de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 29 Março , 2007, 10:06

Equipa europeia avalia UA



Uma equipa de avaliadores da EUA – Associação das Universidades Europeias, esteve durante a passada semana na Universidade de Aveiro (UA), para proceder à primeira fase do processo de avaliação da UA. Dentro de cerca de dois meses, haverá uma segunda visita de avaliação, após o que se seguirá a apresentação do relatório final da avaliação externa da responsabilidade desta equipa internacional.
A avaliação visa contribuir para a melhoria da qualidade da acção da UA, reforçando, ao mesmo tempo, a capacidade de planeamento estratégico. O processo implicou já a elaboração de um relatório de auto-avaliação, que contou com o envolvimento de diversos intervenientes da comunidade universitária (docentes, discentes e funcionários não docentes) e outros interlocutores externos (onde se destacam antigos alunos).
Nesta primeira visita, a equipa de avaliação teve contactos directos com o meio académico e sua contextualização, tendo reunido com a equipa reitoral, com a comissão responsável pelo relatório de auto-avaliação, com professores e alunos, com parceiros externos (empresários, autarcas e outros). A equipa visitou ainda diversos Departamentos da Universidade de Aveiro, incluindo a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda e o Laboratório Associado CICECO. A equipa de avaliação foi constituída por investigadores e antigos reitores de grandes universidades europeias.
:
Fonte: CV

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 29 Março , 2007, 09:51

200 anos da Barra de Aveiro


No dia 3 de Abril, com a conferência ibérica subordinada ao tema “Qualidade global dos portos”, têm início as comemorações do bicentenário da abertura da Barra de Aveiro (1808 – 2008), cujo programa se prolonga até Setembro de 2008.
:
Leia mais em CV

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 29 Março , 2007, 09:30

Juntar os inimigos


Não é possível. Europa e Cristianismo não podem estar de costas voltadas, como se em ambos caísse um arrufo irremediável. Sobram razões para se não entenderem separados. A roda do tempo abriu trilhos em muitas direcções. Por isso se tornam possíveis desencontros e novos encontros. O momento que vivemos parece de distanciamento ou mesmo de relações cortadas. Aquilo a que se chama laicismo revela-se cansado e impaciente do que lhe parece ter sido o clericalismo, com intromissões indiscretas do Cristianismo, das Igrejas em concreto, no curso da história e da cultura. As Igrejas, em particular a Católica, ficam perplexas com os receios do mundo laico, temeroso que os sinos das catedrais lhes perturbem as marchas da liberdade.
Possivelmente, de parte a parte, há razões subterrâneas ou ressentimentos acumulados que originaram fantasmas. E turvaram, primeiro os discursos, depois o olhar que, obviamente tem um alvo comum: o homem do nosso tempo. Da Europa. Que, quer se queira ou não, é um motor da civilização e cultura, um gerador único de história e fé no complexo xadrez, cada vez mais desmultiplicado, da humanidade.
As correntes espiritualistas do Oriente, os compactos raciais das Américas, as etnias de África, os novos sinais do mundo árabe, as perspectivas de Deus e do homem na filosofia actual – na teórica, mas sobretudo na prática – relançaram as grandes interrogações ao homem de hoje que os novos sinais emitidos pela economia, técnica, comunicações, valores, exaltações e perdas, exprimem de forma muitas vezes contraditória. E tornam, por isso, o homem carente de referências profundas de identidade.
Conhecer a Europa é um fascínio. Mas, no Norte ou no Sul, no Oriente como no Ocidente, não se entende o velho Continente sem o traço luminoso da fé cristã que desde o início o construiu, atravessou e o teve por companheiro numa marca inapagável para o resto do mundo. Seria bom que nestes cinquenta anos do Tratado de Roma, Cristianismo e Europa fizessem uma festa. Sem esquecer afinações que sempre se exigem num percurso longo, onde o humano e o divino se cruzam com naturais tensões.
Um dos grandes feitos da Europa nos pós-guerra foi juntar os inimigos. Um ponto que é a própria essência do cristianismo. E um princípio básico de entendimento. A partir daqui todos os passos de aproximação são possíveis.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 29 Março , 2007, 09:25

União
(na diversidade)
Europeia
::



1. A Europa festeja os seus 50 anos! Foi a 25 de Março de 1957 que no Tratado de Roma seis países assinaram a (parceria do carvão e do aço como) fundação da Comunidade Económica Europeia. Cinquenta anos depois, foi em Berlim que os chefes de Estado e de governo, do Ocidente e do Leste, do norte e do sul da Europa, representando 500 milhões de cidadãos do continente azul, assinaram o registo histórico da efeméride. Um pouco por toda a Europa, nuns países mais que noutros, dependendo do entusiasmo europeu, a lembrança cinquentenária do Tratado de Roma foi oportunidade de reflexões históricas, avaliações do difícil presente e, essencialmente pois “é dia de festa”, de celebrações do meio século de um projecto agora bem mais alargado e (que se quer) de horizontes sociais amplos.
2. Nem ilusões, nem desilusões! Não poderão os momentos de impasse actual que a Europa atravessa na sua própria identidade ofuscar toda uma imensa realidade de sucessos no caminho assumido e vivido neste meio século histórico, os primeiros 50 anos sem guerras no continente e o tempo de ousadas parcerias quer continentais quer sectoriais. Sendo certo a mudança dos tempos e a realidade de que os políticos presentes, na generalidade, não “viveram” a origem da Europa, será um exercício fundamental, para que não se perca a memória, o entender em que bases começou esta inédita caminhada, em que património de valores assentou a coragem de avançar, o compreender como foi possível dar-se início a um processo desta grandeza que, qual semente, vai germinando sendo imparável a sua viagem. Lembre-se que a cidade das comemorações destes 50 anos foi Berlim, uma cidade dividida há cinquenta anos em plena frente da guerra-fria; esta progressiva consciência de uma comunidade europeia, com inícios de base económica (é certo), foi alastrando um espírito aberto, social, até à festa que nestes dias vestiu a cidade berlinense outrora dividida pelo “frio” europeu.
3. Sem facilitismos nem ingenuidades! Nestes dias muito se acentuou a “farsa” esforçada da Declaração de Berlim. Sublinhe-se que o que se fez na Europa em 50 anos foi algo de absolutamente histórico; ter a ilusão de que “de um dia para o outro” todas as pontes se criam será não ter a noção de consciência das profundas fracturas das guerras de séculos, ora por questões religiosas em intolerâncias, oras as guerras provocadas pelas ideologias totalitárias do século XX. O fosso entre muitos países europeus era tremendo há cinquenta anos, o que, a par dos imparáveis tempos de globalização, ergue como caso único no mundo esta construção da União Europeia. Unidade que não poderá querer dizer unanimismo, seria pura ingenuidade. Só na diversidade, acolhendo a riquíssima história de cada nação e criando “pontes” de cooperação inclusiva naquilo que poderá ser enriquecimento para todos, só numa base de união na diversidade haverá Europa. Querer que todos assinem tudo, quando se trata de matérias acessórias, será querer colocar o mundo na mão. O processo europeu é mesmo isso, “processo”.
4. Sem mendigar nem esquecer! Em certas matérias parece que vivemos o pagamento da factura histórica agravada com um certo diálogo de surdos. Enquanto a questão de se colocar ou não a referência ao Cristianismo estiver posta da forma como está, com o próprio Papa a solicitar esse reconhecimento e alguns chefes de estado a alinharem por um lado e outros por outro, … assim a coisa não vai lá. Primeiro porque em termos históricos algumas vezes essa solidificação do cristianismo como elemento de unidade foi instaurada na base da “força” (o que de todo não interessa lembrar pois acentua a separação de exclusão entre “nós” e os “outros”, o que não é nada bem vindo em tempos globais); depois, porque na consideração patrimonial das presenças no “espaço europeu” será necessário colocar não só o Cristianismo mas também (primeiramente) todas as outras religiões, filosofias, culturas, o que antes e durante fez (e faz) parte da história europeia (este terá de ser um pedido de honestidade intelectual também a ser apresentado; o “venha a nós” resulta ao contrário!). É que só na base desta abertura a toda a realidade sócio-religioso-cultural haverá o terreno capaz (porque afastador dos laicismos vazios) para se apreciar e reconhecer aquelas forças vivas que nortearam uma “identidade de unidade europeia”, esta sempre em construção. Só em reconhecido pluralismo cultural a beleza da diversidade será apreciada e dará contributo para a construção identitária.
5. Que futuro? Os discursos diplomáticos foram e são sempre de esperança (mas damos lugar a ela na re-ligação do essencial e na noção de dignidade da vida humana?), de liberdade (que liberdade – a da revolução das luzes que exclui o “outro”? - e que lugar na sensível responsabilidade altruísta da sua vivência na Europa?), da solidariedade (quanto menos a Europa se reencontrar nos valores humanos que quer para si neste tempo, menos a solidariedade será ensinada e apreendida). Uma Europa sem alma de generosidade, como os pais europeus nos ensinaram, será um “espaço do Euro”, vazio e frio, que perderá as suas tradições e as suas praças comuns… e que, na ausência de população, daqui a 50 anos povoará as suas freguesias com o calor das múltiplas comunidades de imigração entre nós. O futuro começa sempre ao nascer; nesta ordem de ideias (estatísticas) a rica Europa, como a conhecemos, está em vias de extinção; nada de novo nem de alarmante, viverá mais uma das suas transformações, mas desta vez perdendo milénios de memória. Certamente tal não ocorrerá pois a frescura dos valores humanos, culturais e religiosos, reafirmará as linhas fundamentais de uma dignidade humana assumida e reconhecida, dadora de sentido acolhedor e culturalmente caloroso! É esta a nossa esperança, liberdade e solidariedade. Ainda, claro: a Europa eurocêntrica e tecnocrática não tem soluções para o essencial! (Pois não “produz” os valores fundamentais que estão na base europeia e na origem dos laços que permitem unidade em diversidade!...)

mais sobre mim
Março 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

24

27
28


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds