de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 19 Abril , 2007, 22:15
São Jacinto antigo: foto cedida por Ângelo Ribau


RECORDAR É VIVER
:
Ver ou rever uma fotografia antiga pode servir para reviver pessoas, terras ou acontecimentos.
Para mim, e para muitos, certamente, é coisa sempre agradável. Acontece, como hoje, que esta foto pouco me diz. Não conheço ninguém, mas o ambiente diz-me algo, que não sei definir. Quem me poderá ajudar? Aqui fica o desafio.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 19 Abril , 2007, 21:38

Ler é viver duas vezes
:
São infinitos os louvores aos livros. Alguns chegam mesmo a preferi-los às pessoas: “A companhia dos livros dispensa com grande vantagem a dos homens” (Carlyle Thomas). Não chego a tanto. Não há livros sem pessoas. Penso antes como o filósofo Descartes, que dizia: “A leitura de todos os bons livros é uma conversação com as mais honestas pessoas dos séculos passados”. E presentes – acrescento. Ou então como o “nosso” padre António Vieira, que escreveu que “o livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive”.
Aproxima-se o Dia Mundial do Livro, 23 de Abril – a oportunidade para mais uns rituais de louvor à leitura e à literatura. Um pouco por todo o lado programam-se acções. A melhor de todas é a que qualquer pessoa pode levar a cabo em quase todas as circunstâncias: pegar num bom livro (há tantos e tão bons que não adianta insistir na leitura de um livro que não agrade!) e ler. Se precisa de algum incentivo, aqui fica um: “Ler é viver duas vezes”. E mais esta pergunta, adaptada de um painel publicitário de uma grande cidade: “É este o único ser que em sua casa devora livros?” No cartaz via-se uma traça enorme.
J.P.F.
:
In Correio do Vouga

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 19 Abril , 2007, 17:46



MIA COUTO PREMIOU
TODA A LÍNGUA PORTUGUESA


O escritor moçambicano Mia Couto ganhou ontem o Prémio União Latina de Literaturas Românicas, que abrange um universo de 37 países. Foi o primeiro escritor africano a receber este galardão.
Mia Couto é um ficcionista de rara e original sensibilidade, reconhecido e traduzido em muitos países. É especialista em vencer a barreira da linguística tradicional do Português, ao criar, em tantas páginas dos seus livros, novas palavras, numa mistura, se assim podemos dizer, da Língua de Camões com dialectos africanos, em especial moçambicanos.
Ao receber este prémio, Mia Couto premiou, também, toda a pátria da Língua Portuguesa, ao torná-la ainda mais conhecida e quiçá mais procurada pelos amantes da literatura e do pensamento de expressão portuguesa, que abrange um pouco de todo o mundo.
No seu discurso proferido ontem em Roma, o escritor moçambicano sublinha, como li no PÚBLICO, que, “a par de línguas de raiz africana, a língua portuguesa é uma das ferramentas de fabricação da identidade nacional e de construção da modernidade em Moçambique”. Diz, ainda, que “os moçambicanos estão reinventando a língua portuguesa, ao mesmo tempo que ela os está inventando como corpo colectivo, como sujeitos de uma cultura apta para o afecto e para as negociações com a modernidade”.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 19 Abril , 2007, 17:27

Balanço de dois anos
de Pontificado
por Guilherme d'Oliveira Martins


Guilherme d’Oliveira Martins destaca sinais de esperança “muito signi-ficativos”, no pontificado de Bento XVI. A Encíclica “Deus é Amor” constituiu “talvez o momento mais forte até à data deste pontificado”, sublinha o Presidente do Tribunal de Contas.
“É um texto com muitas virtudes, designadamente no que se refere à compreensão dos sinais dos tempos, à exigência ligada às responsabilidades sociais de todos no mundo contemporâneo e a uma espiritualidade aberta e respeitadora das diferenças”, afirma, referindo o que a Encíclica tem de “extraordinariamente importante e também de inesperado”.
O balanço a fazer dos dois anos de pontificado de Bento XVI “terá de ser provisório, sobretudo porque existem, neste momento, desafios muito exigentes perante os quais se encontra a Igreja e o pontificado”, em especial nos domínios do magistério da paz, da justiça e do diálogo entre as religiões, “domínios que este Papa tem manifestado um especial interesse e empenho”.
As diferenças, comparativamente com o pontificado de João Paulo II, são muito significativas, porque são figuras muito diferentes, segundo Guilherme d’Oliveira Martins porque “Bento XVI é um universitário, foi-o durante toda a sua vida e João Paulo II teve uma experiência académica muito rica no entanto foi sempre um pastor”.
O actual Papa tem-se centrado em diversas ocasiões “nos elementos que tocam à compreensão da cultura contemporânea como cultura da dignidade da pessoa humana contra a lógica de cultura de indiferença, de esquecimento e de ausência de memória”. O desafio que Bento XVI terá pela frente, na opinião do Presidente do Tribunal de Contas está “na complementaridade que tem de ficar mais clara, entre o sentido pastoral e sentido do ensinamento e da reflexão e razão”.
:
Fonte: Ecclesia

mais sobre mim
Abril 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
17

28



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds