de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 13 Fevereiro , 2007, 19:13

Ao menos,
não fechem as urgências!

1. Já não havendo espaço, tempo e lugar, para os ideais mais nobres e dignificantes da vida de cada ser humano, ao menos que não fechem neste país os serviços de urgência. Ou também será sinal de ser moderno e europeu o fechar das maternidades e dos serviços de urgências?! Não propomos nenhum referendo, não venha às tantas a votação, no meio da sua abstenção da indiferença ou da ideologia economicista, decretar que deverão ser encerradas as urgências! Não, o essencial nunca deverá ser referendável, em sociedades humanas e comunidades com valores o essencial nunca dependerá da opinião de uns ou de outros.
Diríamos que este é mesmo o tempo dos “profetas”, em todas as áreas da vida humana e cívica. Será o tempo dos “profetas”, isto é daqueles que numa consciência consciente do ideal, e visando abarcar o “todo”, não baixam os braços, não ficam pela rama dos assuntos, não se diluem nem confundem com os argumentos acessórios; pelo contrário, mobilizam-se com sensibilidade inclusiva na totalidade das suas forças no atrair a realidade social sempre deficitária para o sentido dos ideais mais dignificantes, estes sim que serão o único futuro com (vida e) futuro!
2. Tempo desafiador dos “visionários”, daqueles que às problemáticas apresentem soluções de VIDA e dinamismo criativo em áreas transversais como uma educação que desenvolva os tesouros de formação integral para toda a pessoa humana; uma justiça que saiba resituar-se mais com a realidade da urgência de ser eficaz para ser significante e assim gerar mecanismos atentos anti-corrupção e de justiça social; da saúde que sempre mais viva o seu ideal de ajudar a viver com dignidade cada pessoa na sua complexa situação; da segurança e acessibilidade que hoje nos proporcione mais a garantia da estabilidade social e de “pontes” para todos na vivência de comunidade inclusiva; hoje será mesmo o tempo dos “profetas” das profissões de cada um que, na base da responsabilidade de todos, vejam reconhecida dignamente a sua viagem de vida e não sejam unicamente números de um sistema que anseia cêntimos de obsessão em todos os lados. Há vida(s) para além do cêntimo!
Este será mesmo - na era de todas as formações e informações globais - o Século da solidez do SENTIDO DA VIDA e dos valores das pessoas em que, depois de tudo estudado, decorado ou gerido, brilhará (ou a luz ou a escuridão), como síntese de tudo, a noção dos valores, dos princípios, dos ideais, da ética, da sensibilidade e liberdade com responsabilidade. O tempo presente (convite atraente, como em nenhum outro tempo histórico, às noções de facilidade, cariz prático, gerador de “ausências” e “vazios”) continuamente será um decisivo convite à não diluição dos valores fundamentais, à continuada afirmação dos tesouros que alicerçam os valores culturais, mas sempre com todos os diálogos interculturais que, assim, poderão criar novas sínteses de Humanidade em dignidade.
3. Uma síntese sem ilusões de que a ausência de identidades seja ponte de encontro comum (o nada mais o nada será igual a nada); sim, uma nova síntese com a afirmação partilhada das identidades estimulantes de todos, na busca de plataformas de encontros dignificantes (tanto que a Humanidade precisa desta base e ética mundial). Se formos a cruzar todos os modos de pensar e de viver que chegam até nós ao fim de milénios e de séculos de aberturas e descobertas do pensamento humano, a certa altura, descobrimos que somos das gerações mais pobres de sempre; não pobreza em tecnologia ou ciência que, como nunca, mostra-nos o fascinante mundo novo; mas pobreza de SER, de valores, de essência, de esperança, de partilha, de dignidade humana. É certo que (deste lado do mundo) já não vivemos em guerra; mas é irrefutável que, com todas as conquistas, deveríamos estar bem mais adiante, mas agora – usando mesmo sofismas de argumentação científica –, nas sociedades ocidentais, usamos a nossa liberdade para voltar para trás em termos de dignidade humana…
Iludimo-nos, hoje, com o prático, com o que dá mais jeito; entretemo-nos com todos os acessórios do mundo; …e perdemos o horizonte do ideal e do essencial; não há futuro que resista! Este futuro de menor qualidade está aí, todos os dias, em tantos modelos referenciais de baixa fasquia. Hoje, para quem governa o país a partir dos computadores do Terreiro do Paço parece mais prático (talvez para ir buscar cêntimos para a OTA e o TGV) redefinir o mapa e fechar urgências… Não é possível! A realidade da vida das pessoas ainda será importante para a arte de bem governar?!
4. É certo que pelo andar da carruagem estamos a fechar o país… Mas enquanto existirem habitantes não fechem as urgências. Fechem tudo o resto, mas por favor não fechem as urgências de Portugal! Ainda mora cá gente para quem a distância entre 30 minutos e uma hora e meia na viagem aflitiva para as urgências, numa carrinha dos bombeiros (que tem os apoios que tem e que terá depois…), pode significar a diferença entre a vida e a morte. Isto ainda diz alguma coisa a quem governa? Não propomos as urgências a referendo; fosse qual fosse a votação popular (sim ou não), as urgências – o essencial de saúde pública - deveriam estar abertas na proximidade das pessoas, para o serviço básico ao bem comum das populações.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 13 Fevereiro , 2007, 15:30
INSTITUIÇÕES DE ACONSELHAMENTO
TÊM DE AVANÇAR

Li hoje no PÚBLICO que em Estarreja vai avançar, por iniciativa do PS concelhio, um grupo de trabalho para acompanhar e esclarecer qualquer mulher do município que coloque a hipótese de abortar. O grupo é constituído por um médico, uma advogada e uma enfermeira.
Ora aqui está um exemplo a seguir, como resposta imediata aos resultados do referendo sobre a despenalização do aborto, que o País viveu no passado domingo.
Penso que estes grupos devem mesmo crescer, quer por iniciativa dos Partidos políticos e das instituições existentes, quer das forças vivas locais e das Igrejas, quer do Estado e das próprias pessoas.
E tendo em conta que milhares de portugueses se envolveram, com entusiasmo, na campanha para o referendo, na defesa do SIM e do NÃO, estou em crer que não hão-de faltar grupos de pessoas disponíveis para ajudar as mulheres e mães nas decisões que venham a tomar e na procura de alternativas para o aborto.

Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 13 Fevereiro , 2007, 11:12


A DIGNIDADE
DA IMPRENSA REGIONAL



Os jornais regionais são uma espécie de reserva ecológica da imprensa. Com o dom da proximidade, contam à comunidade de perto e de longe um pouco da sua vida e dos eventos mais significativos. Têm mesmo um tom familiar de quem sabe o que diz e conhece as pessoas de quem fala. Dir-se-á que têm os defeitos dos pequenos espaços circulares onde as narrativas da aldeia falam mais de pessoas que de ideias. Ou das ideias de apenas algumas pessoas. Mas quem está atento nota que algo mudou. A tecnolo-gia veio acelerar um processo de construção muito mais moderno. As fontes de informação multiplicaram as suas potenciali-dades, a região ganhou uma soberania e afirmação que desconcerta e interroga os que julgavam que apenas na grande imprensa se fabricam as ideias dum país.
É sabido que a Igreja teve um papel decisivo na criação e desenvolvimento da imprensa regional. Respondeu aos apelos da Igreja universal que foi acompanhando o nascimento e evolução dos media. No nosso país surgiu, na linha da Boa Imprensa, um grupo de jornais diários, semanários e mensais que durante muito tempo constituíram o grande veículo de circulação de ideias e informação nas dioceses e nas aldeias mais longínquas.
O poder político olhou muitas vezes com desconfiança para este vaivém de informações para os da terra e para os emigrados das grandes cidades do estrangeiro. Outras compreendeu essa função de unir uma família dispersa e alimentar uma chama pela terra que, por ser pequena, mais querida era. Foi nesse contexto e compreensão que surgiu o apoio à imprensa regional através do Porte Pago, ou seja, da difusão do próprio jornal. A partir de certa altura, porém (as flutuações do poder) iniciou-se a operação estrangulamento, com o intuito de apoiar os mais fortes e deixar cair os mais pequenos. A ideia parecia generosa, mas pretendia, na prática, favorecer a criação de alternativas a uma imprensa cristã já existente por outra que, com mais apoios oficiais, autárquicos e nacionais, que melhor reflectisse a voz dos donos. E os apoios alternativos então legislados que obrigavam os organismos do Estado a enviar 12 por cento da publicidade institucional para os meios de comunicação regional, ainda não chegaram. Isso mesmo o reconheceu o ministro dos Assuntos Parlamentares em Bragança, na celebração do 67º Aniversário do Mensageiro de Bragança. Por isso já valeu a sessão solene. Vejamos o que se segue.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 13 Fevereiro , 2007, 10:36
Baden-Powell nasceu há 150 anos e deixou uma proposta de educação e formação para jovens: o escutismo, que fundou há 100 anos


É POSSÍVEL CONSTRUIR
UM MUNDO MELHOR
:
Secretário-Geral do movimento escutista mundial, Eduardo Missoni, assegura que o Escutismo está preparado para dar respostas às crianças e jovens do século XXI. No centenário do movimento educativo fundado em 1907, por Robert Baden-Powell, são muitos os desafios que se levantam aos seus 28 milhões de membros, entre jovens e adultos, em 155 países de todo o mundo.
Convencidos de que é possível "construir um mundo melhor", os escuteiros assentam a sua força nos "valores que não mudam". Missoni considera que esta é uma "proposta alternativa a quem passa o tempo diante da Televisão, do computador ou com os videojogos".
"Para a sociedade de hoje, os jovens são consumidores e a proposta é sempre algo que pode comprar-se, já pronto", lamentou este médico italiano.
Vários dos componentes da proposta escutista são, assim, vendidos hoje em dia em "pacotes" para os jovens: arte, aventura, divertimento, música, natureza e mesmo compromisso social. O escutismo, contudo, quer ser uma proposta alternativa que se afirma pela diferença, "por ser local e global ao mesmo tempo".
:
Leia mais em ECCLESIA

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 13 Fevereiro , 2007, 10:20

SALA DE VISITAS DE ÍLHAVO
:
O jardim localizado no centro da cidade de Ílhavo é, realmente, a sua sala de visitas. Quem vai à terra maruja não pode deixar de lá passar. E se isso acontecer no Verão ou em dia de calor, então as sombras das suas árvores são fundamentais para se sentir um pouco de frescura.
Há dias estive lá uns bons minutos. Por ali cavaqueavam alguns reformados, como é costume. Uns aqui, outros ali, o jardim estava habitado em horas em que a maioria trabalhava. E tanto quanto sei, as conversas teriam por tema o mar. O mar que deu vida a tantos ilhavenses. Mas também a tantos que para sempre nele ficaram sepultados.
O tempo, hoje, com a chuva que teima em continuar, não permite uma visita ao jardim. Mas quando o sol vier para ficar, aconselho-o a passar por lá.

mais sobre mim
Fevereiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9


18
19



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds