de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 12 Abril , 2007, 17:21
ÁRVORES

Árvores negras que falais ao meu ouvido,
Folhas que não dormis, cheias de febre,
Que adeus é este adeus que me despede
E este pedido sem fim que o vento perde
E esta voz que implora, implora sempre
Sem que ninguém lhe tenha respondido?


Sophia de Mello Breyner Andresen
(1919 - 2004)
"Coral", 1950

In “PÚBLICO” on-line

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 12 Abril , 2007, 15:35
COM ESTA HISTÓRIA,
A POLÍTICA PORTUGUESA
FICOU SEM PROBLEMAS RELEVANTES

A questão das habilitações académicas do primeiro-ministro, José Sócrates, veio mostrar a fragilidade da política portuguesa. Por causa dessa polémica, tudo o mais de importante na sociedade foi relegado para segundo plano, conforme tem retratado a comunicação social. Até parece que Portugal e os portugueses nada mais têm para discutir, para além dos diplomas conseguidos pelo primeiro-ministro.
É claro como água que José Sócrates e o seu Governo ganharam legitimamente o direito de exercer o poder, pois a competência política nada tem a ver com as habilitações académicas dos governantes. Mas é evidente que os portugueses têm o direito de saber se os políticos e pessoas públicas ostentam, com legitimidade, os títulos académicos que apresentam, num País onde tantos querem ser Drs. Levantada a questão dos títulos de José Sócrates, o visado tinha a obrigação de esclarecer, de imediato, a situação, para depois governar bem como todos queremos. Porquê, então, tanto tempo para prestar esses esclarecimentos?
Depois, numa entrevista em que devia fazer um balanço de dois anos de governação, foi triste ver quanto tempo se perdeu com o assunto dos diplomas, sabendo-se, como toda a gente sabe, que o PS vai continuar a governar o País, por ter ganho as eleições, com todo o direito que lhe advém dos votos conseguidos, à custa, decerto, da saída de Durão Barroso para a presidência da Comissão Europeia e do mau trabalho de Santana Lopes no Governo de coligação entre o PSD e o CDS-PP.
Marques Mendes, líder do PSD, pediu que uma comissão independente analisasse o problema criado à volta das habilitações do primeiro-ministro. A ideia não é má, mas parece-me que não adianta nada. José Sócrates continuará a governar, porque ninguém conseguirá provar se os seus diplomas foram alcançados com muito ou pouco esforço. Daqui a uns meses, já ninguém falará do assunto, porque alguém se encarregará de criar novos factos políticos para entreter a malta.
Toda a gente sabe que neste País há muita gente com habilitações conseguidas a trouxe-mouxe, numa ânsia de ocupar as melhores posições profissionais. Vale tudo para subir na vida, com a complacência do Estado e a cooperação de Universidades, que, de rigor, nada têm. O importante, para algumas, é ter alunos que paguem as mensalidades.
Os meus leitores sabem que uma professora confirmou, há dias, que não sabia quem era Luís de Camões? E que uma universitária de História não fazia ideia do que era o 5 de Outubro? E que alguns universitários não sabiam a tabuada?
Este é, infelizmente, o Ensino que temos.

Fernando Martins


Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 12 Abril , 2007, 11:17

PROFECIA
NO NOSSO TEMPO?


Tudo tem o seu tempo e a sua hora. Tudo vai rodando. De forma que a história se vai repetindo e refrescando, sempre igual e sempre diferente.Com as culturas, civilizações, crenças, sucessão de impérios, descobertas, muitas delas ingenuamente tomadas como invenções. Tudo afinal está encontrado e o fascínio de tudo redescobrir torna o homem protagonista do seu tempo, na ilusão de ter reinventado tudo. É bonito este ciclo, esta infância redescoberta da criação, vista pelos crentes como continuidade do Génesis.
Também no nosso tempo. Plasmados pelo novo, nunca visto, nunca usado, nunca ultrapassado sentimos, na velocidade e na multiplicação até ao infinito das hipóteses lançadas pela ciência, tecnologia e comunicação, a ilusão do nunca acontecido e o orgulho da página nova de história que se escreve nas nossas vidas.
Mesmo com a certeza de que não inventámos a pólvora, somos convidados a celebrar o nosso tempo como um dom renovado de Deus ao homem. Não se trata duma cegueira ilusória que coloca o humano contra o divino, o tempo contra a eternidade. Se é bom relativizar muitas das nossas mecânicas certezas, é importante sentir que trouxemos à história o nosso contributo bem diferente de algumas maldições que pairam sobre a nossa forma de edificar o tempo. A modernidade tem o seu quê de novo, rico, humano, e solidário. É muito mais que um amontoado de lixos formados por música estridente, arquitectura quadrada, pintura de jacto, poesia depressiva e romances fatalistas. Somos muito mais que um grupo aniquilado de drogados, visionários esquizofrénicos ou sonhadores extasiados pelo vazio. A procura dos valores espirituais ou culturais do nosso tempo tem de situar-se nos módulos da contemporaneidade e não nas categorias dum passado que teve o seu olhar e o tempo de se dizer. Dizer o presente com o passado é distorcer toda a leitura e cercear os novos caminhos que o nosso tempo tem todo o direito de abrir e criar. Estará na moda definir esta geração como viciada de relativismo. Como se o seu contrário fosse apenas virtude. Como se os novos valores pousassem sobre o abismo. Isso seria a recusa do Espírito como estímulo dos novos passos da história. Digamos doutra forma: andam por aí os profetas. Não é justo aniquilá-los por simples arritmia. Cultural ou religiosa

mais sobre mim
Abril 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
17

28



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds