de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 31 Março , 2007, 11:39

Muito perto dos 100 anos,
Manoel de Oliveira continua a filmar


Manoel de Oliveira, o mais velho realizador do mundo, em plena actividade, recebeu do Estado, da RTP e das empresas cinematográficas Lusomundo e Tóbis um subsídio, da ordem dos 700 mil euros, para mais dois filmes. Com quase um século de vida, a completar no próximo ano, mostra que, afinal, é ainda um jovem, que sabe aproveitar o tempo que Deus lhe deu para viver.
Na assinatura do protocolo, a ministra da cultura, Isabel Pires de Lima, sublinhou que esta era "a melhor forma para lançar as comemorações do próximo ano do centenário de Manoel de Oliveira, que está com grande vitalidade e grande actividade profissional e artística".
O mais velho realizador do mundo não é, afinal, um realizador velho, mas é, seguramente, um ser humano único, um mestre autêntico da juventude plena e responsável, que não abdica de viver, ensinando toda a gente que parar é morrer.
Na cerimónia de assinatura do protocolo, o cineasta confessou-se um homem feliz, mas acrescentou "não querer sobrepor-se aos outros". Disse que não há "uns realizadores melhores que outros" porque “todos somos grandes", anotou, sendo ele "apenas o mais velho realizador do mundo".
"Sinto-me feliz - acrescentou - porque o cinema é o mais importante para mim e nada mais me importa que realizar os meus projectos e encontrar pessoas que me auxiliem".
Os velhos são livros abertos que nos ensinam permanentemente, sobretudo se forem pessoas com amor à vida e à humanidade. Se forem artistas, cientistas ou santos, muito mais terão para nos dar. Só é preciso estarmos atentos ao que dizem e fazem. E seguir os seus bons exemplos.,

F.M.

Editado por Fernando Martins | Sábado, 31 Março , 2007, 11:10

DIVORCIADOS RECASADOS

O tema dos divorciados recasados foi tratado de modo específico na Exortação Apostólica "A Família Cristã" (FC), que João Paulo II nos deu na sequência do Sínodo dos Bispos sobre a família (1980). A Igreja manteve-se sempre fiel às orientações então dadas, reagindo serenamente às pressões contínuas, vindas de diversos quadrantes da sociedade e, até, de um ou outro sector da Igreja. Nas críticas feitas tudo se reduz, praticamente, ao problema da passagem a um novo casamento canónico dos divorciados e à sua possibilidade de comungar o Corpo do Senhor. Como, na Exortação Apostólica de Bento XVI "Sacramento da Caridade" sobre a Eucaristia, voltaram a não ser contempladas as possibilidades referidas, sobejam as críticas ao Papa e os ataques à Igreja, por "marginalizarem", assim se diz, os membros da comunidade cristã que se encontram numa tal situação matrimonial.
Nesta Exortação, agora publicada e que recolhe a reflexão do último Sínodo dos Bispos sobre a Eucaristia, Bento XVI insiste (n.29) na necessidade de uma acção pastoral adequada em relação aos divorciados recasados, dado que continuam a pertencer à Igreja, afirmando tratar-se de "um problema pastoral espinhoso e complexo, que vai corroendo progressivamente os ambientes católicos". Recomenda, em seguida, um cuidadoso discernimento das diversas situações, a fim de que os divorciados recasados possam ser ajudados eficazmente.
Mantém-se a não permissão de outro casamento canónico, por exigência da indissolubilidade do primeiro matrimónio, e da não admissão aos sacramentos, porque o "seu estado e condição e vida", uma vez que são baptizados, "contradizem objectivamente aquela união de amor entre Cristo e a Igreja que é significada e realizada na Eucaristia". Porém, afirma o Papa, continuam a pertencer à Igreja, que tem o dever de os acompanhar com solicitude, "na esperança de que cultivem, quanto possível, um estilo cristão de vida". Têm para isso ao seu alcance "a participação na Santa Missa, mesmo sem comunhão eucarística, a escuta da Palavra de Deus, a adoração eucarística, a oração, a cooperação na vida comunitária, o diálogo franco com um sacerdote ou um mestre na vida espiritual, a dedicação ao serviço da caridade, as obras de penitência, a educação cristã dos filhos".
:
Leia mais em Ecclesia


Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 30 Março , 2007, 09:57
Festa no CUFC. Foto do meu arquivo


VINTE ANOS DE FÉ E CULTURA



1. Parece que foi ontem, mas já são duas intensas décadas de vida e esperança que o Centro Universitário Fé e Cultura transporta na sua breve mas significativa história. O CUFC, no seu desígnio de uma Cultura (humilde e por isso mais nobre) que se deixe iluminar pela Fé, está onde estão os que, ao longo destes vinte anos, foram e vão passando, estando, debatendo e formando, crescendo em grupos e movimentos e celebrando a fé cristã no mundo plural.Nesta ordem de ideias, o espírito do CUFC está presente em Cabo Verde, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné, Timor, Brasil, onde a língua portuguesa e a cooperação entre instituições proporciona o acolhimento em Aveiro de jovens vindos destes países da CPLP.São diversas as mensagens de parabéns que nos chegam de alguns destes países, de jovens universitários que sentiram esta casa como sua e agora estão em seus países na vida profissional a lutar por um futuro melhor. De norte a sul, do litoral ao interior de Portugal, dos programas de mobilidade académica de universidades europeias (Erasmus), e de outros programas que trazem até nós estudantes da Ásia ou das Américas, nem que tenha sido numa simples Ceia de Natal (a 24 de Dezembro, em co-organização com os Serviços de Acção Social da UA, com cerca de oitenta/noventa estudantes de todo o mundo), o calor humano e o aconchego proporcionado é lembrado como sinal de esperança numa humanidade nova, fazendo do Centro uma plataforma contínua de “vai e vem”, de enriquecimento entre todos. Lembramo-nos de há três ou quatro anos termos pedido a estudantes de Línguas e Relações Empresariais da UA (que estudam chinês), que nos escrevessem em chinês “Feliz Natal”, a par de outras línguas com a mesma mensagem. Quanta emoção, até às lágrimas (do grupo de estudantes chineses), nestas duas simples palavras, para quem está a milhares de quilómetros de casa!
:
Texto de Alexandre Cruz
:
Para ler mais, clique aqui

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 30 Março , 2007, 09:52


IRONIAS DA HISTÓRIA

A história do passado e a que vier a construir-se no futuro não se altera nem determina, rasgando páginas, exorcizando alguns dos seus figurantes, nem, muito menos, predeterminando o seu rumo por força de grupos e ideologias de pressão.
Há que prestar atenção a como se reage a factos vividos, pelo que isso contém de elementos que ajudam a pensar, a decidir e a perceber as ironias da história.
Noticiaram os jornais que um cidadão iraquiano de nome e dos mais influentes na queda de Sadam Hussein, desabafava agora perante a anarquia do seu país, que mais desejava voltar a viver no tempo do ditador…
No muito discutível jogo televisivo sobre o português mais importante da história pátria, a votação em Salazar é impressionante, não obstante a memória colectiva ter ainda marcas salientes, que, em muitos aspectos, não o favorecem por aí além.
Temos, ante os olhos, um facto nacional merecedor de atenção. Trazem-no, as sondagens referentes ao estado da governação. Por um lado, críticas fortes a ministros que, com as suas decisões, tocam em aspectos fundamentais da vida das pessoas, vendo, por isso a sua cotação baixar na opinião pública. Por outro, o chefe do governo, que é o mais responsável das decisões políticas criticadas, vai subindo nas sondagens. Ou o povo não tem critérios, ou é ignorante dos mecanismos governamentais, ou as sondagens são prefabricadas e, por isso mesmo, poucos fiáveis.
Ainda outro caso. As escolas particulares, também elas ensino público, são, frequentemente, denegridas, sobretudo por alguns sindicatos de professores, não obstante os resultados positivos que apresentam, tanto no aproveitamento escolar, como no processo educativo global. Vemos agora, sem que ninguém lhes encomendasse o recado, gente que pensa apontando este modelo, em aspectos concretos, para ajudar a ultrapassar a crise de muitas escolas estatais e a política que as sustenta…
É assim. Vivemos num mundo de contradições, desilusões e emoções.
Analistas lúcidos e cultos vão abrindo caminho à leitura destas ironias. Outros que lêem e interpretam apenas a partir das suas opções ideológicas e dos seus projectos pessoais multiplicam as sombras e desencadeiam tensões, inúteis e evitáveis. O que se passou em Santa Comba Dão, com grupos radicais e, no mesmo sentido, com o manifesto dos eruditos, vai mostrando que há gente que prefere mais conviver com fantasmas do que reflectir a realidade e as suas causas.
A história é mestra, mas não se repete, nem sequer com semelhanças, se os seus protagonistas forem lúcidos e interiormente livres.
O povo tem uma cultura própria, que não se traduz sempre por ignorância ou má fé. Também é capaz de gestos de denúncia, protestos de injustiça, clamor pelos seus direitos, e dizer, com coragem, que nem tudo o que dizem os políticos é verdade.
Os governantes menos capazes a todos os níveis usam, por vezes, com o povo, a pedagogia do rebuçado, como se faz com as crianças, e da promessa fácil, julgando que o povo não tem memória.
É urgente parar para pensar com dados seguros, para que os raciocínios levem a conclusões acertadas e a compromissos irrevogáveis. Não valem decisões unilaterais, nem encobrimento de dados. Problemas mal resolvidos afectam-nos a todos e, muito especialmente, aos mais pobres, mais débeis e inseguros. Neste momento estes são multidão, com mais dúvidas e preocupações, que certezas e direitos reconhecidos.
A história, com as suas ironias, mesmo registando as boas decisões e êxitos, não cala as contradições, arbitrariedades e omissões, mormente se afectam a evolução correcta do exercício da cidadania e as exigências da convivência democrática.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 29 Março , 2007, 10:06

Equipa europeia avalia UA



Uma equipa de avaliadores da EUA – Associação das Universidades Europeias, esteve durante a passada semana na Universidade de Aveiro (UA), para proceder à primeira fase do processo de avaliação da UA. Dentro de cerca de dois meses, haverá uma segunda visita de avaliação, após o que se seguirá a apresentação do relatório final da avaliação externa da responsabilidade desta equipa internacional.
A avaliação visa contribuir para a melhoria da qualidade da acção da UA, reforçando, ao mesmo tempo, a capacidade de planeamento estratégico. O processo implicou já a elaboração de um relatório de auto-avaliação, que contou com o envolvimento de diversos intervenientes da comunidade universitária (docentes, discentes e funcionários não docentes) e outros interlocutores externos (onde se destacam antigos alunos).
Nesta primeira visita, a equipa de avaliação teve contactos directos com o meio académico e sua contextualização, tendo reunido com a equipa reitoral, com a comissão responsável pelo relatório de auto-avaliação, com professores e alunos, com parceiros externos (empresários, autarcas e outros). A equipa visitou ainda diversos Departamentos da Universidade de Aveiro, incluindo a Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda e o Laboratório Associado CICECO. A equipa de avaliação foi constituída por investigadores e antigos reitores de grandes universidades europeias.
:
Fonte: CV

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 29 Março , 2007, 09:51

200 anos da Barra de Aveiro


No dia 3 de Abril, com a conferência ibérica subordinada ao tema “Qualidade global dos portos”, têm início as comemorações do bicentenário da abertura da Barra de Aveiro (1808 – 2008), cujo programa se prolonga até Setembro de 2008.
:
Leia mais em CV

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 29 Março , 2007, 09:30

Juntar os inimigos


Não é possível. Europa e Cristianismo não podem estar de costas voltadas, como se em ambos caísse um arrufo irremediável. Sobram razões para se não entenderem separados. A roda do tempo abriu trilhos em muitas direcções. Por isso se tornam possíveis desencontros e novos encontros. O momento que vivemos parece de distanciamento ou mesmo de relações cortadas. Aquilo a que se chama laicismo revela-se cansado e impaciente do que lhe parece ter sido o clericalismo, com intromissões indiscretas do Cristianismo, das Igrejas em concreto, no curso da história e da cultura. As Igrejas, em particular a Católica, ficam perplexas com os receios do mundo laico, temeroso que os sinos das catedrais lhes perturbem as marchas da liberdade.
Possivelmente, de parte a parte, há razões subterrâneas ou ressentimentos acumulados que originaram fantasmas. E turvaram, primeiro os discursos, depois o olhar que, obviamente tem um alvo comum: o homem do nosso tempo. Da Europa. Que, quer se queira ou não, é um motor da civilização e cultura, um gerador único de história e fé no complexo xadrez, cada vez mais desmultiplicado, da humanidade.
As correntes espiritualistas do Oriente, os compactos raciais das Américas, as etnias de África, os novos sinais do mundo árabe, as perspectivas de Deus e do homem na filosofia actual – na teórica, mas sobretudo na prática – relançaram as grandes interrogações ao homem de hoje que os novos sinais emitidos pela economia, técnica, comunicações, valores, exaltações e perdas, exprimem de forma muitas vezes contraditória. E tornam, por isso, o homem carente de referências profundas de identidade.
Conhecer a Europa é um fascínio. Mas, no Norte ou no Sul, no Oriente como no Ocidente, não se entende o velho Continente sem o traço luminoso da fé cristã que desde o início o construiu, atravessou e o teve por companheiro numa marca inapagável para o resto do mundo. Seria bom que nestes cinquenta anos do Tratado de Roma, Cristianismo e Europa fizessem uma festa. Sem esquecer afinações que sempre se exigem num percurso longo, onde o humano e o divino se cruzam com naturais tensões.
Um dos grandes feitos da Europa nos pós-guerra foi juntar os inimigos. Um ponto que é a própria essência do cristianismo. E um princípio básico de entendimento. A partir daqui todos os passos de aproximação são possíveis.

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 29 Março , 2007, 09:25

União
(na diversidade)
Europeia
::



1. A Europa festeja os seus 50 anos! Foi a 25 de Março de 1957 que no Tratado de Roma seis países assinaram a (parceria do carvão e do aço como) fundação da Comunidade Económica Europeia. Cinquenta anos depois, foi em Berlim que os chefes de Estado e de governo, do Ocidente e do Leste, do norte e do sul da Europa, representando 500 milhões de cidadãos do continente azul, assinaram o registo histórico da efeméride. Um pouco por toda a Europa, nuns países mais que noutros, dependendo do entusiasmo europeu, a lembrança cinquentenária do Tratado de Roma foi oportunidade de reflexões históricas, avaliações do difícil presente e, essencialmente pois “é dia de festa”, de celebrações do meio século de um projecto agora bem mais alargado e (que se quer) de horizontes sociais amplos.
2. Nem ilusões, nem desilusões! Não poderão os momentos de impasse actual que a Europa atravessa na sua própria identidade ofuscar toda uma imensa realidade de sucessos no caminho assumido e vivido neste meio século histórico, os primeiros 50 anos sem guerras no continente e o tempo de ousadas parcerias quer continentais quer sectoriais. Sendo certo a mudança dos tempos e a realidade de que os políticos presentes, na generalidade, não “viveram” a origem da Europa, será um exercício fundamental, para que não se perca a memória, o entender em que bases começou esta inédita caminhada, em que património de valores assentou a coragem de avançar, o compreender como foi possível dar-se início a um processo desta grandeza que, qual semente, vai germinando sendo imparável a sua viagem. Lembre-se que a cidade das comemorações destes 50 anos foi Berlim, uma cidade dividida há cinquenta anos em plena frente da guerra-fria; esta progressiva consciência de uma comunidade europeia, com inícios de base económica (é certo), foi alastrando um espírito aberto, social, até à festa que nestes dias vestiu a cidade berlinense outrora dividida pelo “frio” europeu.
3. Sem facilitismos nem ingenuidades! Nestes dias muito se acentuou a “farsa” esforçada da Declaração de Berlim. Sublinhe-se que o que se fez na Europa em 50 anos foi algo de absolutamente histórico; ter a ilusão de que “de um dia para o outro” todas as pontes se criam será não ter a noção de consciência das profundas fracturas das guerras de séculos, ora por questões religiosas em intolerâncias, oras as guerras provocadas pelas ideologias totalitárias do século XX. O fosso entre muitos países europeus era tremendo há cinquenta anos, o que, a par dos imparáveis tempos de globalização, ergue como caso único no mundo esta construção da União Europeia. Unidade que não poderá querer dizer unanimismo, seria pura ingenuidade. Só na diversidade, acolhendo a riquíssima história de cada nação e criando “pontes” de cooperação inclusiva naquilo que poderá ser enriquecimento para todos, só numa base de união na diversidade haverá Europa. Querer que todos assinem tudo, quando se trata de matérias acessórias, será querer colocar o mundo na mão. O processo europeu é mesmo isso, “processo”.
4. Sem mendigar nem esquecer! Em certas matérias parece que vivemos o pagamento da factura histórica agravada com um certo diálogo de surdos. Enquanto a questão de se colocar ou não a referência ao Cristianismo estiver posta da forma como está, com o próprio Papa a solicitar esse reconhecimento e alguns chefes de estado a alinharem por um lado e outros por outro, … assim a coisa não vai lá. Primeiro porque em termos históricos algumas vezes essa solidificação do cristianismo como elemento de unidade foi instaurada na base da “força” (o que de todo não interessa lembrar pois acentua a separação de exclusão entre “nós” e os “outros”, o que não é nada bem vindo em tempos globais); depois, porque na consideração patrimonial das presenças no “espaço europeu” será necessário colocar não só o Cristianismo mas também (primeiramente) todas as outras religiões, filosofias, culturas, o que antes e durante fez (e faz) parte da história europeia (este terá de ser um pedido de honestidade intelectual também a ser apresentado; o “venha a nós” resulta ao contrário!). É que só na base desta abertura a toda a realidade sócio-religioso-cultural haverá o terreno capaz (porque afastador dos laicismos vazios) para se apreciar e reconhecer aquelas forças vivas que nortearam uma “identidade de unidade europeia”, esta sempre em construção. Só em reconhecido pluralismo cultural a beleza da diversidade será apreciada e dará contributo para a construção identitária.
5. Que futuro? Os discursos diplomáticos foram e são sempre de esperança (mas damos lugar a ela na re-ligação do essencial e na noção de dignidade da vida humana?), de liberdade (que liberdade – a da revolução das luzes que exclui o “outro”? - e que lugar na sensível responsabilidade altruísta da sua vivência na Europa?), da solidariedade (quanto menos a Europa se reencontrar nos valores humanos que quer para si neste tempo, menos a solidariedade será ensinada e apreendida). Uma Europa sem alma de generosidade, como os pais europeus nos ensinaram, será um “espaço do Euro”, vazio e frio, que perderá as suas tradições e as suas praças comuns… e que, na ausência de população, daqui a 50 anos povoará as suas freguesias com o calor das múltiplas comunidades de imigração entre nós. O futuro começa sempre ao nascer; nesta ordem de ideias (estatísticas) a rica Europa, como a conhecemos, está em vias de extinção; nada de novo nem de alarmante, viverá mais uma das suas transformações, mas desta vez perdendo milénios de memória. Certamente tal não ocorrerá pois a frescura dos valores humanos, culturais e religiosos, reafirmará as linhas fundamentais de uma dignidade humana assumida e reconhecida, dadora de sentido acolhedor e culturalmente caloroso! É esta a nossa esperança, liberdade e solidariedade. Ainda, claro: a Europa eurocêntrica e tecnocrática não tem soluções para o essencial! (Pois não “produz” os valores fundamentais que estão na base europeia e na origem dos laços que permitem unidade em diversidade!...)

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 26 Março , 2007, 23:58



“Deus é uma palavra difícil”


Em forma de testemunho e de relato de experiências pessoais, a jornalista Laurinda Alves falou, aos partici-pantes nas Jornadas de Teologia, da Mulher e da Igreja, apresentando-as como um “binómio (difícil) na Comunicação Social”. Afirmando que “Deus é uma palavra difícil de usar nos jornais e na televisão, porque não está na moda”, explicou também que falar de religião é complicado num mundo cheio de referências ditas jornalísticas que quase determinam ser errado falar de Deus.
Dando a conhecer um percurso espiritual e profissional, a antiga directora da revista XIS, disse, no entanto, que a coerência de vida, de gestos e de discursos, pode ser um meio para se aprender a assumir Deus, inclusive, enquanto jornalista. Criticando um mundo em que só as más notícias são notícia, afirmou estar convicta da importância de ser diferente, de trabalhar “em contra corrente”, dando a conhecer lados humanos e mostrando a Igreja como, de facto, é.
Laurinda Alves disse ainda acreditar que “a Igreja católica tem dificuldade na comunicação”, sendo importante que pense “no Deus de que quer falar e de que forma” para chegar às pessoas da melhor forma.
:
Foto: Laurinda Alves
:

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 26 Março , 2007, 23:28
Praia da Barra: A paciência do pescador desportivo

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 26 Março , 2007, 15:24
SALAZAR VENCEU O CONCURSO DA RTP

MISTÉRIO PARA ESCLARECER

O concurso realizado pela RTP, para eleger o maior português da História de Portugal, teve um resultado que raia o insólito. Venceu um ditador – Salazar – por larga maioria. Em segundo lugar ficou outro político, que lidava mal com a democracia representativa – Álvaro Cunhal –, e que foi defensor de um regime opressor, o da URSS. Por estranho que pareça, pese embora alguns méritos de ambos, que os tiveram, ocuparam lugares cimeiros aqueles dois políticos, relegando, para planos secundários, artistas, cientistas, navegados e conquistadores, entre outros. Nem o fundador da nacionalidade, D. Afonso Henriques, mereceu ganhar. Mulheres também não houve nos lugares de honra, entre os dez primeiros que chegaram à final.
O insólito disto tudo está na vitória de António de Oliveira Salazar, por larga maioria. Porquê?
Terá havido algumas campanhas camufladas para que isto acontecesse? Como é possível que os portugueses tenham escolhido um ditador para ocupar o primeiro lugar dos nossos maiores? Como é possível que os portugueses tenham assim a memória tão curta, elegendo um homem que era avesso à democracia, aos partidos políticos, ao desenvolvimento cultural, social e económico? Terá tido o mérito de evitar a nossa entrada na guerra. Terá tido o mérito de endireita as finanças públicas. Terá sido um governante austero e incapaz de enriquecer de forma ilícita… Mas ninguém ignora que não perdoava a quem ousasse enfrentá-lo, a quem não alinhasse pelas suas opções. Não acreditava na democracia, nem na inteligência de outros políticos. Era um homem solitário, que lutou por um conceito de vida ligado ao “orgulhosamente só”.
Terá sido esta atitude o fruto de um certo mal-estar, provocado por algum descontentamento, em relação a erros da democracia que o 25 de Abril nos legou? Será que os portugueses ainda acreditam que o nosso progresso, a vários níveis, terá de passar por uma ditadura?
Uma coisa parece óbvia: há, pelo que posso perceber, uma ignorância atroz sobre a nossa história, tão repleta de feitos protagonizados por heróis, santos, mártires, sábios, cientistas, artistas, políticos, governantes, descobridores, conquistadores, guerreiros e empreendedores.
Claro que estou com curiosidade de saber o que vão dizer os nossos analistas políticos, historiadores e sociólogos. Como é que eles vêem esta escolha dos portugueses e porquê…
Fernando Martins






Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Março , 2007, 12:27

PALHEIRO DE SALINA
::
Os Palheiros das salinas, ou marinhas de sal, estão a desaparecer dos horizontes habituais e dos lugares próprios. A autarquia aveirense, porém, quer preservar este património cultural. Vai daí, montou um Palheiro no jardim que ladeia o IP5 e o canal da Ria, lugar aprazível para um passeio de família.



Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Março , 2007, 12:19

A Filosofia e os filósofos



A Filosofia anda desvalida, não se sabendo muito bem qual o destino a dar-lhe concretamente no ensino secundário.
Este desvalimento é uma das manifestações maiores da nossa crise presente. A essa crise se referiu já o filósofo E. Husserl, em 1935, ao declarar que "as nações europeias estão doentes" e que "o maior perigo da Europa é o cansaço". Por isso, fazia apelo a uma filosofia capaz de uma "crítica universal de toda a vida e de todas as formações e sistemas culturais surgidos a partir da própria vida da Humanidade". E não se trataria de uma tarefa apenas de filósofos profissionais, pois o que se exigia era um "movimento comunitário de formação", com influência na cultura e na educação, em ordem a favorecer uma "atitude crítica, uma atitude que parte da recusa em assumir, sem questioná-las, opiniões e tradições previamente dadas e, ao mesmo tempo, sobre todo o universo tradicionalmente dado de antemão coloca a questão do verdadeiro". A Filosofia deveria transformar--se num "movimento educacional e cultural", fomentando a racionalidade e o diálogo crítico, na procura da verdade.
A Europa tem duas raízes fundamentais: a herança judaico-cristã e a herança helénica. Da primeira provém essencialmente a ideia de História. Da segunda veio-lhe o Logos, a capacidade de indagação radical da realidade e da existência. Frente ao mito, ergueu-se o pensamento racional autónomo e crítico, que não pergunta apenas por isto ou aquilo, mas pela realidade toda na sua raiz e verdade.
A interrogação permanentemente crítica é incómoda, de tal modo que Sócrates, que achava que a vida sem indagação racional não era digna de seres humanos, foi condenado a beber a cicuta. Platão e Aristóteles ensinaram que a origem da Filosofia é o espanto. Mas há o espanto positivo, na raiz do deslumbramento, que nos leva a exclamar: como é bom existir!, e o espanto negativo, na raiz do horror, por exemplo, perante Auschwitz, que nos faz gritar: como é possível? Precisamente da confluência do espanto nesta sua dupla face, frente à ambiguidade do mundo, nasce a pergunta filosófica por excelência: o que é o ser?, porque há algo e não nada?
:
Leia mais em DN


Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Março , 2007, 12:12

Pôr do sol na Ria. Foto de Ângelo Ribau

Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Março , 2007, 12:07

O ARRAIS GABRIEL ANÇÃ

Caríssima/o:

Já que andamos pelos Paços Reais, faço o convite para me acompanhar agora para irmos com o Arrais Gabriel Ançã. Perpetuado na Costa Nova, foi, desde sempre, uma referência e uma interrogação nas nossas idas aos areais do outro lado. Mesmo nas noites do fogo da Senhora da Saúde e, para além do presépio em cascata das luzes das suas casas e ruas que de longe contemplávamos, a sua imagem de pedra impunha-se no céu.
Pela pena do dr. Amadeu Cachim, que muitos de nós conhecemos, espreitemos respeitosamente a cena:

«[...]

O homem de quem vos falo,
que era diferente dos mais,
chamava-se Gabriel
e dum barco era arrais
e, como era valente,
quando saía a pescar,
só se sentia contente
roubando vidas ao março
e bebendo aguardente,
para seu bicho matar,
o que o fazia andar,
quando já velho e doente,
por vezes, a balouçar,
como se andasse no mar.

Por seus actos d'heroísmo,
recebeu muitas medalhas
e mais outros galardões;
mas foi com grande altruísmo,
sem pensar em virtualhas
ou em condecorações,
que este famoso gigante,
em várias ocasiões,
salvou o seu semelhante.

Quando chegava o Inverno
e o mar, aqui, era inferno,
juntamente com os mais,
ia p'ra Lisboa, a pé,
para pescar em Cascais
ou na Costa da Galé
e, em tempo favorável,
entrando pelo Tejo dentro,
fazia a safra do sável.

Foi aí que o Patrão Lopes,
sabendo-o bom nadador,
em palavras, bem sentidas,
lhe foi pedir o favor
d'embarcar no salva-vidas,
p'ra socorrer um navio
que naufragou no Bugio.

Ele correu, sem tardança,
e salvaram toda a gente,
que já perdia a esp'rança.

Um dia, na Capital,
foi ao Palácio Real
solicitar a pensão
a que ele tinha direito
pela sua abnegação;
mas, foi tal a confusão
por não conhecer a lei
que ali devia seguir,
que ficou quase a cair,
com uma grande aflição.

Sentindo um garrote, então,
a apertar-lhe o gasganete
que o deixou engasgado,
para não cuspir no chão,
cuspiu dentro do barrete
e ficou aliviado.

E depois, disse admirado:
Andando sempre no mar,
nunca fiquei enjoado
como nesta ocasião
em que o Rei, muito aprumado,
me estendeu a sua mão
e me disse, com agrado,
que me ia dar a pensão.

Com uma forte emoção,
disse-lhe: muito obrigado!
Nessa tão boa maré,
e já muito atrapalhado
por me ver ali à toa,
em vez d'ir de cia a ré
saí p'rà rua de proa.
Mas o Homem Poderoso
perdoou os erros meus
e, como era generoso,
com o seu olhar bondoso
veio-me dizer adeus.

Ao fitar os olhos seus
ergui meus olhos aos céus
p'ra agradecer o favor
de ver meu Rei e Senhor,
na rua, a dizer adeus
a um pobre pescador.

E, já cheio de pudor
em frente dos que me viam,
tendo a minh'alma apertada,
senti a cara molhada,
pois dos meus olhos corriam
gotinhas d'água salgada.

Mas, depois da debandada,
já safo daquele mar
que não esqueço jamais,
pus-me logo a magicar,
não sei se bem, ou se mal,
que tínhamos Grande Arrais
neste nosso Portugal.»

Curvo-me respeitosamente diante deste e de tantos lobos do mar que na sua humildade e no seu silêncio foram capazes de nos indicar caminhos de Vida.


Manuel

mais sobre mim
Março 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

24

27
28


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds