de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 13 Março , 2007, 22:42

Reformar:
determinação mas com participação



1. Refomar, criar nova forma, novo dinamismo, é sempre um “acto” que envolve fronteiras e realidades de ténue sensibilidade. De pouco interessa reformar à força; de nada valerá o reformar por reformar só porque está na moda ou os números económicos assim o aconselham. Reformar implicará um misto de transformações evolventes e colectivas de mentalidade, de cultura, de modos de estar, sentir, fazer. Reformar, palavra sempre tão proclamada e pouco assumida como ideal comunitário, implicará uma visão de envolvente ampla para todo o investimento reformista não cair em “saco roto”, mesmo para quando das naturais e saudáveis mudanças governamentais não se voltar à “estaca zero”. É que tudo passa, e o que fica será aquilo que – com capacidade de abertura à totalidade - se “fez” com os outros.
2. No mobilizar para a Reforma concreta de áreas fundamentais de um país, é certo, não se poderá atingir (nem será saudável mesmo) o ideal da absoluta sintonia de pensamentos, não se poderá dialogar infinitamente sem a coragem da decisão. Mas também, reformar sem ouvir, sem incluir, sem falar, sem dialogar, reformar sem estimular a participação (eixo essencial da democracia) será sinal de défice, afinal, de falta de ligação explícita àqueles que elegeram os representantes soberanos. Reformar, fronteira sempre exigente e difícil, terá de significar envolver, abarcar todas as pontes possíveis, capacidade de incluir (no mais e melhor) “todos” os pontos de vista. Só na base do espírito comunitário, de participação envolvente e compreensível, a reforma dará os seus efeitos pretendidos a médio e longo prazo.
3. Neste sentido, hoje, em democracia, não será possível reformar sem o povo. Pretender mudar o rumo da história sem nesse rumo estimular e envolver aqueles a quem a renovação se dirige será sinal de automática precaridade da própria reforma, esta que de vistas tão curtas pode não ultrapassar as fronteiras de um grupo ou de uma ideia. Reformar sem mais participação dos destinatários no erguer da própria reforma desagrega, ainda mais, a sociedade, faltando a noção clara de um “ideal comunitário” compreendido, explícito, que sirva as pessoas concretas nas suas cidades, freguesias, instituições, ruas. Também, a esta realidade, junte-se a verdade objectiva de que não há reforma, mudança, que agrade a todos; mas no fim de tudo, todos terão de compreender – a todos deve ser explicado – o rumo que se pretende, pois só assim dos sacrifícios se vislumbrará o procurado futuro melhor.
4. No nosso país, (mentalmente) carente de lideranças e afirmações (por vezes quaisquer que elas sejam), vivemos tempos de reformas apressadas. Tal a sede colectiva de uma “salvação” que nos tire do fundo da “tabela europeia”. Esta “reformofobia”, entre o mérito da determinação mas o limite da participação, de tão apressada no procurar recuperar o terreno perdido, poderá correr o risco de ficar na rama pois não assumida e interiorizada convenientemente pelos cidadãos, e pela incapacidade de integrar de forma estimulante as diversidades de pensamento. Reformar a sério nunca será acto isolado, reformar requererá o esforço máximo do dialogado “consenso” como “escola” de serviço e paradigma de referência para os cidadãos na vida de todos os dias; este ideal que será tão diferente da inflexibilidade, da visão única, do diálogo de surdos ou mesmo do não “não falar”, deitando a perder as proximidades necessárias de uns com os outros em democracia.
5. O povo diz que “depressa e bem há pouco quem”. (A nós é-nos pedido depressa e bem!) Não chega, assim, o dizer-se “que” vamos reformar, importará bem mais o “como” vamos fazê-lo. É impossível haver fruto sério e com futuro de qualquer reforma sem apostas claras nos três eixos essenciais de um país democrático: a Educação, a Saúde, a Justiça; melhor, uma educação transversal para a saúde e a justiça que assim se iluminam interiormente para o ideal do bem-comum. Se a educação será, no fundo, a mãe de todas as novas mentalidades pretendidas, ela terá de ser a base de todas as reformas. Como vão e que pretendem as reformas nestas três áreas fundamentais do país (educação, saúde, justiça)? Como “jogam” umas com as outras? Como os diferentes actores e as diferentes visões as lêem em coabitação e sinergia para “puxar” o país? (Uma coisa será certa, os euros não poderão condicionar estes eixos…)
6. Perguntar será, estrategicamente, sentir que tudo pode ser sempre melhor; não haverá reforma com futuro se todos os agentes não estiverem envolvidos na participação. Perguntar, afinal, será participar. É que poderão existir “determinações” à força, ainda sem a capacidade e lastro para integrar todos os actores que estão em jogo. Talvez seja oportuno lembrar que antes das reformas já havia país (pessoas e serviços), e só com o seu respeito e “participação” as reformas darão frutos. Só a participação será a base para a mudança de mentalidade que qualquer reforma pretende. Tem sido louvável este esforço em muitas áreas; mas, falta imenso… Mesmo que a reforma em estruturação e/ou andamento não o preveja ou não o pretenda, vamos participar mais!...

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 13 Março , 2007, 18:42
Meio século depois da aprovação do Tratado de Roma, João César das Neves olha para o percurso europeu




50 anos da Europa

Meio século depois da aprovação do Tratado de Roma, vivem-se momento de balanço e avaliação nos corredores europeus. Também por cá se pretende ajuizar se a nossa adesão foi boa ou má, se o Pacto de Estabilidade nos estrangula ou nos protege.
A União Europeia começou como Comunidade Económica Europeia ou, até antes, com o carvão e o aço. Não faltam os que criticam este pecado económico original, achando que se deveria ter lançado em temas mais elevados.
De facto, tratou-se de uma intuição genial dos "pais da Europa". Eles entenderam que a única forma de conseguir uma aproximação entre povos tradicionalmente inimigos, e que se tinha acabado de destruir mutuamente na pior guerra da história, era começar pelos mercados. Todas as outras dimensões, políticas, diplomáticas, culturais, religiosas, artísticas, climáticas, sociais, os dividiam. A única coisa que os podia aproximar era a possibilidade de cooperarem na abertura e desenvolvimento dos seus mercados.
Temos de dizer que essa opção foi um grande sucesso. Passados cinquenta anos, não só os países europeus estão reconstruídos e prósperos, mas todos seus vizinhos querem aderir à comunidade e todas as zonas do mundo pretendem copiar este modelo. É verdade que nenhuma outra até hoje o conseguiu, e a União Europeia constitui o único caso da história mundial em que países independentes partilham voluntariamente soberania para benefício mútuo.
:
Leia mais em ECCLESIA

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 13 Março , 2007, 15:45

ESCOLA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
RODOVIÁRIA CELEBRA ANIVERSÁRIO

A Câmara Municipal de Ílhavo vai comemorar, no próximo dia 18 de Março (Domingo), o 3º Aniversário da Escola Municipal de Educação Rodoviária (EMER), abrindo a mesma ao público, durante todo o dia.
A EMER está localizada junto à Piscina Municipal da Gafanha da Nazaré e foi inaugurada no dia 18 de Março de 2004, sendo o corolário de uma aposta, partilhada em protocolo entre a Câmara Municipal de Ílhavo, o Governo Civil de Aveiro e a Direcção Geral de Viação. Trata-se de um importante instrumento de formação e sensibilização da população para a boa utilização da via pública.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 13 Março , 2007, 15:36

RETIRO DA QUARESMA

Não há dúvida que o excesso de proximidade dos factos tira a visão clara das coisas. O coração sempre se interpõe e cobre-se de poeiras que desfocam o real e sobrevalorizam o acessório no conjunto da construção de qualquer história. Também sabemos que, sem o coração, pouco se vislumbra da complexidade da vida e até das grandes razões e objectivos da existência. Quando nos afastamos, ainda que por pouco, do país, da aldeia, do círculo habitual de amigos e companheiros, e nos retiramos do real, parece que tudo ganha uma nova perspectiva e a casa da vida aconchega melhor as peças e articula mais ordenadamente as sequências fundamentais de qualquer facto. Mas que não seja muita a distância num excessivamente longo o tempo. O desafecto também estraga a luminosidade dos raios que nos entrelaçam com os acontecimentos e pessoas que mais proximamente fazem história connosco.
Quando Deus diz a Moisés ”eu sou Aquele que sou” abre essa dimensão infinita de tempo e espaço que ultrapassa todas as medidas estreitas e até mesquinhas com que nos medimos. O tempo é nada, o rio da história é uma insignificância comparado com o grande oceano de Deus. Metade do que pensamos, dizemos e fazemos é para deitar fora, deixar no lodo das margens, porque a água prossegue na sua limpidez e pressa para o grande oceano.
Mas logo a seguir Deus descreve a grande viagem do Egipto para a Terra prometida. Aí não há um minuto a perder, nem um grão de areia, nem uma gota de água a desperdiçar. Todos os passos são preciosos, todo o esforço é anotado, todas as migalhas essenciais à grande viagem. Longe e próximo são um só. Vontade e inteligência, um só. Um povo dividido nos seus desalentos, é um só, e não pode esbanjar um átomo do sonho e do cansaço.
Não estamos perante a poetização de Deus. Esta é a nossa história feita das insignificâncias na vida política, social, cultural, familiar, colectiva e privada. E neste todo se tece o nosso percurso de infinito com sentido pleno no caminho estreito que trilhamos. Mas que vai mais longe que a soma dos nossos passos ou os anseios do nosso coração. Foi Deus que nos ensinou a fazer história.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 13 Março , 2007, 12:49
Exortação Apostólica de Bento XVI aborda celibato sacerdotal e matrimónio religioso como caminhos para essência da vida cristã




“SACRAMENTUM CARITATIS”


Um documento “com um futuro promissor”, porque “propõe a essência da vida cristã, que surge da santidade e da missão para todos os tempos, inclusivamente o momento actual”, assim descreveu Mons. Nicola Eterovic, secretário geral do Sínodo dos Bispos a Exortação Apostólica “Sacramentum caritatis” - Sacramento do Amor, apresentado esta manhã no Vaticano.
“Apresentando de um modo acessível ao homem contemporâneo a grande verdade da fé eucarística”, o documento papal “exorta a um renovado empenho na construção de um mundo mais justo e pacífico em que o Pão partilhado se torne, para a vida de todos, causa exemplar na luta contra a fome e contra qualquer espécie de pobreza”, que “degrada a dignidade do homem criado à imagem de Deus”.
A nova exortação apostólica, dá continuidade aos “grandes documentos sobre o sublime sacramento da Eucaristia”, e aos textos de João Paulo II. “Propõe de um modo actual algumas verdades essenciais da doutrina eucarística, exortando a uma decente celebração do santo rito” e “recorda a necessidade urgente de desenvolver uma vida eucarística na vida de todos os dias”.
Por sua vez, o Cardeal Angelo Scola, patriarca de Veneza, também presente na apresentação da Exortação Apostólica, afirmou que através da “Sacramentum caritatis”, o Papa confirma “o rito latino da obrigatoriedade do celibato sacerdotal como riqueza inestimável para toda a comunidade eclesial”, e confirma também a indissolubilidade do sacerdócio ministerial para a celebração da Missa, que não deve ser mais confundida com outras celebrações na ausência do presbítero”.
Acolhendo o que foi proposto no último Sínodo dos Bispos, o Papa “reafirma e aprofunda a relação entre sacerdotes ordenados e celibato, rejeitando qualquer justificação do celibato com bases puramente funcionais”. Quanto à “reorganização numérica do clero, que já acontece em alguns continentes”, para Bento XVI, observou Scola, “deve ser enfrentado acima de tudo com um testemunho da beleza da vida sacerdotal e também com uma cuidada formação vocacional, mediante uma proposta precisa de vida espiritual e um rigoroso discernimento que verifique a autenticidade da motivação vocacional”.
“Sacramentum caritatis” é um documento que contem “um forte encorajamento e mostra a relação da Igreja a toda a família fundada no sacramento do matrimónio, protagonista da educação cristã dos filhos”, apontou o Cardeal Angelo Scola.
Bento XVI elege o tema da unidade do matrimónio cristão, fazendo referência à questão da poligamia e à indissolubilidade do vinculo conjugal”, mas também fornece importantes sugestões pastorais para uma “situação dolorosa” em que se encontram esposos divorciados, a quem a exortação sugere “nove novas modalidades de participação na vida da comunidade cristã dos fieis que, sem receber a Comunhão, podem adoptar um estilo de vida cristã”.
Ao Tribunal Eclesiástico, disse Scola, o Papa pede “que quando surgirem dúvidas legítimas, verifiquem em tempo razoável a eventual nulidade do matrimónio” enquanto que aqueles que tenham celebrado de forma válida o matrimónio, por condições objectivas, não possam escolher uma nova relação”, propondo transformar “a sua relação numa amizade fraterna”.
:
Fonte: ECCLESIA

mais sobre mim
Março 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

24

27
28


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds