de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 23 Janeiro , 2007, 17:26

::
PROPOSTAS INTERESSANTES
::

Segundo anunciou o presidente da Câmara Municipal de Ílhavo, Ribau Esteves, foram já abertas as oito propostas para a requalificação do centro da Gafanha da Nazaré, abrangendo a área do antigo mercado e zonas adjacentes. O autarca considera que as propostas, que responderam ao desafio de um concurso de ideias, são muito válidas e interessantes.
Agora segue-se a fase de apreciação e de escolha, esperando-se que esse melhoramento traga outro visual à cidade da Gafanha da Nazaré, num futuro não muito longínquo.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 23 Janeiro , 2007, 12:26


NOITE DE ORAÇÃO
ECUMÉNICA EM AVEIRO
::

Hoje, 23 de Janeiro, pelas 21.30 horas, na IGREJA METODISTA DE AVEIRO (Rua Eng. Oudinot, nº62), Cristãos Metodistas e Católicos vão partilhar a oração e a festa, em espírito ecuménico. Esta iniciativa, que há anos se repete, vai servir, também, para cristãos de várias denominações se habituarem a cooperar, no dia-a-dia.
Se houver por aí alguém a pensar que o ecumenismo se resume à "morte" das diversas Igrejas cristãs, pela simples integração de todas elas na Igreja Católica, desiluda-se. O caminho do ecumenismo, a meu ver, levará apenas, no respeito pela identidade própria de cada Igreja, à oração, ao diálogo, ao estudo, à participação em múltiplas tarefas sociais e culturais de todos, de mãos dadas e de coração aberto, como irmãos que são, porque filhos do mesmo Pai.
Claro que é bom aproveitar a "Semana de Oração Pela Unidade dos Cristãos", para ao menos se razar em conjunto. Para já, e conforme o hábito, uma vez por ano. Mas que seria interessante e muito bom que iniciativas como esta se repetissem mais vezes, durante todo o ano, lá isso seria.
F.M.

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 23 Janeiro , 2007, 12:10



::
UM GIGANTE
DA MISERICÓRDIA
::

A comunicação social anunciou a morte e o funeral de Abbé Pierre, o padre francês que dedicou a sua vida aos sem-abrigo. Morreu aos 94 anos, depois de muitas lutas em favor dos feridos da vida. O Presidente da França, Jacques Chirac, ao referir-se ao seu compatriota falecido, disse que o seu país ficava de luto. Morreu um "gigante da misericórdia", disse o arcebispo de Bruxelas, cardeal Godfried Danneels.
Também o Cardeal Roger Etchegaray, presidente emérito do Conselho Pontifício Justiça e Paz, prestou a sua homenagem ao Abbé Pierre, destacando que ele “nunca teve medo de combater”. “A morte do Abbé Pierre toca pessoalmente os franceses, mas também toda a humanidade, por uma razão simples: nunca se cansou de combater, declarando guerra à miséria e desejando que fossem servidos em primeiro lugar os mais sofredores”, disse.
Como profeta do nosso tempo nunca se cansou de clamar a urgência de a humanidade inventar os meios para a conquista do seu futuro, sem marginalizados e sem perseguidos. A sua morte, para mim, será mais uma oportunidade para o reler e para continuar a cultivar o sentido de uma vida plena, pela positiva.
Dei comigo, hoje de manhã, a reler passagens de dois livros seus - TESTAMENTO e OBRIGADO SENHOR - , ao jeito de quem sente ser sua obrigação homenageá-lo. O fundador da comunidade “Companheiros de Emaús”, para apoio e integração dos sem-abrigo, afinal não morreu. O seu exemplo de fé, longe das comodidades próprias dos bem instalados na vida, vai continuar nas sociedades cristãs, tão cheias de gente esquecida.
Diz Abbé Pierre, para quem o quiser ouvir, em o TESTAMENTO:

“O homem de hoje é colossal pela enormidade das responsabilidades que pesam sobre ele e minúsculo perante a imensidão das tarefas que em toda a parte o chamam. Mas não podemos, a pretexto de que nos é impossível fazer tudo num dia, não fazer coisa nenhuma! Conservemos no coração a impaciência de fazer. E a indignação na acção.”
:
Fernando Martins

Editado por Fernando Martins | Terça-feira, 23 Janeiro , 2007, 10:17


ONDE ESTÁ
O INIMIGO PRINCIPAL?
::


Quem chegasse de fora e seguisse os nossos Media, pensaria que nos encontramos em estado de alerta para qualquer coisa. Cá por dentro percebemos que se vive um momento de debate sobre o aborto e se prepara um referendo. Na nossa vida democrática já vimos e ouvimos muitos discursos dramatizados nas proximidades da votação. Temos presente a imagem de políticos e partidos que se apresentaram às urnas como inquestionáveis ganhadores e, no dia seguinte às eleições, tanto vencidos como vencedores reconheceram a teatralidade dos comícios como encenação hiperbólica de quem dramatiza, tendo presente a distância e o desconto entre o discurso inflamado e a realidade. Os políticos já se conhecem no campo de luta e em seguida na partilha do croquete diplomático e de encenação civilizada.
Caminhamos nessa direcção. Os argumentos de um e outro lado - sim e não ao aborto - ganham o ponto de inflamação duma normal campanha política com o empolgamento das razões dum e doutro lado a ultrapassarem o somatório técnico de argumentos para se votar no dia exacto numa ou noutra proposta.
Mas desta vez não há muitos partidos para eleger. Nem muitas opções para seleccionar. Há o sim e o não ao aborto. Por muito que se diga, em argumentos científicos, técnicos, sentimentais ou morais, coloca-se em jogo abrir à sociedade a lógica de praticar o aborto como acto individual apoiado pelo colectivo, ou como atitude colectiva de recusa ao aborto no respeito pelo drama que cada casal (é disso que se trata) possa viver na escolha que faz sobre o ser que gerou.
Para quem defende o aborto, o inimigo é uma pessoa em formação. A gestação, nascimento e evolução são o obstáculo que, segundo os que defendem o aborto, legitima a suspensão violenta do seu crescimento e chegada à luz na vida. Aqui está o cerne do sim ou do não. O resto - aparentes tolerâncias, compaixões, apoios e gestos liberais para quem expulsa do caminho da vida um ser humano - são aconchegos de linguagem para a via mais fácil de resolver o grave problema da vida com um gesto apressado de morte. Aqui esbarra a consciência de qualquer ser humano - ateu, amoral, de ética estreita ou larga, de humanidade escrupulosa ou permissiva. Está escrito no ser, não legislado por qualquer moral de circunstância. Não há muito por onde fugir.

mais sobre mim
Janeiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

20

22
27



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds