de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Março , 2007, 12:27

PALHEIRO DE SALINA
::
Os Palheiros das salinas, ou marinhas de sal, estão a desaparecer dos horizontes habituais e dos lugares próprios. A autarquia aveirense, porém, quer preservar este património cultural. Vai daí, montou um Palheiro no jardim que ladeia o IP5 e o canal da Ria, lugar aprazível para um passeio de família.



Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Março , 2007, 12:19

A Filosofia e os filósofos



A Filosofia anda desvalida, não se sabendo muito bem qual o destino a dar-lhe concretamente no ensino secundário.
Este desvalimento é uma das manifestações maiores da nossa crise presente. A essa crise se referiu já o filósofo E. Husserl, em 1935, ao declarar que "as nações europeias estão doentes" e que "o maior perigo da Europa é o cansaço". Por isso, fazia apelo a uma filosofia capaz de uma "crítica universal de toda a vida e de todas as formações e sistemas culturais surgidos a partir da própria vida da Humanidade". E não se trataria de uma tarefa apenas de filósofos profissionais, pois o que se exigia era um "movimento comunitário de formação", com influência na cultura e na educação, em ordem a favorecer uma "atitude crítica, uma atitude que parte da recusa em assumir, sem questioná-las, opiniões e tradições previamente dadas e, ao mesmo tempo, sobre todo o universo tradicionalmente dado de antemão coloca a questão do verdadeiro". A Filosofia deveria transformar--se num "movimento educacional e cultural", fomentando a racionalidade e o diálogo crítico, na procura da verdade.
A Europa tem duas raízes fundamentais: a herança judaico-cristã e a herança helénica. Da primeira provém essencialmente a ideia de História. Da segunda veio-lhe o Logos, a capacidade de indagação radical da realidade e da existência. Frente ao mito, ergueu-se o pensamento racional autónomo e crítico, que não pergunta apenas por isto ou aquilo, mas pela realidade toda na sua raiz e verdade.
A interrogação permanentemente crítica é incómoda, de tal modo que Sócrates, que achava que a vida sem indagação racional não era digna de seres humanos, foi condenado a beber a cicuta. Platão e Aristóteles ensinaram que a origem da Filosofia é o espanto. Mas há o espanto positivo, na raiz do deslumbramento, que nos leva a exclamar: como é bom existir!, e o espanto negativo, na raiz do horror, por exemplo, perante Auschwitz, que nos faz gritar: como é possível? Precisamente da confluência do espanto nesta sua dupla face, frente à ambiguidade do mundo, nasce a pergunta filosófica por excelência: o que é o ser?, porque há algo e não nada?
:
Leia mais em DN


Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Março , 2007, 12:12

Pôr do sol na Ria. Foto de Ângelo Ribau

Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Março , 2007, 12:07

O ARRAIS GABRIEL ANÇÃ

Caríssima/o:

Já que andamos pelos Paços Reais, faço o convite para me acompanhar agora para irmos com o Arrais Gabriel Ançã. Perpetuado na Costa Nova, foi, desde sempre, uma referência e uma interrogação nas nossas idas aos areais do outro lado. Mesmo nas noites do fogo da Senhora da Saúde e, para além do presépio em cascata das luzes das suas casas e ruas que de longe contemplávamos, a sua imagem de pedra impunha-se no céu.
Pela pena do dr. Amadeu Cachim, que muitos de nós conhecemos, espreitemos respeitosamente a cena:

«[...]

O homem de quem vos falo,
que era diferente dos mais,
chamava-se Gabriel
e dum barco era arrais
e, como era valente,
quando saía a pescar,
só se sentia contente
roubando vidas ao março
e bebendo aguardente,
para seu bicho matar,
o que o fazia andar,
quando já velho e doente,
por vezes, a balouçar,
como se andasse no mar.

Por seus actos d'heroísmo,
recebeu muitas medalhas
e mais outros galardões;
mas foi com grande altruísmo,
sem pensar em virtualhas
ou em condecorações,
que este famoso gigante,
em várias ocasiões,
salvou o seu semelhante.

Quando chegava o Inverno
e o mar, aqui, era inferno,
juntamente com os mais,
ia p'ra Lisboa, a pé,
para pescar em Cascais
ou na Costa da Galé
e, em tempo favorável,
entrando pelo Tejo dentro,
fazia a safra do sável.

Foi aí que o Patrão Lopes,
sabendo-o bom nadador,
em palavras, bem sentidas,
lhe foi pedir o favor
d'embarcar no salva-vidas,
p'ra socorrer um navio
que naufragou no Bugio.

Ele correu, sem tardança,
e salvaram toda a gente,
que já perdia a esp'rança.

Um dia, na Capital,
foi ao Palácio Real
solicitar a pensão
a que ele tinha direito
pela sua abnegação;
mas, foi tal a confusão
por não conhecer a lei
que ali devia seguir,
que ficou quase a cair,
com uma grande aflição.

Sentindo um garrote, então,
a apertar-lhe o gasganete
que o deixou engasgado,
para não cuspir no chão,
cuspiu dentro do barrete
e ficou aliviado.

E depois, disse admirado:
Andando sempre no mar,
nunca fiquei enjoado
como nesta ocasião
em que o Rei, muito aprumado,
me estendeu a sua mão
e me disse, com agrado,
que me ia dar a pensão.

Com uma forte emoção,
disse-lhe: muito obrigado!
Nessa tão boa maré,
e já muito atrapalhado
por me ver ali à toa,
em vez d'ir de cia a ré
saí p'rà rua de proa.
Mas o Homem Poderoso
perdoou os erros meus
e, como era generoso,
com o seu olhar bondoso
veio-me dizer adeus.

Ao fitar os olhos seus
ergui meus olhos aos céus
p'ra agradecer o favor
de ver meu Rei e Senhor,
na rua, a dizer adeus
a um pobre pescador.

E, já cheio de pudor
em frente dos que me viam,
tendo a minh'alma apertada,
senti a cara molhada,
pois dos meus olhos corriam
gotinhas d'água salgada.

Mas, depois da debandada,
já safo daquele mar
que não esqueço jamais,
pus-me logo a magicar,
não sei se bem, ou se mal,
que tínhamos Grande Arrais
neste nosso Portugal.»

Curvo-me respeitosamente diante deste e de tantos lobos do mar que na sua humildade e no seu silêncio foram capazes de nos indicar caminhos de Vida.


Manuel

mais sobre mim
Março 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

24

27
28


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds