de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 14 Fevereiro , 2007, 23:50

Cavaco Silva
defende "consensos alargados"
sobre a matéria Aborto


O Presidente da República defendeu hoje "soluções de bom senso" na regulamentação da nova lei do aborto, dois dias depois do “sim” ter vencido o referendo à interrupção voluntária da gravidez.
"Sem que isso possa significar uma intromissão nas competências de outros órgãos de soberania, espero que se procurem soluções de bom senso, equilibradas e ponderadas que possam ajudar a unir os portugueses", afirmou Cavaco Silva, em declarações aos jornalistas.
Para Cavaco Silva, não se deve "rejeitar a possibilidade de estabelecer consensos alargados" numa matéria que "pode ter causado rupturas na sociedade portuguesa" durante a campanha para o referendo."Num momento em que o país enfrenta tão grandes dificuldades, com a necessidade de combater o desemprego, bater-se pelo desenvolvimento, combater a pobreza, unidos conseguiremos melhores resultados do que se tivermos uma sociedade dividida por profundas clivagens", afirmou, insistindo para que os partidos aprovem uma lei “o mais consensual possível”.
O PS prometeu concluir a regulamentação da nova lei – já aprovada na generalidade pelo Parlamento – até ao final da presente sessão legislativa, mas subsistem várias incógnitas sobre as soluções que o partido vai propor para a sua aplicação.
Ontem, o líder parlamentar socialista, Alberto Martins, que chamou a si a questão, garantiu que o diploma não deverá aconselhamento obrigatório da mulher que pretende abortar – uma afirmação que foi contestada pelos movimentos que se bateram pelo “não” no referendo.
Por outro lado, a lei deverá contemplar um período de reflexão de alguns dias, após a consulta médica inicial, de contornos também ainda não definidos.
:

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 14 Fevereiro , 2007, 18:26
"Bonito na democracia é o respeito pela maioria.
E ainda mais bonito é o respeito pelas minorias"
Joaquim Fidalgo,
PÚBLICO de hoje

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 14 Fevereiro , 2007, 12:39



Princípios



Podíamos saber um pouco mais
da morte. Mas não seria isso que nos faria
ter vontade de morrer mais
depressa.

Podíamos saber um pouco mais
da vida. Talvez não precisássemos de viver
tanto, quando só o que é preciso é saber
que temos de viver.

Podíamos saber um pouco mais
do amor. Mas não seria isso que nos faria deixar
de amar ao saber exactamente o que é o amor, ou
amar mais ainda ao descobrir que, mesmo assim, nada
sabemos do amor.

Nuno Júdice
:
In “366 poemas que falam de amor”,
antologia organizada
por Vasco Graça Moura

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 14 Fevereiro , 2007, 10:14

Directora do Museu
quer mais público e mais mecenas

O Museu de Aveiro está em obras, que terminarão entre o Verão e Outubro do próximo ano. Com novas áreas e possibilidade de oferecer um melhor serviço, a expectativa é aumentar o público e cativar mecenas para, entre outros objectivos, suportar a conservação e restauro de peças para apresentar na abertura após as obras

Com as obras a decorrer, que zonas do Museu é possível visitar neste momento? O Museu não fecha durante este período, fomos adaptando o circuito e reduzindo-o de acordo com o avanço da obra. Vamos entrar agora na última fase que é o circuito de visita: composto pela Igreja de Jesus, sala do túmulo da Princesa Santa Joana e acrescido da visita à Igreja das Carmelitas. Estamos a prever este cenário para Março. A entrada no edifício será feito pela Galilé, através da sacristia, a partir da qual poderá depois fazer-se a visita à Igreja de Jesus e à sala do túmulo de Santa Joana. Será também sugerida a visita às Carmelitas. Vamos assegurar a abertura e gerência através de um protocolo com o IPPAR e outras entidades envolvidas, e a paróquia, que acolhem os serviços técnicos, na casa anexa às Carmelitas, e nós proporcionamos a visita à Igreja com o nosso pessoal.
:
Leia a entrevista no Diário de Aveiro

Editado por Fernando Martins | Quarta-feira, 14 Fevereiro , 2007, 09:49

Homenagem
aos que morreram na guerra
::
No jardim de Ílhavo está um monumento aos que morreram na guerra. Nas várias frentes de guerra, incluindo o mar. Está no centro, para que todos os ilhavenses recordem os seus antepassados que morreram nos conflitos que homens criaram e alimentaram.
Na Gafanha da Nazaré falta um monumento destes. Simples como todo o nosso povo. Mas que nos lembrasse que houve gafanhões que morreram nos conflitos armados. Penso que será fácil descobrir quem foram os nossos familiares e amigos que deram a vida pelo bem de todos.

mais sobre mim
Fevereiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9


18
19



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds