de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 20 Março , 2007, 20:36

A Exaltação do Amor

Embora exista e deva ser exercido o direito à indignação, nem sempre é a melhor resposta a afirmações que, não sendo mentira, ocultam o essencial da verdade. Claro que me refiro a um conjunto de notícias e reportagens surgidas entre nós sobre a Exortação Apostólica "Sacramentum Caritatis". Extraída das propostas essenciais do último Sínodo dos Bispos, ganha um voo exaltante na integração teológica, litúrgica e pastoral que Bento XVI imprime à Eucaristia como o maior dos dons concedidos à Igreja.
Não apresenta qualquer nova rubrica. Há, isso sim, uma reafirmação vigorosa da incomensurável dignidade do mistério Eucarístico em todas as suas vertentes. E as "exortações" concretas aos intervenientes na acção litúrgica, não são mais que breves afinações no concerto sublime de louvor que constitui cada celebração Eucarística. Reduzir este documento à questão do celibato, do latim e do gregoriano, é distorcer por inteiro a missão de Pedro que, com os Doze, vai à frente do rebanho apontando luminosamente o caminho traçado pelo Mestre.
A teologia e a pastoral encarnadas têm direito e dever de estudar e repropor novos olhares no campo da liturgia, da arte, da participação, da cultura, das sensibilidades dos intervenientes nos diferentes escalões etários e nas aproximações ou distanciamentos no itinerário da fé. Assim, também se torna importante um olhar crítico, iluminado pelo Espírito, para se caminhar ao ritmo de Deus e do homem. E, felizmente, na Igreja esse debate existe, não apenas a nível de laboratório teológico mas também de cristãos que na sua fidelidade ao Evangelho rompem novos caminhos sugeridos pelo Espírito que habita a Igreja e os novos dinamismos do mundo. Mas tudo isso é diferente duma limitação, primária e obtusa, dum instrumento pastoral, a um ressequido legalismo litúrgico. A melhor resposta que os cristãos podem dar a (esta) avalanche de banalidades, é ler o documento. Não é longo. É simples, claro, directo. Mas que se não perca o seu espírito. E a sua referência à beleza - uma nota recortada dum bispo português que participou activamente no Sínodo. Reduzir este documento a rubricas é ler um poema como se fosse uma fria peça jurídica. E estamos perante a exaltação do grande Sacramento do Amor.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 20 Março , 2007, 20:28
Mais de mil milhões de católicos de todo o mundo
estão a ser convidados a apoiar
a campanha global contra a pobreza


“FAÇA A AJUDA FUNCIONAR.
O MUNDO NÃO PODE ESPERAR”


A Cáritas Internacional e a Cooperação Internacional pelo Desenvolvimento e Solidariedade querem pressionar os países ricos para que cumpram as suas promessas de erradicar a pobreza. Trata-se de promessas feitas pelos líderes do G8, em 2005, numa reunião que decorreu nos Estados Unidos e que vão no sentido de mais ajuda ao desenvolvimento e ao cancelamento da dívida dos países pobres. Esta campanha mundial chama-se “Faça a ajuda funcionar. O mundo não pode esperar”.
A Cáritas Portuguesa respondeu ao apelo e criou um “site” com informação sobre a campanha e a forma de pressão que entendem que deve ser feita. “Propõe que se escrevam pequenos cartões com frases que indiquem, no fundo, um compromisso, um desafio para os nossos tempos face ao tema. Há também desenhos que poderemos escolher dentro de um pequeno portfólio. Depois há outras iniciativas que são propostas mais de nível local: sensibilização das populações locais”, explica Isabel Monteiro, a presidente em exercício desta organização católica.
:
Fonte: RR

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 20 Março , 2007, 17:17


De Aveiro
para o mundo,
nos 400 anos de Vieira
::


1. No passado dia 17 de Março, partiu (transitando da Ria de Aveiro para o Mar, na Praia da Barra) o Veleiro que percorrerá os mares respirados, vividos e sonhados pelo arauto “em português” do século 17, o Padre António Vieira. O contexto desta assinalável partida para todas as viagens com futuro, são os 400 anos de nascimento de António Vieira. Tal efeméride, numa vasta parceria, rasgadora de horizontes novos, mesmo ao jeito de Vieira, pretenderá criar pontes entre todos os mares do pensamento e cultura com a finalidade de mais e melhor ser despertada a nossa própria “identidade e cidadania”, esta precisamente a temática envolvente de todo este projecto transversal.
António Vieira, incontornável personalidade intercultural da história da Europa, de Portugal e do Brasil (presente na história dos livros que se abrem ao fascínio das boas novidades), nasceu a 6 de Fevereiro de 1608, em Lisboa. Este é o motivo feliz gerador de pontes numa pluralidade aberta que sabe promover encontro criativo de culturas, de modos de fazer, ser e pensar. É neste mesmo ambiente de novas navegações que o veleiro CHIC (Cruzeiro Histórico Identidade e Cidadania) irá percorrer os caminhos marítimos que o humanista precursor dos direitos humanos viveu no seu (e nosso) problemático tempo do século 17.
2. O horizonte universalista da iniciativa, para além do veleiro agora a caminho de Cabo Verde e do Brasil, é de envolvências amplas, ilimitadas mesmo, quase como que querendo assumir a identidade e cidadania de Vieira, que se projecta no infinito do tempo que abre, pelo surpreendente, todas as portas a novas possibilidades. Se na sua época de primeira globalização Vieira, “imperador da língua portuguesa” (no dizer de Pessoa), “ergueu” a ‘lusofonia’ e percorreu os lugares determinantes da Europa em convulsão, não haverá melhor forma de o relembrar, nos seus 400 anos de nascimento, que reavivar e atravessar todos os mares, indo aos “lugares” essenciais “em português” para reinterpretar tudo, os tempos e os modos desta globalização.
Surge este horizonte, essencialmente aberto e culturalmente plural, no âmbito do projecto de investigação ICIPAV 2008 (Identidade e Cidadania: Padre António Vieira 2008) da Universidade de Aveiro. Será com “chama” visionária, pelo reinterpretar das viagens - das utopias às realidades - desse e do nosso tempo, que está garantida a certeza de chegar a bom porto, sendo este, em última instância, uma dignidade humana festejada em “feira universal”.
3. Mais que qualquer “camisola” que António Vieira tenha vestido o essencial, hoje, será o apreciar os frutos da sua árvore. Vieira, tal como os “grandes” (que sempre são pequenos) de todos os tempos, dá tudo de si aos outros. Será esta a chave de leitura pretendida desta homenagem em que a dádiva de Vieira será o pretexto para nos reencontrarmos, hoje, na nossa identidade plural em cidadania planetária. Mesmo para o Portugal que tem “medo de existir”, e talvez mais ainda nesta menoridade de vazios, será importante o reaprender das brilhantes viagens interculturais que nos precederam para nos deixarmos agarrar e engrandecer interiormente; neste processo Vieira é personalidade incontornável.
Interessando a sua vida muito acima dos reconhecimentos formais, todavia valerá a pena dizer-se, quando do terceiro centenário da morte de Vieira (18 de Julho de 1997), que a Assembleia da República proclamou o Padre António Vieira como “um dos maiores representantes da identidade nacional” [Lopes, António (1999). Vieira o encoberto – 74 anos de evolução da sua utopia. Cascais: Principia], no seu papel fundamental na consolidação da restauração da independência de 1640 e no panorama sócio-cultural.
4. No mundo actual, é rica de oportunidade e refrescante de imaginação (que António Damásio diz rarear em tempos de quase-exclusividade da razão tecnológica) a iniciativa que cruzará mares em língua portuguesa; “em língua portuguesa”, tal como também Agostinho da Silva desejaria (nos cem anos de seu nascimento que celebrámos).
Hoje, que lições tirar da vida de António Vieira, das suas causas humaníssimas de cidadão do mundo? Que lugar actual para os seus sonhos, as suas utopias? Que tempo, hoje, para as nossas expectativas, as esperanças renovadas, em último grau, a utopia? É bem significativo que segundo o Thomas More (1478-1535), teria sido um navegador português quem, nos princípios do século XVI, lhe teria relatado o modo de viver, tão racional e humano, dos habitantes de umas ilhas por onde teria passado, a que chamou “Utopia”. Seria essa descrição do navegador português que Thomas More nos transmitiria na sua tão célebre obra, Utopia (publicada em 1516). Quem dera que despertássemos, cada minuto de cada dia e sempre mais, esse dinâmico e visionário Rafael Hytlodeu que habita o nosso sangue (Hytlodeu, esse cidadão do mundo que More concebeu como tendo nascido em Portugal).
5. Não haverá melhor forma de prestar tributo que começar por navegar os seus mares neste século XXI. Iremos acompanhando a frescura das águas atlânticas (que “falam” português) no veleiro “de” António Vieira. Para “seguir” viagem:
http://www.ua.pt/vieira2008

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 20 Março , 2007, 10:47

"AVEIRO CIDADE JARDIM
- JANELAS E VARANDAS
FLORIDAS"


Para incentivar a descoberta e o gos-to pelos espaços verdes da cidade, tirando partido dos jardins, públicos ou privados, proporcionando, desse modo, novas vivências e formas de estar, o civismo, a consciência ambiental e o contacto com a natureza, a Câmara Municipal de Aveiro lança o concurso "Aveiro Cidade Jardim - Janelas e Varandas Floridas".
Assim, e com a finalidade de embelezar as janelas e varandas no perímetro urbano da cidade, o concurso “Aveiro Cidade Jardim – Janelas e Varandas Floridas” destina-se a todos os moradores, pessoas que possuam residência dentro do perímetro urbano, a título individual ou colectivo, e todas as entidades públicas ou privadas que possuam ou ocupem imóveis na referida área.
:

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 20 Março , 2007, 10:32
"É fundamental que a poesia tenha cidadania"




HOMENAGEM AO POETA
JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA


A vida e obra de José Tolentino Mendonça acabam de ser reconhecidas publicamente pela Câmara Municipal de Santo Tirso. Em cerimónia que decorreu no dia 17 de Março, no salão nobre dos Paços do Concelho, o padre e poeta foi alvo de homenagem no âmbito da iniciativa camarária "Fé na Poesia".
O edil Castro Fernandes foi o primeiro a usar da palavra para referir que o objectivo da iniciativa "a Poesia está na rua" era a de "retirar a poesia dos lugares comuns, fazendo-a escutar com audácia no maior número de locais e espaços públicos do concelho". Este responsável considerou uma honra homenagear pela quarta vez um distinto poeta português, depois de em 2004, 2005 e 2006 o ter feito, respectivamente, com António Ramos Rosa, Cruzeiro Seixas e Manuel António Pina.
Sobre a iniciativa "A fé na poesia", o autarca referiu que em Santo Tirso "se continua a sentir no ar a presença de poetas, independentemente, de seis deles terem aceite o convite de entrar pelo arco do convento para experimentarem no mais fundo recolhimento o húmido silêncio espiritual".
Emocionado, o Padre Tolentino de Mendonça agradeceu a cerimónia, enaltecendo a grandiosidade desta iniciativa de a "Semana da Poesia", este ano dedicada à "Fé na Poesia" e referindo ser "muito importante que num espaço como Santo Tirso, a poesia tenha lugar". "É fundamental que a poesia tenha cidadania", sublinhou, afirmando que "esta iniciativa de colocar poetas em retiro é de extrema importância.
O poeta continuou as congratulações à autarquia pela iniciativa, defendendo sempre que a "poesia é uma grande iniciação à vida do espírito" e "prepara-nos para o silêncio das nossas vidas". A comprovar todo o discurso de José Tolentino Mendonça, no final da cerimónia, Ivo Machado, um dos poetas em retiro conventual, e comovido com as palavras do homenageado, confessou que não escrevia há cerca de um mês e agora, em clausura conventual, "difícil é não largar o lápis"."Não sei dizer mais .nem acerca de poesia, nem acerca de fé", afirmou o poeta, finalizando assim a cerimónia.
Nascido em 1965, em Machico, na Madeira, José Tolentino Mendonça iniciou os seus estudos de Teologia em 1982 e foi ordenado sacerdote em Julho de 1990, após o que foi para Roma para frequentar o mestrado em Ciências Bíblicas, tendo-se doutorado em Teologia Biblíca pela Pontifícia Universidade Gregoriana (Roma). É, actualmente, director da revista de teologia Didaskalia, editada pela Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa de Lisboa, onde é professor auxiliar.
A sua poesia é considerada unanimemente como uma das mais rigorosas e originais da moderna poesia portuguesa. Como ensaísta, publicou textos sobre Ruy Belo, Teixeira de Pascoaes e Eugénio de Andrade. É biblista, tendo realizado estudos como "O Outro Que Me Torna Justo" e "Métodos de Leitura da Bíblia". Traduziu do hebraico o "Cântico dos Cânticos" e o "Livro de Ruth".Além dos seus sete livros de poesia, entre os quais "A Noite abre os meus olhos" (2006) - uma antologia da sua obra poética - é autor de uma peça de teatro, dois ensaios sobre Teologia e diversos artigos em revistas científicas desta matéria.
:
Fonte: Ecclesia

mais sobre mim
Março 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

24

27
28


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds