de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 20 Abril , 2007, 23:41




PELA PÁTRIA


Ouve, meu filho: cheio de carinho,
Ama as Árvores, ama. E, se puderes,
(E poderás: tu podes quanto queres!)
Vai-as plantando à beira do caminho.

Hoje uma, outra amanhã, devagarinho.
Serão em fruto e em flor, quando cresceres.
Façam os outros como tu fizeres:
Aves de Abril que vão compondo o ninho.

Torne fecunda e bela, cada qual,
A terra em que nascer: e Portugal
Será fecundo e belo, e o mundo inteiro.

Fortes e unidos, trabalhai assim…
- A Pátria não é mais do que um jardim
Onde nós todos temos um canteiro.

In “A Alma das Árvores”

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 20 Abril , 2007, 19:10

JÁ PLANTOU UMA ÁRVORE?
:
Estamos, como se sabe, na Primavera. Tempo de plantações e de renascimento das plantas.
Se ainda não plantou uma árvore, ainda está a tempo de o fazer. Preferencialmente num quintal. Se não o tiver, faça-o em casa. Há plantas e até árvores para todos os sítios. Adopte, pois, uma planta ou uma árvore.
Depois de a plantar, cuide dela como quem cuida de um filho. Sobretudo quando ele ensaia os primeiros passos. Visita a planta, ou árvore, todos os dias. Esteja atento às suas necessidades. Olhe que ela pode adoecer e é preciso tratá-la com todo o carinho. Se não souber, pergunte a quem saiba.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 20 Abril , 2007, 09:52

RESPEITO PELA NATUREZA
E PELAS PESSOAS


Soube há dias, pelas agências no-ticiosas, da morte de John Billings, o pai do método natural da regulação da fertilidade, conhecido como “método da ovulação pela observação do mucos cervical”. Conheci o inves-tigador australiano, em 1980, no Sínodo dos Bispos sobre a família, em que participou, a convite de João Paulo II, juntamente com Evellyn, sua esposa e companheira na investigação e na concretização do método.
Durante mais de 25 anos, o casal Billings investigou pacientemente até ao aperfeiçoamento, que só depois divulgou, um método que respeita por completo as leis da natureza, devidamente provado e cientificamente credenciado. A ele se associaram depois cientistas de todo o mundo. Por estranho que pareça, encontrei ao longo da minha vida já vivida, médicos e enfermeiros que orientam o planeamento familiar em centros de saúde públicos, desconhecendo este avanço da ciência, que comporta, para além dos efeitos desejados, um total respeito pela natureza da mulher.
Trata-se de um verdadeiro método ecológico, é bem dizê-lo, num tempo em que parecem valer mais os pássaros e as cegonhas que as pessoas.
Quem não anda distraído, nem distante, de coisas importantes da vida sabe, perfeitamente, que o problema grave do planeamento familiar está longe de resolvido, com a seriedade que um tal problema merece. Assim, quer pelos efeitos pretendidos de um processo imediato, quer pelas diversas consequências que por vezes surgem a afectar a saúde e a vida da mulher.
A situação é mais grave e preocupante em relação a diversos químicos, mas não é também inócua quando se trata de alguns meios mecânicos.
A máquina maquiavélica e poderosa das multinacionais, produtoras de produtos orientados para impedir a fertilidade, e a luta desenfreada de interesses entre as mesmas, tem levado a que muitos dos directamente inseridos no processo, como informadores e decisores, se instalem apenas naquilo que as mesmas empresas comunicam e propõem, de mistura com benesses que não se podem perder. Assim é mais fácil e mais rentável.
Os métodos naturais foram por isso, progressivamente, depreciados e calados, mesmo por aqueles que, por dever de ofício e por honestidade profissional, os deviam conhecer bem para os poderem propor, de modo esclarecido, à decisão livre de quem procura, legitimamente, informação e orientação para regular e planear os filhos que deseja. Não se trata apenas, dado que se sonega informação a que se tem direito, de um situação injusta, frente aos utentes de um serviço público. Trata-se, também, de ver, de modo superficial e pouco honesto, um problema grave que requer uma informação correcta e uma educação acompanhada.
O pouco cuidado em todo este processo, é lamentável e tem feito diminuir, vertiginosamente, a natalidade e criado um desequilíbrio perigoso entre a prática sexual e a dimensão positiva e responsável da mesma.
A quem pode interessar esta situação? É bom que se interroguem sobre o problema e a realidade os médicos, os informadores sexuais, as associações de planeamento e os cada vez mais numerosos abortistas, por um tempo ufanos e vitoriosos em batalhas, onde a vida, as pessoas, a sociedade e o respeito pelas leis da natureza contam cada vez menos.
Ainda sou dos que acreditam que o mérito da investigação, longa e séria, de John Billings e de sua esposa continuarão a contar para os casais que reagem aos mais fácil e são fieis às opções em que natureza é respeitada e as suas leis acolhidas, de modo sempre mais agradecido.

mais sobre mim
Abril 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
17

28



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds