de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Fevereiro , 2007, 16:48

IGREJA DA SAGRADA FAMÍLIA, EM BARCELONA
:
A Igreja da Sagrada Família, em Barcelona, de Antoni Gaudí, obra prima do artista, começou a ser construída em 1882. Presentemente inacabada, as obras continuam, no respeito pela marca e estilo do autor. Centro de visita obrigatória para quantos gostam de arte.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Fevereiro , 2007, 15:06
UA estreia novo programa
televisivo dedicado à Ciência


Viva a Ciência!

Nos próximos meses, a Universidade de Aveiro vai levar aos quatro cantos do mundo a ciência que se faz em Portugal. Do Minho ao Algarve, sem esquecer as ilhas da Madeira e dos Açores, o novo programa televisivo Viva a Ciência!, com estreia marcada para o próximo Domingo, 25 de Fevereiro, às 11.30 horas, na RTP Internacional e RTP África, vai dar a conhecer o que de melhor se faz no nosso País no que respeita à investigação científica, desenvolvimento tecnológico e inovação em geral.
:
Leia mais em UA

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Fevereiro , 2007, 11:53

O CORAÇÃO E A RAZÃO

Como se prova o amor entre duas pessoas? E como é que sabemos que temos as ideias claras? E qual o melhor entendimento sobre esta ou aquela questão? O que faz sentido agora também vai estar certo mais adiante?
Estas e outras dúvidas recorrentes obrigam-nos a pensar e a procurar respostas. Ainda que a sensação seja resolver tudo pela via da razão, na realidade aquilo que mais transforma a nossa vida é aquilo que sentimos e em que acreditamos, Nem sempre aquilo que compreendemos nos leva mais longe, porque nem sempre a compreensão racional nos traz sentimentos positivos de que precisamos para avançar.Um dos grandes mistérios da vida é justamente este de não podermos provar tudo cientificamente. E muito do que não se prova pela razão, prova-se pelo coração. Comprova-se existencialmente, pela via dos sentimentos, dos afectos e das relações que vamos criando.
:
Leia mais no Correio do Vouga

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Fevereiro , 2007, 10:27
Entrada da Barra: Foto de Dinis Alves


PORTO DE AVEIRO

O Porto de Aveiro, visto de cima e de vários ângulos, é uma belíssima obra de arte da natureza. Nem sempre a olhamos com a devida atenção, é verdade, mas há muita gente disponível para nos oferecer belezas raras. As fotografias que mostrarei sobre o Porto de Aveiro são de Dinis Alves, que teve a amabilidade de mas enviar, o que agradeço.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Fevereiro , 2007, 10:13
“A oração, como fenómeno humano, é transversal às várias religiões, culturas e épocas”

José Tolentino de Mendonça,
in XIS

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Fevereiro , 2007, 10:04
COPO DE ÁGUA


O velho Mestre pediu a um jovem triste que colocasse
uma mão cheia de sal num copo-d'água e bebesse.
-"Qual é o gosto?", perguntou o Mestre.
- "Ruim ", disse o aprendiz.
O Mestre sorriu e pediu ao jovem que pegasse
outra mão cheia de sal e a levasse a um lago.
Os dois caminharam em silêncio
e o jovem jogou o sal no lago.
Então o velho disse:
- "Beba um pouco dessa água."
Enquanto a água escorria do queixo do jovem,
o Mestre perguntou:
- "Qual é o gosto?"
- "Bom!" disse o rapaz.
- "Você sente gosto do sal", perguntou o Mestre?
- "Não" disse o jovem.
O Mestre então sentou-se ao lado do jovem,
pegou na sua mão e disse:
- "A dor na vida de uma pessoa não muda.
Mas o sabor da dor depende do lugar onde a colocamos.
Então, quando você sentir dor,
a única coisa que você deve fazer
é aumentar o sentido das coisas.
Deixe de ser um copo. Torne-se um lago..."


Nota: Enviado por leitor amigo

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Fevereiro , 2007, 09:54


O CANTOR DA LIBERDADE
MORREU HÁ 20 ANOS

O cantor da liberdade, Zeca Afonso, morreu há 20 anos. Morreu fisicamente, mas a sua memória e o seu talento continuam vivos entre nós, tal a força e a originalidade da sua arte. Era um cagaréu, pois nasceu em Aveiro, na freguesia da Glória, em 2 de Agosto de 1929.
“Nasci em Aveiro; lembro-me de que jogava o pião e a malta dizia: -‘Ó pião de Aveiro, ó pião de Ovar…’; foi uma infância turva, ligada a uma tia que foi praticamente a minha mãe; vivia numa espécie de paraíso.” Assim o recorda Monsenhor João Gaspar, no seu livro “Caminhar na Esperança”, onde também recorda outras figuras gradas da nossa terra.
Mais adiante, lembra: “Descobri que sou neto de um livre-pensador de Aveiro, […] um republicano que esteve ligado a um movimento importante de renovação escolar. Chama-se Domingos José Cerqueira, […] que chegou a fazer uma ‘cartilha’, a segunda depois da ‘Cartilha Maternal’, de João de Deus.”
Depois desta evocação, para referenciar o artista que o mundo português, e não só, bem conhece, pela sua contribuição para a reconquista da liberdade e da democracia em Portugal, é justo sublinhar que Zeca Afonso influenciou toda uma geração que fez da arte de cantar a arte de despertar consciências para o respeito pela dignidade do homem. Cantando, soube acordar muita gente para que assumisse a luta pela instauração da democracia entre nós.
O artista da liberdade faleceu em 23 de Fevereiro de 1987, no Hospital de Setúbal, tendo-nos deixado uma mensagem muito expressiva, como recorda Monsenhor João Gaspar. “Nós não devemos apagar fogueiras, mas atear chamas!...”.
Talvez com a imagem de Aveiro e da sua Ria, disse noutra altura, cantando: “… tempo que leva tempo, meus amigos / regressam ternamente a suas casas; / com eles edifico uma morada! / Que Deus reme connosco na viagem!”

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 23 Fevereiro , 2007, 09:50
MODERNIDADE
DE QUE TANTO SE FALA

Há anos recebi, a seu pedido, um jornalista de um jornal diário. Começou por uma pergunta, para mim sem pés nem cabeça. Por delicadeza tentei perceber e ir respondendo, mas logo fui por ele interpelado, perguntando-me se eu não sabia o que era a modernidade. Sem intenção de magoar ou humilhar, perguntei-lhe, por minha vez, o que é ele entendia por modernidade porque, sabendo-o eu, perceberia talvez a que propósito vinha a sua intervenção. Assim nos podíamos entender e tornar possível, entre nós, um diálogo válido. Retorquiu-me, incomodado, que o entrevistador era ele e não tinha que me dar nem explicações, nem respostas. Conclui que o bom do homem, com aquele incómodo e arrogância, não sabia nem fazia a mínima ideia do que dizia quando falava de modernidade. Apenas trazia consigo, bem forte, o preconceito de que a Igreja era contra…
Tenho, agora, a mesma sensação, quando ouço perorar, com entusiasmo, ministros e seus ajudantes, deputados e analistas, jornalistas e políticos de primeira linha, e até professores e cidadãos que se presumem de eruditos. Sempre todos em grande consonância. A torto e a direito, falam sobre assuntos diversos, não esquecendo, porque dá estatuto, de se referirem à modernidade e suas exigências. Muitos a traduzem por um laicismo serôdio, que quer atirar a Igreja para a sacristia, acordar velhas lutas e tirar-lhe qualquer influência na vida das pessoas e da sociedade. Alguns vão lá mais longe, porque nunca deram o salto no tempo de modo a purificar as tensões, fazendo perdurar as divisões de pensar e de agir, como se o mundo tivesse parado ou se reduzisse para sempre a dois blocos incomunicáveis, sempre dispostos a denegrir-se e a atacar-se mutuamente, na esperança de que algum deles morra ou desista primeiro.
A história diz-nos que a afirmação de um pensamento autónomo, quer religioso quer político, que está na origem da modernidade, nasceu como oposição a uma Igreja, demasiadamente influente nos povos da Europa, com falhas nos processos de relação e intervenções que extravasavam o sagrado. Embora o diagnóstico tivesse alguma objectividade, o movimento não foi facilmente aceite pela gente da Igreja, por razões que a história explica. As reacções iam provocando novas tensões num mundo ávido de autonomia. E, como a dogmatismos incómodos se iam contrapondo outros que o não eram menos, a serenidade para reflectir sobre os caminhos andados e projectar os futuros, não foi muita.
Deste modo, a Igreja foi sendo considerada empecilho do mundo novo que começava a nascer, com outros critérios e projectos. Esta ideia foi vingando. O poder político que surgia na Europa, por vezes com novas alianças religiosas contrárias ao catolicismo, foi carregando as cores, o pensamento filosófico que gerara a primeira ideia e a alimentava, deram suporte a movimentos políticos diversos que, impacientes ou com outros ventos no bojo, optaram pela perseguição e pela decisão de extermínio da Igreja e da sua anterior influência histórica. Vitórias passageiras, porque, não obstante as falhas inegáveis, não se apagam séculos de cultura, de promoção social e de desenvolvimento variado. Mas foram ficando marcas, acumulando-se preconceitos e sonhados, irreversivelmente, novos projectos de sociedade.
João XXIII, por terras onde andara antes de eleito, vivera experiências diversas de tensões, políticas e religiosas. Secundando gestos importantes de antecessores, toma a decisão profética de um concílio que ajude a Igreja a converter-se ao Evangelho das origens e a tentar a reconciliação com o mundo, dado que é sua vocação servi-lo. Abrem-se, então, caminhos novos de reconhecimento da legítima secularidade, da vantagem do diálogo aberto da Igreja com as realidades terrestres. A modernidade traz consigo um apoio à personalização, um direito à participação e ao pluralismo. Não permite, porém, sem perigo de perdas graves, o apagamento da história, a subversão dos valores, a ética das relações, a protecção social de uns, em detrimento de outros

mais sobre mim
Fevereiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9


18
19



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds