de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Fevereiro , 2007, 10:21

AQUELA TRISTE E LEDA MADRUGADA


Aquela triste e leda madrugada,
Cheia toda de mágoa e de piedade,
Enquanto houver no mundo saudade,
Quero que seja sempre celebrada.

Ela só, quando amena e marchetada
Saía, dando à terra claridade,
Viu apartar-se de uma outra vontade,
Que nunca poderá ver-se apartada.

Ela só viu as lágrimas em fio,
Que de uns e de outros olhos derivadas,
Juntando-se, formaram largo rio.

Ela ouviu as palavras magoadas
Que puderam tornar o fogo frio
E dar descanso às almas condenadas.

Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Fevereiro , 2007, 10:00
"As crises são necessárias e os confrontos também, porque só assim é possível ponderar e fazer escolhas"

Laurinda Alves,
na XIS

Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Fevereiro , 2007, 09:57
"A ingratidão é filha da soberba"

Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Fevereiro , 2007, 09:42

Costa Nova com arte para toda a gente
:
Diz-se, por aqui, que aos domingos há muita gente a dar a voltinha dos tristes. Não sei de onde veio esta expressão tão sem sentido. A ela está ligada a ideia de alguém que mete a família no carro e vai passear pelos recantos mais atraentes. Neste caso, para os de Aveiro e arredores, a saída leva-os até às nossas praias. Passeiam, olham a ria, lancham em qualquer café ou pastelaria, e voltam para casa. Hoje sugiro que apreciem a arte que está à disposição de todos, na ampla esplanada ao longo da Ria, na Costa Nova do Prado.

Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Fevereiro , 2007, 09:37

Depois do referendo, o quê?


Durante a campanha para o referendo sobre o aborto - não é correcto dizer interrupção voluntária da gravidez, pois é de cessação que se trata -, foram citadas por adeptos do "sim", inclusive nos grandes debates televisivos, afirmações minhas sobre o tema, que não renego, mas que não exprimem todo o meu pensamento. Permito-me retomar algumas reflexões sobre questão tão delicada e complexa.

1. À pergunta do referendo, o povo português respondeu: "sim", 59%; "não", 41%; 56% abstiveram-se.
Espera-se agora uma lei da despenalização que seja equilibrada e com o maior consenso possível, tanto mais quanto se trata de uma questão que deveria ser tratada suprapartidariamente e na indicação de que o Estado favorece a vida e não a morte.

2. Houve uma elevada percentagem favorável ao "não", sendo generalização apressada arrumá-lo, sem mais, no mundo rural e pré- -moderno. Por outro lado, embora as razões da abstenção não sejam quantificáveis, não é legítimo excluir que entre elas se encontrou o facto de a pergunta dar azo à perplexidade do cidadão por causa da colisão entre o plano jurídico-penal e o moral: cidadãos que não querem ver a mulher penalizada receavam, não sem razão, que o "sim", para lá da despenalização, abrisse as portas à liberalização.
:
Leia mais em DN

Editado por Fernando Martins | Domingo, 25 Fevereiro , 2007, 09:29

POVOAMENTO DA GAFANHA

Caríssimo:

Continuemos no reino da magia e da imaginação, mas incluamos uma forte dose de estudo e de investigação. Que resultará?
Ainda na companhia do padre João Vieira Resende e lendo a sua Monografia, 2.a edição, na página 47, verificamos que tira as seguintes conclusões:

“1.º que o povoamento da Gafanha começou seguramente cerca do ano de 1677, época relativamente muito recente, mas mais remota do que muita gente julgava;
2.º que, embora se não saiba de cultivadores existentes na Gafanha antes de 1677,prova-se no entanto que as suas terras já produziram pão, o que nos indica ter havido cultivadores anteriormente e, portanto, que o seu povoamento provável teria começado antes de 1677;
3.º que esse povoamento foi feito, pode dizer-se, quase exclusivamente pelos povos vindos da freguesia de Vagos e, mais, que eles ainda continuaram a povoar até uma época muito próxima;
4.º que os povos de outras freguesias só muito tarde e muito frouxamente contribuíram para o povoamento;
5.º que a infiltração destes povos na Gafanha, a princípio morosa e depois quase tumultuária, se explica e justifica documentalmente por necessidades de expansão e de cultura;
6.º que só frouxamente se pode dar foros de verdadeira à tradiçaõ de que seriam quatro criminosos os fundadores da Gafanha.”

Pois bem, em 1995, o nosso conterrâneo dr. Manuel C. Fidalgo, no livro «Açores – Ensaios de Sociologia», a páginas 479-480, dá-nos a sua opinião nestes termos:

“...[O]s róis de tripulantes dos barcos de bacalhau, matriculados no Porto de Aveiro, na primeira metade do século XVI, já apontam nomes de pescadores naturais dos lugares que hoje constituem esta freguesia e vila [a cidade da Gafanha da Nazaré]. É que já em 1506 saíam barcos de Aveiro para os bancos da Terra Nova. E, igualmente, penso que alguns dos marnotos e moços que trabalhavam as salinas, já em 1514, eram naturais e residentes na península da Gafanha. [...]
Com o decorrer dos séculos e com a passagem da barra para o Sul das Gafanhas as salinas do interior foram desaparecendo, substituídas por outras mais próximas da costa. Sabe-se, assim, que no início do século XVI já existiam as da Cale da Vila e Marinha Velha, trabalhadas por «marnoteiros» e moços que se presume habitarem próximo e não virem, diariamente, de Aveiro ou Ílhavo. Além do mais tinham guarnição próxima, no Forte então existente, local de controlo e defesa da Barra assim como posto alfandegário.
É de notar, também, que a primitiva imagem de Nossa Senhora da Nazaré é do século XVI, o que demonstra a existência possível de local de culto, tendo por orago esta invocação à Virgem.
Pescadores de bacalhau, marnotos e moços, servos dos vínculos e pessoal do forte da Barra foram, de certo, os primeiros habitantes a fixar-se no Norte desta Península a partir, pelo menos, do século XVI. A Gafanha da Nazaré, mais propriamente os seus lugares, não teve os seus primeiros habitantes só no século XVII como tem sido escrito. Para mim o início do povoamento é anterior de um ou mais séculos pela necessidade do controlo do porto.”

Assunto e matéria para conversa amena aí está; prometo, se Deus quiser, voltar ao assunto.


Manuel

mais sobre mim
Fevereiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9


18
19



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds