhos das crianças, todas as porcarias e até a venda de bebés, como aconteceu, recentemente, numa telenovela portuguesa? Estamos numa sociedade livre.
Descobre-se na Internet uma rede propagandeada de venda de crianças, a nível europeu e que também actua em Portugal? Logo os grandes do direito vêm a terreiro e ameaçam com os castigos da justiça, e as vestes dos bem pensantes rasgam-se a proclamar que “Isto não é possível!”
Há autarcas a criar programas locais para favorecer a natalidade e fixar os casais jovens nas suas terras? Aplaudem-se as iniciativas. Cada dia nos centros de planeamento familiar, até nas sedes de concelho onde se luta por mais gente, se ensina a não procriar e se calam os métodos que estimulam e ajudam a crescer? E a isto chama-se favorecer a boa informação que as boas mães precisam e as jovens adolescentes não dispensam, porque o sexo deve ser seguro.
Encontram-se crianças desnutridas, que vão cada manhã para a escola sem terem comido nada e só fazem alguma coisa por elas os que lá dentro, atentos às situações e a sofrer por isso, procuram modos de ajudar? São as famílias que não se sabem governar nem educar,
Continuam por aí crianças, como todos sabemos, sem alguém que as acolha quando a escola fecha? Oficialmente diz-se que isto não é verdade. Entretanto, ignoram-se e destroem-se instituições que foram criadas e equipadas para ir ao encontro das famílias, que não podem estar para as acolher os filhos às horas oficiais…
Vê-se, a cada passo, a corrosão interior progressiva de filhos pequenos por via do divórcio irreflectido de muitos pais? Estamos num país evoluído evoluído. Assim, os senhores legisladores e governantes, muitos deles também divorciados, continuam, impunemente, a fazer e a regulamentar as leis, não favorecendo, antes pelo contrário, nem a justiça, nem a dignidade da família, nem a consistência do casal e do agregado familiar, hipotecando, deste modo, o presente e o futuro do país.
Aparece agora para os países da UE, a partir de uma Directiva do Parlamento, uma proposta traduzida equacionada pelo binómio “Europa e Mercado”. Toda a concepção da vida em sociedade está vazada em resultados materiais. As instituições intermédias, que já contam cada vez menos, deixarão de contar, dando-se, assim, passos largos para a desumanização das pessoas e das relações sociais. A antropologia, com bases filosóficas e exigências de ética, é coisa de somenos importância, e as pessoas concretas são empecilhos para quem tem nas mãos os cordelinhos do comando, que não são, nem nunca foram, as pessoas que conhecemos e dão o rosto e o nome para serem meros executores…
Por cá, tudo isto vai entrando, com a normalidade silenciosa que não acorda nem espevita, porque não faltam ideólogos que sabem adormecer o povo e não têm outro sentido de vida que o materialismo do “mercado” e do “prestígio”.
Até quando? Até que o povo, famílias, instituições, grupos organizados e com princípios, o queiram. Não é o povo quem mais ordena? Sim, se estiver acordado e afirmar a sua dignidade.


mais sobre mim
Maio 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9


21

29
31


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds