de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Março , 2007, 18:35
O Nobel da Paz de 2006
acredita mesmo que vai mudar o mundo

(...)

"Ficarei feliz se o meu legado, e todo o trabalho que estou a fazer, conseguir convencer as pessoas de que é possível criar um mundo sem pobreza, apenas imaginar que podemos fazer isso, que é possível um mundo em que nenhuma pessoa seja pobre. E acreditar nisso. Porque acreditar é percorrer metade do caminho. Quando acreditamos, fazemos.
Hoje, pelo contrário, a maioria das pessoas acredita que a pobreza é parte da vida. A partir do momento em que se aceita isso nunca se pensa em eliminá-la. Eu coloco a questão de outra forma: a pobreza não é parte da vida, não pertence à humanidade, é-lhe imposta de forma artificial pelo sistema. Sendo assim podemos eliminá-la e libertar as pessoas dela. Se pudermos todos globalmente acreditar nisso, então é possível mudar isso e, globalmente, um dia eliminar a pobreza."
:
Leia a entrevista no "PÚBLICO", no suplemento P2

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Março , 2007, 17:27
«Jesus de Nazaré» será lançado depois da Páscoa
e é aguardado com enorme expectativa
em todo o mundo

Livro do Papa
traduzido em 20 línguas



O novo livro de Bento XVI, "Jesus de Nazaré", será lançado logo após a Páscoa, informou o director da Libreria Editrice Vaticana, D. Claudio Rossini, que prevê um novo sucesso editorial.
Segundo o Cardeal Rossini, já foram assinados outros 20 contratos para edições em russo, grego, coreano, japonês e sérvio, além do inglês e outras línguas de maior difusão internacional.
Na Itália, o livro dedicado à vida e à figura de Cristo ficará aos cuidados da casa editorial Rizzoli. "No final de Fevereiro, tínhamos entre 20 e 22 contratos assinados para disponibilizar a palavra, a reflexão, o retrato que o teólogo nomeado Papa deseja apresentar a respeito da figura de Cristo, após 50 anos e muitas pesquisas, estudos, leituras, meditações pessoais", explica o Cardeal, em declarações à Rádio Vaticano.
Além disso, o director da Libreria Editrice Vaticana revelou que a exortação apostólica "Sacramentum Caritatis", dedicada à Eucaristia, já vendeu 220 mil cópias.
:
Leia mais em Ecclesia

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Março , 2007, 17:05

A FESTA DO POVO

A Feira de Março, que se vai prolongar até 25 de Abril, aí está para alegria do povo. Já velhinha, nos seus 573 anos de existência, é “o mais duradouro evento comercial da Região de Aveiro, longevidade que confere ao certame um assinalável contributo para o desenvolvimento económico local”, no dizer do presidente da Câmara, Élio Maia, no desdobrável promocional que foi distribuído.
É verdade que esta feira é mesmo a festa do povo, penso eu, porque ninguém lhe fica indiferente. Nem que por lá se passe a correr, ao menos para saborear umas sempre apetitosas farturas, daquelas que se vendem em barracas que por ali assentam arraiais há décadas.
Élio Maia diz que a secular feira favoreceu o estabelecimento de “relações históricas com os aveirenses e os seus visitantes, concretizando uma destacada vertente de negócios”, mas não esquece a importância lúdica que a caracteriza e lhe empresta “um estatuto ímpar na afeição que lhe é dedicada”. Nessa linha, é com indisfarçável satisfação que é esperada por toda a gente.
Por essas razões, aqui fica a sugestão para que passe pela Feira de Março em qualquer dia. Mas se desejar divertir-se para além do normal, informe-se, porque do programa constam diversas diversões e espectáculos para todos os gostos.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Março , 2007, 10:48
Pôr do sol, com farol à vista.
Foto enviada pelo leitor e amigo Ângelo Ribau

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 22 Março , 2007, 18:47
UMA EUROPA DE VALORES


A Comissão dos Episcopados da Comunidade Europeia (COMECE) apresentou hoje o Congresso que vai promover, de 23 a 25 de Março, para assinalar os 50 anos dos Tratados de Roma, fundadores da Comunidade Europeia, num momento de reflexão sobre o futuro da Europa.
Para discutir os "valores e perspectivas sobre a construção europeia", os Bispos católicos convocaram cerca de 400 participantes, com a intenção de "identificar valores-chave" para os cristãos, confirmando aqueles que definiram o processo de unificação europeia desde o seu início. Sábado será proclamada a "Mensagem de Roma", que vai ser enviada aos Chefes de Estado e de Governo da UE. 23 delegações episcopais estarão presentes, ao lado dos maiores movimentos e comunidades católicas da Europa.
Um grande número de políticos europeus de referência também irão marcar presença: Romano Prodi, Mary McAleese, Wolfgang Schäuble, Hans-Gert Pöttering, Peter Sutherland, Marcelino Oreja e Mario Monti. A Santa Sé será representada por D. Dominique Mamberti, Secretário para as Relações com os Estados.
O Congresso é inaugurado pela apresentação do documento "Uma Europa de valores", redigido pela comissão de sábios nomeada pela COMECE, na qual se inclui Manuela Silva, presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz.
Por outro lado, a COMECE já enviou aos dirigentes das instituições europeias um documento que recolhe as contribuições dos Bispos para a chamada “Declaração de Berlim”, que servirá para afirmar a UE como uma comunidade de valores. O documento tem como título “Valores comuns, a fonte viva do projecto europeu”, procurando chamar a atenção para a necessidade de colocar a pessoa no “coração do projecto europeu”.
A COMECE tem preferido falar em “unificação” europeia e não em “alargamento” da UE, dando especial destaque ao movimento de reconciliação da Europa após a queda do muro de Berlim – à imagem do que acontecia, aquando do Tratado de Roma, com um Continente saído da II Guerra Mundial e em busca de um futuro de paz.
:
Leia mais na Ecclesia

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 22 Março , 2007, 18:35
Conímbriga

:
Nota: "Ares da Primavera" vai ser um espaço dedicado à estação considerada, por muitos, como a mais bonita. O que nos fizer recordar a Primavera (poemas e outros textos, fotos, obras de arte e recordações desta época) tem aqui lugar. O importante será que todos partilhemos os nossos gostos e emoções. Fico à espera.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 22 Março , 2007, 16:57
ALERTAS


Neste Dia Mundial da Água, fica o alerta do World Wild Found (WWF) : os rios do planeta estão a morrer devido à poluição, às barragens e às alterações climáticas.
Em Portugal, um dos cursos de água com mais problemas é, na opinião do hidrobiólogo Bordálo e Sá, o rio Douro, “um rio extremamente compartimentado, artificializado, porque no percurso português ou internacional tem uma barragem a cada mais ou menos 30 quilómetros”.
Este professor da Universidade do Porto adverte para o facto de o caudal que chega à foz depender mais “em certas alturas do ano, da política da empresa que gere a produção hidroeléctrica nestas barragens, do que das necessidades ambientais. Nós estamos, de alguma maneira, a intervir, retirando água, exacerbando o efeito destas alterações climáticas que já ocorrem”.
:
Fonte: Rádio Renascença

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 22 Março , 2007, 15:40
É IMPORTANTE COMEÇAR
A POUPAR ÁGUA POTÁVEL

Na agenda do Expresso, com pequenas e grandes ideias, lê-se, sobre os consumos de água.
Talvez a partir desse conhecimento possamos começar a poupar:

Lavagem de roupa……. 90 litros
Banho de imersão……...60 litros
Lavagem do carro……...50 litros
Limpezas da casa……..35 litros
Descarga de sanita……15 litros

E por aí adiante….




Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 22 Março , 2007, 15:35

A FALTA DE ÁGUA POTÁVEL
PODE PROVOCAR GUERRAS

Celebra-se hoje o Dia Mundial da Água, para todo o mundo pensar no bem que é termos este precioso líquido, usado em tudo no dia-a-dia. Acho que ninguém ignora a importância da água, mas penso, também, que toda a gente já sabe que ela começa a escassear em muitas regiões do globo. Li há tempos que a falta de água potável poderá provocar guerras devastadoras. Não sei se tal virá a acontecer, mas não me custa acreditar nessa profecia terrível de alguns.
Todos sabemos que se gasta água em demasia. Não vejo ninguém a preocupar-se com os anúncios do perigo da escassez. Parece que toda a gente pensa que a água potável é um bem inesgotável. O mal está aí. E um dia poderemos sofrer as consequências das nossas negligências.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 22 Março , 2007, 15:09


HUMILDADE DE QUEM
PRESIDE E GOVERNA

"A humildade é a verdade.” Assim dizia Teresa de Ávila, que bem o sabia por experiência própria e pelo dever e missão diária de educar quem pretendia ir além da monotonia de uma vida instalada ou apenas voltada para si própria. A frase ficou, mas a sua prática deixa ainda muito a desejar.
Os tempos não são propícios à verdade porque, também, a humildade tem um preço caro e, num mundo de aparências, poucos se dispõem a andar por tal caminho.
Quem não aceita confrontos de outros e tudo faz, sem olhar a meios, para ocupar sempre o pódio dos vencedores, acha que a humildade é deprimente e coisa de pessoas alienadas e sem brio. Nada tem a ver com os sentimentos de quem gosta de aparecer à frente do pelotão, nem que outros o levem, de bom gosto, ao colo, ou comodamente instalado num palanquim, aos ombros de escravos sorridentes.
Todos temos mais razões para ser humildes, que suficientes e orgulhosos. Mas, quem detém o poder, qualquer que ele seja, ou faz um esforço de verdadeira humildade ou entra numa atitude de mentira e arrogância que, tarde ou cedo, deixa a descoberto pés de barro, incapazes de sustentar a estátua que tem sempre o peso da sua inutilidade.
Quem preside e governa não pode ser malabarista ou ilusionista. Aqueles que são a razão de ser do serviço da autoridade têm direito à verdade. Ocultá-la ou disfarçá-la é enganar os outros e enganar-se a si próprio. Quem preside e governa não pode prometer o que sabe que não pode dar; não pode calar ou disfarçar as dificuldades e os fracassos; não pode falar de êxitos, quando já se vêem as falhas e as carências; não pode deixar-se inebriar com os elogios dos louvaminhas da corte; não pode desprezar quem não se deixou acorrentar, nem perseguir quem ousou contrariar e dissentir.
Em tudo a humildade tem um lugar indispensável. Quando se perde a consciência da própria dimensão, tudo, pessoas e acontecimentos, fica deformado e menos verdadeiro
Os orgulhosos, por mais que o disfarcem, são inseguros. A sua força é a que lhes vem de fora, quando dela podem dispor arbitrariamente. Por isso a procuram e sempre a concentram nas suas mãos. Não confiam nos outros, nem na sua opinião, nem na sua ajuda. Não gostam de estender a mão para pedir, nem de acolher a mão que se lhes estende, mesmo que seja apenas para dar e para propor. Nasceram para mandar.
O orgulho e a total suficiência dos chefes não são estímulo para ninguém. Ao contrário, provocam desinteresse, crítica, passividade, dó. O orgulhoso acaba sempre por ficar só. Mesmo os que se lhe venderam aos elogios, um dia vêem que, afinal, o engodo em que caíram, não trazia nada de válido na ponta da linha.
Só a verdade liberta e só ela permite fazer caminho com esperança e sentido. O projecto da verdade só os humildes são capazes de o realizar. Sabem o que podem e valem, dão valor aos outros, contam com todos e proporcionam a cada um a oportunidade de servir a comunidade com as suas capacidades.
Por estranho que pareça, o “Princípio de Peter”, por virtude do qual se constrói a pirâmide dos inúteis, é ainda muito seguido e apreciado, em vários campos da vida. Tem os seus cultores, que são sempre os iludidos acerca do seu valor pessoal e, por isso, se rodeiam dos que executam sem nada perguntar e concordam sempre, mesmo que vejam que é disparate. Com tal gente, o chefe nunca se sentirá incomodado, nem ajudado. Nem corrigido e aconselhado.
Sem humildade e verdade o terreno está mais propício e aberto ao orgulho e à mentira. Quem preside e governa fica mais enganado consigo próprio e mais pobre e perigoso para a comunidade que lhe é dado servir. Até o que há de bem deixará de o ser, porque a fumaça lançada um dia acabará por ocultá-lo e enegrecê-lo.

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 21 Março , 2007, 17:48
POEMA 2

A palavra retira-se a silêncio.
Chama-o à sua interioridade
para que fique sendo
um recuo feliz. Ou, talvez, mais que
esse recuo, tempo
de espera, de penúria, de constante
transparência que cai em pensamento
mas sem que o pensamento chegue a frase.
E, mesmo assim, como se vai regendo
a plenitude da penúria. Que age
e se acrescenta pelo campo dentro
onde somente mais penúria se abre.
É então que a palavra recupera isento
o ímpeto da sua vacuidade
e se dispõe a devolvê-lo
em silêncio feliz. E potestade.

Fernando Echevarría
Singeverga, 18 de Março de 2007

::

Leia mais sobre um retiro de poetas,
em "Poeta arrisca-se à conversão católica",
no "Público" de hoje, no caderno P2

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 21 Março , 2007, 10:32
Um livro
de José Tolentino Mendonça
para esta Primavera




“A NOITE ABRE MEUS OLHOS”


Neste Dia Mundial da Poesia, com os calendários a convidarem-nos a prestar mais atenção ao que produzem os nossos poetas, sugiro um livro de José Tolentino Mendonça, “A NOITE ABRE MEUS OLHOS”.
José Tolentino Mendonça, que tem merecido lugar de destaque no meu blogue, à semelhança do que tem acontecido em diversos órgãos de comunicação social, é, de facto, um poeta inspirado e que mostra uma sensibilidade muito grande e até original. Digo-o hoje e aqui por me parecer que precisa de ser muito mais conhecido pelo portugueses.
Poesia de vários dos seus livros foi reunida nesta edição para nos encantar. “Os poemas deste livro fazem sua a condição de prosseguir nomeando o possível, respondendo ao impossível, assim fazendo ressoar a dualidade no âmago do mundo, assim inscrevendo nele os seus trajectos sem regresso”, diz Silvina Rodrigues Lopes no posfácio da obra que veio a lume em 2006.
Reli vários poemas insertos nesta colectânea, alguns já meditados nos livros donde foram extraídos, para integrarem um todo harmonioso que, de forma mais visível, nos mostra o poeta José Tolentino Mendonça, elogiado por quem sabe distinguir os grandes artistas dos fazedores de poesia.
O autor de “A NOITE ABRE MEUS OLHOS”, que também é padre e docente universitário, tem sempre presente o sagrado e a força do divino que o ilumina e inspira. José Tolentino Mendonça reflecte como poucos a vida que nos cerca e lhe dá ânimo para nos ensinar a ser poetas, nem que seja no interior de cada um.
Deixo aos meus amigos e leitores esta proposta de leitura, para a Primavera que hoje começa. Não uma leitura fugidia, mas meditada dia após dia.

Fernando Martins



::
Um poema de José Tolentino Mendonça

A NOITE ABRE MEUS OLHOS
:
Caminhei sempre para ti sobre o mar encrespado
na constelação onde os tremoceiros estendem
rondas de aço e charcos
no seu extremo azulado

Ferrugens cintilam no mundo,
atravessei a corrente
unicamente às escuras
construí minha casa na duração
de obscuras línguas de fogo, de lianas, de líquenes

A aurora para a qual todos se voltam
leva meu barco da porta entreaberta
o amor é uma noite a que se chega só

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 21 Março , 2007, 10:16
Primavera

Três poemas para sentirmos os cheiros e as cores de mais uma Primavera, como sugeriu a amiga Sara que mos enviou. Que a Primavera traga a todos alegria e ternura.
:
BERÇO
A cegonha chega ao ninho
Que tão alto ali a espera
Procura berço do Sol
Seu berço de Primavera.
Vem de longe muito longe
Em viagem tão comprida
Quem não amar este berço
Sabe tão pouco da vida
.

Matilde Rosa Araújo
(retirado do livro "As Fadas
Verdes")
:
ÁRVORE
A semente dorme na
placenta, húmida, da
Terra. Mas começam a
percorrê-la murmúrios
de água e Primavera.
Torna-se raiz e caule,
irrompe da sua
prisão sem luz para
beber os ventos e a
claridade do dia. O
tronco firma-se como
um mastro e caminha
para os céus, claros,
num apelo a ninhos.
Em breve, brevezinho,
desfralda-se em ramos
e folhas que atraem
uma floração de asas e
de cânticos. E a árvore
começa a ser, a dar e a
permitir vida.

Luísa Dacosta

(texto incluído na colectânea organizada por
José António Gomes "Conto Estrelas em Ti")
:
PRIMAVERA
A romãzeira borda
o sorriso do sol
no lenço dos namorados


João Pedro Mésseder
e Francisco Duarte Mangas
(retirado do livro "Breviário do Sol")

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 21 Março , 2007, 10:10

A Primavera aí está. Com o Sol que ilumina e aquece. Que dá cor e alegria à natureza. Vamos aproveitá-la da melhor maneira. Nem que seja a apreciar uma flor dos nossos jardins. Ou das muitas que enfeitam todos os recantos, sem que ninguém as tivesse semeado.
Boa Primavera para todos.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 20 Março , 2007, 20:36

A Exaltação do Amor

Embora exista e deva ser exercido o direito à indignação, nem sempre é a melhor resposta a afirmações que, não sendo mentira, ocultam o essencial da verdade. Claro que me refiro a um conjunto de notícias e reportagens surgidas entre nós sobre a Exortação Apostólica "Sacramentum Caritatis". Extraída das propostas essenciais do último Sínodo dos Bispos, ganha um voo exaltante na integração teológica, litúrgica e pastoral que Bento XVI imprime à Eucaristia como o maior dos dons concedidos à Igreja.
Não apresenta qualquer nova rubrica. Há, isso sim, uma reafirmação vigorosa da incomensurável dignidade do mistério Eucarístico em todas as suas vertentes. E as "exortações" concretas aos intervenientes na acção litúrgica, não são mais que breves afinações no concerto sublime de louvor que constitui cada celebração Eucarística. Reduzir este documento à questão do celibato, do latim e do gregoriano, é distorcer por inteiro a missão de Pedro que, com os Doze, vai à frente do rebanho apontando luminosamente o caminho traçado pelo Mestre.
A teologia e a pastoral encarnadas têm direito e dever de estudar e repropor novos olhares no campo da liturgia, da arte, da participação, da cultura, das sensibilidades dos intervenientes nos diferentes escalões etários e nas aproximações ou distanciamentos no itinerário da fé. Assim, também se torna importante um olhar crítico, iluminado pelo Espírito, para se caminhar ao ritmo de Deus e do homem. E, felizmente, na Igreja esse debate existe, não apenas a nível de laboratório teológico mas também de cristãos que na sua fidelidade ao Evangelho rompem novos caminhos sugeridos pelo Espírito que habita a Igreja e os novos dinamismos do mundo. Mas tudo isso é diferente duma limitação, primária e obtusa, dum instrumento pastoral, a um ressequido legalismo litúrgico. A melhor resposta que os cristãos podem dar a (esta) avalanche de banalidades, é ler o documento. Não é longo. É simples, claro, directo. Mas que se não perca o seu espírito. E a sua referência à beleza - uma nota recortada dum bispo português que participou activamente no Sínodo. Reduzir este documento a rubricas é ler um poema como se fosse uma fria peça jurídica. E estamos perante a exaltação do grande Sacramento do Amor.

mais sobre mim
Março 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

24

27
28


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds