de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 02 Fevereiro , 2007, 17:09

OS QUE SE DÃO
SEM NADA PEDIREM
EM TROCA

A Igreja Católica celebra hoje o Dia do Consagrado. Esta é uma boa razão para reflectirmos um pouco sobre a vida de tantos que deixam tudo para viver para os outros. Desde o Papa aos diáconos, passando por padres e bispos. Desde freiras e frades até simples leigos, que os há e houve desde sempre, vivendo em pleno uma doação sem limites.
Uma doação total, radical se quisermos, significa uma entrega absoluta à construção de um mundo mais fraterno, porque assente na Boa Nova de Jesus Cristo. Doação que implica abdicar da família, da carreira profissional, das comodidades que a sociedade proporciona, de luxos e vaidades, de prazeres mundanos, de sucesso social, de honras e privilégios.
Os Consagrados vivem para Deus e para os irmãos na fé, para os indiferentes e para os que nunca ouviram falar de Jesus Cristo, para os que estão privados de bens terrenos, para os carentes de amor, para os que estão sós e para os ignorados pelas nossas comunidades.
Os Consagrados, quantas vezes também eles em solidão, sabem que têm sempre Deus por companhia, como fonte inspiradora do bem, da verdade, da justiça, da liberdade, da paz e do amor.
Os Consagrados estão no mundo para servir e não para serem servidos, mais para escutar do que para falar, mais para unir do que para dividir, mais para se darem do que para dar, mais para testemunhar do que para ditar leis.
Os Consagrados aí estão como homens e mulheres de Deus no mundo dos homens e mulheres que nem sempre os vêem.
Que ao menos hoje saibamos olhar para eles com amizade e com reconhecimento pelo muito que eles nos dão, sem nada pedirem em troca. São os meus votos.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 02 Fevereiro , 2007, 10:01

JOSÉ ESTÊVÃO


José Estêvão, grande orador parlamentar, foi, sem dúvida, pela sua inter-venção cívica e política, um arauto dos interesses de Aveiro e sua região. Pelo dinamismo que sempre pôs em tudo o que fez, pela visão com que levou o Estado a abrir caminhos de progresso entre nós, pelo exemplo de envolvimento na coisa pública, ainda hoje a sua coragem e a sua acção são recordadas em Aveiro.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 02 Fevereiro , 2007, 09:51


Por cada cigarro que se fuma
perdem-se 11 minutos de vida


:
A doença cardíaca coronária mata mais de sete milhões de pessoas por ano. O cardiologista Sandeep Gupta, indiano instalado em Londres, teme pelo fosso entre pobres e ricos e apela à responsabilidade de cada um na prevenção da doença. Tão importante como reverter a aterosclerose, diz, é inverter comportamentos de risco.
:
PÚBLICO - Com os novos tratamentos da aterosclerose que abrem a possibilidade de regressão da doença não se corre o risco de vermos as pessoas a comer e beber à vontade, porque sabem que terão a droga para corrigir os males desse comportamento?
SANDEEP GUPTA - Isso é uma interessante psicologia. É a história da polipill mágica [a proposta de criar um comprimido que junte seis medicamentos: estatina, aspirina, três drogas para a tensão arterial e vitaminas]. Há investigadores que defendem que se dermos este comprimido a todas as pessoas com mais de 55 anos com factores de risco será possível eliminar cerca de 80 por cento dos ataques cardíacos e enfartes. Perante isto, pode-se argumentar que mais vale aproveitar o hambúrguer, os cigarros, etc...
Mas não funciona assim. Quem tem doenças de coração tem de assumir responsabilidades. Fazer mais exercício, pensar sobre os cigarros e as refeições gordas. E não temos de esperar que as pessoas se tornem doentes. Por que não procuramos o pré-paciente?
:
Leia mais no PÚBLICO on-line
:
Um trabalho da jornalista Andrea Cunha Freitas, no PÚBLICO

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 02 Fevereiro , 2007, 09:44


AO ARREPIO DO AMOR E DA VIDA,
PARA ONDE CAMINHA O PAÍS?



Sem ser profeta da desgraça, nunca foi esse o meu jeito, estou convicto de que, ou se muda de rumo ou nos espera uma sociedade sempre mais desumanizada.
Ninguém pode viver sem amor. Porém, o amor que é fonte de vida, de doação generosa, de respeito mútuo, de serviço aos outros, de partilha de dons, de convivência sadia, de compromissos permanentes, de gratuidade nas relações pessoais, de espaço de voluntariado social, de estímulo a ir sempre mais longe no bem, vai-se tornando coisa rara. Quem teima em andar por esse caminho é, frequentemente, ridicularizado.
A vida é o mais essencial dos donsrecebidos. Porém, ela hoje troca-se e despreza-se por caprichos pessoais, afirmações discutíveis e aberrantes de liberdade, fuga à justa humilhação por actos cometidos, razões sem razão, confusões premeditadas, interesses inconfessáveis, vinganças inconsistentes, promessas eleitorais… Muitos dos que lutam pela vida gerada, sua educação, reconhecida nos seus direitos e enriquecida na sua aceitação e convivência, são agora apelidados de gente menor, escrava do religioso, enfeudada a instituições de somenos e alheia ao sentir do mundo moderno.
O exemplo estimulante de outros países, por aí propalado, é aqui aceite de modo acrítico. Aí se vê, também eles em crise, que não basta o nível de bem-estar material, para que haja felicidade, riqueza de sentido, convivência sadia e liberdade construtiva.
Amor é mais que emoção. As emoções abundam consoante os incentivos e dão, facilmente, em desamor e até em ódio. Amor é a riqueza de um coração lavado e sereno. Não se dispensa quando se gera vida, ela se educa, se acolhe, se respeita e estimula.
Quem trata com pessoas e no interesse delas, como pais, educadores ou professores, fazedores de leis, executores e juízes das infracções, jornalistas dos jornais e revistas, gente das televisões, rádios e espectáculos, industriais e comerciantes, a todos se pede coração, para saberem o que ajuda as pessoas a serem pessoas e agirem como tal. De contrário, não resta senão o horizonte curto, por vezes rasteiro, dos interesses pessoais e dos de grupos e facções. Sem amor que é vida, os pais viram egoístas, os educadores em meros funcionários, os agentes públicos em servidores de si ou do seu partido, a gente da comunicação social em escrava das audiências e a gente dos negócios fixam-se no lucro desejado, sem olhar a meios para o conseguir. Vamos ficando indefesos na sociedade, se nela rarearem pessoas com valores morais e éticos, princípios orientadores sãos, sentido dos outros, capacidade de amar e de acolher a vida como valor sagrado
Como se chegou ao desprezo pela vida já gerada, à corrupção que por aí se estende, à inversão do sentido da liberdade pessoal e pública, à rampa legal de destruição de famílias estáveis, ao aumento incontrolado da pobreza material e moral, às múltiplas formas de exclusão social, à multidão de filhos sem pais e de pais que se negam à responsabilidade de os ter gerado, à insegurança corrente e à desconfiança nunca vista?
Onde fenece o amor, empobrece a sociedade, a vida perde lugar, torna-se mais difícil, por vezes insuportável. Os fautores de uma sociedade a seu modo, rejeitam nela toda a influência do religioso e do sagrado, sem advertirem que pelo caminho de um laicismo, cego e serôdio, secam as raízes fecundas do humano que somos. A fé dá sempre sentido e segurança à vida, e capacidade inesgotável de um voluntariado social gratuito.
É urgente lançar pedradas neste charco, inquinado e pútrido, em que se vai tornando o país. De outro modo, ele o estará sempre mais. O meu “não” consciente, como cidadão responsável, à proposta do aborto, é o modo que tenho agora e não vou desperdiçar, de denunciar o rumo que o país leva, e de continuar a clamar, enquanto a voz me dure, que, ao arrepio do amor e da vida, que a fé no Deus do Amor, Senhor da vida, alimenta e defende, só nos resta uma sociedade anestesiada, a caminhar para uma nova barbárie.

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 02 Fevereiro , 2007, 09:32


SOIS VÓS


Quando no meu corpo (e muito mais no meu espírito)
começar a notar-se o desgaste da idade,
quando se precipitar sobre mim, de fora,
ou nascer em mim, por dentro,
o mal que apouca ou aniquila,
no momento doloroso em que subitamente
tomar consciência de que estou doente ou estou velho,
nesse momento derradeiro sobretudo em que
eu sentir que escapo a mim mesmo,
absolutamente passivo nas mãos
das grandes forças desconhecidas que me formaram,
em todas essas horas sombrias,
dai-me, meu Deus, o compreender que sois Vós
(contanto que a minha fé seja assaz grande)
que afastais dolorosamente as fibras do meu ser,
para penetrardes até à medula da minha substância,
para me levardes para Vós.


Teilhard de Chardin

::
In Correio do Vouga

mais sobre mim
Fevereiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9


18
19



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds