de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 29 Abril , 2007, 10:58
A NÃO PERDER - 2 de Maio

Para ver melhor, clique na foto


NOTA: Ouço, por aí, muitas pessoas a protestar contra tudo e contra todos, por pouco ou nada se fazer, segundo dizem, nas nossas comunidades, de âmbito cultural e formativo. Os que protestam, tenho-o constatado, não têm razão. Há muitas ofertas, a vários níveis, para a formação de todos. O que acontece é que muitos não olham para o lado, para depois seleccionarem e optarem pelo que há de melhor.
O tema proposto pelo CUFC - A fome que nos (pré) ocupa - é por demais interessante e merecedor de uma reflexão profunda. Mas as pessoas, novas ou velhas, as que se envolvem nestes assuntos, têm de participar, quando temas como este nos são oferecidos. Como é o caso. A entrada é livre.

Editado por Fernando Martins | Domingo, 29 Abril , 2007, 10:50
Recanto do Porto. Foto de Manuel Olívio

PRIMAVERA COM FLORES E ÁGUA
:
A Primavera, tão conhecida pelo seu habitual clima ameno, casa bem, ao que julgo, com flores e água. A oferta de hoje, que veio do Porto, cidade a que estou bastante ligado, diz isso mesmo. O convite que aqui deixo vai na linha de aconselhar os meus amigos a descobrirem, por aí, onde quer que vivam ou por onde passem, esses sinais curiosos e bonitos da Primavera, que tem andado, este ano, um pouco menos amena. Depois, é só partilhar com os outros aquilo de que gostaram.

Editado por Fernando Martins | Domingo, 29 Abril , 2007, 10:39

OS OSSÁRIOS
DA FAMÍLIA DE JESUS


N o passado domingo, 15, em horário nobre, a televisão passou um longo documentário sobre uma descoberta de 1980, em Jerusalém. A partir de um túmulo com nomes fundamentais do Novo Testamento - Jesus, filho de José; Maria; José; Mariamne (Maria Madalena?); Judas, filho de Jesus; Mateus - pretendia-se que se poderia estar em presença dos ossários da família de Jesus.
O documentário era sedutor. Foi-se inclusivamente à análise do ADN. Mas quem estivesse atento não deixaria de constatar alçapões. A partir da análise do ADN, por exemplo, não podia concluir-se que Jesus e Maria Madalena tivessem sido marido e mulher. E não se percebe como é que uma família pobre, da Galileia, no norte, tinha um túmulo em Jerusalém, no sul.
É possível que alguns cristãos ficassem na perplexidade. Sobretudo por causa de pensarem que, se encontrassem os restos mortais de Jesus, ele não tinha ressuscitado nem subido aos céus. Então, o cristianismo afundava-se, sem salvação.Foi Kant que preveniu contra a menoridade religiosa culpada como a mais nefasta. A religião é do domínio do transracional, mas não pode ser irracional nem infantil.
Uma das questões do documentário tem a ver com as relações entre Jesus e Maria Madalena. É natural que as pessoas queiram saber, e a Igreja não pode ignorar o problema nem torná-lo tabu. Nada prova que tenha havido relações de marido e mulher. Mas não há dúvida de que Maria Madalena amava Jesus e de que Jesus a amava. Sobre o tema, o abbé Pierre, insuspeito, escreveu, pouco antes de morrer, que quer Jesus tenha satisfeito quer não o desejo sexual num amor partilhado, "isso nada muda ao essencial da fé cristã". O que se não pode é afirmar que Jesus é verdadeiramente homem e retirar-lhe a sexualidade.Quanto à outra questão, decisiva: é evidente que a ressurreição não consiste na reanimação do cadáver. Caso contrário, Jesus voltaria a morrer. Com a fé na ressurreição, o crente está a confessar que, na morte, Jesus não se afundou no nada, mas entrou na plenitude do mistério insondável de Deus. Como foi e é? Ninguém sabe.
À distância de 2000 anos, não imaginamos o que foi de abalo e desilusão para os discípulos a condenação de Jesus à morte, concretamente à morte de cruz, uma morte própria de escravos, não sendo de excluir que o cadáver tenha ido para uma vala comum. Foi lentamente que eles, reflectindo sobre tudo o que tinham vivido com Jesus, meditando sobre a sua mensagem - o seu núcleo é a experiência de que Deus é Amor -, sobre as Escrituras, sobre o modo como viveu e morreu, fizeram a experiência de fé de que o Deus que ele experienciara como Amor e Pai não podia tê-lo abandonado na morte. E foi tal a sua convicção que estiveram dispostos a dar a vida por essa fé.Anunciaram que o tinham "visto". Mas, quando se lê os Evangelhos, vê-se claramente que não se trata da reanimação do cadáver.
Nunca se diz, por exemplo, como foi a ressurreição nem se descreve, pois ela não é um facto da história empírica, que os historiadores examinam.
Maria Madalena, que nunca aceitou que Deus o deixasse cair no nada, porque o amor é mais forte do que a morte, quando o "viu", pensou que era o jardineiro; só quando foi chamada pelo nome é que o reconheceu - uma história de amor. Tomé diz que não acredita, se não vir a marca das feridas nas mãos e no lado; Jesus diz-lhe para meter a mão, mas não se diz que ele o tenha feito. Se se tratasse da reanimação do cadáver, quando Jesus caminhou com os discípulos de Emaús durante 12 quilómetros, todos deveriam tê-lo visto no caminho; mas só eles o reconheceram ao partir do pão.
O Principezinho diz que o mais importante é invisível aos olhos. É preciso ver com o coração. Na religião, não se pode utilizar a linguagem coisista. No domínio religioso, apela-se para o símbolo, para a poesia, para o amor. Aí, percebe-se que, mesmo que encontrassem os restos mortais de Jesus, a fé cristã não ficaria abalada. Pelo menos, a fé do crente reflexivo. Ninguém conhece as possibilidades presentes na matéria e em Deus.

Editado por Fernando Martins | Domingo, 29 Abril , 2007, 10:30


A VINHATEIRA
E O CERTOMA

Caríssima/o:

Hoje queria trazer aqui para a minha beira dois Amigos daqueles tempos das viagens das bicicletas. E que bicicletas!? À minha, perdida e achada, lhe caía ora um ora o outro pedal, quando não os dois. Mas um desses especiais, que seria um dos maiores calmeirões, quando aprendeu a andar de bicicleta, e depois continuou a ir para Aveiro, com um saco se sarapilheira no lugar do selim! Este era o Manuel Rito [Estanqueiro] que com o primo Diamantino nos entusiasmava para turismo a pedalar. Lá íamos os três a caminho da Bairrada, durante as férias grandes. Bem, o resto, para não enveredar pelas lendas, o melhor é seguir o conselho do Camões: “ É melhor experimentá-lo que julgá-lo; mas julgue-o quem não puder experimentá-lo!”

«Que mais poderia querer a capital da Região dos Vinhos da Bairrada do que ter o nome da sua capital intimamente relacionado com uma famosa vinhateira do passado? Porém, um passado tão remoto que não conseguimos descortinar o tempo em que viveu a famosa Ana Dias. Mas temos lenda, e lenda tão interessante como a que dá o nome a boa parte do Rio Cértima. O pior, nestas coisas, é que aparece alguém a querer dar cabo da lenda com etimologias e outros dados. Mas vamos lá às lendas.
Ana Dias, naqueles recuados tempos, era nome tão respeitado como o de Baco. Possivelmente, até mais. Porque Ana Dias se apresentava à estrada de Coimbra com os seus maravilhosos vinhos obrigando a parar ali quem fosse ou viesse à cidade dos doutores. Quantos ali não sentiram o estímulo dos bairradinos para abrir um livro de leis ou um corpo na mesa da autópsia? Também, valha a verdade, também acreditamos que a Ana Dias ou qualquer dos seus vizinhos também faria ou fariam rodar leitões no espeto porque não se deve beber sem lastro nem se deve comer sem o apoio de um pichel dos de Ana Dias.. Ah, o que nunca conseguimos descobrir é como se chamava o povoado antes dele se identificar com sua personalidade, inapelavelmente, mais importante! E que importa?
Aqui há uns tempos, numa revista bairradina, o escritor Idalécio Cação levantava a questão de nunca se falar no marido nem nos possíveis filhos de Ana Dias. Era só ela e a sua produção de vinhos. Nem nos sobrou retrato seu que, a avaliar pela fama, até devia ter circulado em moeda! Mas não, só a sua fama de fazer parar os viajantes, consolar-lhes os sentidos com as suas produções e ficá-los a ver dobrar a curva da estrada, mal equilibrados nas suas cavalgaduras.
E Manuel Rodrigues Lapa, o ilustre filólogo, que nos teria podido dizer de Ana Dias? Não que a tivesse conhecido, mas por via do topónimo da sua terra...
Quanto ao rio, o leitor deve ter estranhado o nome – Certoma. Toda a gente conhece o Rio Cértima, agora Certoma. Já lá vamos. Pois o Cértima é um subafluente do Rio Vouga, nasce na serra do Buçaco, um pouco abaixo da Cruz Alta, a 380 metros de altura. Galga 43 quilómetros, na direcção Sul-Norte, atravessando quatro concelhos, atravessando a Pateira de Fermentelos. Ora o nome do rio é Cértima, mas até Avelãs de Caminho é designado como Certoma. E porquê?
Um belo dia nas imediações de Anadia, a Rainha Santa, que ia peregrinar a Santiago de Compostela, sentiu sede. Logo alguns dos seus acompanhantes dirigiram-se ao rio e encheram uma vasilha. Houve até um que provou a água e achou-a imprópria. Mesmo assim levou à soberana, tendo o cuidado de a prevenir. Ao primeiro golo Isabel de Aragão sentiu-se incomodada e comentou:
- Que sabor esquisito, esta água é de certo má...
E de “certo má” a certomá e certoma foi um salto de passarinho. Ficou o Rio Certoma, mas, a partir de determinada altura toda a gente passou a dizer Cértima como alternativa a Certoma. Mas há quem arranje as tais etimologias...»
[Viale Moutinho, pg. 28]

Não sei se nessa altura chegámos a Anadia (Amoreira da Gândara, isso sim!), mas como é a capital da Bairrada fica aqui muito bem, como uma meta que só mais tarde atingiremos.
E certamente que o Diamantino não me levará a mal se dedicar esta pequena e tão mal-amanhada estória ao Manuel Rito; ele bem a merecia, quanto mais não fosse pela sua sonora gargalhada!
Manuel

mais sobre mim
Abril 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
17

28



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds