de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 21 Janeiro , 2007, 09:57
Ria de Aveiro

::
APROVEITANDO O CALORZINHO
::

Ontem, dei uma voltinha para ver a Ria, numa zona em que até parece que ela está a dormir. Com a maré a rebentar pelas costuras, as águas estavam mansas, serenas, como que a convidarem-nos a descansar também. Sinto que cada dia é sempre diferente de outro dia. Assim a Ria. Todos os dias, e dentro de cada dia, ela oferece-nos cambiantes inesquecíveis. Ora calma, como ontem à tarde, ora mais agitada, inquieta, como que irritada, tantas vezes. Não sei porquê!
Talvez aborrecida com os ataques que lhe fazem ou com a indiferença com que a olham. Enfim... Ela, como cachopa bonita, gosta que a apreciem...
Pois aqui proponho, neste domingo um pouco cinzento, por enquanto, como sugestão, uma visita à nossa Ria, de encantos raros...
Na foto, vê-se ao longe, embora de forma pouco nítida, a ilha de Sama, que há décadas dava abrigo à Quinta do Rebocho, onde se cultivava um pouco de tudo. Hoje está tudo abandonado, o que é pena. Com gente de imaginação, aquele espaço não poderia acolher, agora, uma estância turística?
F.M.

Editado por Fernando Martins | Domingo, 21 Janeiro , 2007, 09:48


A CRUZADA DAS CRIANÇAS


Caríssimo/a:

Só de pensar neste tema, me junto a Augusto Gil a dizer-chorar-rezar:


Mas as crianças, Senhor,
Porque lhes dais tanta dor,
Porque padecem assim?

E os adjectivos de pessoa bem instalada na vida não se fazem esperar: incrível, horroroso; inacreditável, horrendo; inimaginável, horripilante…
De facto, nunca ouvira qualquer referência e fiquei assim a olhar para as letras como se de um mar de sangue se tratasse, o qual submergia e fazia esquecer a “matança dos Inocentes” de Herodes.
Abri o livro “365 Things to Know”, de Clifford Parker, da 12.a impressão, de 1981, na página 18 e li:

“Between 1100 and 1300 the Christians rulers of Europe organised several expeditions, or crusades, to Palestine with the object of recovering the Holy Places from the Saracens. In 1212 happened the strangest and most tragic crusade of them all: the Children’s Crusade. A twelve-year-old shepherd boy named Stephen went to the King of France with a letter which he said came from Christ, and asked him to start a crusade. The King would not, so Stephen announced that he would organise a crusade of children, and that the sea would miraculously dry up to allow them to walk to the Holy Land.
Stephen set off and soon collected thirty thousand children. Many of them died from hunger and thirst on the march through France to the sea – a hot summer that year had brought drought to the land. When the survivors reached Marseilles, the port on the Mediterranean, they found that the sea would not dry up to let them cross. Two rascally merchants took them aboard seven ships, promising to take them to Palestine, but their real intention was to sell them into slavery. Two of the ships were wrecked in a storm. The rest reached Algeria, where the children were duly sold. Of the thirty thousand children who set off, only one ever got back to France, and that was after eighteen years of slavery.
At the same time as the French Children’s Crusade got under way, another one was started in Germany by a boy called Nicolas. Twenty thousand children set off on this: only one in ten finally returned home.”

Certamente que muitos já conheceriam este facto, mas para quem como eu o ouve pela primeira vez, desenha um mundo de interrogações; à partida, a dúvida: será verdade?
Enciclopédia Britânica na mão e no 6º volume, na página 786 lá está: “…the Children’s crusade of 1212…A shepherd boy named Stephen had appeared in France… In Germany a child from Cologne, named Nicolas …”

Neste Domingo, apetece-me chamar para a minha beira o Espírito Santo para ter uma conversa muito séria com Ele ou, pelo menos, sussurrar:

- Divino ESPIRITO SANTO,
AMOR do PAI e do FILHO,
Soprai, soprai, soprai,
Varrei, varrei, varrei,
Arrancai o nosso coração de pedra
E trocai-o por um coração de carne,
Instaurai o vosso REINO,
REINO de PAZ, de AMOR,
De JUSTICA, PERDÃO e MISERICÓRDIA…
E “as crianças, SENHOR,
Porque lhes dais tanta dor,
Porque padecem assim?”

Manuel

Editado por Fernando Martins | Domingo, 21 Janeiro , 2007, 08:31
REFERENDO SOBRE O ABORTO
::
Numa questão tão delicada, com a vida e a morte em jogo, não se pretende que haja vencedores nem vencidos, mas um diálogo argumentado, para lá da paixão e mesmo da simples compaixão. Ficam alguns pontos para reflectir.
:
1. O aborto é objectivamente um mal moral grave. Aliás, ninguém é a favor do aborto em si, pois é sempre um drama.
2. A vida é um bem fundamental, mas não é um bem absoluto e incondicionado. Se o fosse, como justificar, por exemplo, o martírio voluntário e a morte em legítima defesa?
3. Para o aparecimento de um novo ser humano, não há "o instante" da fecundação, que é processual e demora várias horas.
A gestação é um processo contínuo até ao nascimento. Há, no entanto, alguns "marcos" que não devem ser ignorados. É precisamente o seu conhecimento que leva à distinção entre vida, vida humana e pessoa humana. O blastocisto, por exemplo, é humano, vida e vida humana, mas não um indivíduo humano e, muito menos, uma pessoa humana.
Se entre a fecundação e o início da nidação (sete dias), pode haver a possibilidade de gémeos monozigóticos (verdadeiros), é porque não temos ainda um indivíduo constituído.Antes da décima semana, não havendo ainda actividade neuronal, não é claro que o processo de constituição de um novo ser humano esteja concluído.
De qualquer modo, não se pode chamar homicídio, sem mais, à interrupção da gravidez levada a cabo nesse período.
:
Leia mais no DN

mais sobre mim
Janeiro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

20

22
27



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO
subscrever feeds