de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 16 Abril , 2007, 15:39
Figueira da Foz: Parque das Abadias


PRIMAVERA: ATÉ QUE ENFIM!
:
A Primavera, a sério, aí está. Até que enfim! Está um sol radioso e já tirei o casaco. Tempo quente como no Verão. Ou quase, melhor dizendo. Passear pelo Parque das Abadias, de relva fresca e arvoredo a dar-nos a sombra precisa, é um prazer muito grande. Ao fundo, para onde volto com frequência, estão o Centro Cultural, a Biblioteca e o Museu. Tudo espaços que são outros tantos desafios, para quem gosta de fugir da rotina.

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 16 Abril , 2007, 15:34


O PAPA COMPLETA HOJE
80 ANOS DE VIDA
::


Embora tenha celebrado ontem, com uma eucaristia, o seu aniversário, o Papa só hoje completa 80 anos de vida. Uma vida cheia de Deus, como é suposto admitir, sabendo, quanto se sabe, da sua entrega à Igreja de Cristo e, por inerência, a todos os homens e mulheres de boa vontade.
Teólogo de renome, cardeal com ampla intervenção no tempo de João Paulo II, agora Papa, Ratzinger não se cansa de mostrar toda uma vitalidade impressionante. Apesar dos seus 80 anos de idade e quando tantos mais novos se apresentam reformados e conformados com nada fazer, Bento XVI dá ao mundo um exemplo digno de ser louvado.
O Governo da Igreja não é, certamente, tarefa fácil, para manter a unidade numa universalidade de culturas, raças, costumes e diferenças sociais abissais. Mas nem por isso o Papa deixa de mostrar serenidade nas decisões e ousadia nas propostas. Ainda escreve, como o prova o livro que acaba de sair sobre Jesus Cristo, que há-de ser bastante procurado e lido, numa altura em que tanto se especula sobre a vida histórica do Senhor.
Bento XVI é, portanto, um bom exemplo para todos nós, sobretudo para os descontentes da vida, para os acomodados, para os que não conseguem descortinar razões elevadas para viver com dignidade, mas ainda com objectivos abertos ao projecto de um mundo melhor para todos.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 16 Abril , 2007, 15:27



BOM CONSELHO
DE CAVACO SILVA
::



Com a prudência a que já nos habituou, Cavaco Silva deu aos portugueses mais um bom conselho. Questionado sobre os diplomas do primeiro-ministro, respondeu que esse problema “não é com certeza o mais importante para o desenvolvimento do país”. Alguns jornalistas ainda voltaram à carga, mas o Presidente respondeu, com serenidade, que teria de repetir o que já havia dito. E mais não disse.
Penso que Portugal e os portugueses estão cheios de problemas, a merecerem, sem dúvida, uma atenção e um empenho muito grandes, da parte de todos. Mas há sempre alguns que teimam em desviar a atenção do povo das verdadeiras inquietações, lançando no ar questões fracturantes, mas que em nada contribuem para a procura das melhores soluções para as muitas dificuldades que nos afligem. Se repararmos bem, haveremos de chegar à conclusão de que estas atitudes são cíclicas, teimando em alimentar questiúnculas que, no fundo, não têm valor digno de grande registo. Há órgãos de comunicação social que se aproveitam disto para vender notícias, normalmente bombásticas, na ânsia de conquistar leitores, ouvintes e telespectadores. É que há muita gente que delira com boatos, insinuações maldosas, calúnias, crimes de faca e alguidar e... diplomas mal conseguidos. Já agora, não é verdade que meio mundo está na situação de José Sócrates?
Ora, o Presidente Cavaco Silva veio lembrar, numa sessão sobre a inclusão, num País como o nosso, em que há tantos excluídos e marginalizados, que o mais importante será, em dúvida, promover a solidariedade e o desenvolvimento de Portugal.

Fernando Martins


Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 16 Abril , 2007, 15:24
“Todas as religiões nasceram para abrir o mundo ao reconhecimento da sua Fonte e do seu Sentido, para que os seres humanos possam tornar a fazer da Terra o jardim que, muitas vezes, estragam até o tornarem irreconhecível. Na Vigília [Pascal], as religiões do mundo foram brevemente evocadas antes da religião de Israel e do movimento cristão. Pensando no espírito do encontro de Assis, talvez valesse a pena não esquecer as tradições espirituais dos Povos Primeiros, da América pré-colombiana, da China, do Tibete, do Japão, da Índia, do Egipto, da Mesopotâmia, do Irão, etc. O diálogo inter-religioso a favor da reconciliação e da paz entre os povos continua a ser urgente.”

Frei Bento Domingues,
in “PÚBLICO” de ontem

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 16 Abril , 2007, 13:56


Menos pessoas
em pobreza extrema
no mundo


As estatísticas mostram que a pobreza extrema no mundo diminuiu 21%, entre 1990 e 2004, mas, ainda assim, existem 985 milhões de pessoas que sobrevivem com menos de um dólar diário.
O documento divulgado pelo Banco Mundial (BM) - edição de 2007 dos "Indicadores do Desenvolvimento Mundial" – destaca também a diminuição da percentagem dos que vivem com menos de dois dólares diários, estimando contudo, que em 2004 ainda havia 2.600 milhões de pessoas - quase metade da população do mundo em desenvolvimento - vivendo abaixo desse patamar.
O estudo atribui ao progresso a diminuição da pobreza, a que está associada a taxa do crescimento do Produto Interno Bruto per capita, que subiu à média de 3,9% desde o ano 2000.
Outra razão considerada "chave" para que, no ano de 2004, houvesse cerca de 260 milhões de pessoas a menos em situação de pobreza extrema face a 1990, foi a massiva redução da miséria na China no período mencionado.
Contudo, as estatísticas deixam claro que o momento não é de triunfalismo, revelando por exemplo, que mais de 10 milhões de crianças menores de cinco anos morrem todos os anos por doenças que se podem prevenir.
Quanto às diferentes regiões em desenvolvimento, o estudo destaca que a América Latina tem a maior esperança de vida, com 72 anos, e também a menor taxa de mortalidade entre as crianças menores de cinco anos.
Nesta região, 8,6% das pessoas vivem na pobreza extrema face aos 9% do Leste asiático ou 41,1% da África Subsaariana.
Já a região do leste asiático e Pacífico vem à cabeça do mundo em desenvolvimento graças às elevadas taxas de crescimento, que lhe permitiram reduzir a pobreza mais rapidamente do que noutros lugares.
A região revela também vantagem na educação, ao ter alcançado a escolarização universal primária.
As regiões do Médio Oriente e Norte de África avançaram muito em educação: quase 90% das crianças acabam a sua educação primária.
O sul da Ásia tem as menores taxas de alfabetização feminina do mundo em desenvolvimento, dependendo mais da agricultura que qualquer outra região.
Na África Subsaariana a esperança de vida caiu dos 49 para os 47 anos desde 1990, devido à alta taxa de mortalidade infantil e à incidência da SIDA.
:
Fonte: Rádio Renascença

mais sobre mim
Abril 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
17

28



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds